Artigos

The realignments of Angola foreign policy

1-Introduction. Angola’s geopolitical repositioning

At the moment, when we finish this report, the President of the Republic of Angola is in Paris with the President of the French Republic. This meeting represents one of the points in the ongoing realignment of Angola’s foreign policy. One has only to remember that in the last days of José Eduardo dos Santos, the French were “punished” due to their role in Angolagate.

Angola is not an indifferent country. It has played a geopolitically relevant role throughout its short but intense history after independence. First, it was one of the violent stages of the Cold War, where Americans and Soviets clashed with the virulence that they could not adopt in other geographic locations. Angola ended up being a Soviet bastion of great nomination, where they in reality won when in confrontation with the United States. After the Soviet phase, Angola was once again innovative and became the first African country to receive the new China that opened up to the world and sought in Africa a continent for its expansion and testing of its ideas. Angola has become a partner par excellence of China.

Obviously, this being a simplification, from the point of view of the major trends, the geopolitical position of Angola started to be aligned with the Soviet Union and after its fall, with China. Not being a country that is enraged anti-Western, very far from that, because Angola has a profound influence of European culture, the country has anchored itself in other places over time.

For several reasons, at this moment, Angola is rehearsing a different geopolitical approach that tends to devalue the role of both Russia and China, and to find new references and political dialogues. This text will focus on this devaluation, the new vectors that influence the Angolan repositioning, the countries that will now play a more relevant role in Angola’s external concerns, in addition to a short note on Portugal. Angola’s influence in southern Africa and its stabilizing role in Congos will not be addressed.

2-The decline of the Angolan relationship with Russia and China

The decline in the Soviet (now Russian) relationship with Angola is easy to describe. The Soviet Union’s commitment to Angola was part of a long-term strategy for the involvement of the North Atlantic through the countries of the South. The incursion into Africa that was accelerated by the “loss” of influence in the Middle East in the 1970s due to the cut promoted by Sadat from Egypt and by the Kissinger’s full exploitation. Suddenly, the Soviet Union found itself without one of the main supports it had in the Middle East and from where it hoped to condition the Americans. What is certain is that this situation led to a deepening of several alternatives, among which Angola later stood out. Naturally, the fall of the Berlin Wall in 1989 and the end of the Cold War, with the consequent disintegration of the Soviet Union, meant that Russian interest in Africa waned considerably. The Russia that emerged after Gorbachev’s collapse was no longer interested in any global competition with the United States, but in its survival and transformation. He quickly lost interest in Angola.

It is true that at the present time, Putin has recovered some of the imperial dynamics and is looking for some influence in Africa, but it is still of short reach and has resulted in the sending of mercenaries from the Wagner group, which have had little efficiency, namely in Mozambique. In Angola, there is no significant behaviour by Russia, especially as an essential and determining partner. There are obviously contacts and relationships. There is a lot of talk about the Russian influence on Isabel dos Santos, who might be a citizen of that country, but the fact is that there are no visible Russian investments or ties with Luanda with obvious relevance. In 2019, Russian investments in Angola of 9 billion euros were announced, but there is no known sequence of that. In addition, Angola’s external public debt to Russia is zero according to data from the National Bank of Angola (BNA), having been fully settled by 2019.

It is more difficult to wind up the declining relationship with China. In fact, Chinese investment in Angola has been growing, at least until 2020, and the Angolan external public debt vis-à-vis China in 2020 represented US $ 22 billion, equivalent to more than 40% of the total. The Chinese implantation in Angola is profound, suffice to mention in sociological terms the relevance of the City of China.

However, there is evidence that the Chinese preference is decreasing, or at least, being mitigated. The first indication refers to the negotiations for a new loan that took João Lourenço to China at the beginning of his term. The first information for the press reported large amounts to be made available by China, of around 11 billion dollars. The reality is that there were several procrastinations on that loan, which apparently ended up involving a reduced amount of US $ 2 billion that might have suited to make payments of Angolan debt to Chinese companies.

What is certain is that if we observe the evolution of the Angolan public external debt to China, we will see that there was a remarkable leap between 2015 and 2016, from about US $ 11.7 billion to US $ 21.6 billion, which the debt reached the peak in 2017, 23 billion dollars and that since then has been decreasing with a significant cadence. It seems that China does not want to be involved with Angola any more, preferring to go on managing the current involvement.

If on the part of China it is possible to glimpse some recalcitrance in the relationship with Angola, on the Angolan side there are also obstacles. The first of them is the nature of the Angolan debt to China. Many claim that a good part of this debt is what is called “odious debt”, that is, it served to benefit corrupt private interests and not the country’s development. There is the impression that the opacity with which doing business with China has allowed the creation of situations of corruption that are too evident and harmful to the country. Thus, China’s debt is partly seen as a debt of corruption. In addition, quality problems have arisen in some Chinese buildings in Angola financed by Chinese debt. It is not clear whether this lack of quality is due to any Chinese negligence or objectionable behaviour on the part of Angolan officials, but it is certain that the image persists.

This means that since China is still a key partner for Angola, it is currently in a kind of reassessment phase. It is necessary to resolve the problem of the debt of the past linked to corruption, of the way of contracting too opaque on the part of China and also issues related to quality. It is a demanding task, but required to reactivate the Chinese and Angolan common interest.

If the relationship with Russia does not have the relevance of the past and with China is in a phase of reevaluation and reconditioning, it is clear that Angola, above all, given the changes as it passes, will have to actively seek new partners.

3-The new vectors of Angolan action: goals and countries

The Angolan relationship with Russia and China concurred with the need to assert its own sovereignty, independent of external interference, and also to obtain funds for war and post-war reconstruction. João Lourenço’s current foreign policy is placed at a slightly different level, in which it is important to gather external support for the two major reforms that are being carried out internally: economic reform and the fight against corruption. Both reforms need external collaboration, without which they may not survive.

Economic reform is based on the so-called Washington consensus proposed by the International Monetary Fund (IMF), although international intellectuals and bureaucrats have already abandoned this designation and refuse it. Even so, it implies the adoption of policies to raise taxes and restrict expenditure with the respective fiscal consolidation. Naturally, this type of policy is recessive, in the short term, it increases the economic crisis in Angola. The great way to overcome this effect is to obtain foreign investment and a lot. In fact, says the theory followed, that with these disciplinary reforms of the IMF, foreign investors start to trust the governments that follow them and feel safe to invest. In short, foreign investment is the necessary counterweight to the IMF reforms and the key to their success. Consequently, it is not surprising that one of the main vectors of Angolan foreign policy is the approach to countries with a remarkable reproductive investment capacity and with proven evidence.

In what concerns the fight against corruption, the panorama that is presented is that, in general, it is the countries with the potential to invest in Angola, those in which judicial collaboration is required to recover assets or trace illegal financial movements. The Angolan oligarchies that diverted public funds sent them to the most advanced countries or those with the greatest financial potential.

Therefore, there is a group of countries that currently are of great interest to Angola: they are those with an efficient investment capacity and with a financial system through which many of the illicit movements of Angolan funds have passed, as well as where assets bought, possibly with these funds. At the moment, neither China nor Russia are countries where more investment is expected, nor were the places chosen, apparently, to park illicit goods or assets. Or if they were, there is no knowledge of what is going on there and it is sheltered.

It is in this context that a number of countries have assumed relevance. A first group is the Western Europe countries that have stood out in visits and announcements of investments in Angola. At the beginning of April 2021, the Prime Minister of Spain, Pedro Sanchez, paid a visit to Angola. This visit was accompanied by a great Spanish commitment, affirming Angola as one of Spain’s preferred partners in Africa, and this as a great Spanish bet. It was announced that Angola was the “prow” of a project in Madrid that he called “Focus Africa 2023.” Last year, it was the turn of German Chancellor Angela Merkel to visit Angola within the framework of an Angola-Germany Economic Forum and more broadly of a German Marshall Plan for Africa. Also, President Macron announced a visit to Angola, which has been postponed due to Covid-19. In turn, the Italian President had already visited Angola in 2019. In relation to the United Kingdom, there have been no visits of such high level, but some interest in Angola is beginning to be noticed due to the impositions of Brexit, which they demand new markets for the UK, although there is a huge lack of knowledge.

Visits have followed several promises of investment from Western Europe. The Italian oil company (ENI) plans to invest seven billion dollars (5.9 billion euros) over the next four years in research, production, refining and solar energy, it announced in early April 2021. Before, British businessmen said they intend to invest around US $ 20 billion in Angola. Germany and France also have several projects underway.

