Artigos

Boosting tourism in Angola

1- Framework: the requirements and agents of tourism promotion in Angola

Angola is gradually seeking to diversify its economy, choosing tourism as one of the main priorities for structuring economic policy. As is well known, the reconstruction started from 2002 did not focus on tourism, but on the oil, mining and construction industry. Once this model was exhausted, diversification became the keyword for development.

Since it is conspicuous that Angola has an enormous tourist potential, the truth is its implementation implies the removal of sveral obstacles and the creation of adequate conditions. We refer to two essential axes to create these conditions: the first is the creation of favorable conditions for investment in the tourism sector, this implies the review of the investment law that has already taken place, the removal of barriers to market entry and the facilitation of bank credit for new projects.

The second axis is of an infrastructural nature and requires the creation of an adequate transport network, roads, planes and boats, as well as a climate of criminal security, in addition to the facilitation of tourist visas.

Figure 1: The 2 axes for the development of tourism potential

Furthermore, the growth of tourism cannot be solely dependent on the State, it is naturally responsible for the regulation, supervision and creation of infrastructure and conditions. However, the fundamental role belongs to the private business community, which must advance and establish partnerships to enter the international circuits. And, finally, it is also up to the provincial, municipal and communal leaders to encourage and leverage their resources.

State, businessmen and local leaders form the tripartite partnership that must come together to launch tourism in Angola.

In 2019, at the opening of the World Tourism Forum that took place in Luanda, the President of the Republic made it very clear what the executive wanted for the sector: within the framework of the diversification of the economy, tourism should play a role in promoting development and generating income and employment. For this to materialize, the government should invest in the short and medium term, in the expansion of hotel infrastructures and in the infrastructure of the tourist centers of Cabo Ledo, Calandula and the Transfrontier Project of Okavango Zambeze, with the purpose of increasing the offer and the options diversity of tourists and customers in general[1].

Recently, a possible crisis in tourism in Europe has been discussed, admitting that Greece, Italy, France, Spain and Portugal are affected by the sanctions on Russia resulting from the war in Ukraine (which, in relation, at least to Portugal, is doubtful, as the country was not dependent on Russian tourism), Egypt has not yet fully recovered from fear of  bomb attacks, Indonesia struggles to contain Muslim fundamentalism, India struggles with rising pollution levels, Kenya and Senegal could be invaded by Islamic agitation, favorite destinations like Turkey, Israel, Thailand and Dubai are somewhat saturated. This scenario is described in a somewhat emphatic way, however, it opens up opportunities for tourism in Angola, as it represents a certain verifiable trend.

The country has potential in tourism to attract tourists, as Cape Verde and Botswana did; it has paradisiacal beaches, desert and forests, rivers of great flow, mountains, exuberant fauna and flora, and, above all, a welcoming people and a rich and varied gastronomy.

2-Scenario of Angolan tourism

There is no developed tourism industry in Angola. The few areas that are developed took advantage of the country’s natural beauties, rivers, waterfalls and the 1,650 km of Atlantic coast. As the official brochures describe: “The humid tropical climate [of Angola] has created an exuberant flora and rich fauna spread over regions with forests, savannas, impressive mountains, rivers, beaches that seem to stretch without limits, waterfalls, oases and beautiful landscapes which seem to go on to infinity and are all immaculate and intact. An endless summer of warm afternoons bathed in warm breezes to contemplate adventure and discovery.”

Angola has an extreme natural beauty that reveals itself as a promising tourist destination. Mussulo Island and Cabo Ledo are examples of places with an immense capacity to attract tourists, as well as several areas of the provinces such as Namibe, Benguela, Malanje and Cuanza-Sul. The Calandula Waterfalls in Malanje are particularly impressive.

However, currently, most foreign travelers arriving in Angola are not tourists, but entrepreneurs, workers and consultants. This means that hotels are geared towards business and not tourism or leisure. As businesses have been through a serious crisis since 2015, that only now (2022) is truly emerging, that is to say that in recent years there has been a markedly low occupancy rate in hotels, which went from 84% in 2014 to 35% in 2017 and 25% in 2018. This drop in occupancy reflected the crisis that overshadowed the country, not the lack of interest in tourism. The drop in oil prices that has occurred since 2014 and until last year led to a decrease in economic activity in Angola, which resulted in fewer business travelers occupying hotels.

Those responsible recognize that there are currently major weaknesses in the tourism sector, namely “lack of concrete support and incentive measures, difficult access to places, potential resources and tourist attractions, lack of appreciation of tourist resources, lack of flexibility of the banking system to finance tourist projects, deficit in terms of hotel and tourist training establishments, excessive dependence on imports, due to the deficit in domestic production, lack of tourist culture, lack of greater openness in granting entry visas to the main tourist-issuing markets of the world and reduced purchasing power of Angolans[2]”.

