Artigos

The need for a joint African Union mechanism for Africa’s debt to China

The framework and problems of debt to China in Africa

Africa is a continent that is mentioned many times because of its vast natural wealth. Unfortunately, this is not reflected in the wealth of the African populations, who consequently suffer a variety of deprivations.

In this context, the issue of the debt owed by African countries to China is taking on somewhat worrying contours. The loans taken out by sub-Saharan African countries from China have seen a major boost, especially since the Road and Belt Initiative (RBI) was established in 2013. This ambitious Chinese initiative, whose main driving force was President Xi Jinping, aimed to increase the country’s economic and geopolitical influence. And while loans grew dramatically in 2013 with 17.5 billion dollars, and even peaked in 2016 with 28.4 billion dollars, in the following years the drop in loan amounts was incessant, reaching 1.2 billion in 2021, and the following year totalling just 994 million dollars (a total of 9 loans), making it the lowest level of Chinese loans since 2004.[1]

Fig.1 – Annual evolution of Chinese loans to Africa (billions of dollars)

Source: Chinese Loans to Africa Database, Boston University

The channelling of this Chinese money into development in Africa, specifically in the financing of various infrastructure projects and other ventures, has stimulated some African economic growth. However, there have been several “grey clouds”, many of which are clearly visible in the Angolan economy, but which also stand out in other countries. This translates into an often undisguised unease in Sino-African relations. Some countries have even become hostages to the so-called “debt trap diplomacy”. China, by unleashing the RBI, provoked the idea of facilitating loans to other developing economy states, and indeed, this ended up making the Asian country the largest international creditor. However, these loans have often lacked transparency: cases of corruption have multiplied, often because the financing did not go through public tender processes. The problem of the so-called ‘hidden debt’ arose when “China stopped lending to central governments and state-owned or state-supported companies. These debts do not appear on government balance sheets, although governments are often responsible for them if the official debtor is unable to pay.”[2]

You might think that this situation could eventually benefit the Chinese, since they have several countries “stuck” with monstrous debts. However, this is not the case, because at the same time, China is facing very serious domestic economic problems, which, until they are solved, will make it difficult to promote a reduction in foreign debt at the same time. [3]

Indeed, the slow recovery from the pandemic, the problem of youth unemployment, and the collapse of the property sector have shaken what seemed to be China’s unshakeable growth. This is how Christoph Nedopil, founder and director of the Chinese think tank Green Finance and Development Centre (GFDC), argues: “it will be a domestic challenge for China to simultaneously promote debt reduction abroad as long as domestic economic problems are not fully resolved.”[4]

In December 2022, Chatham House published a report analysing the development of the model of Chinese loans to African states (2000-2020), which were initially based on providing resources, and then evolved into more strategic or business-oriented choices.

Fig 2: Top 10 recipients of Chinese loans in Africa, 2000-20

Source: Chatham House: https://www.chathamhouse.org/2022/12/response-debt-distress-africa-and-role-china/02-case-studies-chinese-lending-africa

It should be noted, however, that from 2021 onwards the Asian country’s orientation changed, for reasons already mentioned, and also because several states were not meeting their payments. The Chinese leadership changed course and stopped investing in large projects, such as railways and motorways, to focus on smaller loans with a more beneficial social and environmental impact. The climate agenda was another factor to enter the equation.[5]

In addition, the money began to change direction; previously most of the loans went to countries in East and Southern Africa. From 2021-22 there was a shift towards West Africa, with countries like Senegal, Benin and Côte d’Ivoire receiving most of the money.[6]

Many African states and others have defaulted on their debts, so it was imperative that ways were found to resolve China’s so-called ‘odious debt’.

According to the International Monetary Fund (IMF), the world’s most indebted poor countries have all borrowed heavily from China. This situation, as we have already mentioned, may constitute “debt trap diplomacy”, in which China deliberately grants loans to countries it knows it cannot repay, in the hope of gaining political influence.[7]

What we saw last year was a growth in Chinese exports to Africa, which reached 173 billion dollars, an increase of 7.5 per cent compared to 2022, while its imports from the continent fell by 6.7 per cent to 109 billion dollars (data provided by the Chinese General Administration of Customs).

Although the annual increase of 100 million dollars made bilateral trade in 2023 a record, Africa’s trade deficit with China continued to rise, from 46.9 billion dollars in 2022 to 64 billion dollars last year.[8]

In 2022, 60 per cent of China’s debtor nations were in financial difficulties, compared to 5 per cent in 2010.[9]

How have some of these African nations dealt with this debt problem, and how has China changed its behaviour over time?

Let’s analyse a few cases:

Zambia:

The Middle Kingdom has been tough in the debt restructuring negotiations, and the situation, despite all the constraints, is not worse because other actors are gaining prominence, not just states, such as economic institutions like the IMF or the World Bank, or organisations that promote international negotiation and dialogue, such as the G20.

In the case of Zambia, which is the continent’s largest copper producer, it was the first sovereign nation in Africa during the pandemic to default when it failed to make a bond payment of 42.5 million dollars. The debt ended up preventing the country from developing economically and taking on new projects. So, in June 2023, Zambia and its creditors, including China, finally reached an agreement within the G20 Common Framework to restructure 6.3 billion dollars in loans.[10] This relief was limited to deadline extensions and a grace period on interest payments, but in order to reach a consensus there were no debt cuts,

However, in November there were already disagreements, as the Zambian government announced that a revised agreement to rework 3 billion dollars in eurobonds could not be implemented due to objections from official creditors, including China.

These problems in restructuring Zambia’s debt, which had been negotiated within the G20 Common Framework, ended up greatly undermining the negotiations and further delaying debt restructuring, putting the lives of ordinary Zambians in ever greater agony.[11]

Ghana:

At the beginning of last year, Ghana owed China 1.7 billion dollars, according to the International Institute of Finance, a financial services trade association focused on emerging markets.[12] Like Zambia, Ghana went into sovereign default on 60 billion dollars in domestic and external debt at the end of 2022 and sought a resolution to this problem soon afterwards under the Common Framework for official external debt of 5.4 billion dollars.[13]

An agreement was reached with the official creditors to restructure the debt, along the same lines as Zambia. However, although this agreement has unlocked an IMF loan, progress has been slow.

Currently, according to some sources, “Ghana intends to carry out a simple debt restructuring, exchanging old bonds for new notes, at a time when the country is seeking to relieve a debt of around 13 billion dollars owed to international private creditors”.[14] However, the information provided has been contradictory, which is why the Ghanaian government has been cautious about a debt overhaul that would include a gradual reduction, in which bondholders would receive less if macroeconomic results were not as good as expected.[15]

Nevertheless, the government has told investors that it would like to reach a solution following the agreement on public debt reached with creditors such as the Paris Club and China.

Ethiopia:

Ethiopia is the second most populous country in Africa and the tenth largest in terms of area, but it is also one of the African states experiencing the greatest geopolitical, military and economic turbulence. The proximity to the Chinese state goes back a long way. Ethiopia recently signed several bilateral agreements with several of its official creditors, including China itself. With low foreign currency reserves, which have been a constant problem in the country, and high inflation, it has reached bilateral agreements to suspend debt servicing. With China, it obtained a two-year debt suspension, which is quickly being cancelled. Ethiopia has 28.2 billion dollars in foreign debt, half of which is Chinese. According to the African Development Bank, Ethiopia’s GDP is expected to grow by 5.8 per cent in 2023 and 6.2 per cent in 2024, mainly on the basis of industry, consumption and investment. On the other hand, inflation reached 34 per cent in 2022. Due to high defence spending and declining revenue collection, the budget deficit was 4.2% of GDP in 2022.[16] Against this backdrop, Ethiopia needs development support, debt relief and Foreign Direct Investment.[17]

The Angolan situation

Angola’s debt to China is older than the Belt and Road initiative of 2013. It began to develop after the end of the Civil War in 2002, with China becoming the main financier of the reconstruction that followed. At the moment, according to official data from the National Bank of Angola (BNA), Angola’s public debt stock in relation to China is 18.4 billion dollars (billions in Anglo-American terms), corresponding to 37 per cent of the total debt. What’s more, the figures show that between 2019 and 2023 this amount fell from 22.4 billion to 18.4 billion. This means that, in four years, Angola has paid – in capital alone, not counting interest – 4 billion dollars to China[18] . Everyone has noticed the weight that public debt payments have on the state budget, and there were serious problems with Angola’s public finances in 2023, and it is expected that the same will happen in 2024, especially from March onwards, given the need for payments to China.

Although we don’t believe that the payment of the debt to China jeopardises the solvency of the Angolan state, we do believe that it has a very significant crowding out effect, since it removes resources from the General State Budget that could be earmarked for development and the social sector to pay off debt, debt that is controversial to some extent, since the loans were used in a very questionable way: Part of that debt was earmarked for disposable infrastructure, such as stadiums and roads that today are in a precarious condition. In addition, a significant portion of these loans ended up being privately appropriated by Angolan leaders, damaging the country’s economy.

There is a clear Angolan problem with Chinese debt, which, as we have just briefly described, also exists in relation to other African countries.

Fig. 3 – Chinese loans to Africa and Angola (in USD$ billion)

Source: China Africa Research Initiative – Johns Hopkins University (https://www.sais-cari.org/) 

The creation of a common mechanism within the African Union (AU) to negotiate Chinese debt

Since the Chinese debt is an African issue, it should no longer be dealt with bilaterally, as it is clear that each state on its own may be too weak to negotiate with China, one of the world powers of today, or to appear alone in the organisations promoted by the creditors. The creditors unite, while the African countries face them individually without support.

It would be important for the Conference of the African Union, the AU’s supreme body made up of heads of state and government (Article 6 of the AU’s Constitutive Act), to set up a Joint Chinese Debt Negotiation Committee (Article 6(d)), mandated to negotiate with the Chinese authorities a global framework for readjusting Africa’s debt to China, which would then be applied to all those seeking debt relief.

It is clear that negotiating Africa’s debt with China is a complex process that involves interaction between different parties with different interests and objectives. In order to achieve success, it is essential to consider African unity in demanding Chinese co-operation. This unity means, from the outset, gathering information and obtaining as many elements as possible for the negotiation, which a joint body can facilitate. In complex negotiations, time and the ability to understand the other person are fundamental aspects, and in this sense, a unified African solution will allow for a much greater exchange of experiences and, at the same time, a more technical, less emotional and more ‘negotiatingly’ weighty follow-up to the negotiation.

It is essential that Africa draws up a joint policy to deal with Chinese debt on an equal footing and not from a position of weakness.

A clear solution is to pass all the negotiations through a united African body within the African Union, becoming an enlarged African Union-China negotiation. This would also make it possible to strengthen the unity of the cradle continent.


[1] https://www.reuters.com/world/africa/chinese-loans-africa-plummet-near-two-decade-low-study-2023-09-19/

[2] Africa Defence Forum Magazine: https://adf-magazine.com/pt-pt/2022/02/dividas-com-a-china-colocam-20-paises-africanos-em-dificuldades-financeiras/

[3] https://www.bbc.com/portuguese/articles/cmj544lg205o

[4] idem

[5] https://www.voanews.com/a/china-s-lending-to-africa-hits-a-low-study-shows/7280214.html

[6] idem

[7]  Visual Capitalist: https://www.visualcapitalist.com/countries-loans-from-china/

[8] South China Morning Post: https://www.scmp.com/news/china/diplomacy/article/3250552/china-africa-trade-hit-282-billion-2023-africas-trade-deficit-widens-commodity-prices-key-factor

[9] Visual Capitalist: https://www.visualcapitalist.com/countries-loans-from-china/

[10] Associated Press: https://apnews.com/article/zambia-debt-restructuring-deal-china-a0d14e7af986e2f873555685cedb86b3

[11] Afronomics Law: https://www.afronomicslaw.org/category/african-sovereign-debt-justice-network-afsdjn/one-hundred-and-fourth-sovereign-debt-news

[12] https://www.reuters.com/world/africa/china-says-its-official-bilateral-loans-are-less-than-5-ghana-debt-2023-03-02/

[13] Economist Intelligence: https://www.eiu.com/n/china-and-africas-long-road-to-debt-recovery/

[14] https://www.reuters.com/markets/rates-bonds/ghana-pushes-simple-debt-rework-proposal-bondholders-sources-2024-01-30/

[15] idem

[16] Observer Research Foundation: https://www.orfonline.org/research/the-changing-face-of-ethiopia

[17] idem

[18] Rui Verde, https://www.makaangola.org/2024/01/angola-eua-trump-e-divida-a-china/

A necessidade de um mecanismo conjunto da União Africana para a dívida africana à China

O enquadramento e problemas da dívida à China em África

África é um continente que é mencionado múltiplas vezes por causa das suas vastas riquezas naturais. Desafortunadamente, isso não se reflete na riqueza das populações africanas, que consequentemente sofrem variadas privações.

Neste contexto, a questão da dívida dos países africanos à China vai ganhando contornos algo preocupantes. Os empréstimos contraídos pelos países da África Subsariana à China conheceram um grande impulso, principalmente a partir do momento que foi estabelecida a Road and Belt Initiative (RBI), em 2013. Esta ambiciosa iniciativa chinesa, que teve como fundamental motivador, o Presidente Xi Jinping, apresentava como grande objetivo aumentar a influência económica e geopolítica do país. E se os empréstimos conheceram um grande crescimento em 2013 com 17.5 biliões de dólares, tendo mesmo atingido o auge em 2016 com 28.4 biliões de dólares, nos anos seguintes a queda nos valores dos empréstimos foi incessante, atingido os 1.2 biliões em 2021, e no ano seguinte totalizando apenas 994 milhões de dólares (um total de 9 empréstimos), destacando-se como o nível mais baixo de empréstimos chineses desde 2004.[1]

Fig.1 – Evolução anual dos Empréstimos Chineses para África (biliões dólares)

Fonte: Chinese Loans to Africa Database, Boston University

A canalização deste dinheiro chinês para o desenvolvimento de África, designadamente no financiamento de vários projetos de infraestruturas e outros empreendimentos, tem estimulado algum crescimento económico africano. Contudo, têm existido várias “nuvens cinzentas”, muitas delas bem visíveis na economia angolana, mas que também se destacam noutros países. Isso traduz-se num mal-estar muitas vezes indisfarçável nas relações sino-africanas. Alguns países, inclusive, tornaram-se eventualmente reféns da chamada “diplomacia da armadilha da dívida”. A China, ao desencadear a RBI, provocou a ideia de facilitismo de empréstimo a outros estados de economias em desenvolvimento, e de facto, isso acabou por tornar o país asiático no maior credor internacional. No entanto, inúmeras vezes esses empréstimos careceram de transparência: os casos de corrupção foram-se multiplicando, muitas vezes porque os financiamentos não passavam por processos de concurso público. O problema da denominada ‘dívida oculta’ surgiu quando “a China deixou de emprestar aos governos centrais e a empresas estatais ou apoiadas pelo Estado. Estas dívidas não aparecem nos balanços financeiros do governo, embora frequentemente os governos sejam responsáveis por elas caso o devedor oficial não seja capaz de pagar”.[2]

Podia-se pensar que esta situação poderia a prazo trazer benefícios para os chineses, uma vez que têm vários países “presos” a dívidas monstruosas. Contudo, não é bem assim, pois ao mesmo tempo, a China está a enfrentar problemas económicos domésticos muito graves, que enquanto não forem solucionados, será difícil conseguir promover ao mesmo tempo uma redução da dívida estrangeira.[3]

Com efeito, a lenta recuperação após a pandemia, o problema do desemprego jovem, e a falência do sector imobiliário, têm abanado o que parecia ser um crescimento inabalável da China. Assim, é como Christoph Nedopil, fundador e diretor do think tank chinês Green Finance and Development Center (GFDC), argumenta: “será um desafio interno para a China promover simultaneamente a redução das dívidas no exterior enquanto os problemas económicos domésticos não forem totalmente resolvidos”.[4]

Em Dezembro de 2022, a Chatham House publicou um relatório que analisava o desenvolvimento do modelo dos empréstimos chineses aos estados africanos (2000-2020), que numa fase inicial se fundamentavam em fornecimento de recursos, para evoluírem depois para escolhas mais estratégicas, ou orientadas para o negócio.