This axis of Western Europe has become vital in Angolan foreign policy, as these countries need new markets and investments, to get out of excessive dependence on China, and in the British case, also to look for post-Brexit alternatives, and being mature markets, they have to find out where the youth and the future is, and that is in Africa.

With João Lourenço able to convey the image that governs a competent government and with stable macroeconomic rules and turned to the free market, Spanish, French, British, Italian or German investors will feel safe to invest. At the same time, many of the fortunes out of Angola lay there, so there will be an opportunity to create mechanisms for their recovery or redirection.

It should be noted that, contrary to what one might think, this Westernization of Lourenço’s foreign policy does not pass through Portugal, but indicates a direct approach between European countries and Angola and vice versa.

To this Western European axis it is necessary to add another one, the Gulf axis. The Gulf countries, in which the United Arab Emirates and Saudi Arabia stand out. These countries, previously dependent on oil, have entered into a diversification policy. Dubai for some years now and with tremendous success. Saudi Arabia is still taking its first steps, with the so-called Vision 2030, but what is certain is that they want to invest outside their traditional scope and find new markets. In fact, Dubai already has several investments in Luanda and one of its companies has now taken over the Port of Luanda and in Saudi Arabia, Luanda has now opened an Embassy, ​​which reveals its interest in the kingdom. On the other hand, we know, Dubai is a quite important international financial center and where several Angolan financial movements have gone through, as well as being used in tax evasion schemes in the diamond trade. Allegedly, contrary to what has been its practice, Dubai will be collaborating with requests for Angolan legal aid, representing a typical example of the new geopolitical axis that we are describing, countries with potential for investment and judicial collaboration in the fight against corruption.

In summary, we conclude that a new Angolan geopolitical approach focuses on the countries of Western Europe and the Persian Gulf. But it doesn’t stop there.

4-India’s potential

The amount of trade between Sub-Saharan Africa and India has grown steadily, and today India is a key trading partner for Africa. With regard to Angola, the country is today the third most important exporter in sub-Saharan Africa to India, when in 2005 it was irrelevant. In 2017, the Ambassador of India issued a statement in which he highlighted: “Trade between Angola and India increased 100% to US $ 4.5 billion in 2017, (…) At the end of July, outside the 10th BRICS summit , in Johannesburg, the President of Angola, João Lourenço, met with the Indian Prime Minister, Narendra Modi, and the two reaffirmed the need to increase trade and cooperation in areas such as energy, agriculture, food and pharmaceutical processing. ” As India grows and becomes a very important player worldwide, it is normal for Angola to look at this country with a new vision. It is a millionaire market to which an immensity of Angolan exports can reach.

5- The United States of America. The ultimate prize

The relationship between Angola and the United States has been ambiguous. In fact, even in the days when the US administration supported Jonas Savimbi and UNITA, there was a relationship with Luanda linked to oil and the protection of American multinationals operating in territory dominated by the MPLA government.

Currently, the United States represents everything Angola wants, the country of the dollar with an enviable investment capacity and financial innovation, with a universalizing legal structure that allows it to use multiple legal instruments around the world to pursue the fortunes of corruption. It is also from the United States that Angola needs to raise the various “red flags” that were erected during the time of José Eduardo dos Santos and made Angolan financial life much more difficult. The United States is the key country for this new Angolan phase of foreign investment and fight against corruption, because from here the definitive stimulus for progress can come.

In a way, João Lourenço was unlucky to come across Trump when he needed the USA. It is known that Trump had no interest in Africa, that he only served for his wife to take a trip in colonial style attire. Worse would have been impossible. But American indifference does not have to be an obstacle to a greater Angolan commitment to relations with the superpower. In the early 1970s, Anwar Sadat from Egypt also decided that he wanted to get closer to the United States. These occupied with a thousand and one crises, among which Vietnam stood out, paid no attention to Sadat, who continued to follow his line, expelling Soviet advisers and starting a rapprochement with the Americans.

Historical comparisons and evolutions aside-Sadat ended up murdered for having signed a peace agreement with Israel on American auspices- what seems more logical for Angola at this stage is to accentuate a closer relationship with the United States, even if they are not attentive. And they won’t be, because between Covid-19, China and Russia, and multiple small internal crises have a lot to deal with. However, effective and real US support for the new Angolan policy is essential for the country to come out of the doldrums and no longer have external financial constraints, so a vigorous approach to the US administration would be advisable on the part of Angola, despite of the mutual distrust that exists.

6-Portugal is different

Regarding the visit of Pedro Sanchez, Spanish Prime Minister, Angola came up with some criticisms of the Portuguese government, accusing him of inaction and of being overtaken by Spain. This is nonsense. Not even Portugal can think of having a monopoly on relations with Angola, nor is there any danger in Portuguese-Angolan relations. Portugal is always a separate case, its influence comes less from the government and more from soft power, from the umbilical connection that remains between the peoples of both countries. Luanda continues to stop when Sporting wins the championship or Benfica have a very important game, the favorite destination of most Angolans is Portugal, easy personal relationships are established between Portuguese and Angolans. Portuguese businessmen always look to Angola as a possibility for expanding their business. The relations between Angola and Portugal have an underlying relationship between the peoples before the intervention of the governments.

At the official level, the Portuguese government is generally welcoming towards Angola. Around 2005, he welcomed the wishes of Angolan investment, currently he accepted the requests for judicial cooperation from Angola in relation to Isabel dos Santos, as it ended up sending Manuel Vicente’s case to Angola after great pressure from Luanda. Let’s say there is a manifest porosity of the Portuguese position, easily adapting to the positions and needs of Luanda. This position, combined with the interest of the Angolan elites in Portugal, has ended up consolidating a good relationship between the two countries, despite a bump or two. It is clear that after April 25, 1974, Portugal lost interest in Africa, making its accession to Europe and becoming a modern western country its number one priority. This project has been a little tangled since 2000, but it has not led Portugal to a revision of its European focus yet, it only forced it to take a longer look at Africa, after decades of disinterest. Perhaps there is a time when Portugal wants to focus its foreign policy on Portuguese-speaking countries, but this is not the time, as it is not for Angola, which wants to embrace other “voices”, such as the English-speaking and French-speaking countries, thus, the best that governments can to do is to make life as easy as possible for its population who wish to work in common and mutually support each other’s requests, but little else.

Conclusion

The summary of the new Angolan geopolitical position is that Angola is betting on vectors linked to foreign investment and fighting corruption, assuming relevance in foreign policy, partnerships with Western Europe, Spain, France, Italy, Germany, United Kingdom, with the Persian Gulf, Emirates and Dubai, and with India. At the same time, a strengthening of relations with the United States is anticipated. Portugal will always have a place apart.

Reference Bibliography:

-Banco Nacional de Angola-Statistics- www.bna.ao

-Douglas Wheeler and René Pélissier, História de Angola, 2011

-Ian Taylor, India’s rise in Africa, International Affairs, 2012

-José Milhazes, Angola – O Princípio do Fim da União Soviética, 2009

-Robert Cooper, The Ambassadors: Thinking about Diplomacy from Machiavelli to Modern Times, 2021

-Rui Verde, Angola at the Crossroads. Between Kleptocracy and Development, 2021

-Saudi Vision 2030- https://www.vision2030.gov.sa/en

-Tom Burgis, The Looting Machine. Warlords, Tycoons, Smugglers and the Systematic Theft of Africa’s Wealth, 2015.

-Public and informational facts taken from Lusa, DW, Jornal de Negócios, Jornal de Angola, Angonotícia and Novo Jornal.

Os realinhamentos da política externa de Angola

1-Introdução. O reposicionamento geopolítico de Angola

No momento, em que terminamos este relatório, o Presidente da República de Angola encontra-se em Paris com o Presidente da República Francesa. Este encontro representa um dos pontos do realinhamento em curso da política externa de Angola. Basta lembrar que nos últimos tempos de José Eduardo dos Santos, os franceses estavam de “castigo” devido ao seu papel no Angolagate.

Angola não é um país indiferente. Tem desempenhado um papel geopoliticamente relevante ao longo da sua curta, mas intensa história após a independência. Primeiramente, foi um dos palcos violentos da Guerra Fria, onde americanos e soviéticos se digladiaram com a virulência que não podiam adotar noutras localizações geográficas. Angola acabou por ser um bastião soviético de grande nomeada, onde estes na realidade ganharam quando em confronto com os Estados Unidos. Depois da fase soviética, Angola foi mais uma vez inovadora e tornou-se o primeiro país africano a receber a nova China que se abria ao mundo e procurou em África um continente para a sua expansão e teste das suas ideias. Angola tornou-se um parceiro por excelência da China.