However, these unsatisfactory numbers and facts do not represent any structural trend. Between 2009-2014 Angola registered strong growth in the hotel sector with revenues exceeding 45 billion kwanzas (100 million euros at the time exchange rate), creating around 223 thousand jobs. Thus, there is clear potential for the tourism business.

3-Touristic locations and potential markets

Angola has numerous tourist attractions, among which we can highlight the national parks of Kissama and Iona, Quedas de Calandula, Ruacaná, Mussulo, Miradouro da Lua or the Zambezi River.

It is possible to promote the development of hotels and tourist resorts aimed at vacationers in some of the areas specifically intended for sun, sea and sand tourism, such as Cabo Ledo, 120km from Luanda in the municipality of Quiçama, which has 2,000 hectares of enormous beauty and is a potential location for world surfing, once visa processes are facilitated.

Another alternative for nature tourism is Calandula, Malange, which has the most impressive waterfalls in Angola and is the second largest in Africa at 150 meters high and 401 meters wide. An area of ​​1,978 hectares of endless vegetation and waterfalls as far as the eye can see and which has an enormous potential for tourist investment: tourist accommodation, restaurants, entertainment, golf and casinos.

The idea of ​​a museum route also emerged. The initiative of this route is to awaken and increase the culture of visiting museums, in order to create a heritage identity. This route includes the Iron Palace, the National Museum of Military History (Fortaleza São Miguel), the National Museum of Natural History and the National Museum of Slavery, passing through several hotel units. This route should serve as a model for implementation in all provinces of the country.

The target markets for Angolan tourism should be Russia (after the peaceful resolution of the war) and China, which are now the countries from which more than 50% of international tourists come, Angola has everything it takes to absorb a substantial share of these markets. Furthermore, as mentioned above, it could absorb some European demand, especially in the area of ​​adventure and new ecological experiences.

4-Strategic axes and special tourism areas (STA)

As mentioned above, the strategy for tourism must be based on two axes: the promotion of investment and the creation of infrastructure.

We recognize that there is a new favorable climate for investment and also an effort, especially within the scope of the CPLP, to make the bureaucratic process of issuing tourist visas more flexible, that is, conditions are being developed for a new strategy for attracting tourists.

According to an Angolan official, the documents required for the licensing of tourist developments were reduced, from 11 documents previously required to three. The validity of permits was changed from three to five years, the process of decentralizing the permit issuance system is in progress. All these actions aim to improve the business environment in the tourism sector. Regarding visas, the same official points out that the process was already more difficult. He made it known that there have been significant advances, which need to be improved, to attract more tourists[3].

The same officials argue that in terms of infrastructure there are gaps that are easy to solve; Catumbela Airport (Benguela) may be equipped with mechanisms to receive direct international flights, transport is part of the investment that is up to the private sector, the Benguela Railway line passes hundreds of meters from the airport, connects to Zambia and to the Democratic Republic of Congo and goes to Tanzania on the Indian Ocean, Lobito has a large-capacity port, and the expansion itself is providing parallel investments in health, training, services, and the capacity to produce skilled and competitive labor.

At the government level, tourism is recognized as a strategic sector in the National Development Plan 2018-2022, as a guarantee of intensive labour, alongside agriculture, various industries and fisheries. The National Development Plan includes some specific actions, such as the improvement of communication with the Tourist Development Poles, the elaboration of projects for the construction and rehabilitation of hotel and tourist infrastructures, state and mixed infrastructures, the identification of priority development areas, with the aim of recovering and developing the entire heritage of the hotel and tourist network.

Another government official, who has since ceased his duties, underlined that in addition to Angola starting to reduce restrictions and bureaucracy, as part of the strategy to relaunch tourism and promote the attraction of investment to the sector, he wanted to draw attention for the country, with the collaboration of the international supermodel Maria Borges, who would help to promote the potential. The strategy would involve calling an international name, Maria Borges, to help promote the country’s culture, history and main tourist destinations[4].

With the new strategy for the promotion of tourism, Angola hopes to integrate the list of the main tourist destinations in Africa by 2025[5] .

***

However, it is not possible in the short term to create a complete national infrastructure for tourism. There must be pragmatism and realism in political approaches to promoting tourism in a country where tourism has been almost non-existent. It is in this sense that the best solution must be dual and with different deadlines.