Fig 2: Os 10 principais beneficiários de empréstimos chineses em África, 2000-20

Fonte: Chatham House: https://www.chathamhouse.org/2022/12/response-debt-distress-africa-and-role-china/02-case-studies-chinese-lending-africa

Note-se, no entanto, que a partir de 2021 a orientação do país asiático alterou-se, por motivos já anteriormente mencionados, e também porque vários estados não estavam a cumprir com os pagamentos. A liderança chinesa, mudou de rumo e passou a deixar de investir em grandes projetos, como caminhos-de-ferro e autoestradas, para se concentrar em empréstimos mais pequenos, com um impacto social e ambiental mais benéfico. A agenda climática foi mais um fator a entrar na equação.[5]

Além disso, o dinheiro começou a mudar de direção; anteriormente a maioria dos empréstimos iam para os países da África Oriental e Austral. A partir de 2021-22 houve uma mudança para a África Ocidental, com países como o Senegal, Benim e a Costa do Marfim a receberem a maioria das verbas.[6]

Muitos dos estados africanos, e não só, entraram em incumprimento da dívida, por isso era imperativo que fossem trilhados caminhos para que se arranjassem soluções para resolver a já chamada ‘dívida odiosa’ da China.

Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), os países pobres mais endividados do mundo têm todos contraído grandes empréstimos junto da China. Esta situação, como já referimos, pode constituir a “diplomacia da armadilha da dívida”, em que a China concede deliberadamente empréstimos a países que sabe não poderem pagar, na esperança de ganhar influência política.[7]

O que tivemos no ano passado foi um crescimento das exportações chinesas para África, que atingiu os 173 biliões de dólares, um aumento de 7,5 % em relação a 2022, enquanto as suas importações do continente caíram 6,7 %, para 109 biliões de dólares (dados fornecidos pela Administração Geral das Alfândegas chinesa).

Embora o aumento anual de 100 milhões de dólares tenha feito do comércio bilateral de 2023 um recorde, o défice comercial de África com a China continuou a aumentar, passando de 46,9 biliões de dólares em 2022 para 64 biliões de dólares no ano passado.[8]

Em 2022, 60% das nações devedoras da China estavam em dificuldades financeiras, contra 5% em 2010.[9]

Como é que algumas destas nações africanas têm enfrentado este problema da dívida, e de que forma a China tem modificado o seu comportamento ao longo do tempo?

Analisemos alguns casos:

Zâmbia:

O Império do Meio tem sido duro nas negociações para a reestruturação da dívida, e a conjuntura, apesar de todas as condicionantes, só não é pior, porque ganham relevância outros atores, que não apenas os estados, tais como instituições económicas, como o FMI, ou o Banco Mundial, ou organizações que promovem a negociação internacional e o diálogo, como por exemplo, o G20.

No caso da Zâmbia, que é o maior produtor de cobre do continente, foi a primeira nação soberana de África no período da pandemia a entrar em incumprimento quando não conseguiu efetuar um pagamento de obrigações de 42,5 milhões de dólares. A dívida acabou por impedir o país de se desenvolver economicamente e de assumir novos projetos. Desse modo, em Junho de 2023, a Zâmbia e os seus credores nos quais se incluía a China, acabaram por chegar a um acordo no âmbito do Quadro Comum do G20, para reestruturar 6,3 biliões de dólares em empréstimos.[10] Este alívio limitou-se a prorrogações de prazos e a um período de carência no pagamento de juros, mas para se chegar a um consenso não houve cortes na dívida,

Todavia, em Novembro, já havia desentendimentos, uma vez que o governo zambiano anunciou que um acordo revisto para retrabalhar 3 biliões de dólares em euro-obrigações não poderia ser implementado devido a objeções dos credores oficiais, incluindo a China.

Estes problemas de reestruturação da dívida da Zâmbia, que tinha sido negociada no âmbito do Quadro Comum do G20, acabou por minar bastante as negociações e atrasar ainda mais a reestruturação da dívida, colocando cada vez mais em agonia a vida do cidadão comum da Zâmbia.[11]

Gana:

No início do ano passado, o Gana devia à China 1,7 biliões de dólares, de acordo com o Instituto Internacional de Finanças, uma associação comercial de serviços financeiros focada nos mercados emergentes.[12] Tal como a Zâmbia, o Gana entrou em incumprimento soberano de 60 biliões de dólares em dívida interna e externa no final de 2022 e procurou logo a seguir uma resolução para este problema, ao abrigo do Quadro Comum para a dívida externa oficial de 5,4 biliões de dólares.[13]

Um acordo com os credores oficiais para a reestruturação da dívida foi estabelecido, seguindo o mesmo figurino da Zâmbia. Contudo, apesar de este acordo ter permitido desbloquear um empréstimo do FMI, o progresso tem sido arrastado.

Atualmente, segundo algumas fontes, “o Gana pretende proceder a uma simples reestruturação da dívida, trocando obrigações antigas por novas notas, numa altura em que o país procura aliviar a dívida de cerca de 13 biliões de dólares a credores privados internacionais”.[14] Todavia, as informações veiculadas têm sido contraditórias, por isso o governo ganês, mostrou-se cauteloso  quanto a uma reformulação da dívida que incluísse uma redução gradual, em que os detentores de obrigações recebessem menos se os resultados macroeconómicos não fossem tão bons como esperado.[15]

Não obstante, o governo disse aos investidores que gostaria de chegar a uma solução, após o acordo sobre a dívida pública alcançado com credores, tais como o ‘Clube de Paris’ e a China.

Etiópia:

A Etiópia é o segundo país mais populoso de África e o décimo maior em termos de área, mas é também dos estados africanos que vive uma maior turbulência a nível geopolítico, militar e económico. A proximidade com o estado chinês já vem de trás. Há tempos a Etiópia fechou vários acordos bilaterais com vários dos seus credores oficiais, entre os quais a própria China. Com as reservas de divisas reduzidas, que têm sido um problema constante no país, e uma inflação elevada, chegou a acordos bilaterais de suspensão do serviço da dívida. Com a China obteve uma suspensão da dívida de dois anos., que rapidamente passam. A Etiópia tem 28,2 biliões de dólares em dívidas externas, metade das quais são chinesas. De acordo com o Banco Africano de Desenvolvimento, o PIB da Etiópia deverá crescer 5,8 % em 2023 e 6,2 % em 2024, principalmente com base na indústria, no consumo e no investimento. Por outro lado, a inflação atingiu os 34% em 2022. Devido às elevadas despesas com a defesa e à diminuição da cobrança de receitas, o défice orçamental foi de 4,2% do PIB em 2022.[16]Perante este cenário, a Etiópia precisa de apoio ao desenvolvimento, alívio da dívida e Investimento Direto Externo.[17]

A situação angolana

A situação da dívida angolana à China é mais antiga do que a iniciativa Belt and Road de 2013, começando a ser desenvolvida a partir do final da Guerra Civil em 2002, constituindo-se a China no principal financiador da reconstrução que se sucedeu. Neste momento, considerando os dados oficiais do Banco Nacional de Angola (BNA), o stock da dívida pública de Angola em relação à China é 18,4 mil milhões de dólares (biliões na designação anglo-americana), correspondendo a 37% da dívida total. Mais do que isso, os números mostram que entre 2019 e 2023 esse montante desceu de 22,4 mil milhões para 18,4 mil milhões. Tal significa que, em quatro anos, Angola pagou – só de capital, sem contar com juros – 4 mil milhões de dólares à China[18]. Tem sido notado por todos o peso que o pagamento da dívida pública tem no Orçamento Geral do Estado, notando-se sérios apertos nas Finanças Públicas angolanas em 2023, e antevendo-se que o mesmo aconteça em 2024, sobretudo a partir de Março, tendo em conta as necessidades de pagamentos à China.

Embora, não entendamos que o pagamento da dívida à China coloca em causa a solvabilidade do Estado angolano, entendemos que tem um efeito crowding out muito significativo, uma vez que retira recursos do Orçamento Geral do Estado que poderiam ser destinados ao desenvolvimento e ao sector social para pagamento de dívida, dívida que em certa parte é polémica, uma vez que houve uma utilização muito questionável dos empréstimos: Parte dessa dívida foi destinada a infraestruturas descartáveis, como estádios e estradas que hoje estão em condições precárias. Além disso, uma parcela significativa desses empréstimos acabou apropriada privadamente por dirigentes angolanos, prejudicando a economia do país.

Há um claro problema angolano com a dívida chinesa, que como acabámos de descrever sumariamente, também existe em relação a outros países africanos.

Fig. 3 – Empréstimos chineses a África e Angola (em USD$ biliões)

Fonte: China Africa Research Initiative – Johns Hopkins University (https://www.sais-cari.org/)

 A criação de um mecanismo comum na União Africana (UA) para negociar a dívida chinesa

Sendo a dívida chinesa uma questão africana, não deve continuar a ser encarada bilateralmente, tornando-se evidente que cada Estado, por si, pode ser demasiado fraco para negociar com a China, uma das potências mundiais da atualidade ou para surgir sozinho nas organizações que os credores promovem. Os credores unem-se, enquanto os países africanos os enfrentam sem apoio, individualmente.

Seria importante que a Conferência da União Africana, órgão supremo da UA composto pelos chefes de estado e de governo (art.º 6 do Acto Constitutivo da UA) criasse um Comité Conjunto de Negociação da Dívida Chinesa (art.º 6.º, d) de si dependente, mandatado para negociar com as autoridades chinesas um quadro global de reajustamento da dívida africana para com a China, que depois seria aplicado a todos os que pretendessem um aligeiramento da divida.

Torna-se evidente que a negociação da divida africana com a China é um processo complexo que envolve a interação entre as diferentes partes com interesses e objetivos distintos. Para alcançar o sucesso é fundamental considerar a unidade africana para exigir a cooperação chinesa. Essa unidade traduz-se, desde logo, em reunir informações e obter o máximo de elementos para a negociação, o que um órgão conjunto pode facilitar. Em negociações complexas, o tempo e a capacidade de entender o outro são aspetos fundamentais, e nesse sentido, uma solução una africana permitirá uma muito maior troca de experiências, e, simultaneamente, um acompanhamento mais técnico, menos emotivo e com mais peso negocial da negociação.

Torna-se fundamental que África delineie uma política conjunta para lidar com a dívida chinesa de igual para igual e não numa posição de fraqueza.

Uma solução clara é fazer passar todas as negociações por um corpo unido africano dentro da União Africana, tornando-se numa negociação alargada União Africana-China. Tal permitiria igualmente reforçar a unidade do continente berço.


[1] https://www.reuters.com/world/africa/chinese-loans-africa-plummet-near-two-decade-low-study-2023-09-19/

[2] Africa Defense Forum Magazine:  https://adf-magazine.com/pt-pt/2022/02/dividas-com-a-china-colocam-20-paises-africanos-em-dificuldades-financeiras/

[3] https://www.bbc.com/portuguese/articles/cmj544lg205o

[4] idem

[5] https://www.voanews.com/a/china-s-lending-to-africa-hits-a-low-study-shows/7280214.html

[6] idem

[7]  Visual Capitalist: https://www.visualcapitalist.com/countries-loans-from-china/

[8] South China Morning Post: https://www.scmp.com/news/china/diplomacy/article/3250552/china-africa-trade-hit-282-billion-2023-africas-trade-deficit-widens-commodity-prices-key-factor

[9] Visual Capitalist:  https://www.visualcapitalist.com/countries-loans-from-china/

[10] Associated Press: https://apnews.com/article/zambia-debt-restructuring-deal-china-a0d14e7af986e2f873555685cedb86b3

[11] Afronomics Law: https://www.afronomicslaw.org/category/african-sovereign-debt-justice-network-afsdjn/one-hundred-and-fourth-sovereign-debt-news

[12] https://www.reuters.com/world/africa/china-says-its-official-bilateral-loans-are-less-than-5-ghana-debt-2023-03-02/

[13] Economist Intelligence:  https://www.eiu.com/n/china-and-africas-long-road-to-debt-recovery/

[14] https://www.reuters.com/markets/rates-bonds/ghana-pushes-simple-debt-rework-proposal-bondholders-sources-2024-01-30/

[15] idem

[16] Observer Research Foundation: https://www.orfonline.org/research/the-changing-face-of-ethiopia

[17] idem

[18] Rui Verde, https://www.makaangola.org/2024/01/angola-eua-trump-e-divida-a-china/

The current economic situation in China and Angola

China’s economic crisis: facts and causes

There is a problem in the Chinese economy that appears to be structural and could affect relations with debtor countries such as Angola. Various factors are contributing to a decline in economic growth in China and an increase in unemployment, especially among young people, which could also imply some political instability within China itself.

Let’s start with some recent figures[1] :

-The July credit data released on 11 August showed a drop in demand for loans from companies.

-Retail sales rose by just 2.5 per cent in July compared to the previous year, below expectations of a 4.5 per cent increase.

-Industrial production only rose by 3.7 per cent in July compared to the previous year, below the 4.4 per cent increase that analysts were expecting.

The truth is that recent statistics published by China have caused severe concern.  In addition to the aforementioned statistics, consumer prices in July were lower than a year ago, suggesting that we may be on the verge of deflation, which reflects a chronic shortage of demand in the economy. China’s foreign trade in the same month of July showed a sharp drop in exports due to weak global demand, accompanied by a sharper decline in imports, signifying the aforementioned weakness in domestic demand. Chinese companies and families are “shrinking”[2] . The seriousness of the situation led China’s leaders at a Politburo meeting last month to refer to this year’s economic recovery as “torture[3] .”

This poor performance raises several thoughts. The first is that we shouldn’t exaggerate. Just as there was an exaggeration in previous announcements about China as an economic superpower, when its GDP per capita will not exceed 13,000 USD in 2021,[4] while the GDP per capita in the United States is more than 70,000 USD, or even 25,000 USD in Portugal, the opposite exaggeration should not be made either, that China has entered an insurmountable abyss. What is clear is that the Chinese economy is in a moment of correction, as is the case with all economies, possibly requiring profound reforms and political adjustments.

Therefore, the context we have adopted in this work is to consider a crisis in the Chinese economy, but to believe that the right policy choices can overcome this crisis.

At this very moment, hopes of a Chinese recovery from the pandemic have faded, as consumption has generally been very subdued, especially for expensive items such as cars and houses, and private investment, the backbone of China’s economy, fell in the first half of this year for the first time since such data was published. Private companies and entrepreneurs aren’t spending much on investment or hiring staff. Youth unemployment has reached 21 per cent. The annual graduation of 11 to 12 million students this summer will exacerbate an already difficult situation because of the problems of finding suitable work and also because the Chinese labour market has become one in which most jobs are low-paid, low-skilled or in the informal economy.

It seems wrong to attribute all this to the pandemic. Most of the threats to China’s economy were growing a few years ago. The fundamental problem is that China has generated, over the last decade or more, a mountain of bad debts, unprofitable and uncommercial infrastructure and real estate, empty flat blocks, underused transport facilities and overcapacity, for example in coal, steel, solar panels and electric vehicles. Productivity growth has stagnated and China can boast one of the highest levels of inequality in the world[5] .

Furthermore, under Xi Jinping, it developed a more intense, state-centred and controlling system of governance, both for political reasons and to deal with the effects of its ailing development model.

We wonder to what extent the political interventions to limit billionaires like Jack Ma[6] have been positive for the economic environment. Whilst it’s true that they have averted the Russian danger of oligarchic state domination and signalled to the general population that power is concerned about excesses, it’s also true that they have sent a chill down the entrepreneurial spirit necessary for a competitive economy. Everyone will be afraid of growing too much, of being too conspicuous and, ultimately, of innovating. Because innovation and excessive attention can have negative repercussions.

In a way, the “animal spirit” that Keynes spoke of as the engine of any healthy economy has been “tamed” in China and this may be the main problem of its economy, which is neither measurable nor solvable with technical measures.

Chinese reaction and other possible directions

For the time being, China has announced the suspension of the release of the official unemployment rate among China’s urban youth aged between 16 and 24, which reached a new all-time high of 21.3 per cent in June. The State Council published new guidelines for stepping up efforts to attract foreign investment. And the central bank lowered interest rates[7] .
 None of these measures seem to have the strength to reverse the cycle of decline in the Chinese economy.