            Obviamente, sendo uma simplificação, do ponto de vista das grandes tendências a posição geopolítica de Angola começou por estar alinhada com a União Soviética e após a queda desta, com a China. Não se tratando dum país rabidamente antiocidental, muito longe disso, até porque Angola tem uma profunda influência da cultura europeia, o país ancorou-se em outras paragens ao longo do tempo.

Por várias razões, neste momento, Angola ensaia uma diferente aproximação geopolítica que tende a desvalorizar o papel quer da Rússia, quer da China, e a encontrar novas referências e diálogos políticos. Este texto debruçar-se-á sobre essa desvalorização, os novos vetores que influenciam o reposicionamento angolano, os países que agora desempenharão um papel mais relevante nas preocupações externas de Angola, além de uma curta nota sobre Portugal. Não se abordará a influência de Angola na África Austral e o seu papel de estabilização nos Congos.

2-O declínio da relação angolana com a Rússia e a China

O declínio da relação soviética (agora russa) com Angola é fácil de descrever. A aposta da União Soviética em Angola fazia parte de uma estratégia de longo-prazo de envolvimento do Atlântico Norte através dos países do Sul. A incursão em África que foi acelerada pela “perda” da influência no Médio-Oriente nos anos 1970s derivada do corte promovido por Sadat do Egipto e pelo aproveitamento oportuno de Kissinger. De repente, a União Soviética viu-se sem um dos suportes principais que tinha no Médio Oriente e de onde esperava condicionar os americanos. O certo é que essa situação levou a um aprofundamento de várias alternativas entre as quais mais tarde se destacou Angola. Naturalmente, que a queda do Muro de Berlim em 1989 e o final da Guerra Fria, com a consequente desagregação da União Soviética levaram a que o interesse russo em África esmorecesse consideravelmente. A Rússia que emergiu após o colapso de Gorbachev já não estava interessada em qualquer competição mundial com os Estados Unidos, mas na sua sobrevivência e transformação. Rapidamente perdeu o interesse em Angola.

            É certo que atualmente, Putin recuperou alguma da dinâmica imperial e procura alguma influência em África, mas ainda é de curto alcance e tem-se traduzido no envio de mercenários do grupo Wagner, que têm tido pouca eficácia, designadamente em Moçambique. Em Angola, não se nota uma atuação relevante da Rússia, sobretudo como parceiro essencial e determinante. Existem obviamente contactos e relações. Fala-se muito na influência russa em Isabel dos Santos, que será cidadã desse país, mas o certo é que não são visíveis investimentos ou laços russos com Luanda com manifesto relevo. Em 2019, foram anunciados investimentos russos em Angola de 9 mil milhões de euros, mas não se conhece sequência de tal. A isto acresce que a dívida pública externa de Angola à Rússia é zero de acordo com os dados do Banco Nacional de Angola (BNA), tendo sido liquidada na sua totalidade até 2019.

            Mais difícil é concluir pelo declínio da relação com a China. Na verdade, o investimento chinês em Angola tem vindo a crescer, pelo menos até 2020, e a dívida pública externa angolana face à China representava em 2020, 22 mil milhões de dólares, o equivalente a mais de 40% do total. A implantação chinesa em Angola é grande, bastando referir em termos sociológicos a relevância da Cidade da China.

            No entanto, há indícios que a preferência chinesa está a diminuir, ou pelo menos, a ser mitigada. O primeiro indício refere-se às negociações de um novo empréstimo que levou João Lourenço à China no início do seu mandato. As primeiras informações para a imprensa davam conta de montantes avultados a serem disponibilizados pela China, na ordem dos 11 mil milhões de dólares. A realidade é que houve variadas procrastinações nesse empréstimo, que acabou aparentemente para envolver uma quantia reduzida de 2 mil milhões de dólares que terá servido para fazer pagamentos de dívida angolana a empresas chinesas.

O certo é que se analisarmos a evolução da dívida pública externa angolana à China verificaremos que um houve um salto assinalável entre 2015 e 2016, de cerca de 11,7 mil milhões de dólares para 21,6 mil milhões de dólares, que a dívida atingiu o pico em 2017, 23 mil milhões de dólares e que desde aí tem vindo a diminuir com uma cadência significativa. Afigura-se que a China não se quer envolver mais com Angola, preferindo ir gerindo o atual envolvimento.

            Se da parte da China se poderá vislumbrar alguma recalcitrância na relação com Angola, da parte angolana também existem obstáculos. O primeiro deles é a natureza da dívida angolana à China. Muitos alegam que uma boa parte desta dívida é o que se chama “dívida odiosa”, isto é, serviu para beneficiar interesses privados corruptos e não o desenvolvimento do país. Existe a impressão que a opacidade com que se fazem os negócios com a China permitiu a criação de situações de corrupção demasiado evidentes e prejudiciais ao país. Assim, a dívida da China é, em parte, vista como dívida da corrupção. A isto acresce que surgiram problemas de qualidade nalgumas construções chinesas em Angola financiadas por dívida chinesa. Não está claro se essa falta de qualidade se deve a qualquer negligência chinesa ou a comportamentos censuráveis por parte de responsáveis angolanos, mas o certo é que a imagem persiste.

            Isto quer dizer que sendo ainda a China um parceiro fundamental de Angola, está-se, neste momento, numa espécie de fase de reavaliação. Forçosamente há que resolver o problema da dívida do passado ligada à corrupção, do modo de agir contratual demasiado opaco por parte da China e também as questões ligadas à qualidade. É uma tarefa exigente, mas necessária para reativar o interesse comum chinês e angolano.

            Se a relação com a Rússia não tem a relevância do passado e com a China está numa fase de reavaliação e recondicionamento, é evidente que Angola, sobretudo, atendendo às mudanças porque passa, terá que buscar novos parceiros ativamente.

3-Os novos vetores de atuação angolana: objetivos e países

A relação angolana com a Rússia e a China coincidiu com a necessidade de afirmar uma soberania própria e independente de interferências externas, e também da obtenção de fundos para a guerra e reconstrução pós-guerra. A atual política externa de João Lourenço coloca-se num patamar ligeiramente diferenciado, em que é importante congregar o apoio externo para as duas grandes reformas que estão a ser levadas a cabo internamente: a reforma económica e a luta contra a corrupção. Ambas as reformas necessitam de colaboração externa, sem o qual podem não sobreviver.

            A reforma económica assenta no chamado consenso de Washington proposto pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), embora os intelectuais e burocratas internacionais tenham já abandonado esta designação e a recusem. Ainda assim, implica a adoção de políticas de alargamento dos impostos e restrição da despesa com a respetiva consolidação fiscal. Naturalmente que este tipo de políticas é recessivo, aumenta, no curto-prazo, a crise económica em Angola. A grande forma de ultrapassar este efeito é obter investimento externo e muito. Aliás, diz a teoria seguida, que havendo estas reformas disciplinadoras do FMI, os investidores estrangeiros passam a confiar nos governos que as seguem e sentem-se seguros para investir. Em resumo, o investimento estrangeiro é o contrapeso necessário às reformas do FMI e a chave do sucesso destas. Consequentemente, não admira que um dos principais vetores da política externa angolana seja a aproximação a países com capacidade de investimento reprodutor assinalável e com provas dadas.

            Naquilo que diz respeito à luta contra a corrupção, o panorama que se apresenta é que, de uma maneira geral, são os países com potencialidades para investir em Angola, aqueles em que é necessária a colaboração judicial para recuperação de ativos ou traço de movimentos financeiros ilegais. As oligarquias angolanas que desviaram fundos públicos remeteram-nos para os países mais avançados ou com maior potencial financeiro.

Portanto, há um grupo de países que atualmente interessa de sobremaneira a Angola: são aqueles com capacidade de investimento eficiente e com um sistema financeiro por onde passaram muitos dos movimentos ilícitos de fundos angolanos, bem como onde se sedearam ativos comprados, possivelmente, com esses fundos. Neste momento, nem a China, nem a Rússia são países de onde se espere mais investimento, nem foram os locais escolhidos, aparentemente, para parquear bens ou ativos ilícitos. Ou se foram não há qualquer conhecimento do que lá se passa e está acolhido.