In the medium term, a national tourism strategy should be developed. However, in the short term, there must be a focus on what we will call Special Tourism Areas (STA). The STAs would be five areas of the country in which the State in partnership with the private sector and local authorities would focus to create infrastructure and specific conditions for tourism. Areas with easy access, hotels, restaurants, guaranteed security and maybe free transit visas to visit these areas. Preferred areas chosen to test the STAs could be Malanje, a beach area with urban animation, a paradisiacal-style beach area, and a city with a lot of history or an area with ecological interest aimed at European tourists.

Figure 2: Special Tourism Areas

These areas would have privileged tax treatment and the elimination of visas should be considered for those who went there for up to 15 days. This proposal would imply the elimination of visas for foreign tourists from the target markets who travel to the STAs for a maximum period of 15 days in tourism. All they need to do is present a return flight ticket and proof of booking in tourist accommodation.

There would thus be the creation of pilot districts dedicated to tourism, small capsules of what could be global tourism in Angola in the future.

Conclusions

Tourism can be one of the areas of excellence in the ongoing diversification of the Angolan economy, as it is a sector where the country has enormous potential. The investment in tourism must be a tripartite work of the State, private business and local communities. Target markets will be Asia and Russia (after the Ukrainian War settlement), as well as eco-tourists or European adventurers.

For tourism to exist in Angola, investment conditions must be provided (which is ongoing) as well as adequate infrastructure in physical terms and easy to move around.

It is advisable to proceed in the short term with the creation of Special Tourism Areas that work as pilot experiences for tourism promotion. Areas that will bring together hotels, restaurants, local entertainment, security and easy access, and elimination of visas for tourism in the STAs. And then with the results of these STAs extend to the entire country.


[1] https://e-global.pt/noticias/lusofonia/angola/angola-joao-lourenco-aposta-em-turismo-para-diversificar-economia-do-pais/

[2] https://www.jornaldeangola.ao/ao/noticias/os-resultados-da-estrategia-para-o-turismo-ainda-sao-incipientes/ – interview with ANGOP by the general director of Infotur – 31-08-2021

[3] https://www.jornaldeangola.ao/ao/noticias/o-futuro-de-angola-repousa-no-turismo-e-nao-no-petroleo/

[4] https://pt.euronews.com/2021/06/28/as-apostas-de-angola-para-relancar-o-turismo

[5] https://www.jornaldeangola.ao/ao/noticias/o-futuro-de-angola-repousa-no-turismo-e-nao-no-petroleo/

Acelerar o turismo em Angola

1-Enquadramento: as necessidades e os agentes da promoção do turismo em Angola

Angola procura gradualmente diversificar a sua economia escolhendo o turismo como uma das principais prioridades da ação estruturante da política económica. Como é sabido, a reconstrução encetada a partir de 2002, não se concentrou no turismo, mas sim na indústria petrolífera, mineração e construção civil. Esgotado esse modelo, a diversificação tornou-se a palavra-chave do desenvolvimento.

Sendo evidente que Angola tem uma enorme potencialidade turística, a verdade é que a sua concretização implica a remoção de diversos obstáculos e criação de condições adequadas. Referimos dois eixos essenciais para criar essas condições: o primeiro é a criação de condições propícias ao investimento no setor turístico, isto implica a revisão da lei de investimento que já ocorreu, a retirada de barreiras de entrada no mercado e a facilitação de crédito bancário para novos projetos.

O segundo eixo é de natureza infraestrutural e obriga a criar uma rede de transportes, estradas, aviões e barcos adequada, bem como um clima de segurança criminal, além da facilitação de vistos turísticos.

Figura 1:  Os 2 eixos para o desenvolvimento do potencial turístico

Além do mais, o crescimento do turismo não pode estar apenas dependente do Estado, cabe-lhe naturalmente a regulação, fiscalização e a criação de infraestruturas e de condições. No entanto, o papel fundamental é do empresariado privado que deve avançar e estabelecer parcerias para entrar nos circuitos internacionais. E, finalmente, compete também aos dirigentes provinciais, municipais e comunais, incentivarem e potenciarem os seus recursos.

Estado, empresários e dirigentes locais formam a parceria tripartida que se deve unir para lançar o turismo em Angola.