Many authors argue that a huge fiscal stimulus would be needed to energise the economy, which should not be translated into more debt, but into pure “printing” of money, which makes sense in a situation of deflation. A kind of “helicopters with money” flying over the cities and dropping it off.[8]

It is also possible that this crisis will force the Chinese president to revise his policy towards the large economic groups and the business community in general, opting, like Lenin a century ago, for a new liberalisation and flexibilisation, while also seeking to ease the tension that has been building up between China and the United States.

In fact, we believe that a good part of the solution to China’s current economic problems lies in politics rather than economics, and in both domestic and foreign policy. Probably the best way out of the crisis would be to reintroduce the more ambiguous and flexible system of Jiang Zemin’s time. Jiang Zemin, president of China from 1993 to 2003, is considered “the man who changed China”. Many Chinese who grew up in the 1990s remember Jiang Zemin for overseeing China’s entry into the World Trade Organisation, and also for allowing the film Titanic to be broadcast. During the Asian financial crisis, Jiang emphasised the importance of finance and financial security for China’s national security and the building of a modern economy. At the same time, this did not imply a lessening of the power of the Chinese Communist Party and its political control. Some authors point to his tarnished record in relation to human rights and freedom of expression. Zemin oversaw the repression of national dissidents, the banning of religious groups such as Falun Gong and the suppression of the press and the Internet, and also maintained an uncompromising stance on Taiwan[9] .

The advantage for Jiang Zemin’s China is that he was able to maintain a balance between liberating market forces and innovation, and the Communist Party’s control of China.

And our opinion is that a large part of the Chinese crisis is not the result of economic factors alone or above all, but of the loss of that balance point that needs to be recovered.

Obviously, this doesn’t just depend on the Chinese leadership, but also on a change in the external situation of quasi-confrontation between the United States and China.

It’s well known that since the time of Donald Trump there has been a shift in US foreign policy towards China. What seemed like “Trumpism” became a central US policy under Joe Biden and today the United States sees and treats China as a potential future enemy that must be contained. Naturally, this coincided with Xi Jinping’s nationalist assertion, which abandoned the previous external caution, and began to want a strong China in the world context and without complexes, wanting the country to be a post-hegemonic alternative to the United States. So on both sides we had a voluntary confrontational initiative.

The question that arises is whether it is possible to retract and create a new space for US-China collaboration, which will certainly increase China’s prosperity, or whether the course is definitely strategic confrontation? In this confrontation, China will tend to compartmentalise and close itself off, losing the capacity for innovation linked to entrepreneurship, which increases the chances of conflict (more or less direct war) and hinders any Chinese economic recovery.

Impacts in Angola

This is the real situation of the Chinese economy at the moment. As mentioned, the fundamental “brakes” on growth seem to be twofold: from an economic point of view, excessive debt, and from a political point of view, which seems more important to us for the medium and long term, the accentuation of the force of political power in the economy and society, and the political condemnation of entrepreneurship and innovation.

Faced with this scenario, Angola is confronted with advantages and disadvantages that act dynamically.

One advantage is Luanda’s rapprochement with the United States and its relations with China. Angola could be a bridge country for a reunion between the two powers, a kind of proving ground where both can co-operate, compete and survive for mutual benefit. However, it could also become a disadvantage for the same reason, with Angola becoming one of the areas of dispute between the two powers, both wanting to pull it into their sphere of influence. This would be another difficult balance for João Lourenço to maintain.

In economic terms, there will be a possible tendency for the Chinese authorities to become more inflexible in relation to foreign debts, and this may already be happening with Angola, or could happen in the future. This is the normal reaction of countries in a “squeeze.” There is therefore the danger of greater Chinese pressure in economic terms on Angola, which could jeopardise Angola’s once again perilous public finances.

The “tree of patacas” spirit that prevailed in China-Angola financial relations from 2002 onwards is definitely over and will not be recovered. China will behave towards Angola, in greater or lesser detail, like any other international creditor, and its pressure will increase as the Chinese domestic economic situation deteriorates. Another challenge for João Lourenço.

One advantage that Angola could offer China is the creation of a large labour market for its young graduates. Cooperation agreements could be made to put Chinese people in Angola to train Angolan staff and help implement policies in areas such as public administration, in which China has millennia of experience, or telecommunications and information technology.

The Chinese civil service system has provided stability for the Chinese empire for more than 2,000 years and has provided one of the main outlets for social mobility in Chinese society. Today, in the 1980s, it has made a successful transition from a centralised Marxist economy to a mixed economy with strong growth.

China has also become one of the largest telecoms markets in the world, with more than one billion Internet users and monthly revenues of more than 130 billion yuan from the telecoms sector. The country has undergone several waves of reforms over the last three decades to liberalise and privatise its telecommunications industry. It is the experience gained in this immensity that can be put at the service of Angolans.

In these terms, the current phase of China-Angola relations could partly leave physical capital behind and centre on human capital, showing that relations between countries can mature. Angola could provide an outlet for Chinese companies and their young people.

What we have to realise is that the relationship is entering a “mature” phase in which each country has its own interests to defend.  China will no longer bring “rains of money”, but rational investments, and this is what Angola must count on and counter. In fact, in terms of future markets, investment opportunities and an escape from China’s problems, Angola has a lot to offer and can be the “bargaining chip” in various negotiations.


[1] https://www.cnbc.com/2023/08/14/china-economy-new-loans-fall-property-fears-low-consumer-sentiment-.html

[2] https://www.cnbc.com/2023/08/17/david-roche-chinas-economic-model-is-washed-up-on-the-beach.html

[3] https://www.theguardian.com/business/2023/aug/11/china-economic-problems-show-things-are-seriously-amiss

[4] https://www.ceicdata.com/pt/indicator/china/gdp-per-capita

[5] On the structural and long-term problems of the Chinese economy see Frank Dikotter, China after Mao – The rise of a superpower, 2023.

[6] https://www.forbes.com/sites/georgecalhoun/2021/06/07/the-sad-end-of-jack-ma-inc/

[7] https://www.nytimes.com/2023/08/15/business/china-economy-downturn-unemployment.html, https://www.bloomberg.com/news/features/2023-08-20/xi-jinping-is-running-china-s-economy-cold-on-purpose?in_source=embedded-checkout-banner,

[8] Rui Verde, Helicópteros com dinheiro, 2013

[9] https://www.cfr.org/blog/jiang-zemin-put-chinas-economic-opening-practice

A atual situação económica na China e Angola

Crise da economia chinesa: factos e causas

Está a existir um problema na economia chinesa que parece estrutural e poderá afetar as relações com países devedores, como Angola. Vários fatores estão a contribuir para uma diminuição do crescimento económico na China e o aumento do desemprego, sobretudo jovem, o que poderá também implicar alguma instabilidade política dentro da própria China.

Comecemos por referir alguns dados avulsos recentes[1]:

-Os dados de crédito de julho divulgados no passado dia 11 de Agosto mostraram uma queda na procura de empréstimos por parte de empresas.

-As vendas no retalho subiram apenas 2,5% em julho em relação ao ano anterior, abaixo das expectativas de um aumento de 4,5%.

-A produção industrial somente aumentou 3,7% em julho em relação ao ano anterior, abaixo do aumento de 4,4% que os analistas esperavam.

A verdade é que as estatísticas recentes publicadas pela China causaram severa preocupação.  Além das estatísticas acima mencionadas, os preços ao consumidor em julho estavam mais baixos do que há um ano, sugerindo que se pode estar à beira da deflação, o que reflete uma escassez crónica da procura na economia. O comércio exterior da China no mesmo mês de julho mostrou uma queda acentuada nas exportações devido à fraca procura global, acompanhada por um declínio mais acentuado nas importações, significando a referida fraqueza na procura doméstica. As empresas e famílias chinesas estão “encolhidas”[2]. A gravidade da situação levou a que numa reunião do Politburo no mês passado, os dirigentes da China se referissem à recuperação económica deste ano como “tortura[3].”

Todo este fraco desempenho levanta-nos várias reflexões. A primeira é que não se deve entrar em exageros. Assim, como houve um exagero nos anúncios pretéritos acerca da China como superpotência económica, quando o seu PIB per capita não ultrapassa os 13.000 USD em 2021,[4] enquanto o PIB per capita nos Estados Unidos é de mais de 70.000 USD, ou mesmo em Portugal de 25.000 USD, também não se deve entrar no exagero contrário, de que a China entrou num abismo insuperável. O evidente é que a economia chinesa está num momento de correção como acontece a todas as economias, possivelmente, necessitando de profundas reformas e ajustamentos políticos.

Portanto, o contexto que adotamos neste trabalho é de considerar uma crise na economia chinesa, mas acreditar que as escolhas certas de política podem ultrapassar essa crise.

Neste preciso momento, a esperança de recuperação chinesa após a pandemia desvaneceu-se, pois, o consumo geralmente tem sido muito moderado, especialmente para itens caros, como carros e casas, e o investimento privado, a espinha dorsal da economia da China, caiu no primeiro semestre deste ano, pela primeira vez desde que tais dados foram publicados. As empresas privadas e os empresários não gastam muito em investimentos ou na contratação de pessoal. O desemprego juvenil atingiu 21%. A formatura anual de 11 a 12 milhões de estudantes neste verão vai agravar uma situação já difícil por causa dos problemas de encontrar trabalho adequado e também porque o mercado de trabalho chinês se tornou naquele em que a maioria dos empregos são de baixa remuneração, baixa habilitação ou economia informal.

Parece errado atribuir tudo isto à pandemia. A maioria das ameaças à economia da China estava a crescer há alguns anos. O problema fundamental é que a China gerou, durante a última década ou mais, uma montanha de dívidas incobráveis, infraestruturas e imóveis não lucrativos e não comerciais, blocos de apartamentos vazios, instalações de transporte pouco usados e excesso de capacidade, por exemplo, em carvão, aço, painéis solares e veículos elétricos. O crescimento da produtividade estagnou e a China pode ostentar um dos mais altos níveis de desigualdade do mundo[5].

Além disso, sob Xi Jinping, desenvolveu um sistema de governação mais intenso, centrado no Estado e controlador, tanto por razões políticas, quanto para lidar com os efeitos de seu modelo de desenvolvimento em dificuldades.

Temos dúvidas até que ponto as intervenções políticas para limitar alguns bilionários como Jack Ma[6] foram positivas para o ambiente económico. Se é verdade que evitaram o perigo russo do domínio oligárquico do Estado e deram um sinal à população em geral de um poder preocupado com excessos, também é certo que fizeram soar calafrios no espírito empresarial necessário para uma economia competitiva. Todos terão medo de crescer em demasia, de dar demasiado nas vistas, no final de contas, de inovar. Pois a inovação e a atenção exagerada podem ter reflexos negativos.

De certa forma, o “espírito animal” de que Keynes falava como motor de qualquer economia saudável foi “domesticado” na China e esse poderá ser o principal problema da sua economia, não sendo mensurável nem resolúvel com medidas técnicas.

Reação chinesa e outras possibilidades de rumo

Para já a China anunciou a suspensão da divulgação da taxa oficial de desemprego entre os jovens urbanos da China, entre os 16 e os 24 anos, que atingira em junho um novo recorde histórico de 21,3%. O Conselho de Estado publicou novas diretrizes para intensificar esforços para atrair investimento estrangeiro. E o banco central baixou as taxas de juro[7].
Nenhuma destas medidas parece ter força para inverter o ciclo de declínio da economia chinesa.

Muitos autores defendem que seria necessário um estímulo fiscal avultado para dinamizar a economia, que não deveria ser traduzido em mais dívida, mas em pura “impressão” de moeda, o que faz sentido numa situação de deflação. Uma espécie de “helicópteros com dinheiro” a sobrevoar as cidades e a largá-lo.[8]

Também é possível que esta crise obrigue o presidente chinês a uma revisão da sua política em relação aos grandes grupos económicos e ao empresariado em geral, optando, tal como Lenine há um século, por uma nova liberalização e flexibilização, procurando igualmente, aligeirar a tensão que se foi criando entre a China e os Estados Unidos.

Na verdade, acreditamos que uma boa parte da solução para os atuais problemas económicos chineses resida na política e não na economia, e quer na política interna, como na externa. Provavelmente, a nível interno o sistema mais adequado para sair da crise seria a reintrodução do sistema mais ambíguo e flexível dos tempos de Jiang Zemin. Jiang Zemin, presidente da China de 1993 a 2003, é considerado “o homem que mudou a China”. Muitos chineses que cresceram na década de 1990 lembram-se de Jiang Zemin por supervisionar a entrada da China na Organização Mundial do Comércio, e também por permitir a difusão do filme Titanic. Durante a crise financeira asiática, Jiang enfatizou a importância das finanças e da segurança financeira para a segurança nacional da China e a construção de uma economia moderna. Ao mesmo tempo, tal não implicou uma menorização do poder do Partido Comunista Chinês e do seu controle político. Alguns autores apontam-lhe um histórico manchado em relação aos direitos humanos e à liberdade de expressão. Zemin supervisionou a repressão aos dissidentes nacionais, a proibição de grupos religiosos como o Falun Gong e a supressão da imprensa e da Internet e também manteve uma posição intransigente em relação a Taiwan[9].

A vantagem para a China de Jiang Zemin é que soube manter um ponto de equilíbrio entre a libertação das forças de mercado e inovação, e o controlo da China pelo partido Comunista.

E, a nossa opinião, é que uma boa parte da crise chinesa não resulta apenas ou sobretudo de fatores económicos, mas sim da perda desse ponto de equilíbrio que é necessário recuperar.

Obviamente, que tal não depende apenas da liderança chinesa, também tem de contar com uma modificação da situação externa de quase-confronto entre os Estados Unidos e a China.

É sabido que desde o tempo de Donald Trump que houve uma inflexão na política externa norte-americana aumentando a agressividade face à China. O que parecia um “trumpismo”, tornou-se uma política central norte-americana com Joe Biden e hoje os Estados Unidos veem e tratam a China como um potencial inimigo futuro que é preciso conter. Naturalmente, que tal coincidiu com a afirmação nacionalista de Xi Jinping que abandonou a anterior cautela externa, e passou a querer uma China forte no contexto mundial e sem complexos, pretendendo que o país fosse uma alternativa pós-hegemónica aos Estados Unidos. Portanto, de ambos os lados tivemos uma iniciativa voluntária confrontacional.

A questão que se coloca é se é possível uma retração e a criação dum novo espaço de colaboração EUA-China, que certamente aumentará a prosperidade da China, ou se o rumo é definitivamente o confronto estratégico? Neste confronto a China, perdendo as capacidades de inovação ligadas ao espírito empresarial tenderá a compartimentar-se e fechar-se, o que aumenta quer as possibilidades de elevação dos níveis de conflito (guerra mais ou menos direta) e dificulta qualquer recuperação económica chinesa.

Impactos em Angola

Esta é a situação real da economia chinesa neste momento. Como referido, os “travões” fundamentais ao crescimento parecem ser dois: do ponto de vista económico, a excessiva dívida, e do ponto de vista político, que a nós nos parece mais importante para o médio e longo-prazos, a acentuação da força do poder político na economia e na sociedade, e a condenação política do espírito empresarial e da inovação.

Face a este cenário, Angola confronta-se com vantagens e desvantagens que atuam de forma dinâmica.

Uma vantagem resulta da aproximação de Luanda aos Estados Unidos e das relações que mantém com a China. Angola poderá ser um país-ponte para o reencontro entre as duas potências, uma espécie de terreno em que se comprove que ambos podem cooperar, competir e subsistir para benefício mútuo. Todavia, também se pode tornar pela mesma razão como uma desvantagem, transformando-se Angola num dos campos de disputa entre as duas potências, querendo ambas puxá-la para a sua esfera de influência. Aqui estaria mais um equilíbrio difícil de manter para João Lourenço.

Em termos económicos, haverá a possível tendência das autoridades chinesas acentuar alguma inflexibilidade em relação a dívidas externas, tal podendo já estar a acontecer com Angola, ou vir a acontecer. É a reação normal de países em “aperto.” Há, portanto, o perigo de uma maior pressão chinesa em termos económicos em relação a Angola, que poderá colocar em perigo as, novamente, periclitantes finanças públicas angolanas.