            É neste contexto que tem assumido relevância uma série de países. Um primeiro grupo são os países da Europa Ocidental que se têm destacado em visitas e anúncios de investimentos em Angola. No início deste mês de Abril de 2021, o primeiro-ministro de Espanha, Pedro Sanchez, fez uma visita a Angola. Esta visita foi acompanhada de grande empenho espanhol, afirmando Angola como um dos parceiros preferenciais de Espanha em África, e esta como uma grande aposta espanhola. Anunciou-se que Angola era a “proa” duma empreitada de Madrid a que chamou “Foco África 2023.” No ano passado, tinha sido a vez da Chanceler alemã Angela Merkel visitar Angola no âmbito de um Fórum Económico Angola-Alemanha e mais alargadamente de um Plano Marshall alemão para África. Também, o Presidente Macron anunciou uma visita a Angola, que tem sido adiada devido à Covid-19. Por sua vez o Presidente italiano já havia visitado Angola em 2019. Em relação ao Reino Unido não tem havido visitas deste nível tão elevado, mas começa a notar-se algum interesse por Angola devido às imposições do Brexit, que exigem novos mercados para o Reino Unido, embora haja um enorme desconhecimento.

            Às visitas têm sucedido variadas promessas de investimento da Europa Ocidental. A empresa italiana de petróleos (ENI) prevê investir sete mil milhões de dólares (5,9 mil milhões de euros), nos próximos quatro anos, na pesquisa, produção, refinação e energia solar, anunciou no início de abril de 2021. Antes empresários britânicos afirmaram pretender investir em Angola cerca de 20 mil milhões de dólares. Também a Alemanha e a França têm vários projetos em curso.

            Este eixo da Europa Ocidental tornou-se fundamental na política externa angolana, pois estes países necessitam de novos mercados e investimentos, para saírem da excessiva dependência da China, e no caso britânico, também para procurar alternativas pós-Brexit, e sendo mercado maduros, têm de ir ao encontro de onde está a juventude e o futuro, e isso está em África.

Conseguindo João Lourenço passar a imagem que rege um governo competente e com regras macroeconómicas estáveis e viradas para o mercado livre, os investidores espanhóis, franceses, britânicos, italianos ou alemães sentir-se-ão seguros para investir. Ao mesmo tempo, nestes países residem muitas das fortunas saídas de Angola, portanto, haverá oportunidade de criar mecanismos para a sua recuperação ou redirecção.

            Note-se que ao contrário do que se poderia pensar, esta Ocidentalização da política externa de Lourenço não passa por Portugal, mas indica uma abordagem direta entre os países europeus e Angola e vice-versa.

            A este eixo Europeu Ocidental há que adicionar outro, o eixo do Golfo. Os países do Golfo, em que se destacam os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita. Estes países, previamente dependentes do petróleo, entraram numa política de diversificação. O Dubai já há alguns anos e com tremendo sucesso. A Arábia Saudita ainda dá os primeiros passos, com a chamada Visão 2030, mas o certo é que querem investir fora do seu âmbito tradicional e encontrar novos mercados. Na verdade, o Dubai já tem vários investimentos em Luanda e uma sua empresa tomou agora conta do Porto de Luanda e na Arábia Saudita, Luanda abriu agora uma Embaixada, o que revela bem o interesse no reino. Por outro lado, como se sabe, o Dubai é um centro financeiro internacional de grande nomeada e por onde passou variada movimentação financeira angolana, bem como foi utilizado nos esquemas de fuga ao fisco no comércio de diamantes. Alegadamente, ao contrário do que tem sido a sua prática, o Dubai estará a colaborar com os pedidos de auxílio judiciário angolanos, representando um exemplo típico do novo eixo geopolítico que estamos a descrever, países com potencial de investimento e de colaboração judicial na luta contra corrupção.

            Sumariamente, concluímos que uma nova aproximação geopolítica angolana se centra nos países da Europa Ocidental e do Golfo Pérsico. Mas não se fica por aqui.

4-O potencial da Índia

            A quantidade de comércio entre a África Subsaariana e a Índia tem crescido de forma consistente, e hoje a Índia é um parceiro comercial fundamental de África. Relativamente a Angola, o país é hoje o terceiro exportador na África subsaariana mais importante para a Índia, quando em 2005 não tinha relevância. Em 2017, o Embaixador da Índia emitiu um comunicado no qual destacou: “O comércio entre Angola e a Índia aumentou 100% para US $ 4,5 biliões em 2017, (…) No final de julho, à margem da 10ª cimeira dos BRICS, em Joanesburgo, o presidente de Angola, João Lourenço, reuniu-se com o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, e os dois reafirmaram a necessidade de aumentar o comércio e a cooperação em áreas como energia, agricultura, alimentos e processamento farmacêutico.”. Há medida que a Índia vai crescendo e se tornando um ator muito importante a nível mundial, é normal que Angola olhe para este país com uma nova visão. Trata-se de um mercado milionário para onde uma imensidão das exportações angolanas pode chegar.

5-Estados Unidos da América. The ultimate prize

            A relação entre Angola e os Estados Unidos tem sido ambígua. Na verdade, mesmo nos tempos em que a administração norte-americana apoiava Jonas Savimbi e a UNITA, havia um relacionamento com Luanda ligado ao petróleo e à proteção das multinacionais americanas a operar em território dominado pelo governo do MPLA.

            Atualmente, os Estados Unidos representam tudo o que Angola deseja, o país do dólar com uma capacidade de investimento e inovação financeira invejável, com uma estrutura jurídica universalizante que permite lançar mão de múltiplos instrumentos legais por todo o mundo para perseguir as fortunas da corrupção. É também dos Estados Unidos que Angola necessita que sejam levantados os vários “sinais vermelhos” que foram sendo erguidos nos tempos de José Eduardo dos Santos e tornaram a vida financeira angolana muito mais difícil. Os Estados Unidos são o país chave para esta nova fase angolana de investimento externo e combate à corrupção, porque daqui pode vir os estímulos definitivos de avanço.

            De certa forma, João Lourenço teve azar em se deparar com Trump, quando necessitava dos EUA. É conhecido que Trump não tinha qualquer interesse em África, que apenas serviu para a sua mulher realizar uma viagem em trajes estilo colonial.  Pior teria sido impossível. Mas a indiferença americana não tem de ser um obstáculo a um maior empenho angolano nas relações com a superpotência. No início dos anos 1970, Anwar Sadat do Egipto também decidiu que se queria aproximar dos Estados Unidos. Estes ocupados com mil e uma crises, entre as quais se destacava o Vietname não deram qualquer atenção a Sadat, que não deixou de seguir a sua linha, expulsando os conselheiros soviéticos e iniciando uma aproximação aos norte-americanos.

Comparações e evoluções históricas à parte-Sadat acabou assassinado por ter assinado um acordo da paz com Israel sobre os auspícios americanos- o que parece mais lógico para Angola nesta fase é acentuar uma aproximação aos Estados Unidos, mesmo que estes não estejam atentos. E não estarão, pois entre a Covid- 19, a China e a Rússia, e múltiplas pequenas crises internas têm muito com que se ocupar. No entanto, o apoio efetivo e real dos EUA à nova política angolana é fundamental para que o país saia do marasmo e deixe de ter os condicionalismos financeiros externos, portanto, uma vigorosa aproximação à administração norte-americana seria aconselhável por parte de Angola, apesar da desconfiança mútua que existe.

6-Portugal é diferente

            A propósito da visita de Pedro Sanchez, primeiro-ministro espanhol, a Angola surgiu algumas críticas ao governo português, acusando-o de inação e de estar a ser ultrapassado por Espanha. Isto é um disparate. Nem Portugal pode pensar ter o monopólio das relações com Angola, nem sequer há qualquer perigo nas relações luso-angolanas. Portugal é sempre um caso à parte, a sua influência vem menos do governo e mais do soft power, da ligação umbilical que se mantém entre os povos de ambos os países. Luanda continua a parar quando o Sporting ganha o campeonato ou o Benfica tem um jogo muito importante, o destino preferido da maior parte dos angolanos é Portugal, as relações pessoais fáceis estabelecem-se entre portugueses e angolanos. Os empresários portugueses olham sempre para Angola como uma possibilidade de expansão dos seus negócios. As relações entre Angola e Portugal têm subjacente um entrosamento entre os povos antes da intervenção dos governos.