Em 2019, na abertura do Fórum Mundial do Turismo que decorreu em Luanda, o Presidente da República, deixou bem claro aquilo que o executivo almejava para o sector: no quadro da diversificação da economia, o turismo deveria assumir um papel promotor do desenvolvimento e gerador de receitas e de emprego. Para que isso se concretizasse, o governo deveria apostar no curto e médio prazo, na expansão das infraestruturas hoteleiras e na infraestruturação dos pólos turísticos de Cabo Ledo, Calandula e do Projecto Transfronteiriço de Okavango Zambeze, com o propósito de aumentar a oferta e as opções de diversidade de turistas e clientes, em geral[1]

Recentemente debateu-se uma eventual crise no turismo na Europa, admitindo-se que Grécia, Itália, França, Espanha e Portugal sejam afetados pelas sanções à Rússia decorrentes da guerra na Ucrânia (o que em relação, pelo menos a Portugal, é duvidoso, pois o país não estava dependente do turismo russo), o Egito ainda não recuperou totalmente do medo dos atentados bombistas, a Indonésia tem dificuldades em conter o fundamentalismo muçulmano, a Índia debate-se com níveis de poluição crescentes, o Quénia e Senegal podem ser invadidos por agitação islâmica, destinos de eleição como a Turquia, Israel, Tailândia e Dubai estão algo saturados. Este panorama está descrito de forma algo enfática, contudo, abre oportunidades para o turismo em Angola, pois representa uma certa tendência verificável.

O país tem no turismo potencialidades para captar turistas, tal como fizeram Cabo Verde e o Botswana; tem praias paradisíacas, deserto e florestas, rios de grandes caudais, montanhas, fauna e flora exuberantes, e, acima de tudo, um povo acolhedor e uma gastronomia rica e variada.

2-Panorama do turismo angolano

Não existe uma indústria de turismo desenvolvida em Angola. As poucas zonas que são desenvolvidas aproveitaram as belezas naturais do país, rios, cascatas e os 1.650 km de costa atlântica. Como descrevem os folhetos oficiais: “O clima tropical húmido [de Angola] criou uma flora exuberante e fauna rica espalhada por regiões com matas, savanas, serras impressionantes, rios, praias que parecem estender-se sem limites, cascatas, oásis e belas paisagens que parecem prolongar-se até o infinito e são todas imaculadas e intactas. Um verão sem fim de tardes quentes banhadas em brisas quentes para contemplar aventura e descoberta”.

Angola tem uma beleza natural extrema que se revela como um destino turístico promissor. A Ilha do Mussulo e Cabo Ledo são exemplos de locais com uma imensa capacidade de atração de turistas, assim como várias zonas das províncias como Namibe, Benguela, Malanje e Cuanza-Sul. As Cataratas de Calandula em Malanje são particularmente impressionantes.

Contudo, atualmente, a maioria dos viajantes estrangeiros que chegam a Angola não são turistas, mas sim empresários, trabalhadores e consultores. Isso significa que os hotéis estão voltados para negócios e não turismo ou lazer. Como os negócios passaram uma grave crise desde 2015, de que só agora (2022) se está verdadeiramente a sair, quer dizer que nos últimos anos existiu uma taxa de ocupação marcadamente baixa nos hotéis, que passou de 84% em 2014 para 35% em 2017 e 25% em 2018. Esta queda na ocupação refletiu a crise que ofuscou o país, e não a falta de interesse pelo turismo. A queda dos preços do petróleo que se verificou desde 2014 e até ao ano passado levou a uma diminuição da atividade económica em Angola, o que teve como consequência que menos viajantes de negócios ocupassem hotéis.

Os responsáveis reconhecem que presentemente, existem grandes fragilidades no sector turístico, designadamente “carência de medidas concretas de apoio e incentivo, difícil acesso aos lugares, potenciais recursos e atrativos turísticos, falta de valorização dos recursos turísticos, falta de flexibilidade do sistema bancário ao financiamento de projetos turísticos, défice em termos de estabelecimentos de formação hoteleira e turística, dependência excessiva das importações, por força do défice na produção interna, falta de cultura turística, falta de uma maior abertura na concessão dos vistos de entrada nos principais mercados emissores de turistas do mundo e reduzido poder de compra dos angolanos[2]”.

No entanto, esses números e factos pouco animadores não representam nenhuma tendência estrutural. Entre 2009-2014 Angola registara um forte crescimento do sector hoteleiro com receitas superiores a 45 mil milhões de kwanzas (100 milhões de euros ao câmbio da altura), criando cerca de 223 mil postos de trabalho. Assim, há um claro potencial para o negócio do turismo.

3-Localizações turísticas e mercados potenciais

Angola tem inúmeros pontos turísticos, entre os quais podem-se destacar os parques nacionais da Kissama e Iona, Quedas de Calandula, do Ruacaná, Mussulo, Miradouro da Lua ou o Rio Zambeze.