O espírito “árvore das patacas” (de largueza) que predominou nas relações financeiras China-Angola a partir de 2002 terminou definitivamente e não será recuperado. A China comportar-se-á com Angola, com maior ou menor detalhe, como qualquer outro credor internacional, e a sua pressão aumentará à medida que a situação económica interna chinesa se deteriore. Outro desafio para João Lourenço.

Há uma vantagem que Angola poderá oferecer à China que é a criação de um amplo mercado de trabalho para a sua juventude já formada. Acordos de cooperação poderão ser feitos para colocar chineses em Angola para formar quadros angolanos e ajudar à implementação de políticas em áreas como a Administração Pública em que a China tem uma milenar experiência ou as telecomunicações e tecnologias de informação.

O sistema de função pública chinês proporcionou estabilidade ao império chinês durante mais de 2.000 anos e proporcionou uma das principais saídas para a mobilidade social na sociedade chinesa e atualmente, conseguiu nos anos 1980s realizar uma transição de sucesso duma economia centralizada marxista para uma economia mista com um crescimento acentuado.

Igualmente, a China tornou-se um dos maiores mercados de telecomunicações do mundo, com mais de mil milhões de utilizadores de Internet e uma receita mensal de mais de 130 mil milhões de yuans provenientes do sector das telecomunicações. O país passou por várias ondas de reformas nas últimas três décadas no sentido da liberalização e privatização da sua indústria de telecomunicações. Ora é a experiência adquirida nesta imensidão que pode ser colocada ao serviço dos angolanos.

Nestes termos, a fase atual das relações China-Angola poderá deixar em parte o capital físico e centrar-se no capital humano, mostrando que as relações entre países podem maturar. Angola poderá proporcionar uma oportunidade de escape para as empresas chinesas e os seus jovens.

O que se tem de atentar é que a relação entra numa fase “madura” em que cada país tem os seus interesses que deve defender.  Da China já não virão “chuvas de dinheiro”, mas investimentos racionais, e é com isso que Angola deve contar e contrapor. Na verdade, em termos de mercados de futuro, oportunidades de investimento e escape para os problemas chineses, Angola tem muito a oferecer e pode ser a “moeda de troca” em várias negociações.


[1] https://www.cnbc.com/2023/08/14/china-economy-new-loans-fall-property-fears-low-consumer-sentiment-.html

[2] https://www.cnbc.com/2023/08/17/david-roche-chinas-economic-model-is-washed-up-on-the-beach.html

[3] https://www.theguardian.com/business/2023/aug/11/china-economic-problems-show-things-are-seriously-amiss

[4] https://www.ceicdata.com/pt/indicator/china/gdp-per-capita

[5] Sobre os problemas estruturais e de longo prazo da economia chinesa ver Frank Dikotter, A China depois de Mao – A ascensão de uma superpotência, 2023.

[6] https://www.forbes.com/sites/georgecalhoun/2021/06/07/the-sad-end-of-jack-ma-inc/

[7] https://www.nytimes.com/2023/08/15/business/china-economy-downturn-unemployment.html, https://www.bloomberg.com/news/features/2023-08-20/xi-jinping-is-running-china-s-economy-cold-on-purpose?in_source=embedded-checkout-banner,

[8] Rui Verde, Helicópteros com Dinheiro, 2013

[9] https://www.cfr.org/blog/jiang-zemin-put-chinas-economic-opening-practice

China e Angola: compreender uma relação complexa em tempos de polarização mundial

Rui Verde ( African Studies Centre, University of Oxford) – Palestra proferida da Fundação Rui Cunha em Macau, 22 de Maio de 2023

Este é um resumo de algumas das conclusões de um trabalho em curso sobre as relações entre Angola e a China desde o início dos anos 2000, que estou a desenvolver na Universidade de Oxford. O trabalho abordará três temas: o início das fortes relações económicas entre os dois países, as consequências perceptíveis e a situação actual.

O início

Não seria correcto começar uma análise das relações entre a China e Angola no início do século XXI sem considerar brevemente as interacções anteriores entre os dois países.

Referindo-nos apenas à República Popular da China, e não à China Imperial e aos esforços do Almirante Zheng He no século XV. É de notar que, pelo menos a partir da década de 1960, a China teve algum interesse e influência em Angola, e vice-versa. A célebre viagem de Chou En-Lai a África em 1963-1964, a que WAC Adie se referiu como “o Safari de Chou En-Lai”, resultou na primeira abordagem chinesa contemporânea intensa ao continente africano e deu origem a dois tipos de movimentos em relação a Angola, então uma colónia portuguesa em guerra de libertação.

Portugal, a potência colonial autoritária em guerra em Angola, alimentou a ideia de estabelecer relações diplomáticas com a China comunista. Os dirigentes portugueses tentaram avançar para uma espécie de avant la lettre Nixon-Kissinger, mas acabaram por ser travados pela oposição dos EUA.

Os movimentos de libertação angolanos, por sua vez, começaram a contar com o apoio da China em termos de armamento e treino. Na fase inicial, a China não tinha uma preferência forte e ajudou todos os movimentos, incluindo o MPLA, a FNLA e a UNITA.

A partir de certa altura, dado que a União Soviética tinha ‘posto todos os seus ovos no cesto do MPLA’, a China optou principalmente por apoiar a UNITA como forma de contrabalançar os soviéticos. No entanto, as acções diplomáticas da China foram sobretudo pragmáticas, e as suas tentativas de estabelecer relações com a FNLA e o MPLA continuaram ao longo dos anos.

Com a independência de Angola em 1975 e a transformação do país num campo da Guerra Fria, a diplomacia chinesa viu-se num dilema. A China não queria apoiar os Estados Unidos, mas considerava certamente os soviéticos como o seu principal inimigo. Por isso, adoptou um discurso público de paz e fraternidade e virou-se contra o MPLA, por considerar a organização demasiado pró-soviética.

As relações com o novo governo de Luanda eram pouco inspiradoras; de facto, Pequim ignorou-o durante algum tempo.

O reatamento das relações foi gradual e sem especial intensidade. O último passo no processo de normalização das relações sino-angolanas foi a visita do Presidente José Eduardo dos Santos a Pequim, em Outubro de 1988. Embora a visita tenha sido cordial, não foi recebida com entusiasmo. Durante a década de 1990, a China estava a passar por um importante processo de reforma interna e as interacções com Angola não eram uma prioridade.

Por conseguinte, não existe uma base histórica que permitisse prever que a China se tornaria o parceiro económico mais importante de Angola e que esta relação definisse um possível modelo de intervenção em África.

De muito fracas no início, as relações da China com o governo do MPLA passaram a ser mornas, embora não houvesse qualquer indício de proximidade.

No entanto, surpreendentemente, com o fim da guerra civil em Angola, em 2002, o país voltou-se para a China em busca de apoio económico, que a China forneceu, surgindo uma relação contínua.

A explicação oficial para esta relação repentina e aparentemente estreita é geralmente enquadrada no paradigma de um Estado racional que toma decisões institucionais. Alguns académicos explicam que o regime angolano recorreu ao FMI para financiar a reconstrução do país no pós-guerra; no entanto, insatisfeito com as exigências de responsabilização e transparência do FMI e com a falta de vontade do fundo para se comprometer e acomodar os desejos angolanos, Angola optou por obter financiamento da China num acordo entre Estados.

A realidade parece, no entanto, mais complexa. Quando terminou a guerra civil, Angola não tinha um Estado funcional e institucional, e uma boa parte das funções do Estado foram ‘privatizadas’ e entregues a entidades externas, permitindo aquilo a que hoje se chama ‘captura do Estado’. Por exemplo, a segurança dos diamantes era assegurada por Arkady Gaydamak (empresário franco-israelita de origem russa, e talvez espião de várias agências), o fornecimento de armas por Pierre Falcone (empresário francês) e vários aspectos imobiliários e financeiros pelo Espírito Santo Financial Group, onde se destacava a empresa ESCOM e o seu homem forte Hélder Bataglia.

A par desta “privatização” das funções do Estado, José Eduardo dos Santos, tal como outros membros da elite angolana, desconfiava do Ocidente e das suas instituições.

É neste contexto que se insere o acordo com a China.

A relação era uma espécie de empreendimento privado que ia ao encontro dos desejos de Dos Santos, que não queria estar dependente do FMI ou do Ocidente. Para ele, a aproximação à China era uma questão de segurança nacional.

Por isso, há dois pontos a salientar. O primeiro é que Dos Santos optou por não recorrer ao FMI devido a considerações de segurança nacional; ou seja, o Presidente angolano não queria estar demasiado dependente do Ocidente.

O segundo e mais crucial ponto é que Angola geriu algumas das vantagens trazidas pela China em grande medida como um feudo privado. Aparentemente, os contactos iniciais para este fim foram promovidos pelo então presidente da ESCOM, Bataglia, e pelo traficante internacional de armas Pierre Falcone, do famoso caso Angolagate.

No entanto, Angola apresentou uma fachada oficial à China. Inicialmente, foi estabelecido um acordo de financiamento entre o EximBank e o Ministério das Finanças de Angola no valor de 2 mil milhões de dólares, que foi aprovado pelo Conselho de Ministros de Angola em Março de 2004. Na mesma altura, o Ministério das Obras Públicas de Angola assinou um contrato com uma empresa chinesa, a Jinagsu International, para a construção do Palácio da Justiça em Luanda. Estas duas acções são as primeiras a serem referenciadas pelo Diário da República, no âmbito desta nova relação sino-angolana.

Do lado chinês, o seu interesse em Angola não era específico, de acordo com as fontes chinesas que entrevistámos, mas baseava-se nos três aspectos essenciais seguintes:

  • A sua política económica internacional, que foi concebida por Mao Zedong em “Sobre as Dez Principais Relações”, onde declarou: “Temos de aprender a fazer trabalho económico com todos os que sabem fazê-lo, sejam eles quem forem”. Obviamente, foi também o resultado das Quatro Modernizações que se concretizaram externamente com a política de Jiang Zemin de “Go Out” e a adesão da China à OMC em 2001.
  • A sua necessidade de petróleo e matérias-primas (que Angola possuía em abundância) para sustentar o crescimento chinês.
  • O seu excedente de pessoas e de capital que estava pronto para ser investido.

Por parte de Angola, o processo-crime lançado no Verão de 2022 contra os generais Kopelipa e Dino, antigos homens fortes de Dos Santos, tornou claros os mecanismos privados que deram origem às intensas relações entre Angola e a China. Foi explicado que, do lado angolano, Bataglia, da ESCOM, com Manuel Vicente (o CEO da Sonangol e futuro vice-presidente do país) e Eugénio Neto, outro homem da ESCOM, realizaram uma famosa primeira visita à China. Foi durante esta visita que foi delineada toda a estratégia de colaboração entre os dois países.

Foram criadas inúmeras empresas, tendo à frente os líderes angolanos Vicente, Kopelipa e Dino (este último terá sido uma figura de proa de Dos Santos). Por exemplo, o China International Fund (CIF) e a China Sonangol são entidades privadas criadas na altura por Vicente, Kopelipa e Dino, embora com designações supostamente oficiais.

A questão é que, para além dos acordos oficiais, existia uma relação paralela que se tornou substancialmente relevante porque as acções não foram conduzidas entre Estados, mas por entidades privadas entre eles.

As consequências perceptíveis

Naturalmente, as consequências do envolvimento da China em Angola foram extremamente positivas para a reconstrução do país após a guerra civil (1975-2002). As empresas chinesas construíram 2800 quilómetros de caminhos-de-ferro, 20 000 quilómetros de estradas, mais de 100 000 projectos de habitação social, mais de 100 escolas e mais de 50 hospitais em Angola. A central hidroeléctrica de Kaculo Kabaça, o aeroporto internacional Agostinho Neto, as cidades de Kilamba Kiaxi e Zango 5, o caminho-de-ferro de Benguela, o porto de Caio, a central eléctrica do Soyo e muitos outros projectos de cooperação foram implementados com êxito. Muitas empresas chinesas investiram em Angola e deram importantes contributos para a diversificação económica e a industrialização do país[1] .

No entanto, algumas obras e actividades emblemáticas que resultaram desta colaboração sino-angolana tornaram-se símbolos de corrupção desenfreada, uma vez que alguns dos altos funcionários públicos angolanos aproveitaram e desviaram vários fundos para actividades corruptas.

Dois exemplos ilustram este facto. O primeiro diz respeito, naturalmente, à compra e venda de petróleo. Segundo as apurações das actuais autoridades angolanas, entre 2004 e 2007, quando Manuel Vicente liderava a petrolífera angolana Sonangol, autorizou a venda de petróleo à China no valor de, pelo menos, 1,5 mil milhões de euros, que foram pagos pela China, mas desviados. Durante este período, a Sonangol vendeu à China um grande número de barris de petróleo bruto à Sonangol International Holding Limited, a título de venda à consignação para a constituição de um fundo de reconstrução nacional. A Sonangol entregou o petróleo à empresa, mas não recebeu qualquer pagamento após a entrega. A empresa intermediária vendeu o petróleo e ficou com o dinheiro da venda, que foi depois creditado nas suas contas no Banco da China. A empresa intermediária pertencia a Vicente e Kopelipa e a alguns outros sócios.

Documentos ainda em estudo, a que tive acesso, indicam que, entre 2005 e 2010, a venda de petróleo angolano à China gerou mais de 85 mil milhões de dólares. Desse montante, provavelmente pelo menos 25,7 mil milhões de dólares terão sido divididos entre dirigentes angolanos através de uma teia de esquemas tecida por vários intermediários.

Noutra situação, a empresa CIF Limited, que aparentemente era maioritariamente detida por ministros angolanos, apropriou-se de 24 edifícios do Estado construídos pela empresa Guangxi na centralidade do Zango. O Estado pagou a construção, mas foi a Delta Imobiliária (empresa de Vicente, Dino e Kopelipa) que vendeu os edifícios à Sonangol EP, através da Sonip Lda, sob a direcção de Vicente, por um valor total de US$475.347.200[2] .

O que é certo é que dos U$2 biliões de dólares de crédito em 2005, Angola detinha U$23 biliões de dólares de stock de dívida pública na China em 2017[3] .

Depois de Xi Jinping ter assumido a liderança da China, foram tomadas medidas para erradicar a corrupção e as autoridades chinesas neutralizaram os elementos corruptos, como Sam Pa (um magnata dos negócios que se crê ser o chefe do 88 Queensway Group) que teria ajudado os angolanos nestes esquemas. As autoridades chinesas também enviaram equipas de auditoria a Angola para fiscalizar as compras de petróleo.

Situação actual

O advento da presidência de João Lourenço englobou uma tentativa de reabertura de Angola ao Ocidente. No entanto, tal não implicou um enfraquecimento das relações com a China, como sugerem alguns estudos recentes, que expõem um certo mal-estar da perspectiva angolana em relação à China. Carvalho et al. falaram de um ‘casamento de conveniência’; Silva afirmou que ‘a lua-de-mel de Angola com a China [tinha] chegado ao fim’; e Fabri disse que ‘A lua-de-mel China-Angola acabou; será que África está a ouvir?[4]

Mais uma vez, a realidade não é tão linear. É certo que se registou um reequilíbrio das relações, mas esse reequilíbrio partiu de ambas as partes e não significou o fim das suas relações.

O acto de abertura da presidência de João Lourenço em relação à China em 2017-2018 foi aparentemente pedir mais dinheiro. Inicialmente, houve um alegado novo empréstimo da China no valor de 11 mil milhões de dólares, que mais tarde se revelou ser de 2 mil milhões de dólares, mas que apenas serviu para pagar as dívidas de Angola a empresas chinesas.

No entanto, a contenção da China não era nova em Angola e nada tinha a ver com João Lourenço, como alguns agora afirmam. Em 2016, o Banco de Desenvolvimento da China tinha suspendido fundos de linhas de crédito a Angola, nomeadamente à Sonangol, acusando a empresa e o Ministério das Finanças angolano de incumprimento dos contratos. Anteriormente, em 2015, como já foi referido, auditores chineses terão estado em Angola para averiguar a dimensão das despesas da Sinopec no país. Suspeitaram de várias irregularidades, como, por exemplo, o facto de a petrolífera chinesa ter pago quase mil milhões de dólares adicionais para financiar uma quota que Sam Pa, através da China Sonangol International, tinha adquirido em certos blocos petrolíferos angolanos que não geravam lucros.