            A nível oficial o governo português é geralmente acolhedor em relação a Angola. Cerca de 2005 acolheu os desejos de investimento angolano, atualmente, acedeu aos pedidos de cooperação judicial de Angola relativamente a Isabel dos Santos, como antes acabou por enviar o processo de Manuel Vicente para Angola após grande pressão de Luanda. Digamos que há uma porosidade manifesta da posição portuguesa, adaptando-se com facilidade às posições e necessidades de Luanda. Esta posição aliada ao interesse das elites angolanas em Portugal, tem acabado por consolidar uma boa relação entre os dois países, apesar de um ou outro solavanco. É evidente que após o 25 de Abril de 1974, Portugal desinteressou-se de África, fazendo como sua prioridade número um a adesão à Europa e o tornar-se um país moderno ocidental. Este projeto está um pouco enrodilhado desde 2000, mas não levou Portugal ainda a uma revisão do seu foco europeu, apenas o obrigou a um olhar mais prolongado para África, depois de décadas de desinteresse. Talvez exista um momento em que Portugal queira centrar a sua política externa nos países lusófonos, mas esta não é a altura, como não é para Angola, que quer abraçar outras fonias, como a anglófona e francófona, portanto, o melhor que os governos podem fazer é facilitar o máximo a vida aos seus povos que desejem trabalhar em comum e apoiar mutuamente as solicitações de cada uma das partes, mas pouco mais.

Conclusão

O sumário da nova posição geopolítica angolana é que Angola aposta nos vetores ligados ao investimento externo e combate contra a corrupção, assumindo relevância na política externa parcerias com a Europa Ocidental, Espanha, França, Itália, Alemanha, Reino Unido, com o Golfo Pérsico, Emirados e Dubai, e com a Índia. Ao mesmo tempo, antecipa-se um reforço das relações com os Estados Unidos. Portugal terá sempre um lugar à parte.


Bibliografia utilizada

-Banco Nacional de Angola-Estatísticas- www.bna.ao

-Douglas Wheeler e René Pélissier, História de Angola, 2011

-Ian Taylor, India’s rise in Africa, International Affairs, 2012

-José Milhazes, Angola – O Princípio do Fim da União Soviética, 2009

-Robert Cooper, The Ambassadors: Thinking about Diplomacy from Machiavelli to Modern Times, 2021

-Rui Verde, Angola at the Crossroads. Between Kleptocracy and Development, 2021

-Saudi Vision 2030- https://www.vision2030.gov.sa/en

-Tom Burgis, The Looting Machine. Warlords, Tycoons, Smugglers and the Systematic Theft of Africa’s Wealth, 2015.

-Factos públicos e informativos retirados da Lusa, DW, Jornal de Negócios, Jornal de Angola, Angonotícias e Novo Jornal.

Why China should reduce Angola’s debt

Angola’s public debt at the present

In its December 2019 report on Angola, the International Monetary Fund (IMF) stated that: “Angola’s public debt is sustainable, but the risks have increased and the vulnerabilities remain. [1]”While forecasting a peak of 111% public debt/ GDP by the end of 2019, the IMF’s view was optimistic for several reasons, namely the mobilization of new non-oil revenues in the 2020-2021 budgets, the rapid implementation of structural reforms and the continuation of the privatization program.[2]

The percentage increase in public debt/ GDP forecasting was due to three factors: the depreciation of the kwanza in the fourth quarter of 2019 (about four fifths of the increase), the fall in prices and oil production, and the slow economic recovery. Therefore, the first point to be emphasized is the fact that 80% of the increase in the percentage of public debt/GDP derives from the depreciation of the kwanza.

Consequently, a policy favoured by the IMF (currency depreciation) would negatively influence another aspect considered important by the same organization (public debt / GDP ratio). This means that it was not too important to look at this relationship to calculate the possible fragility of the Angolan public debt, as it essentially reflected nominal and not real fluctuations. In December 2019, Angolan public debt was sustainable.

However, after four months, the state of affairs has become more difficult. Now, the real aspects of the economy may hinder debt service. However, Angola is not in that situation yet, and proper action can avoid any problem. The Covid-19 economic shock has consequences for Angola, adding  pressure on the two material elements that are important for the sustainability of debt payments: the price of oil and the economic recovery. As we already know, oil has seen its price drop sharply, and the prospects for the recovery of the Angolan economy are weak.

Consequently, in April 2020, the same IMF predicted a 1.4% recession for the Angolan economy and a debt value equal to 132% /GDP. The IMF’s forecast is just that, and it does not yet correspond, in terms of public debt, to any new reality. In fact, 2019 closed with a public debt of 109.8%/ GDP and not 111%, slightly better than expected.[3]

It should also be noted that the share corresponding to the external public debt will be 85.4% of GDP, which is what we are interested in analyzing.

The several elements considered so far, leads us to two conclusions: the first: the Angolan public debt was evolving in a sustainable manner, and the nominal degradation of the country’s public debt as a percentage of GDP reflected, above all, the nominal depreciation of the currency and not some absurd lack of control that would have occurred in recent times ath the  public finances. Between 2017 and 2019, in an epoch  of recession, the stock of external debt increased only 14%, whereas it was previously, between 2012 and 2016, that it increased 100%. This means, politically, that the government of José Eduardo dos Santos doubled the external public debt in four years, while João Lourenço has tried to stop this exponential increase. [4]A detailed analysis of the figure below shows the great boost in the Angolan external debt ocurred between 2012 and 2016. There was an attempt to stabilize in 2017 and only a modest increase in 2018 and 2019.

Figure 1 – Angolan external public debt stock (2012-2019) [amounts in millions of dollars; BNA source]

However, and this is the second conclusion, if in the past there was confidence in Angola’s capacity to pay the debt, and its control by the current government, the truth is that the Covid-19 global crisis has launched a cloud of uncertainty over the public debts in global terms, obviously affecting perception in relation to Angola. Naturally, this post-Covid-19 perception requires governments to anticipate and take steps to avoid future problems.

 It is in this context that the possible adjustment of the Angolan external debt to the current reality brought by Covid-19 deserves attention, as well as the need to lighten its weight to guarantee the sustainability of the economic recovery.

The importance of debt to China

The current global situation brought about by Covid-19 implied the need that Angola has to ensure that its public debt is sustainable and do not to disturb the economic kick-start that is urgently necessary to mobilize.

Regarding the essential features of the Angolan public debt, the Cartesian method must be followed. This means that one should not look at the debt as a whole, but divide it into sections, addressing each one independently. It is wrong from a methodological point of view to perceive the Angolan external public debt as a whole due to the huge weight that China has in it.

Total Angolan public external debt (stock) was worth US $ 49,461 million at the end of 2019, according to data from the National Bank of Angola. [5]It turns out that $ 22.424 million is owed to China. [6]This means that China accounted for almost half of Angola’s external responsibilities, more precisely, 45.3%.

Figure 2-Weight of the Angolan external debt to China (in percentage; source: BNA)

It seems clear that the Angolan debt to China represents an enormous magnitude and obviously has the most important weight in Luanda’s public finances.

Given the historical features of Angola’s relationship with China, as well as its global positioning, especially with regard to the relationship with Africa, this is the time to propose a thorough negotiation of the Angolan debt to China, promoting its reduction and time-based rescheduling.

In simple terms, the negotiation of the Angolan public debt to China should lower the debt amount and increase the payment times.

It is easy to see that debt to China may become the main obstacle to Angola’s development.

Nevertheless, China in Angola  must be a factor of development and not of economic recession. At the outset, it should be noted that since 2017, the year when João Lourenço took office, the date on which the debt peaked, Angola has been lowering the stock value (see Fig. No. 3 below) thus demonstrating its capacity and good faith towards China.

There are three very strong reasons for carrying out China to renegotiate its debt with a view to reducing and prolonging it over time.

1-China’s global positioning, especially in Africa.

China is currently one of the great world powers, intending to engage with the United States in terms of projected influence in the world.

In that sense, with a new power comes new responsibilities, as happened  in relation to the United States at the end of the Second World War (1939-1945), in which it took on is shoulders  the European economic reconstruction through the Marshall Plan and actively promoted the creation of which became the EEC (European Economic Community), today the European Union. It was the American commitment that made this reality possible and brought prosperity and peace to Europe.