É possível promover o desenvolvimento de hotéis e estâncias balneares turísticas destinadas a veraneantes em algumas das áreas especificamente destinadas ao turismo de sol, mar e areia como Cabo Ledo a 120km de Luanda no concelho da Quiçama, que tem 2.000 hectares de enorme beleza e é um local potencial para o surf mundial, assim que os processos de vistos sejam facilitados.

Outra alternativa voltada para o turismo de natureza é Calandula, Malange que possui as cascatas mais impressionantes de Angola e é o segundo maior da África com 150 metros de altura e 401 metros de largura. Uma área de 1.978 hectares de vegetação infinita e cascatas a perder de vista e que tem um enorme potencial de investimento turístico: alojamento turístico, restauração, animação, golfe e casinos.

Surgiu também a ideia duma rota dos museus. A iniciativa desta rota é despertar e aumentar a cultura de visitas a museus, a fim de se criar identidade patrimonial. Esta rota contempla o Palácio de Ferro, Museu Nacional de História Militar (Fortaleza São Miguel), Museu Nacional de História Natural e o Museu Nacional da Escravatura, passando por várias unidades hoteleiras. Esta rota deverá servir de modelo para implementação em todas as províncias do país.

Os mercados-alvo do turismo angolano deveriam ser a Rússia (após a resolução pacífica da guerra) e a China, que são hoje os países de onde são oriundos mais de 50% dos turistas internacionais, Angola tem tudo para absorver uma fatia substancial desses mercados. Além disso, como se referiu acima, poderia absorver alguma procura europeia, sobretudo na área da aventura e experiências ecológicas novas.

4-Eixos estratégicos e zonas especiais de turismo (ZET)

Como mencionámos acima a estratégia para o turismo deve assentar em dois eixos: o fomento do investimento e a criação de infraestruturas.

Reconhecemos que existe um novo clima favorável ao investimento e também um esforço, sobretudo no âmbito da CPLP, de flexibilização do processo burocrático de emissão de vistos de turismo, ou seja, estão a ser desenvolvidas as condições para uma nova estratégia de captação de turistas.

Segundo um responsável angolano, os documentos necessários para o licenciamento dos empreendimentos turísticos foram reduzidos, passando de 11 documentos antes exigidos para três. Foi alterada a validade dos alvarás de três para cinco anos, está em curso o processo de descentralização do sistema de emissão dos alvarás. Todas essas ações visam a melhoria do ambiente de negócios na área do Turismo. Em relação aos vistos, o mesmo responsável salienta que o processo já foi mais difícil. Fez saber que houve avanços significativos, que precisam de ser melhorados, para atrair mais turistas[3].

Os mesmos responsáveis defendem que em termos de infraestruturas existem lacunas fáceis de resolver; o aeroporto da Catumbela (Benguela) poderá ser dotado de mecanismos para receber voos internacionais diretos, os transportes fazem parte do investimento que cabe aos privados, a linha férrea do Caminho de Ferro de Benguela passa a centenas de metros do aeroporto, liga à Zâmbia e à República Democrática do Congo e vai até à Tanzânia no Índico, o Lobito tem um Porto de grande capacidade, e a própria expansão vai proporcionando investimentos paralelos na saúde, na formação, nos serviços, e na capacidade de produção de mão de obra qualificada e competitiva.

Ao nível do governo, há o reconhecimento do Turismo como sector estratégico no Plano Desenvolvimento Nacional 2018-2022, como garantia de mão-de-obra intensiva, a par da agricultura, das indústrias diversas e das pescas. Constam do Plano de Desenvolvimento Nacional algumas ações pontuais, tais como a melhoria na comunicação com os Polos de desenvolvimento Turísticos, a elaboração de projetos de construção e reabilitação de infraestruturas hoteleiras e turísticas, estatais e mistas, a identificação de zonas de desenvolvimento prioritário, com o intuito de recuperar e desenvolver todo o património da rede hoteleira e turística.

Outro responsável governativo, que, entretanto, cessou funções, sublinhou que além de Angola começar agora a reduzir as restrições e a burocracia, como parte da estratégia para relançar o turismo e promover a atração de investimento para o setor, queria passar a chamar a atenção internacional para o país, contando com a colaboração da supermodelo internacional Maria Borges, que iria ajudar a promover as potencialidades. A estratégia passaria por chamar um nome internacional, Maria Borges, para ajudar a promover a cultura, a história e os principais destinos turísticos do país.[4]

Com a nova estratégia para a promoção do turismo, Angola espera integrar a lista dos principais destinos turísticos em África até 2025[5].