Estas atitudes parecem indicar que houve alguma prudência ou contenção por parte da China relativamente aos negócios em Angola.

No entanto, posteriormente, a China foi generosa ao suspender o pagamento da dívida externa angolana devido à pandemia. Além disso, os bancos chineses concordaram com alguma forma de renegociação da dívida.

O comércio entre a China e Angola cresceu 42% em 2021 e continuou a bom ritmo nos primeiros seis meses de 2022, com um aumento homólogo de 33%. Desta forma, a China continuou a ser o principal parceiro económico de Angola.

Além disso, os números do banco central angolano mostram que, desde 2020, o país pagou cerca de 2 mil milhões de dólares de capital à China. Actualmente, de acordo com os números mais recentes apresentados pelo Ministro das Finanças angolano, Angola está a aproveitar a subida dos preços do petróleo para acelerar os seus planos de redução da dívida e suavizar os reembolsos à China, o seu maior credor.

Angola deve actualmente à China 18 mil milhões de dólares, ou seja, cerca de 40% da sua dívida externa total, depois de ter liquidado empréstimos no valor de 1,32 mil milhões de dólares em 2022[5] .

Todos estes dados mostram que as relações de Angola com a China estão a entrar numa nova fase – uma fase madura, mas que não está a terminar.

 Acontece que esta nova fase não depende apenas da vontade de Lourenço de se abrir ao Ocidente ou do mal-estar de Angola com a China, como alguns argumentaram; depende também dos compromissos chineses e da estratégia mundial.

É importante abordar primeiro a questão da chamada “armadilha da dívida” e depois os desenvolvimentos mais recentes na relação sino-angolana.

A verdade é que, tal como os credores ocidentais do passado em relação a África e à América Latina, a China está numa curva de aprendizagem e, dado o pragmatismo que parece guiar as suas relações, será necessário que a China evite cenários dramáticos e considere os remédios habituais de renegociação e perdão da dívida.

Não há lugar para falar de uma “armadilha da dívida”. Sabe-se que, no século XIX, a Grã-Bretanha foi confrontada com problemas de dívida de países terceiros, nomeadamente na América Latina e no Egipto. A solução passou muitas vezes pelo envio de canhoeiras ou pelo controlo da governação dos países endividados.

No final do século XX, os Estados Unidos tinham grandes problemas de endividamento com os países do chamado Terceiro Mundo. Neste caso, a solução foi mais racional, com ênfase no Plano Brady (Brady Bonds).

Obviamente, é agora a vez de a China enfrentar o mesmo problema, mas não se fala de canhoeiras ou da criação de qualquer protectorado.

Também se poderia estabelecer um paralelo com as relações da União Soviética com o Presidente Nasser do Egipto. Sabe-se que, durante o governo de Khrushchev, a União Soviética financiou largamente Nasser e a barragem de Assuão; no entanto, mais tarde, com Brezhnev, prevaleceu uma nova atitude que apelava à austeridade e negava o adiamento do pagamento das dívidas. Isto acabou por conduzir a Sadat e ao declínio da influência soviética no Egipto.

Com estes exemplos históricos em mente, a China está certamente a equilibrar as suas opções, não optando por uma desvinculação. Está a avaliar cuidadosamente a situação e a procurar os mecanismos económicos e financeiros adequados para resolver o problema, tal como os Estados Unidos fizeram na década de 1980.

Em relação a Angola, refira-se que uma das primeiras viagens do novo ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Qin Gang, foi a Angola, em Janeiro último, tendo, na mesma altura, os respectivos governos assinado um acordo segundo o qual a China despenderia 249 milhões de dólares para financiar um projecto nacional de banda larga em Angola.

Em suma, é evidente que as relações entre a China e Angola estão a evoluir, e não a terminar ou a chegar a um beco sem saída, como alguns argumentaram. Este é o momento de calibrar cuidadosamente e renovar a amizade.

Se me for permitido usar uma metáfora baseada no meu vinho português preferido, o Palácio da Brejoeira, pode dizer-se que as relações sino-angolanas tiveram uma fase inicial de pura alegria, depois veio a ressaca e agora é tempo de beber com moderação e sofisticação entre os verdadeiros conhecedores.


[1] Shang, João (2023), A parceria estratégica entre China e Angola tem perspectivas amplas, coexistindo oportunidades e riscos. Comunicação ao III Congresso Internacional de Angolanística (ainda não publicada)

[2] Resumo do processo judicial em Verde, Rui (2022), Delfins de JES acusados na hora da sua morte, https://www.makaangola.org/2022/07/delfins-de-jes-acusados-na-hora-da-sua-morte/

[3] Dados do BancoNacional de Angola, https://www.bna.ao/

[4] de Carvalho, P., Kopiński, D., & Taylor, I. (2022). Um casamento de conveniência nas rochas? Revisitando a relação sino-angolana. Africa Spectrum, 57(1), 5-29.

Silva, Cláudio (2022), How Angola’s honeymoon with China came to an end, The Africa Report, https://www.theafricareport.com/202465/how-angolas-honeymoon-with-china-came-to-an-end/.

Fabri, Valerio, (2022), The China-Angola Honeymoon is over, is Africa listening?, Geopolitica.info, https://www.geopolitica.info/china-angola-honeymoon-over/

[5][5] Idem, ver nota 3.

China and Angola: understanding a complex relationship in times of world polarisation

Rui Verde ( African Studies Centre, University of Oxford) – Palestra proferida da Fundação Rui Cunha em Macau, 22 de Maio de 2023.

This is a summary of some of the findings of a work in progress about the relations between Angola and China since the beginning of the 2000s that I am developing at the University of Oxford. It will deal with three themes: the beginning of the strong economic relations between the two countries, the perceptible consequences and the present-day situation.

The beginning

It would not be correct to begin an analysis of the relations between China and Angola at the beginning of the 21st century without briefly considering the countries’ previous interactions.

Referring just to the People’s Republic of China, and not Imperial China and the endeavours of Admiral Zheng He in the fifteenth century, it should be noted that at least from the 1960s, China had some interest and influence in Angola, and vice versa. The famous trip that Chou En-Lai made to Africa in 1963–1964, which WAC Adie referred to as ‘Chou En-Lai’s Safari, resulted in the first intense contemporary Chinese approach to the African continent and gave rise to two types of movement regarding Angola, then a Portuguese colony under a liberation war.

Portugal, the authoritarian colonial power at war in Angola, entertained the notion of ​​establishing diplomatic relations with communist China. The Portuguese leaders tried to advance into a kind of Nixon–Kissinger avant la lettre, but in the end, they were held back by opposition from the US.

The Angolan liberation movements, meanwhile, started to count on the support of China in terms of arms and training. In the initial phase, China had no strong preference and helped all of the movements, including the MPLA, FNLA and UNITA.

From a certain point onwards, given that the Soviet Union had ‘put all its eggs in the MPLA basket’, China mainly opted to support UNITA as a form of counterbalance to the Soviets. Nevertheless, China’s diplomatic actions were mostly pragmatic, and its attempts to create relations with the FNLA and MPLA continued over the years.

With Angola’s independence in 1975, and the country’s transformation into a Cold War camp, Chinese diplomacy found itself in a dilemma. China did not want to support the United States, but it certainly considered the Soviets to be its primary enemy. It therefore adopted a public discourse of peace and fraternity and turned against the MPLA, since it considered the organisation too pro-Soviet.

Relations with the new government in Luanda were uninspiring; in fact, Beijing ignored it for a time.

The resumption of relations was gradual and without special intensity. The final step in the process of the normalisation of Sino–Angolan relations was the visit of President Jose Eduardo dos Santos to Beijing in October 1988. Although the visit was cordial, it was not received with warmth. During the 1990s, China was undergoing a significant domestic reformist process, and interactions with Angola were not a priority.

Accordingly, there is no historical basis on which to predict that China would become Angola’s most important economic partner and to define a possible model for intervention in Africa.

From initially being very poor, China’s relationship with the MPLA government went on to became lukewarm, although there was no indication of closeness.

However, quite surprisingly, with the end of the civil war in Angola in 2002, the country turned to China for economic support, which China delivered in what became an ongoing relationship.

The official explanation for this sudden seemingly close relationship is usually framed within the paradigm of a rational state that makes institutional decisions. It has been explained by some academics that the Angolan regime turned to the IMF to finance the country’s post-war reconstruction; however, dissatisfied with the IMF’s demands of accountability and transparency and the unwillingness of the fund to compromise and accommodate Angolan wishes, Angola opted to obtain financing from China in a state-to-state agreement.

The reality seems more complex, however. When it ended the civil war, Angola did not have a functional and institutional state, and a good part of the state functions were ‘privatised’ and handed over to external entities, thereby enabling what is now called ‘state capture’. For example, diamond security was ensured by Arkady Gaydamak (Russian-born French Israeli businessman, and perhaps spy from several agencies), the supply of weapons by Pierre Falcone (French businessman) and various real estate and financial aspects by the Espírito Santo Financial Group, in which the company ESCOM and its strongman Hélder Bataglia stood out.

Alongside this ‘privatisation’ of state functions, José Eduardo dos Santos, as with other members of the Angolan elite, distrusted the West and its institutions.

This is the context of the understanding with China.

The relationship was a kind of private venture that met the wishes of Dos Santos, who did not want to be dependent on the IMF or the West. For him, the approach to China was a matter of national security.

Therefore, two points should be made. The first is that Dos Santos chose not to resort to the IMF due to considerations of national security; that is, the Angolan President did not want to be too dependent on the West.

The second and most crucial point is that Angola managed some of the advantages brought by China largely as a private fiefdom. Apparently, the initial contacts for this purpose had been promoted by the then-president of ESCOM, Bataglia, and the international arms trafficker, Pierre Falcone, of the famous Angolagate case.

However, Angola presented an official façade to China. Initially, a financing agreement was established between EximBank and the Angolan Ministry of Finance for the amount of US$2 billion, which was approved by the Angolan Council of Ministers in March 2004. At the same time, the Angolan Ministry of Public Works signed a contract with a Chinese company, Jinagsu International, for the construction of the Palace of Justice in Luanda. These two moves are the first to have been referenced by the government’s official gazette, Diário da República, within the scope of this new Sino–Angolan relationship.

On the Chinese side, its interest in Angola was not specific, according to the Chinese sources we have interviewed, but it was based on the following three essential aspects:

  • Its international economic policy, which was designed by Mao Zedong in ‘On the Ten Major Relationships’, in which he declared: ‘We must learn to do economic work from all who know how, no matter who they are.’ Obviously, it was also a result of the Four Modernisations that ended in Jiang Zemin’s policy of Go Out and China’s accession to the WTO in 2001.
  • Its need for oil and raw materials (which Angola had in abundance) to sustain Chinese growth.
  • Its surplus of people and capital that was ready to be invested.

For Angola’s part, the criminal case that was launched in the summer of 2022 against Generals Kopelipa and Dino, the former strongmen of Dos Santos, made clear the private mechanisms that gave rise to the intense relations between Angola and China. It was explained that on the Angolan side, Bataglia of ESCOM, with Manuel Vicente (the CEO of Sonangol and the future vice-president of the country) and Eugénio Neto, another man from ESCOM, conducted a famous first visit to China. It was during this visit that the whole strategy of collaboration between the two countries was outlined.

A multitude of companies were established with the Angolan leaders Vicente, Kopelipa and Dino at their head (the latter is said to have been a figurehead for Dos Santos). For instance, the China International Fund (CIF) and China Sonangol are private entities created at that time by Vicente, Kopelipa and Dino, albeit with supposedly official designations.

The point is that aside from the official agreements, there was a parallel relationship that became substantively relevant because the actions were not conducted between states but by private entities between them.

The perceptible consequences

Naturally, the consequences of the China’s engagement in Angola have been extremely positive for the reconstruction of the country after the civil war (1975–2002). Chinese companies have built 2800 kilometres of railways, 20,000 kilometres of roads, more than 100,000 social housing projects, more than 100 schools and more than 50 hospitals in Angola. The Kaculo Kabaça Hydroelectric Power Plant, Agostinho Neto International Airport, cities of Kilamba Kiaxi and Zango 5, Benguela railway, port of Caio, Soyo power plant and many other cooperation projects have been successfully implemented. Many Chinese companies have invested in Angola and made important contributions to the country’s economic diversification and industrialisation[1].

Nevertheless, some iconic works and activities that have resulted from this Sino–Angolan collaboration have become symbols of rampant corruption, since some of Angola’s high public officials took advantage of and siphoned off various funds into corrupt activities.

Two examples illustrate this. The first naturally concerns the purchase and sale of oil. According to the findings of the current Angolan authorities, between 2004 and 2007, when Manuel Vicente led the Angolan oil company Sonangol, he authorised the sale of oil to China amounting to at least €1.5 billion, which was paid by China but diverted. During this period, Sonangol sold huge numbers of   barrels of crude oil to China Sonangol International Holding Limited as a consignment sale for the constitution of a national reconstruction fund. Sonangol delivered the oil to the company but did not receive payment following its delivery. The intermediary company sold the oil and kept the money from the sale, which was then credited to its accounts at the Bank of China. The intermediary company belonged to Vicente and Kopelipa and some other partners.

Documents still under study, to which I had access, indicate that from 2005 to 2010, the sale of Angolan oil to China generated more than US$85 billion. Of this amount, probably at least US$25.7 billion was reported to have been split between Angolan leaders through a web of schemes woven by various intermediaries.

In another situation, the company CIF Limited, which was apparently mostly owned by Angolan ministers, appropriated 24 state buildings built by the company Guangxi in the centrality of Zango. The state paid for the construction, but it was Delta Imobiliária (a company owned by Vicente, Dino and Kopelipa) that sold the buildings to Sonangol EP through Sonip Lda under Vicente’s guidance for a total amount of US$475,347,200[2].

What is certain is that from the U$2 billion dollars of credit in 2005, Angola held US$23 billion of public debt stock in China in 2017[3].

After Xi Jinping assumed the Chinese leadership, steps were taken to root out corruption, and Chinese authorities neutralised the corrupt elements, such as Sam Pa (a business magnate who is believed to be the head of the 88 Queensway Group) that would have aided Angolans in these schemes. Chinese authorities also send auditing teams to Angola to survey the oil purchases.

Present-day situation

The advent of João Lourenço’s presidency encompassed an attempt to reopen Angola to the West. Nevertheless, this did not imply a downgrading of relations with China, as some recent studies have suggested, expounding a certain uneasiness from the Angolan perspective towards China. Carvalho et al. spoke of a ‘marriage of convenience’; Silva stated that ‘Angola’s honeymoon with China [had come] to an end’; and Fabri said ‘The China–Angola Honeymoon is over; is Africa listening?[4]

Again, the reality is not so straightforward. There has surely been a rebalancing of the relations, but this has come from both parties and has not signalled an end to their relationship.

The opening act of Lourenço’s presidency towards China in 2017–2018 was apparently to ask for more money. There had initially been an alleged new loan from China worth US$11 billion, which later turned out to be US$2 billion, but this only served to pay Angola’s debts to Chinese companies.

However, China’s containment was not new to Angola and had nothing to do with João Lourenço, as some now claim. In 2016, the China Development Bank had suspended funds from credit lines to Angola, namely to Sonangol, accusing the company and the Angolan Ministry of Finance of non-compliance with the contracts. Previously, in 2015, as mentioned earlier, Chinese auditors were said to have been in Angola to ascertain the extent of the Sinopec’s spending there. They suspected several items of wrongdoing, for instance that the Chinese oil company had paid an additional almost US$1 billion to finance a quota that Sam Pa, through China Sonangol International, had acquired in certain Angolan oil blocks that did not bear profits.

These attitudes seem to indicate that there was some prudence or restraint on the part of China vis-a-vis Angola businesses.