China has been taking a similar position in relation to Africa, using a rhetoric of friendship and solidarity. President Xi Jinping’s words at the opening ceremony of the China-Africa Cooperation Forum (FOCAC) in 2018: “China seeks common interests and puts friendship first in the search for cooperation. China believes that the right way to boost China-Africa cooperation is for both sides to leverage their respective strength; it is up to China to complement Africa’s development through its own growth, and it is up to China and Africa to seek cooperation for mutual benefit and common development. In doing so, China follows the principle of giving more and receiving less, giving before receiving and giving without asking for a return ” [7](emphasis added).

What is certain is that the current situation caused by the Covid-19 disease presents itself as the ideal one for President Xi Jinping to turn his speech into reality and move on to concrete acts of friendship, giving more and receiving less, as well as giving without ask for return.

In this way, it will build positive China’s image in Africa as a great world power that bets on the effective development of a continent and will show, from the geostrategic point of view , that it is a real competitor  of the United States in the creation of a more prosperous and secure world.

It is at this moment that China’s place in the post-Covid-19 world will be seen.

2-Pragmatism

Deng Xiaoping is attributed with the slogan “It doesn’t matter if the cat is black or white, as long as it hunts mice”. It is precisely this pragmatism that has brought so much success to China that it will justify the remission of the Angolan debt.

Angola has always been presented as the model for investment in Africa. The scientific literature even refers to the “Angolan model” that served as a basis for China’s contemporary performance in Africa.

Thus, it will be worrying for China to see that its model fails and becomes a burden on the economy.

If we look at the numbers, during 2019 Angola spent almost 43% of public revenues to pay debt, where, as already mentioned, China occupies the largest share. Consequently, the continuation of this situation may prove to be justified by the allegations that the US Secretary of State, Mike Pompeo, made during his recent tour of Africa, that the Chinese debt is  becaming an unbearable burden for the development of the continent. In fact, to conclude that this is ocurring in Angola, will turn the whole of China’s African policy into a disaster, since its initial model failed badly.

In addition to this political pragmatism, there is an obvious economic factor. The most recent evaluations show that Chinese companies in Angola recorded a loss of 350 to 500 million dollars due to the COVID-19 pandemic[8]. And these losses can be widened if Angola’s economic situation does not improve. Therefore, it is of Chinese interest to create the conditions for a relaunch for the Angolan economy, as such a relaunch will  benefit in a massive scale Chinese companies. It is called the win-win situation.

Consequently, it is therefore of Chinese practical interest to reduce Angolan debt to show the world that its model of intervention in Africa works and is not predatory, and also help the countless Chinese companies established in Angola.

3-Combat corruption and odious debt

There is a fundamental and ultimate reason to reduce the Angolan debt to China. There is no doubt that part of this debt is what is doctrinally called “odious debt”, ie, debt whose purposes were not the public interest and the common good, but the private appropriation of sovereignty by members of the highest organs of the State . [9]More bluntly, it is a debt that was used in acts of corruption or served to finance the private interests of Angolan leaders and possibly of Chinese officials.

One can never forget the role that Chinese citizen Sam Pa, today, apparently imprisoned in China, played in several businesses in Angola. Names like the CIF-China International Fund, the Queensway Group, or China Sonangol, are paradigms of activities considered illegal that are or have been under close investigation. It is a fact that Chinese money was involved in diverse acts of corruption.

In addition to this, there is another one with undefined contours and that deserves a more careful investigation by researching journalists. The analysis of the disaggregated statistical series provided by the National Bank of Angola on the evolution of Chinese debt shows that in the second quadrimester of 2016 (May to August) this debt went from US $ 10,531 million to US $ 21,228 million. Debt to China doubled in 2016.[10]

Figure 3- Evolution of Angola’s external public debt (stock) to China-2012/2019 (Millions of dollars. Source: BNA)

This movement was relatively recent and it is, still,  badly explained. In terms of timing, this event coincides with an announced trip by José Eduardo dos Santos to China to negotiate a loan in July 2015, which was subsequently followed by several events such as the fall from grace of the Vice President of the Republic, Manuel Vicente, and the Sam Pa’s arrest in October 2015. After this, Isabel dos Santos assumed the presidency of Sonangol in June 2016, coinciding with the launch of the Chinese debt in the BNA’s accounts. Apparently, it was from this new Chinese debt that the Government attributed to Sonangol 10 billion USD. At the time the company was starting to be chaired  by Isabel dos Santos. Apparently from those 10 billion USD, Sonangol paid loans in the total amount of five billion dollars. This allowed the Sonangol`s debt to be reduced from 9.8 billion to 4.8 billion USD. The remaining five billion USD will have been channeled to investments in and from Sonangol.

In view of the judicial controversy that currently involves Isabel dos Santos’s appointment as President of Sonangol and the apparent simultaneity of her appointment with the doubling of the Angolan debt to China that may have served to finance Sonangol, perhaps there should be a suspension of payment of this debt until it becomes clear whether there was any illegality or not, namely in what refers to the 5 billion that were apparently allocated to investments in and from Sonangol.

It should be noted that this is what Chinese law, enforced by Xi Jinping, imposes. The Chinese President and his administration are taking a long and hard fight against corruption in their country. Current Chinese law on corruption is found in the Penal Code of the People’s Republic of China approved in 1981, revised in 1997 and enhanced  in 2015. According to this rule, all activities involving corruption related to foreign rulers are a crime for which Chinese courts have jurisdiction. In effect, since May 1, 2011, it is a crime to pay illegally to foreign officials. The truth is that, currently, the Chinese Penal Code acts beyond its borders, so corrupt payments, the “odious debt”, already has to be considered by the Chinese authorities when making their assessments of situations.

This means that for political reasons as well as for reasons of domestic law, China is obliged and must analyze the debt that may have been incurred for corrupt purposes or for illegitimate benefit. Angola’s debt must be thoroughly reviewed in this perspective.

Figure  4- Reasons for China to reduce Angolan debt

Conclusions

The reasons explained strongly advise China to proceed with a substantial unilateral reduction of the Angolan debt. It is an imperative of its current position in the world, its pragmatism and sinic law.


[1] IMF- Angola, IMF Country Report No. 19/371, p. 54. Available in: https://www.imf.org/en/Publications/CR/Issues/2019/12/18/Angola-Second-Review-of-the-Extended-Arrangement-Under-the-Extended-Fund-Facility-Requests-48887

[2] Idem, p. 54.

[3] IMF- World Economic Outlook, April 2020: The Great Lockdown, p. 24. Available in  https://www.imf.org/en/Publications/WEO/Issues/2020/04/14/weo-april-2020 and also IMF-SUB-SAHARAN AFRICA.COVID-19: An Unprecedented Threat to Development, April 2020, p. 19. Available in https://www.imf.org/en/Publications/REO/SSA/Issues/2020/04/01/sreo0420

[4] BNA-National Bank of Angola, DÍVIDA EXTERNA PÚBLICA POR PAÍSES (STOCK): 2012 – 2019. Available in https://www.bna.ao/Conteudos/Artigos/lista_artigos_medias.aspx?idc=15419&idsc=16458&idl=1

[5] BNA-National Bank of Angola, idem.

[6] BNA-National Bank of Angola, idem.

[7] President Xi Jinping “Full text of Chinese President Xi Jinping’s speech at opening ceremony of 2018 FOCAC Beijing Summit”, XinhuaNet, 3rd September 2018. Available in http://www.xinhuanet.com/english/2018-09/03/c_137441987.htm

[8] Francisco Shen (interviewed by Natacha Roberto), “Empresas chinesas em Angola com perdas de 500 milhões de dólares”, Jornal de Angola, 28 th April 2020. Available in http://jornaldeangola.sapo.ao/economia/empresas-chinesas-em-angola-com-perdas-de-500-milhoes-de-dolares

[9] Robert Howse, The Concept of Odious Debt in Public International Law, UNCTAD, 2007.

[10] BNA-National Bank of Angola, External data by Country, Quarterly Data. Available in https://www.bna.ao/Conteudos/Artigos/lista_artigos_medias.aspx?idc=15420&idsc=16460&idl=1

Porque a China deve reduzir a dívida de Angola

A situação da dívida pública angolana

No seu relatório de dezembro de 2019 sobre Angola, o Fundo Monetário Internacional (FMI) asseverava que: “A dívida pública de Angola é sustentável, mas os riscos aumentaram e as vulnerabilidades permanecem.[1]” Embora previsse um pico da dívida pública para o final de 2019 de 111% do PIB, a visão do FMI era otimista, por várias ordens de razão, designadamente,  a mobilização de novas receitas não petrolíferas nos orçamentos 2020-2021, a implementação rápida de reformas estruturais e a prossecução do programa de privatizações[2].