***

No entanto, não se consegue no curto-prazo criar uma infraestrutura nacional completa para o turismo. Há que haver pragmatismo e realismo nas abordagens políticas de promoção do turismo num país em que este tem sido quase inexistente. É nesse sentido que a melhor solução deve ser dupla e com prazos diferentes.

A médio-prazo deve ser desenvolvida uma estratégia nacional de turismo. Contudo, a curto-prazo deve existir uma aposta focada naquilo que denominaremos Zonas Especiais de Turismo (ZET). As ZET seriam cinco áreas do país em que o Estado em parceria com os privados e as autoridades locais se focaria para criar infraestruturas e condições específicas para o turismo. Zonas com fácil acesso, hotéis, restaurantes, segurança garantida e talvez vistos livre-trânsito para se ir visitar essas zonas. Zonas preferenciais eleitas para testar as ZET poderiam ser Malanje, uma área de praia com animação urbana, uma área de praia de estilo paradisíaco, e uma cidade com muita história ou uma zona com interesse ecológico vocacionada para os turistas europeus.

Figura 2: Zonas Especiais de Turismo (ZET)

Estas zonas teriam tratamento fiscal privilegiado e devia-se contemplar a eliminação de vistos para quem fosse para lá até 15 dias. Esta proposta implicaria eliminação de vistos para turistas estrangeiros dos mercado-alvo que se deslocassem para as ZETs por um prazo máximo de 15 dias em turismo. Bastar-lhes-ia apresentar bilhete de avião de volta e comprovativo da reserva em alojamento turístico.

Haveria assim a criação de circunscrições-piloto dedicadas ao turismo, pequenas cápsulas do que poderia ser o turismo global em Angola no futuro.

Conclusões

O turismo pode ser uma das áreas de excelência da diversificação da economia angolana em curso, pois é um sector onde o país tem um enorme potencial. A aposta no turismo deve ser um trabalho tripartido do Estado, empresariado privado e comunidades locais. Os mercados-alvo serão a Ásia e a Rússia (após a solução da Guerra da Ucrânia), bem como os turistas ecológicos ou aventureiros europeus.

Para existir turismo em Angola devem ser proporcionadas condições de investimento (o que está em curso) bem como infraestruturas adequadas em termos físicos e de fácil deslocação.

É aconselhável proceder no curto-prazo à criação de Zonas Especiais de Turismo que funcionem como experiências-piloto da promoção de turismo. Zonas que congregarão hotéis, restaurantes, animação local, segurança e fáceis acessos, e eliminação de vistos para turismo nas ZETs. E depois com os resultados dessas ZET estender a todo o país.


[1] https://e-global.pt/noticias/lusofonia/angola/angola-joao-lourenco-aposta-em-turismo-para-diversificar-economia-do-pais/

[2] https://www.jornaldeangola.ao/ao/noticias/os-resultados-da-estrategia-para-o-turismo-ainda-sao-incipientes/ – entrevista à Angop do diretor geral do Infotur – 31-08-2021

[3] https://www.jornaldeangola.ao/ao/noticias/o-futuro-de-angola-repousa-no-turismo-e-nao-no-petroleo/

[4] https://pt.euronews.com/2021/06/28/as-apostas-de-angola-para-relancar-o-turismo

[5] https://www.jornaldeangola.ao/ao/noticias/o-futuro-de-angola-repousa-no-turismo-e-nao-no-petroleo/

As consequências económicas em Angola da guerra da Ucrânia

É um facto que a guerra na Ucrânia está a afetar a totalidade da economia mundial, e, naturalmente, esse impacto também terá consequências políticas,[1] como aliás desde logo reconheceu o Fundo Monetário Internacional (FMI). 

A questão que se vai abordar neste relatório é acerca do impacto específico da guerra na economia angolana, que como se sabe passa um tempo exigente de reforma e se apresta a sair duma crise profunda. Também se avaliará superficialmente se os impactos económicos terão influência política.

As duas faces do impacto do preço do petróleo em Angola

Naturalmente, que o primeiro impacto em Angola se refere ao preço do petróleo. A subida do preço do petróleo era uma tendência que já perdurava há algum tempo e foi acentuada com o deflagrar da guerra. Em certa medida, não é uma novidade trazida pela crise ucraniana, mas uma direção que já estava em curso há meses.

 A 31 de janeiro de 2022, o preço do barril de Brent estava a USD 89,9, a 14 de fevereiro de 2022, o valor situava-se nos USD 99,2. É um facto que com o início da guerra chegou a atingir os USD 129,3 a 8 de março. Neste momento (16 de março), estabilizou nos USD 99,11. Parece que o preço de equilíbrio do petróleo nos próximos tempos andará entre os USD 95-100, havendo, obviamente, a possibilidade de choques que o façam subir ou descer abruptamente.