Nevertheless, afterwards, China was generous in suspending the payment of the Angolan external debt due to the pandemic. Also, Chinese banks agreed to some form of debt renegotiation.

Trade between China and Angola grew by 42% in 2021 and continued at a good pace in the first six months of 2022, with a homologous increase of 33%. In this way, China continued to be Angola’s main economic partner.

Moreover, figures from Angola’s central bank show that since 2020, the country has paid as much as US$2 billion of capital to China. Presently, according to the most recent numbers put forward by the Angolan Minister of Finance, Angola is taking advantage of higher oil prices to accelerate its debt-reduction plans and smooth out repayments to China, its largest creditor. 

Angola now owes China $18 billion, or about 40% of its total external debt, after it settled loans totalling $1.32 billion in 2022[5].

All these data show that Angola’s relations with China are now entering a new phase—one that is mature but not ending.

 It turns out that this new phase does not depend only on Lourenço’s willingness to open up to the West or on Angola’s uneasiness with China, as some have argued; it also depends on Chinese engagements and worldwide strategy.

It is important to address first the question of the so-called ‘debt trap’ and then the most recent developments in the Sino–Angolan relationship.

The truth is that, like the Western creditors of the past in relation to Africa and Latin America, China is on a learning curve, and given the pragmatism that seems to guide its relations, it will be necessary for China to avoid dramatic scenarios and instead consider the usual remedies of debt renegotiation and forgiveness.

There is no room to mention a ‘debt trap’. It is known that in the 19th century, Great Britain was faced with debt problems from third countries, namely in Latin America and Egypt. The solution was often to send gunboats or to control the governance of the indebted countries.

By the end of the 20th century, the United States had large debt problems with countries of the so-called Third World. In this case, the solution was more rational, with its emphasis on the Brady Plan (Brady Bonds).

Obviously, it is now China’s turn to face the same issue, but there is no talk of gunboats or the creation of any protectorate.

Also, some parallel could be draw with the relations of the Soviet Union with President Nasser of Egypt. It is known that under Khrushchev, the Soviet Union largely financed Nasser and the Aswan Dam; however, afterwards, with Brezhnev, a new attitude prevailed that called for austerity and denied the postponement of debts payments. This, in the end, led to Sadat and the waning of Soviet influence in Egypt.

With such historical examples in mind, China is surely balancing its options, not opting for a disengagement. It is carefully assessing the situation and searching for the right economic and financial mechanisms to solve the problem, as the United States did in the 1980s.

In relation to Angola, it should be noted that one of the first trips of China’s new foreign minister, Qin Gang, was to Angola, last January, and at the same time, the respective governments signed an agreement whereby China would spend US$249 million to finance a national broadband project in Angola.

In short, it is apparent that the relations between China and Angola are evolving, not ending or reaching a dead-end, as some have argued. This is the time for careful calibration and renewal of the friendship.

If I can use a metaphor based on my favourite Portuguese wine, Palácio da Brejoeira, it can be said that Sino–Angolan relations enjoyed an initial phase of pure joy, then there was the hangover and now it is the time for some moderate drinking and sophistication among true connoisseurs.


[1] Shang, João (2023), A parceria estratégica entre China e Angola tem perspectivas amplas, coexistindo oportunidades e riscos. Communication to the III Congressso Internacional de Angolanística (not yet published)

[2] Summary of the legal case in Verde, Rui (2022), Delfins de JES acusados na hora da sua morte, https://www.makaangola.org/2022/07/delfins-de-jes-acusados-na-hora-da-sua-morte/

[3] Data from the National Bank of Angola, https://www.bna.ao/

[4] de Carvalho, P., Kopiński, D., & Taylor, I. (2022). A Marriage of Convenience on the Rocks? Revisiting the Sino–Angolan Relationship. Africa Spectrum57(1), 5–29.

Silva, Cláudio (2022), How Angola’s honeymoon with China came to an end, The Africa Report, https://www.theafricareport.com/202465/how-angolas-honeymoon-with-china-came-to-an-end/.

Fabri, Valerio, (2022), The China-Angola Honeymoon is over, is Africa listening?, Geopolitica.info,https://www.geopolitica.info/china-angola-honeymoon-over/

[5][5] Idem, see note 3.

As consequências económicas em Angola da guerra da Ucrânia

É um facto que a guerra na Ucrânia está a afetar a totalidade da economia mundial, e, naturalmente, esse impacto também terá consequências políticas,[1] como aliás desde logo reconheceu o Fundo Monetário Internacional (FMI). 

A questão que se vai abordar neste relatório é acerca do impacto específico da guerra na economia angolana, que como se sabe passa um tempo exigente de reforma e se apresta a sair duma crise profunda. Também se avaliará superficialmente se os impactos económicos terão influência política.

As duas faces do impacto do preço do petróleo em Angola

Naturalmente, que o primeiro impacto em Angola se refere ao preço do petróleo. A subida do preço do petróleo era uma tendência que já perdurava há algum tempo e foi acentuada com o deflagrar da guerra. Em certa medida, não é uma novidade trazida pela crise ucraniana, mas uma direção que já estava em curso há meses.

 A 31 de janeiro de 2022, o preço do barril de Brent estava a USD 89,9, a 14 de fevereiro de 2022, o valor situava-se nos USD 99,2. É um facto que com o início da guerra chegou a atingir os USD 129,3 a 8 de março. Neste momento (16 de março), estabilizou nos USD 99,11. Parece que o preço de equilíbrio do petróleo nos próximos tempos andará entre os USD 95-100, havendo, obviamente, a possibilidade de choques que o façam subir ou descer abruptamente.

Fig. nº 1- Gráfico Diário do Preço do Barril de Brent (Maio 2021-Março 2022)

Fonte: Trading Economics.com

Em relação a Angola, temos de partir da previsão orçamentada para 2022 que calculou o preço do barril a USD 59. Portanto, haverá uma mais-valia desde o início do ano correspondente a mais 50%, no mínimo. Nesse sentido, como o orçamento estava equilibrado, quer dizer que haverá um excedente financeiro, o que obviamente é uma boa notícia.

Esta subida do preço do petróleo tem então, numa primeira linha, dois efeitos positivos para Angola.

O primeiro é ao nível da receita extraordinária do Tesouro que naturalmente aumentará. Em termos simples, pode-se afirmar que haverá mais dinheiro disponível por parte do Estado.

O segundo efeito, que também já se sente, é o chamado feel good factor (ou índice de confiança). Os empresários e as famílias refazem as suas expectativas num sentido mais positivo, esperando melhores sinais da economia. Segundo o Instituto Nacional de Estatística angolano, os empresários estão, finalmente, otimistas quanto às perspetivas da economia nacional no curto prazo, depois de permanecerem mais de 6 anos pessimistas.[2] A subida do preço do petróleo não é o único motivo para o otimismo revelado, mas ajuda.

Note-se, no entanto, que os ganhos do preço do petróleo não se transformam diretamente em saldo orçamental positivo. Há vários constrangimentos na tradução da subida do preço do petróleo em vantagens orçamentais diretas para Angola.

O primeiro deles é o tipo de relação com a China. A China é o principal comprador do petróleo angolano. Não sabemos de que forma estão feitos os contratos e se estes refletem automaticamente as oscilações de preço. No passado, alguns intermediários das compras e vendas de petróleo para a China chegaram a fazer contratos de preço fixo que prejudicaram enormemente o Tesouro angolano.[3] Imagina-se que tais “esquemas” já não existam, mas não há certezas. Certo é que, provavelmente, os contratos entre Angola e China referentes ao petróleo conterão algum tipo de “amortecedores” que implicarão que não haja uma repercussão direta dos preços. Além do mais, alguns peritos petrolíferos, como os da Chatham House, entendem que o facto de a China comprar cerca de 2/3 do petróleo angolano (na verdade 70%[4]) lhe permite um certo controlo monopolista do preço, querendo com isto significar que as compras chinesas são feitas de modo a minorar as subidas de preço, prejudicando as vantagens angolanas[5].

Em segundo lugar, temos o serviço da dívida. Aparentemente, existem mecanismos contratuais que implicam que um preço mais elevado do petróleo implica um aumento do serviço da dívida, isto é, dos pagamentos a efetuar. A ministra das Finanças, Vera Daves, já reconheceu que “o que resulta do aumento do preço não pode ser feita uma conta aritmética com a produção” e que o preço do barril de petróleo, acima dos cem dólares, obriga Angola a pagar mais aos seus credores internacionais[6].

Além do mais a subida do preço do petróleo tem também um possível efeito negativo no Orçamento angolano, que se refere ao preço dos combustíveis vendidos ao público. Como se sabe esse preço é subsidiado pelo Estado; nessa medida, se o custo do petróleo aumenta e o governo não aumentar os combustíveis, quer dizer que vai ter de suportar mais subsídios e gastar mais para manter os preços dos combustíveis. Se não o fizer pode estar a alimentar inflação, que já não é baixa em Angola e criar problemas sociais e de descontentamento.

Há aqui quatro fatores: aumento do preço, relações com a China, aumento das obrigações de pagamento de dívida e aumento do subsídio dos combustíveis que têm de ser tidos em conta para avaliar o real impacto da subida do preço do petróleo nas contas e economia angolana.

Na realidade, não dispomos de números precisos sobre esses impactos, apenas ideias de grandezas, e face a estas, a conclusão que se pode retirar é que um aumento de 50% do preço do petróleo em relação ao que está previsto no Orçamento deixa uma folga de tesouraria ainda acentuada depois do aumento do pagamento do serviço da dívida e do suporte à subida do preço dos combustíveis, sendo indubitável que uma “almofada” financeira será criada.

A esta “almofada” financeira, que, repete-se, não é diretamente proporcional ao aumento do preço do petróleo, acresce o fator feel good, de quantificação intangível, mas que já se nota nos principais atores económicos angolanos.

Quer isto dizer que depois de anos de grande sacrifício, há, finalmente, razões para um otimismo moderado relativamente à economia angolana.

A questão do preço dos alimentos

A par com o preço do petróleo, muitas outras classes de produtos básicos estão a aumentar de preço. Uma delas é a dos cereais, designadamente o trigo.

A Ucrânia e Rússia juntas respondem por um quarto de todas as exportações mundiais de trigo. O conflito está a elevar dramaticamente os preços do trigo. Com o início da guerra, o preço do alqueire de trigo subiu para US$ 12,94, 50% mais caro do que no início de 2022.

No meio de uma guerra, não está claro se os agricultores da Ucrânia estarão dispostos a gastar o capital que tiverem para plantar na próxima colheita, ou mesmo se estarão em condições de o fazer. O que é certo é que a Ucrânia anunciou a proibição de todas as exportações de trigo, aveia e outros alimentos básicos para evitar uma enorme emergência alimentar dentro de suas fronteiras. Portanto, exportações de trigo da Ucrânia, mesmo que exista produção, estão comprometidas.

Ao contrário do petróleo, que afeta os preços quase que no imediato, os preços dos grãos levam semanas, se não meses, para chegar aos consumidores. Na realidade, o grão cru precisa ser enviado para as instalações de processamento para fazer pão e outros alimentos básicos – e isso leva tempo. Nesse sentido, possivelmente, não será uma crise imediata para Angola, mas chegará ao país.

De acordo com fontes governamentais, Angola é autossuficiente em seis produtos agrícolas base: mandioca, batata-doce, banana, o ananás, os ovos e a carne de cabrito. No entanto, o trigo é a mercadoria mais importada, representando 11%.[7] Lembremo-nos que o trigo é um elemento essencial da dieta dos angolanos, o que aliás levou há alguns meses o ministro da Indústria e Comércio a sugerir a substituição do pão pela mandioca, batata-doce, banana assada e ginguba. Esta afirmação gerou muitas críticas. Contudo, do estrito ponto da autossuficiência económica talvez faça sentido, uma vez que possivelmente o preço do pão irá subir e eventualmente o preço dos bens nacionais pode descer, se existir mercado concorrencial adequado.

O que é certo é que Angola poderá correr o mesmo perigo do Egito, uma cultura extremamente assente no trigo que sofre perturbações sociais quando o preço do trigo sobe.

Quando os preços dos grãos dispararam em 2007-2008, os preços do pão no Egito subiram 37%. Com o desemprego a aumentar, mais pessoas ficaram dependentes de pão subsidiado– mas o governo não reagiu. A inflação anual dos alimentos no Egito continuou e atingiu 18,9% antes da queda do presidente Mubarak.

A maioria dos pobres nesses países não tem acesso a redes de segurança social. Imagens de pão tornaram-se centrais nos protestos egípcios que levaram à queda de Mubarak. Embora as revoluções árabes estivessem unidas sob o slogan “o povo quer derrubar o regime” e não “o povo quer mais pão”, a comida foi um catalisador. Aliás, note-se que os “motins do pão” vêm ocorrendo regularmente desde meados da década de 1980, geralmente após a implementação de políticas “aconselhadas” pelo Banco Mundial e pelo Fundo Monetário Internacional.

Angola não é o Egito, mas é fundamental que o governo esteja muito atento à evolução do preço do trigo e do pão para evitar agitação social, numa fase em que começa a sair da prolongada crise.

No entanto, tal como no caso do petróleo existe uma outra face, e neste caso é positiva. A crise da produção agrícola derivada da guerra pode ser um momento de inflexão para uma aposta em Angola de investidores estrangeiros na agropecuária. Angola é dos países do mundo com mais potencialidades, como aliás já referimos em relatório anterior[8], portanto este pode ser o tempo de oportunidades para investidores verem a capacidade agrícola angolana e desfrutarem dela. Um dos sectores mais promissores e com mais potencial é a agropecuária. Há neste momento uma conjugação de fatores que a tornam uma das apostas mais rentáveis para o investimento em Angola.

Conclusões e recomendações

A guerra na Ucrânia tem variados impactos na economia angolana.

A subida do preço do petróleo, não trazendo receitas diretamente proporcionais, cria uma “almofada” no Tesouro e um feel good factor no empresariado, que poderá ser potenciador de crescimento.

A subida do preço dos cereais, em especial do trigo, pode criar graves pressões inflacionistas e descontentamento entre a população, situação para a qual o governo deve estar atento. Ao mesmo tempo, chamará a atenção para o potencial enorme de investimento que Angola tem como país agropecuário.

O governo deveria criar uma reserva especial proveniente das mais-valias do petróleo para garantir o abastecimento de cereais à população mais carenciada e também para promover o investimento agropecuário em Angola.


[1] https://www.imf.org/en/News/Articles/2022/03/05/pr2261-imf-staff-statement-on-the-economic-impact-of-war-in-ukraine

[2] https://www.angonoticias.com/Artigos/item/70611/optimismo-regressa-no-seio-dos-empresarios-seis-anos-depois

[3] Rui Verde, Angola at the Crossroads. Between Kleptocracy and Development (2021), p. 24.

[4] https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/china-foi-o-destino-de-71-do-petroleo-exportado-por-angola-em-2020/

[5] Explicações dadas em reunião da Chatham House que aqui replicamos, respeitando as regras da casa.

[6] https://rna.ao/rna.ao/2022/03/03/preco-do-petroleo-a-cima-dos-cem-dolares-obriga-governo-angolano-a-pagar-mais-aos-credores/

[7] https://www.expansao.co.ao/economia/interior/grupo-carrinho-destaca-se-nas-importacoes-e-exportacoes-do-pais-106709.html

[8] https://www.cedesa.pt/2020/06/15/plano-agro-pecuario-de-angola-diversificar-para-o-novo-petroleo-de-angola/

The economic consequences in Angola of the Ukraine war

It is a fact that the war in Ukraine is affecting the entire world economy, and, certainly, this impact will also have political consequences[1], as the International Monetary Fund (IMF) immediately recognized.

The question that will be addressed in this report is about the specific impact of the war on the Angolan economy, which, as we know, is undergoing a demanding reform period and is about to emerge from a deep crisis. It will also superficially assess whether the economic impacts will have political influence.

The two faces of the impact of the oil price in Angola

Naturally, the first impact in Angola refers to the price of oil. The rise in the price of oil was a trend that had been going on for some time and was accentuated with the outbreak of the war. To some extent, it is not a novelty brought about by the Ukrainian crisis, but a direction that has been underway for months.