Na origem da previsão do aumento percentual da dívida pública em termos de PIB encontravam-se três fatores: a depreciação do kwanza no quarto trimestre de 2019 (cerca de quatro quintos do aumento), a baixa dos preços e da produção do petróleo, e a recuperação económica lenta. De sublinhar, portanto, um primeiro aspeto que é a constatação que 80% do aumento do percentual da dívida pública face ao PIB deriva da depreciação do kwanza.

Consequentemente, teríamos uma política preconizada pelo FMI (depreciação moeda) a influenciar negativamente outro índice reputado importante pela mesma organização (relação dívida pública/PIB). Significa isto que não era demasiado importante olhar para esta relação para calcular a possível fragilidade da dívida pública angolana, pois ela refletia essencialmente oscilações nominais e não reais. Em dezembro de 2019, a dívida pública angolana era sustentável.

Contudo, passados quatro meses, a situação tornou-se mais difícil, admitindo-se, agora, que os aspetos reais da economia possam dificultar o serviço da dívida. Ainda não se está nessa situação, e a tomada de medidas pode evitar qualquer problema, pois não se trata de ter sido substancialmente contraída mais dívida, mas do choque proveniente da Covid-19 que está a afetar a economia mundial. Este choque tem consequências para Angola, pressionando dois elementos materiais importantes para a sustentabilidade do pagamento da dívida: o preço do petróleo e a recuperação económica. Como é sabido, o petróleo tem visto o seu preço a descer abruptamente, e as perspetivas de recuperação da economia angolana são débeis.

Consequentemente, em abril de 2020, o mesmo FMI previu uma recessão de 1,4% para a economia angolana e um valor da dívida igual a 132 % do PIB. A previsão do FMI é precisamente só isso, não correspondendo ainda, em termos de dívida pública, a qualquer realidade nova. Na verdade, o ano de 2019 terá fechado com uma dívida pública de 109,8% do PIB e não 111%, ligeiramente melhor do que o previsto[3].

Refira-se ainda que a parte correspondente à dívida pública externa será de 85,4% do PIB, que é a que nos interessa analisar.

Os diversos elementos até aqui considerados, levam-nos a duas conclusões: a primeira: a dívida pública angolana estava a evoluir de forma sustentável, sendo que a degradação nominal da dívida pública do país em percentual do PIB refletia, sobretudo, a depreciação nominal da moeda e não algum descontrolo absurdo que tivesse ocorrido nas finanças públicas nos tempos mais recentes. Se repararmos entre 2017 e 2019, numa época de recessão, o stock da dívida externa aumentou somente 14%, sendo que foi anteriormente, entre 2012 e 2016 que subiu 100%. Isto quer dizer, em termos políticos, que o governo de José Eduardo dos Santos duplicou a dívida pública externa em quatro anos, enquanto João Lourenço tem tentado travar esse aumento exponencial[4]. Uma análise mais fina da figura abaixo apresentada assinala o grande impulso da dívida externa angolana entre 2012 e 2016. Existiu uma tentativa de estabilização em 2017 e apenas aumento modesto em 2018 e 2019.

Figura n.º 1-Stock da dívida pública externa angolana (2012-2019) [valores em milhões de dólares; fonte BNA]

Contudo, e essa é a segunda conclusão, se havia confiança na capacidade de Angola pagar a dívida, e no controlo da mesma por parte do atual governo, a verdade é que a crise mundial da Covid-19 veio lançar uma nuvem de incerteza sobre as dívidas públicas em termos globais, afetando obviamente a perceção em relação a Angola. Naturalmente que essa perceção pós-Covid-19 exige que os governos se antecipem e tomem medidas para evitar problemas futuros.

 É neste contexto que merece atenção a eventual adaptação da dívida externa angolana à realidade presente trazida pela Covid-19, e a necessidade de aligeirar o seu peso para garantir a sustentabilidade da recuperação económica.

A importância da dívida à China

A presente situação mundial trazida pela Covid-19 e a necessidade que Angola tem de garantir que a sua dívida pública é sustentável e de não perturbar o arranque económico que urge mobilizar, implicam que este seja o momento para, sem temor, se avançar com uma renegociação construtiva da dívida externa.

Atendendo às características essenciais da dívida pública angolana, há que seguir o método cartesiano na abordagem dessa negociação. Significa isto, que não se deve olhar para a dívida como um todo, mas dividi-la em secções, abordando cada uma independentemente. É errado do ponto de vista metodológico encarar a dívida pública externa angolana como um todo devido ao peso imenso que a China tem na mesma.

O total de dívida pública externa angolana (stock) tinha o valor de 49.461 milhões de dólares no final de 2019, segundo os dados do Banco Nacional de Angola.[5] Acontece que 22.424 milhões de dólares são devidos à China[6]. Quer isto dizer que a China representara quase metade das responsabilidades externas angolanas, mais precisamente, 45,3%.

Figura n.º 2-Peso da dívida externa angolana à China (em percentagem; fonte: BNA)

Parece claro que a dívida angolana à China representa uma magnitude enorme e tem, obviamente, o peso mais importante nas finanças públicas de Luanda.

Atendendo às características históricas da relação de Angola com a China, bem como ao posicionamento global desta, em especial naquilo que se refere ao relacionamento com África, este é o tempo de propor uma profunda negociação da dívida angolana à China promovendo a sua redução e escalonamento temporal.

Em termos simples, a negociação da dívida pública angolana à China deve baixar o montante da dívida e aumentar o tempo de pagamento.

Facilmente se vê que a dívida à China se pode tornar o principal empecilho para o desenvolvimento de Angola, como no passado, a partir de 2002, terá sido um dos propulsores do arranque.

Ora, a China deve ser um fator de desenvolvimento e não de recessão económica em Angola. Desde logo, deve-se notar que desde 2017, ano da tomada de posse de João Lourenço, data em que a dívida assumiu um pico, que Angola tem vindo a baixar o valor do stock (cfr. Fig. N.º 3 abaixo) demonstrando assim a sua capacidade e boa-fé face à China.

Há três razões muito fortes para levar a China a uma renegociação da dívida com vista à sua redução e prolongamento no tempo.

1-Posicionamento global da China, em especial em África.

A China é, atualmente, uma das grandes potências mundiais, pretendendo ombrear com os Estados Unidos em termos de projeção de influência no mundo.

Nesse sentido, com um novo poder vêm novas responsabilidades, como vieram em relação aos Estados Unidos no final da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), em que tomou nos seus ombros a reconstrução económica europeia através do Plano Marshall e promoveu ativamente a criação daquilo que veio a ser a CEE (Comunidade Económica Europeia), hoje União Europeia. Foi o empenho norte-americano que possibilitou esta realidade que trouxe prosperidade e paz à Europa.

Ora, a China tem estado a assumir uma posição semelhante em relação a África, utilizando uma retórica de amizade e solidariedade. Refiram-se as palavras do Presidente Xi Jinping na cerimónia de abertura do Fórum de Cooperação China-África (FOCAC) em 2018: “A China busca interesses comuns e coloca a amizade em primeiro lugar na procura de cooperação. A China acredita que o caminho certo para impulsionar a cooperação China-África é que ambos os lados alavanquem a sua força respetiva; cabe à China complementar o desenvolvimento da África através do seu próprio crescimento, e cabe à China e à África buscar a cooperação em benefício mútuo e o desenvolvimento comum. Ao fazer isso, a China segue o princípio de dar mais e receber menos, dar antes de receber e dar sem pedir retorno”[7] (ênfase nosso).

O certo é que a atual situação provocada pela doença Covid-19 apresenta-se como a ideal para que o Presidente Xi Jinping transforme o seu discurso em realidade e passe a atos concretos de amizade, de dar mais e receber menos, bem como dar sem pedir retorno. Sendo certo que uma doação não é um empréstimo, a verdade, é que o espírito da afirmação do Presidente chinês se aplica perfeitamente a esta situação provocada pela Covid-19.  

Assim construirá uma imagem da China em África de uma grande potência mundial que aposta no desenvolvimento efetivo de um continente e mostrará, do ponto geoestratégico, que é um contendor real dos Estados Unidos na criação de um mundo mais próspero e seguro.

É neste momento que se verá o lugar da China no mundo pós-Covid-19.