Fig. nº 1- Gráfico Diário do Preço do Barril de Brent (Maio 2021-Março 2022)

Fonte: Trading Economics.com

Em relação a Angola, temos de partir da previsão orçamentada para 2022 que calculou o preço do barril a USD 59. Portanto, haverá uma mais-valia desde o início do ano correspondente a mais 50%, no mínimo. Nesse sentido, como o orçamento estava equilibrado, quer dizer que haverá um excedente financeiro, o que obviamente é uma boa notícia.

Esta subida do preço do petróleo tem então, numa primeira linha, dois efeitos positivos para Angola.

O primeiro é ao nível da receita extraordinária do Tesouro que naturalmente aumentará. Em termos simples, pode-se afirmar que haverá mais dinheiro disponível por parte do Estado.

O segundo efeito, que também já se sente, é o chamado feel good factor (ou índice de confiança). Os empresários e as famílias refazem as suas expectativas num sentido mais positivo, esperando melhores sinais da economia. Segundo o Instituto Nacional de Estatística angolano, os empresários estão, finalmente, otimistas quanto às perspetivas da economia nacional no curto prazo, depois de permanecerem mais de 6 anos pessimistas.[2] A subida do preço do petróleo não é o único motivo para o otimismo revelado, mas ajuda.

Note-se, no entanto, que os ganhos do preço do petróleo não se transformam diretamente em saldo orçamental positivo. Há vários constrangimentos na tradução da subida do preço do petróleo em vantagens orçamentais diretas para Angola.

O primeiro deles é o tipo de relação com a China. A China é o principal comprador do petróleo angolano. Não sabemos de que forma estão feitos os contratos e se estes refletem automaticamente as oscilações de preço. No passado, alguns intermediários das compras e vendas de petróleo para a China chegaram a fazer contratos de preço fixo que prejudicaram enormemente o Tesouro angolano.[3] Imagina-se que tais “esquemas” já não existam, mas não há certezas. Certo é que, provavelmente, os contratos entre Angola e China referentes ao petróleo conterão algum tipo de “amortecedores” que implicarão que não haja uma repercussão direta dos preços. Além do mais, alguns peritos petrolíferos, como os da Chatham House, entendem que o facto de a China comprar cerca de 2/3 do petróleo angolano (na verdade 70%[4]) lhe permite um certo controlo monopolista do preço, querendo com isto significar que as compras chinesas são feitas de modo a minorar as subidas de preço, prejudicando as vantagens angolanas[5].

Em segundo lugar, temos o serviço da dívida. Aparentemente, existem mecanismos contratuais que implicam que um preço mais elevado do petróleo implica um aumento do serviço da dívida, isto é, dos pagamentos a efetuar. A ministra das Finanças, Vera Daves, já reconheceu que “o que resulta do aumento do preço não pode ser feita uma conta aritmética com a produção” e que o preço do barril de petróleo, acima dos cem dólares, obriga Angola a pagar mais aos seus credores internacionais[6].

Além do mais a subida do preço do petróleo tem também um possível efeito negativo no Orçamento angolano, que se refere ao preço dos combustíveis vendidos ao público. Como se sabe esse preço é subsidiado pelo Estado; nessa medida, se o custo do petróleo aumenta e o governo não aumentar os combustíveis, quer dizer que vai ter de suportar mais subsídios e gastar mais para manter os preços dos combustíveis. Se não o fizer pode estar a alimentar inflação, que já não é baixa em Angola e criar problemas sociais e de descontentamento.

Há aqui quatro fatores: aumento do preço, relações com a China, aumento das obrigações de pagamento de dívida e aumento do subsídio dos combustíveis que têm de ser tidos em conta para avaliar o real impacto da subida do preço do petróleo nas contas e economia angolana.

Na realidade, não dispomos de números precisos sobre esses impactos, apenas ideias de grandezas, e face a estas, a conclusão que se pode retirar é que um aumento de 50% do preço do petróleo em relação ao que está previsto no Orçamento deixa uma folga de tesouraria ainda acentuada depois do aumento do pagamento do serviço da dívida e do suporte à subida do preço dos combustíveis, sendo indubitável que uma “almofada” financeira será criada.

A esta “almofada” financeira, que, repete-se, não é diretamente proporcional ao aumento do preço do petróleo, acresce o fator feel good, de quantificação intangível, mas que já se nota nos principais atores económicos angolanos.

Quer isto dizer que depois de anos de grande sacrifício, há, finalmente, razões para um otimismo moderado relativamente à economia angolana.