 On January 31, 2022, the price of a barrel of Brent was USD 89.9, on February 14, 2022, the value was USD 99.2. It is a fact that with the beginning of the war it reached USD 129.3 on March 8. At this point (March 16), it stabilized at USD 99.11. It seems that the equilibrium price of oil in the near future will be between USD 95-100, with, obviously, the possibility of shocks that make it rise or fall abruptly.

Fig. nº 1- Daily Chart of the Price of a Barrel of Brent (May 2021-March 2022)

Source: Trading Economics.com

In relation to Angola, we have to start from the budgeted forecast for 2022, which calculated the price of a barrel at USD 59. Therefore, there will be an added value since the beginning of the year corresponding to a minimum of 50% more. In this sense, as the budget was balanced, it means that there will be a financial surplus, which is obviously good news.

This rise in the price of oil therefore has, in the first place, two positive effects for Angola.

The first is at the level of extraordinary Treasury revenue, which will naturally increase. In simple terms, it can be said that there will be more money available from the state.

The second effect, which is already being felt, is the so-called “feel good factor” (or confidence index). Entrepreneurs and families are rethinking their expectations in a more positive direction, hoping for better signs from the economy. According to the Angolan National Statistics Institute, businesspeople are finally optimistic about the short-term prospects of the national economy, after remaining pessimistic for more than 6 years[2]. The rise in the price of oil is not the only reason for the optimism revealed, but it helps.

Note, however, that oil price gains do not translate directly into a positive budget balance. There are several constraints in translating the rise in oil prices into direct budgetary benefits for Angola.

The first of these is the type of relationship with China. China is the main buyer of Angolan oil. We do not know how the contracts are made and whether they automatically reflect price fluctuations. In the past, some intermediaries in the purchases and sales of oil to China even entered into fixed-price contracts that greatly harmed the Angolan Treasury[3]. It is imagined that such “schemes” no longer exist, but there are no certainties. What is certain is that, probably, the contracts between Angola and China regarding oil will contain some type of “dampers” that will imply that there is no direct impact on prices. Furthermore, some oil experts, such as those at Chatham House, believe that the fact that China buys around 2/3 of Angolan oil (actually 70%[4]) allows it a certain monopolistic control of the price, meaning that Chinese purchases are made in order to lessen price rises, undermining Angolan advantages[5].

Second, we have debt service. Apparently, there are contractual mechanisms that imply that a higher price of oil implies an increase in debt service, that is, in payments to be made. The Minister of Finance, Vera Daves, has already acknowledged that “what results from the price increase cannot be made an arithmetic account with production” and that the price of a barrel of oil, above one hundred dollars, forces Angola to pay more to their international creditors[6].

Furthermore, the rise in the price of oil also has a possible negative effect on the Angolan budget, which refers to the price of fuel sold to the public. As is well known, this price is subsidized by the State; to that extent, if the cost of oil increases and the government does not increase fuel, it means that it will have to bear more subsidies and spend more to maintain fuel prices. If you don’t, you could be fueling inflation, which is no longer low in Angola, and creating social problems and discontent.

There are four factors here: price increase, relations with China, increase in debt payment obligations and increase in fuel subsidy that have to be taken into account to assess the real impact of the rise in oil prices on the accounts and the Angolan economy.

In fact, we do not have precise figures on these impacts, only ideas of magnitude, and in view of these, the conclusion that can be drawn is that a 50% increase in the price of oil in relation to what is foreseen in the Budget leaves a treasury slack that is still accentuated after the increase in debt service payments and support for the rise in fuel prices, and it is undoubted that a financial “cushion” will be created.

The question of food prices

Alongside the price of oil, many other commodity classes are rising in price. One of them is cereals, namely wheat.

Ukraine and Russia together account for a quarter of all world wheat exports. The conflict is dramatically driving up wheat prices. With the start of the war, the price of a bushel of wheat rose to $12.94, 50% more expensive than at the beginning of 2022.

In the midst of a war, it is unclear whether Ukraine’s farmers will be willing to spend whatever capital they have to plant the next harvest, or even if they will be in a position to do so. What is certain is that Ukraine has announced a ban on all exports of wheat, oats and other staple foods to avoid a massive food emergency within its borders. Therefore, wheat exports from Ukraine, even if there is production, are compromised.

Unlike oil, which affects prices almost immediately, grain prices take weeks, if not months, to reach consumers. In reality, raw grain needs to be shipped to processing facilities to make bread and other staples – and that takes time. In this sense, possibly, it will not be an immediate crisis for Angola, but it will reach the country.

According to government sources, Angola is self-sufficient in six basic agricultural products: cassava, sweet potato, banana, pineapple, eggs and goat meat. However, wheat is the most imported commodity, accounting for 11%[7]. Let us recall that wheat is an essential element in the diet of Angolans, which a few months ago led the Minister of Industry and Commerce to suggest replacing bread with cassava, sweet potatoes, roasted bananas and “ginguba” (peanuts). This statement has generated much criticism. However, from the strict point of economic self-sufficiency it may make sense, since possibly the price of bread will rise and eventually the price of national goods may fall, if there is an adequate competitive market.

What is certain is that Angola could be in the same danger as Egypt, an extremely wheat-based crop that suffers social upheaval when the price of wheat rises.

When grain prices soared in 2007-2008, bread prices in Egypt rose by 37%. With unemployment on the rise, more people became dependent on subsidized bread – but the government didn’t react. Annual food inflation in Egypt continued and reached 18.9% before the fall of President Mubarak.

Most of the poor in these countries do not have access to social safety nets. Bread images became central to the Egyptian protests that led to Mubarak’s downfall. Although the Arab revolutions were united under the slogan “the people want to overthrow the regime” and not “the people want more bread”, food was a catalyst. Incidentally, it should be noted that “bread riots” have been occurring regularly since the mid-1980s, usually after the implementation of policies “advised” by the World Bank and the International Monetary Fund.

Angola is not Egypt, but it is essential that the government pay close attention to the evolution of wheat and bread price to avoid social unrest, at a stage when it begins to emerge from the prolonged crisis.

However, as in the case of oil, there is another side, and in this case it is positive. The crisis in agricultural production resulting from the war could be a turning point for foreign investors to invest in agriculture in Angola. Angola is one of the countries in the world with the most potential, as we have already mentioned in a previous report[8], so this may be the time of opportunity for investors to see Angola’s agricultural capacity and take advantage of it. One of the most promising sectors with the most potential is agriculture. There is currently a combination of factors that make it one of the most profitable bets for investment in Angola.

Conclusions and recommendations

The war in Ukraine has several impacts on the Angolan economy.

The rise in the price of oil, not bringing directly proportional revenues, creates a “cushion” in the Treasury and a “feel good factor” in the business community, which could be a growth booster.

The rise in the price of cereals, especially wheat, can create serious inflationary pressures and discontent among the population, a situation for which the government must be aware. At the same time, it will draw attention to the enormous investment potential that Angola has as an agricultural country.

The government should create a special reserve derived from the gains from oil to guarantee the supply of cereals to the poorer sections of the population and also to promote agricultural investment in Angola.


[1] https://www.imf.org/en/News/Articles/2022/03/05/pr2261-imf-staff-statement-on-the-economic-impact-of-war-in-ukraine

[2] https://www.angonoticias.com/Artigos/item/70611/optimismo-regressa-no-seio-dos-empresarios-seis-anos-depois

[3] Rui Verde, Angola at the Crossroads. Between Kleptocracy and Development (2021), p. 24.

[4] https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/china-foi-o-destino-de-71-do-petroleo-exportado-por-angola-em-2020/

[5] Explanations given at a Chatham House meeting that we replicate here, respecting the house rules.

[6] https://rna.ao/rna.ao/2022/03/03/preco-do-petroleo-a-cima-dos-cem-dolares-obriga-governo-angolano-a-pagar-mais-aos-credores/

[7] https://www.expansao.co.ao/economia/interior/grupo-carrinho-destaca-se-nas-importacoes-e-exportacoes-do-pais-106709.html

[8] https://www.cedesa.pt/2020/06/15/plano-agro-pecuario-de-angola-diversificar-para-o-novo-petroleo-de-angola/

Angola’s new strategic partners and Portugal’s position

Angola’s new strategic partners: Spain and Turkey

Two recent intense diplomatic exchanges at the highest level point to the emergence of new strategic partnerships for Angola. In a previous report, we warned of realignments in Angola’s foreign policy[1]. Now, what happens is that this realignment continues, and at an intense pace. The President of the Republic João Lourenço is clearly giving a new dynamic to Angola’s foreign affairs, which is not seen to be affected by some internal unrest on the way to the 2022 electoral process.

The most recent examples of the President’s diplomatic activity are Spain and Turkey. The important thing in relations with these countries, is not whether or not there is a visit at the highest level, it is about having an intensity of visits by both parties and clear objectives designed. It can be said that from a mutual perspective, Spain and Turkey are becoming Angola’s strategic partners.

Let’s start with Spain. Last April, the prime minister of Spain, Pedro Sanchez, who barely left the country during the Covid-19 pandemic, visited Angola. The visit was seen as marking a new era in bilateral cooperation between the two countries and led to the signing of four memoranda on Agriculture and Fisheries, Transport, Industry and Trade. The agreement regarding the development of agribusiness was particularly relevant, in order to build an industry that transforms raw material into finished product in the future, relying on the experience of Spanish businessmen. As is well known, agriculture is one of the Angolan government’s areas of investment in relaunching and diversifying the economy[2]. Therefore, this agreement is dedicated to a fundamental vector of Angolan economic policy.

More recently, at the end of September 2021, the President of the Republic of Angola visited Spain where he was received by the King and the Prime Minister. On that visit, João Lourenço clearly stated that he was in Spain in search of a “strategic partnership” that went beyond the merely economic and business sphere[3]. In turn, the Spanish authorities consider Angola as a “priority country”[4].

Now it will be seen how these broad intentions will materialize in practice, but what is certain is that both countries are clearly betting on an increase in both economic and political relations and their declarations and goals seem to have a direction and meaning.

The same kind of intensified relationship is being established with Turkey. Last July, João Lourenço visited Turkey, where he was extremely well received. From then on, it was agreed that Turkish Airlines would fly twice a week from Turkey to Luanda. It was also announced that Turkey has opened a credit line on its Exxim Bank to boost bilateral economic relationship. This means that the Turkish financial system will finance Turkish businessmen to invest in Angola. As early as October 2021, Turkish President Erdogan visited Angola. This visit was surrounded by all the pomp and circumstance and expressed an excellent relationship between the two countries. Like Spain, Turkey has an aggressive strategy for Africa, where it wants to gain space for its economy and political influence. The agreements signed by Erdogan and João Lourenço were seven, namely, an agreement on mutual assistance in customs matters; a cooperation agreement in the field of agriculture; an agreement for cooperation in the field of industry; a joint declaration for the establishment of the joint economic and trade commission; a memorandum of understanding in the field of tourism and a cooperation protocol between the National Radio of Angola and the Radio and Television Corporation of Turkey[5].

The approach with Turkey, like that of Spain, has as an immediate and structuring objective “that [the Turks] bring above all know-how that allows us to quickly and efficiently diversify and increase our internal production of goods and services”, using the words of João Lourenço[6].

In these two challenges by João Lourenço there is an obvious determination, or rather two.

First, seek new sources of investment that support the fundamental diversification of the Angolan economy. This is extremely important, and the Turkish and Spanish economies are properly diverse to be able to correspond to the model intended by Angola.

The second aspect refers to the need Lourenço feels to detach Angola from an excessive relationship with China and Russia, without harassing them, but looking for new partners. The geopolitical weight of the Cold War and the subsequent implementation of the Chinese model in Africa, with which Angola is identified, weigh heavily in the evaluations of foreign ministries and investors. Thus, Angola is looking for new openings and a “detachment” from that previous brand, not least because Russia does not have the financial muscle to make large investments in Angola, and China is in the middle of an economic turmoil. As we already know, “the Chinese economy grew 4.9% in the third quarter of this year, the lowest rate in a year, reflecting not only the problems it is facing with the indebtedness of the real estate sector, but also the effects of the energy crisis.”[7] This means that China needs a lot of Angolan oil, but it will not have financial resources for large investments in Angola.

In fact, the relations between China and Angola and the need for a reassessment of the same, especially in terms of oil supply and the opacity of the arrangements, will have to be a theme for an autonomous report that we will produce in the near future.

Portugal’s position. The ongoing deberlinization

Having established that the importance of the intensification of Angola’s relations with Spain and Turkey is established, an obvious question arises: and Portugal?

Portugal has tried to be Angola’s partner par excellence, and for this it has accommodated itself, in the past, to the several impulses of Angolan governance.

Currently, there are good political relations between Angola and Portugal. Just recently, João Lourenço said: “I was fortunate that during my first term in office we were able to maintain a very high level of friendship and cooperation between our two countries.” He also added that “personal relationships also help. Therefore, over the years, we have been able to build that same relationship with President Marcelo Rebelo de Sousa and Prime Minister António Costa”.[8] There is no doubt that favorable relations are established between Angola and Portugal. It also helps that Portugal has three ties that are felt every day; historical ties, cultural ties, especially linguistic ties, and emotional ties.

However, despite the satisfaction expressed by the Angolan President regarding the good relations between the two countries, there are structural issues that cast shadows on the relationship and make Portugal’s position less relevant to Angola than in the past, generating some caution on the part of Angola in relation to excessive involvement with Portugal. Actually, there is a decline in the Portuguese position in Angola, vis-à-vis Spain or Turkey, or Germany, France or the United Kingdom. There is an ongoing de-Berlinization of Angola’s foreign policy. João Lourenço sees Portugal as an ally in the CPLP, but not as a gateway or platform to Europe. There, he wants to relate directly to each of the specific European countries. The old idea that pervaded in some European chancelleries that Angolan topics were specific to Portugal and should be dealt with from, or at least, with the Lisbon competition (which we call Berlinization), ended. Each of the European countries now deals with Angola without Portuguese intermediation and vice versa.

This fact results essentially from three factors. One of an economic nature, and two of a political nature.

In the first place, Angola seeks, in its foray around the world, countries with the potential and capital to invest. It is searching for capital to develop its economy. Now Portugal, jumping from crisis to crisis and having a clear lack of capital for its development, will have much less means to move to Angola. And in the famous Portuguese Recovery and Resilience Plan there is nothing specific for investment in Africa or Angola in particular. Consequently, with no provisions highlighted for Angola in the Portuguese Plan, it is clear that the African country will have to go looking for massive investments elsewhere.

However, we believe that this is not the main cause for the relative decline of the Portuguese position in Angolan foreign policy priorities. There are two other reasons, which are interlinked.

In this sense, there is na element that has caused the disquiet of the current Angolan leadership towards Portugal. This element entails in the fact that in the near past, Portugal constituted what the Financial Times of October 19th[9] described as the place where Angola’s rich (and corrupt) elite collected trophies in assets, a kind of playground for the President’s sons José Eduardo dos Santos and other members of the oligarchy. Now, the Angolan government, apparently, looks with some suspicion at Portugal because of this, specially considering the intervention that banks, lawyers, consultants and a whole myriad of Portuguese service providers had in the laundering and concealment of assets acquired with illicitly withdrawn money of Angola. There is a danger that all these entities are making efforts to undermine the famous fight against corruption launched by João Lourenço.

What happened during the years of inspiring growth in Angola, between 2004 and 2014, significantly, is that Portugal acted as a magnet for Angolans’ savings and income. The Angolan ruling elites, instead of investing the money in their country, went to invest it, or merely park it in Portugal, with disastrous consequences for Angola, which found itself without the necessary capital to make its growth sustainable. The reasoning that can be attributed to the Angolan government is that Portugal allowed the Angolan money obtained illicitly to be laundered in its economic and financial system with such depth that it is now very difficult to recover. Ana Gomes, wisely, always warned about this. In fact, if we look at the assets recovered by Angola, with great significance, there has not yet been public news that any of them came from Portugal. There was the 500 million dollars that came from England, but in Portugal, EFACEC was nationalized by the Portuguese government – and that’s okay from the Lisbon’s national interest point of view- but it was realized that Angola would not receive anything from there, as well as one can’t regard a clear path of receiving from other situations.