2-Pragmatismo

Atribui-se a Deng Xiaoping a frase “Não importa se o gato é preto ou branco, desde que cace ratos”.  Não é relevante saber se a disse realmente ou não, mas o facto é que representa o pragmatismo chinês que permitiu que um Partido Comunista mantivesse o poder, enquanto lançava o país na senda de um crescimento económico acelerado assente num misto de mercado liberal e intervenção estatal. É precisamente este pragmatismo que tanto sucesso trouxe à China que irá justificar a remissão da dívida angolana.

Angola sempre foi apresentado como o modelo do investimento em África. A literatura científica refere-se até ao “Modelo angolano” que serviu de base para a atuação contemporânea da China em África.

Sendo assim, será preocupante para a China ver que o seu modelo falha e se torna um peso para a economia.

Se atentarmos nos números, durante 2019 Angola gastou quase 43% das receitas públicas a pagar dívida, onde, como já se referiu a China ocupa a fatia maior. Consequentemente, a manutenção desta situação pode vir a dar razão às alegações que o Secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, fez durante o seu recente périplo por África, no sentido de a dívida chinesa se tornar uma canga insuportável para o desenvolvimento do continente. Na verdade, chegando-se à conclusão que tal está, ou pode estar a acontecer em Angola, tal constrangimento transforma toda a política africana da China num desastre, uma vez que o seu modelo inicial falhou redondamente.

A adicionar a este pragmatismo político, há um aspeto económico óbvio. As mais recentes avaliações dão conta de que as empresas chinesas em Angola registaram uma perda de 350 a 500 milhões de dólares devido à pandemia da COVID-19[8]. E estas perdas podem-se alargar se a situação económica de Angola não melhorar. Portanto, é de todo o interesse chinês criar as condições de relançamento para a economia angolana, pois tal relançamento aproveita e em larga escala as empresas chinesas. É a chamada situação win-win.

Consequentemente, é, pois, do interesse prático chinês a redução da dívida angolana para mostrar ao mundo que o seu modelo de intervenção em África resulta e não é predatório, e também para ajudar as inúmeras empresas chinesas estabelecidas em Angola.

3-Combate à corrupção e dívida odiosa

Há uma razão fundamental e final de elementar justiça para reduzir a dívida angolana à China. Não existem dúvidas de que parte dessa dívida é aquilo que doutrinariamente se chama “dívida odiosa”, i.e., dívida cujos propósitos não foram o interesse público e o bem comum, mas a apropriação privada da soberania por parte de integrantes dos mais altos órgãos do Estado.[9] Dito de modo mais claro, trata-se de dívida que foi utilizada em atos de corrupção ou serviu para financiar interesses de dirigentes angolanos e possivelmente oficiais chineses.

Nunca se pode esquecer o papel que o cidadão chinês Sam Pa, hoje, aparentemente preso na China, desempenhou nos variados negócios em Angola. Nomes como o CIF-China International Fund ou o Grupo Queensway, ou ainda a China Sonangol, são paradigmas de atividades reputadas como ilegais que estão ou estiveram debaixo de estreita investigação. É um facto que o dinheiro chinês esteve envolvido em vastos atos de corrupção.

Além deste facto, há outro com contornos indefinidos e que merece uma investigação mais atenta por parte dos jornalistas investigativos. A análise das séries estatísticas desagregadas do Banco Nacional de Angola sobre a evolução da dívida chinesa mostra que no segundo quadrimestre de 2016 (maio a agosto) essa dívida passou de 10.531 milhões de dólares para 21.228 milhões de dólares. A dívida à China duplicou em 2016[10].

Figura n.º 3- Evolução da dívida pública externa (stock) de Angola à China-2012/2019 (Milhões de dólares. Fonte: BNA)

Esse movimento foi relativamente recente e está mal explicado. Em termos temporais tal acontecimento coincide com uma anunciada ida de José Eduardo dos Santos à China para negociar um empréstimo em Julho de 2015, a que posteriormente se sucederam vários factos como a queda em desgraça do Vice-Presidente da República, Manuel Vicente, e a prisão de Sam Pa em outubro de 2015. Depois disto, Isabel dos Santos assumiu a presidência da Sonangol em Junho de 2016, coincidindo com o lançamento da dívida chinesa nas contas do BNA. Aparentemente, foi desta nova dívida chinesa que saíram 10 mil milhões USD que o Governo atribuiu à Sonangol liderada por Isabel dos Santos para pagamentos antecipados de seis financiamentos da petrolífera, no valor de cinco mil milhões de dólares. Tal permitiu a redução do stock da dívida da petrolífera de 9,8 mil milhões para 4,8 mil milhões. Os restantes cinco mil milhões terão sido canalizados para investimento na e da Sonangol.

Atendendo à controvérsia judicial que, neste momento, envolve a passagem de Isabel dos Santos pela Presidência da Sonangol e a aparente simultaneidade da sua nomeação com a duplicação da dívida angolana à China que terá servido para financiar a Sonangol, talvez devesse haver uma suspensão do pagamento desta dívida até se perceber se existiu alguma ilegalidade ou não, designadamente naquilo que se refere aos 5 mil milhões que foram, aparentemente, afetos a investimentos na e da Sonangol.

Refira-se que é o que a lei chinesa, reforçada por Xi Jinping, impõe. Como se sabe o Presidente chinês e a sua administração desenvolvem um aturado e intenso combate à corrupção no seu país. A lei chinesa em vigor sobre a corrupção encontra-se no Código Penal da República Popular da China aprovado em 1981, revisto em 1997 e reforçado em 2015. De acordo com essa norma, todas as atividades que envolvam corrupção relativas a governantes estrangeiros são crime para os quais os tribunais chineses têm jurisdição. Com efeito, desde 1 de maio de 2011 é crime o pagamento ilícito a oficiais estrangeiros. A verdade é que, atualmente, o Código Penal chinês atua para além das suas fronteiras, por isso pagamentos corruptos, a “dívida odiosa”, já têm de ser considerados pelas autoridades chinesas quando fazem as suas avaliações das situações.

Quer isto dizer que quer por razões políticas, quer por razões de direito interno, a China está obrigada e deve analisar a dívida que tenha sido eventualmente constituída com propósitos corruptos ou de benefício ilegítimo. A dívida de Angola deve ser revista exaustivamente, nessa perspetiva.

Figura n.º 4- Razões para a China reduzir a dívida angolana

Conclusões

Os motivos expostos aconselham vivamente a que a China proceda a uma substancial redução unilateral da dívida angolana. É um imperativo da sua atual posição no mundo, do seu pragmatismo e do direito sínico.


[1] IMF- Angola, IMF Country Report No. 19/371, p. 54. Disponível em https://www.imf.org/en/Publications/CR/Issues/2019/12/18/Angola-Second-Review-of-the-Extended-Arrangement-Under-the-Extended-Fund-Facility-Requests-48887

[2] Idem, p. 54.

[3] IMF- World Economic Outlook, April 2020: The Great Lockdown, p. 24. Disponível em https://www.imf.org/en/Publications/WEO/Issues/2020/04/14/weo-april-2020 e também IMF-SUB-SAHARAN AFRICA.COVID-19: An Unprecedented Threat to Development, April 2020, p. 19. Disponível em https://www.imf.org/en/Publications/REO/SSA/Issues/2020/04/01/sreo0420

[4] BNA-Banco Nacional de Angola, DÍVIDA EXTERNA PÚBLICA POR PAÍSES (STOCK): 2012 – 2019. Disponível em https://www.bna.ao/Conteudos/Artigos/lista_artigos_medias.aspx?idc=15419&idsc=16458&idl=1

[5] e [6] BNA-Banco Nacional de Angola, idem.                                        

[7] Presidente Xi Jinping “Full text of Chinese President Xi Jinping’s speech at opening ceremony of 2018 FOCAC Beijing Summit”,  XinhuaNet, 3 setembro 2018. Disponível em http://www.xinhuanet.com/english/2018-09/03/c_137441987.htm

[8] Francisco Shen (entrevistado por Natacha Roberto), “Empresas chinesas em Angola com perdas de 500 milhões de dólares”, Jornal de Angola, 28 de abril 2020. Disponível em http://jornaldeangola.sapo.ao/economia/empresas-chinesas-em-angola-com-perdas-de-500-milhoes-de-dolares

[9]  Robert Howse, The Concept of Odious Debt in Public International Law, UNCTAD, 2007.

[10] BNA-Banco Nacional de Angola, Dívida Externa por País, Dados Trimestrais. Disponível em https://www.bna.ao/Conteudos/Artigos/lista_artigos_medias.aspx?idc=15420&idsc=16460&idl=1