To this phenomenon is added a second that is presently noted. Lisbon is serving as a platform for the more or less concealed articulation of strong opposition attacks on the Angolan government. Whether through consultants, press or law firms. In this case, unlike possibly in the case of investments and possible money laundering, these activities will take place in accordance with the law and adequate protections of fundamental rights. However, it will create discomfort in the Angolan leadership, which will possibly see a link between the two phenomena, that is, between the fact that Portugal was a safe heaven for Angolan assets obtained illicitly in the past, and now it has become a local of opposition and conspiracy, above all, to the so-called fight against corruption. It is noticed that many of the movements take place in Portugal and its elites continue to help those who were dubbed by João Lourenço as “hornets”, either judicially or in the search for new places to hide their money.

In concrete terms, the episode of EFACEC nationalization combined with the recent judicial decision to “unfreeze” the accounts of Tchizé dos Santos in Portugal, and the generalization of an anti João Lourenço current in large spaces of the Portuguese media, although they constitute decisions or attitudes that are justified in political, legal or ethical terms in Portugal, they are events that reinforce some Angolan distrust of the Portuguese attitude, which can see the former colonial power in a kind of shadow play.

These situations, which have broadened in recent months, are causing some discomfort in Angola, which may consider Portugal as a kind of safe haven for activities that harm the country. Gradually, conspiracies from Portuguese territory abound, such as meetings and other events

It is precisely the reasons mentioned above that lead us to identify some attempt at political distance between the Angolan government and Portugal. There are no easy answers to these equations, although its enunciation has to be made for reflection by all those involved.


[1] CEDESA, 2021, https://www.cedesa.pt/2021/05/18/os-realinhamentos-da-politica-externa-de-angola/

[2] See report CEDESA, 2020, https://www.cedesa.pt/2020/06/15/plano-agro-pecuario-de-angola-diversificar-para-o-novo-petroleo-de-angola/

[3] Deutsche Welle, 2021, https://www.dw.com/pt-002/jo%C3%A3o-louren%C3%A7o-em-espanha-em-busca-de-parceria-estrat%C3%A9gica/a-59344760

[4] Idem note 3.

[5] Presidência da República de Angola, 2021, https://www.facebook.com/PresidedaRepublica

[6] Idem, note 5.

[7] Helena Garrido, 2021, https://observador.pt/opiniao/o-choque-energetico-e-o-orcamento-em-duodecimos/

[8] Observador, 2021, https://observador.pt/2021/10/22/pr-de-angola-ve-relacoes-de-amizade-e-cooperacao-com-portugal-em-nivel-bastante-alto/

[9] Financial Times, 2021, https://www.ft.com/content/4652e15a-f7ba-4d21-9788-41db251c5a76

Os novos parceiros estratégicos de Angola e a posição de Portugal

Os novos parceiros estratégicos de Angola: Espanha e Turquia

Duas recentes intensas trocas diplomáticas ao mais alto nível fazem despontar o surgimento de novas parcerias estratégicas para Angola. Já em anterior relatório alertámos para os realinhamentos da política externa angolana.[1] Ora, o que se verifica é que esse realinhamento continua, e a um ritmo intenso. O Presidente da República João Lourenço está claramente a imprimir uma nova dinâmica aos negócios estrangeiros de Angola, que não se vê que esteja a ser afetada por alguma agitação interna que se verifica no caminho para o processo eleitoral de 2022.

Os exemplos mais recentes da atividade diplomática do Presidente são a Espanha e a Turquia. O importante nas relações com estes países não é haver ou não uma visita ao mais alto nível, é haver uma intensidade de visitas de parte a parte e objetivos claros desenhados. Pode-se dizer que na perspetiva mútua, Espanha e Turquia estão a tornar-se parceiros estratégicos de Angola.

Comecemos por Espanha. Em abril último, o primeiro-ministro de Espanha, Pedro Sanchez, que pouco abandonou o país durante a pandemia Covid-19, visitou Angola. A visita foi encarada como marcando uma nova era na cooperação bilateral entre os dois países e originou a assinatura de quatro memorandos sobre Agricultura e Pescas, Transportes, Indústria e Comércio. Teve especial relevância o acordo referente ao desenvolvimento do agro-negócio, para futuramente montar uma indústria que transforme a matéria-prima em produto acabado, contando com a experiência dos empresários espanhóis. Como se sabe, a agropecuária é uma das áreas de aposta do governo angolano para o relançamento e diversificação da economia.[2] Portanto, este acordo dedica-se a um vetor fundamental da política económica angolana.

Mais recentemente, em finais de setembro de 2021, o Presidente da República de Angola visitou Espanha onde foi recebido pelo Rei e pelo primeiro-ministro. Nessa visita, João Lourenço afirmou claramente que estava em Espanha em busca duma “parceria estratégica” que ultrapassasse a esfera meramente económica e empresarial. [3] Por sua vez, as autoridades espanholas consideram Angola como “país prioritário[4]“.

Agora ver-se-á como estas intenções alargadas se concretizarão na prática, mas o certo é que ambos os países estão a apostar manifestamente num incremento das relações quer económicas, quer políticas e as suas declarações e objetivos parecem ter um rumo e um sentido.

O mesmo tipo de relação intensificada se está a estabelecer com a Turquia. Em julho passado, João Lourenço visitou a Turquia, onde foi extremamente bem-recebido. Aí desde logo ficou acordado que companhia aérea Turkish Airlines iria voar duas vezes por semana da Turquia para Luanda. Também foi anunciado que a Turquia abriu uma linha de crédito no seu Exxim Bank impulsionar a relação económica bilateral. Isto quer dizer que o sistema financeiro turco vai financiar os empresários turcos para investir em Angola. Já em outubro de 2021, o Presidente turco Erdogan visitou Angola. Essa visita foi rodeada de toda a pompa e circunstância e manifestou uma excelente relação entre os dois países. Tal como a Espanha a Turquia tem uma estratégia agressiva para África, onde pretende obter espaço para a sua economia e influência política. Os acordos assinados por Erdogan e João Lourenço foram sete, nomeadamente, um acordo de assistência mútua em matéria aduaneira; um acordo de cooperação no domínio da agricultura; um acordo de cooperação no domínio da indústria; uma declaração conjunta para o estabelecimento da comissão económica e comercial conjunta; um memorando de entendimento no domínio do turismo e um protocolo de cooperação entre a Rádio Nacional de Angola e a Corporação de Rádio e Televisão da Turquia[5].

A abordagem com a Turquia, tal como a de Espanha, tem como objetivo imediato e estruturante “que [os Turcos] tragam sobretudo know-how que nos permita diversificar e aumentar com rapidez e eficiência a nossa produção interna de bens e serviços”, usando as palavas de João Lourenço[6].

Nestas duas apostas de João Lourenço há uma determinação óbvia, ou melhor duas.

Em primeiro lugar buscar novas fontes de investimento que amparem a fundamental diversificação da economia angolana. Tal é de extremo relevo, e as economias turca e espanhola são devidamente diversas para puderem corresponder ao modelo pretendido por Angola.

O segundo aspeto da aposta refere-se à necessidade que Lourenço sente de descolar Angola de uma excessiva relação com a China e a Rússia, sem as hostilizar, mas procurando novos parceiros. O peso geopolítico da Guerra Fria e a sequente implementação do modelo chinês em África, com o qual Angola está identificado pesam muito nas avaliações das chancelarias e investidores. Assim, Angola procura novas aberturas e uma “descolagem” dessa marca anterior, até porque a Rússia não tem músculo financeiro para realizar grandes investimentos em Angola, e a China está no meio dum turbilhão económico. Como é público, a “economia chinesa cresceu 4,9% no terceiro trimestre deste ano, a mais baixa taxa num ano, reflectindo não apenas os problemas que está a enfrentar com o endividamento do sector imobiliário, mas também, e já, os efeitos da crise energética.”[7] Isto quer dizer que a China precisa e muito do petróleo angolano, mas não terá disponibilidades financeiras para avultados investimentos em Angola.

Na verdade, as relações entre a China e Angola e a necessidade de uma reavaliação da mesma, sobretudo ao nível do fornecimento de petróleo e da opacidade dos arranjos terá que ser um tema para um relatório autónomo que iremos produzir no futuro próximo.

A posição de Portugal. A desberlinização em curso

Estabelecida que está a relevância da intensificação das relações de Angola com Espanha e a Turquia, coloca-se uma questão óbvia: e Portugal?

Portugal tem tentado ser o parceiro por excelência de Angola, e para isso tem-se acomodado, no passado, aos vários ímpetos da governação angolana.

Atualmente, existem boas relações políticas entre Angola e Portugal. Ainda recentemente, João Lourenço afirmou o seguinte: “Tive a felicidade de durante este meu primeiro mandato termos sabido manter a um nível bastante alto as relações de amizade e cooperação entre os nossos dois países[8].” Acrescentando ainda que as “relações pessoais também ajudam. Portanto, nós soubemos construir ao longo dos anos essa mesma relação com o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa e com o primeiro-ministro António Costa.” Não existem dúvidas que estão estabelecidas relações favoráveis entre Angola e Portugal.  A isso ajuda também que Portugal conta com três laços que se fazem sentir todos os dias; os laços históricos, os laços culturais, sobretudo linguísticos, e os laços emotivos.

Contudo, e apesar do contentamento expresso pelo Presidente angolano naquilo que diz respeito às boas relações entre os dois países, há questões estruturais que lançam sombras no relacionamento e tornam a posição de Portugal menos relevante para Angola do que no passado, gerando alguma cautela da parte angolana em relação a demasiados envolvimentos com Portugal. Efetivamente, há um declínio da posição portuguesa em Angola, face a Espanha ou a Turquia, ou a Alemanha, França ou Reino Unido. Há uma desberlinização em curso da política externa angolana. João Lourenço verá Portugal como aliado na CPLP, mas não como porta de entrada ou plataforma para a Europa. Aí quer relacionar-se diretamente a cada um dos países europeus em concreto. A velha ideia que perpassava nalgumas chancelarias europeias que os assuntos angolanos eram específicos de Portugal e deviam ser tratados a partir, ou pelo menos, com o concurso de Lisboa (que chamamos berlinização), terminou. Cada um dos países europeus lida agora com Angola sem a intermediação portuguesa e vice-versa.

Este facto resulta essencialmente de três fatores. Um de natureza económica, e dois de natureza política.

Em primeiro lugar, Angola procura nesta sua incursão pelo mundo países com potencialidade e capital para investir. Está à procura de capital para desenvolver a sua economia. Ora Portugal, saltando de crise em crise e tendo uma manifesta falta de capital para o seu desenvolvimento, muito menos terá meios para deslocar para Angola. E no famoso Plano de Recuperação e Resiliência português não se encontra nada específico para investimento em África ou Angola em concreto. Consequentemente, não havendo provisões destacadas para Angola no Plano português, bem se percebe que o país africano terá de ir procurar massivos investimentos noutras paragens.

No entanto, acreditamos que este não é a principal causa para o declínio relativo da posição portuguesa nas prioridades da política externa angolana. Existem outras duas razões, aliás interligadas.

Neste sentido, existe um fator que tem causado a inquietação da atual liderança angolana face a Portugal. Este fator reside no facto de no passado próximo, Portugal ter constituído aquilo a que o Financial Times de 19 de outubro[9] qualifica como o local onde a elite rica (e corrupta) de Angola colecionou troféus em ativos, uma espécie de recreio dos filhos do Presidente José Eduardo dos Santos e de outros membros da oligarquia. Ora, a governação angolana, aparentemente, olha com alguma desconfiança para Portugal devido a isso, sobretudo, considerando a intervenção que bancos, advogados, consultores e toda uma panóplia de prestadores de serviços portugueses tiveram no branqueamento e ocultação de ativos adquiridos com dinheiro ilicitamente saído de Angola. Há o perigo de todas estas entidades estarem a desenvolver esforços para prejudicar o famoso combate contra a corrupção encetado por João Lourenço.

O que se verificou durante os anos de crescimento feérico de Angola, entre 2004 e 2014, sensivelmente, é que Portugal funcionou como íman para as poupanças e rendimentos dos angolanos. As elites dirigentes angolanas em vez de investir o dinheiro no seu país foram investi-lo, ou meramente parqueá-lo em Portugal, com consequências desastrosas para Angola, que se viu sem o capital necessário para tornar sustentável o seu crescimento. O raciocínio que se poderá atribuir ao governo angolano é que Portugal deixou que o dinheiro angolano obtido ilicitamente fosse branqueado no seu sistema económico e financeiro com tal profundidade que agora é de recuperação muito difícil. Ana Gomes, sensatamente, sempre alertou sobre isto. Na verdade, se repararmos em relação a ativos recuperados por Angola com grande significado ainda não houve notícia pública que algum deles proviesse de Portugal. Houve os 500 milhões de dólares que vieram de Inglaterra, mas em Portugal, a EFACEC foi nacionalizada pelo governo português- e bem do ponto de vista do interesse nacional de Lisboa- mas percebeu-se que Angola não receberia nada daí, como também não se vê um caminho claro de recebimento de outras situações.

A este fenómeno adiciona-se um segundo que se nota presentemente. Lisboa está a servir como plataforma para a articulação mais ou menos dissimulada de fortes ataques da oposição ao governo angolano. Seja através de consultoras, imprensa ou escritórios de advogados. Neste caso, ao contrário eventualmente, do caso dos investimentos e possíveis branqueamentos, essas atividades decorrerão de acordo com a lei e as proteções adequadas dos direitos fundamentais. No entanto, criará um mal-estar na liderança angolana, que possivelmente verá uma ligação entre os dois fenómenos, isto é, entre o facto de Portugal ter sido um safe heaven para ativos angolanos obtidos ilicitamente, no passado, e agora se tornar um local de encontro e conspiração da oposição, sobretudo, à chamada luta contra a corrupção. Percebe-se que muitos dos movimentos ocorrem em Portugal e as suas elites continuam a ajudar aqueles que foram apelidados por João Lourenço como “marimbondos”, seja em termos judiciais, seja na procura de novos locais para esconderem o seu dinheiro.

Em termos concretos, o episódio da nacionalização EFACEC aliado à recente decisão judicial de “descongelar” as contas de Tchizé dos Santos em Portugal, e à generalização de uma corrente anti João Lourenço em largos espaços da comunicação social portuguesa, embora constituam decisões ou atitudes que se justificam em termos políticos, legais ou éticos em Portugal, são eventos que fazem reforçar alguma desconfiança angolana face à atitude portuguesa, que podem ver a antiga potência colonial numa espécie de jogo de sombras.

Estas situações que se têm alargado nos últimos meses, estão a provocar algum desconforto em Angola, que poderão considerar Portugal como uma espécie de porto seguro para atividades que prejudicam o país. Paulatinamente, as conspirações oriundas de território português abundam, como as reuniões, encontros e demais eventos

São precisamente os motivos acima referidos que nos levam a identificar alguma tentativa de distanciamento político do governo de Angola face a Portugal. Não há respostas fáceis a estas equações, embora a sua enunciação tenha de ser feita para reflexão de todos os intervenientes.


[1] CEDESA, 2021, https://www.cedesa.pt/2021/05/18/os-realinhamentos-da-politica-externa-de-angola/

[2] Ver nosso Relatório CEDESA, 2020, https://www.cedesa.pt/2020/06/15/plano-agro-pecuario-de-angola-diversificar-para-o-novo-petroleo-de-angola/

[3] Deutsche Welle, 2021, https://www.dw.com/pt-002/jo%C3%A3o-louren%C3%A7o-em-espanha-em-busca-de-parceria-estrat%C3%A9gica/a-59344760

[4] Idem nota 3.

[5] Presidência da República de Angola, 2021, https://www.facebook.com/PresidedaRepublica

[6] Idem, nota 5.

[7] Helena Garrido, 2021, https://observador.pt/opiniao/o-choque-energetico-e-o-orcamento-em-duodecimos/

[8] Observador, 2021, https://observador.pt/2021/10/22/pr-de-angola-ve-relacoes-de-amizade-e-cooperacao-com-portugal-em-nivel-bastante-alto/

[9] Financial Times, 2021, https://www.ft.com/content/4652e15a-f7ba-4d21-9788-41db251c5a76