A questão do preço dos alimentos

A par com o preço do petróleo, muitas outras classes de produtos básicos estão a aumentar de preço. Uma delas é a dos cereais, designadamente o trigo.

A Ucrânia e Rússia juntas respondem por um quarto de todas as exportações mundiais de trigo. O conflito está a elevar dramaticamente os preços do trigo. Com o início da guerra, o preço do alqueire de trigo subiu para US$ 12,94, 50% mais caro do que no início de 2022.

No meio de uma guerra, não está claro se os agricultores da Ucrânia estarão dispostos a gastar o capital que tiverem para plantar na próxima colheita, ou mesmo se estarão em condições de o fazer. O que é certo é que a Ucrânia anunciou a proibição de todas as exportações de trigo, aveia e outros alimentos básicos para evitar uma enorme emergência alimentar dentro de suas fronteiras. Portanto, exportações de trigo da Ucrânia, mesmo que exista produção, estão comprometidas.

Ao contrário do petróleo, que afeta os preços quase que no imediato, os preços dos grãos levam semanas, se não meses, para chegar aos consumidores. Na realidade, o grão cru precisa ser enviado para as instalações de processamento para fazer pão e outros alimentos básicos – e isso leva tempo. Nesse sentido, possivelmente, não será uma crise imediata para Angola, mas chegará ao país.

De acordo com fontes governamentais, Angola é autossuficiente em seis produtos agrícolas base: mandioca, batata-doce, banana, o ananás, os ovos e a carne de cabrito. No entanto, o trigo é a mercadoria mais importada, representando 11%.[7] Lembremo-nos que o trigo é um elemento essencial da dieta dos angolanos, o que aliás levou há alguns meses o ministro da Indústria e Comércio a sugerir a substituição do pão pela mandioca, batata-doce, banana assada e ginguba. Esta afirmação gerou muitas críticas. Contudo, do estrito ponto da autossuficiência económica talvez faça sentido, uma vez que possivelmente o preço do pão irá subir e eventualmente o preço dos bens nacionais pode descer, se existir mercado concorrencial adequado.

O que é certo é que Angola poderá correr o mesmo perigo do Egito, uma cultura extremamente assente no trigo que sofre perturbações sociais quando o preço do trigo sobe.

Quando os preços dos grãos dispararam em 2007-2008, os preços do pão no Egito subiram 37%. Com o desemprego a aumentar, mais pessoas ficaram dependentes de pão subsidiado– mas o governo não reagiu. A inflação anual dos alimentos no Egito continuou e atingiu 18,9% antes da queda do presidente Mubarak.

A maioria dos pobres nesses países não tem acesso a redes de segurança social. Imagens de pão tornaram-se centrais nos protestos egípcios que levaram à queda de Mubarak. Embora as revoluções árabes estivessem unidas sob o slogan “o povo quer derrubar o regime” e não “o povo quer mais pão”, a comida foi um catalisador. Aliás, note-se que os “motins do pão” vêm ocorrendo regularmente desde meados da década de 1980, geralmente após a implementação de políticas “aconselhadas” pelo Banco Mundial e pelo Fundo Monetário Internacional.

Angola não é o Egito, mas é fundamental que o governo esteja muito atento à evolução do preço do trigo e do pão para evitar agitação social, numa fase em que começa a sair da prolongada crise.

No entanto, tal como no caso do petróleo existe uma outra face, e neste caso é positiva. A crise da produção agrícola derivada da guerra pode ser um momento de inflexão para uma aposta em Angola de investidores estrangeiros na agropecuária. Angola é dos países do mundo com mais potencialidades, como aliás já referimos em relatório anterior[8], portanto este pode ser o tempo de oportunidades para investidores verem a capacidade agrícola angolana e desfrutarem dela. Um dos sectores mais promissores e com mais potencial é a agropecuária. Há neste momento uma conjugação de fatores que a tornam uma das apostas mais rentáveis para o investimento em Angola.

Conclusões e recomendações

A guerra na Ucrânia tem variados impactos na economia angolana.

A subida do preço do petróleo, não trazendo receitas diretamente proporcionais, cria uma “almofada” no Tesouro e um feel good factor no empresariado, que poderá ser potenciador de crescimento.

A subida do preço dos cereais, em especial do trigo, pode criar graves pressões inflacionistas e descontentamento entre a população, situação para a qual o governo deve estar atento. Ao mesmo tempo, chamará a atenção para o potencial enorme de investimento que Angola tem como país agropecuário.

O governo deveria criar uma reserva especial proveniente das mais-valias do petróleo para garantir o abastecimento de cereais à população mais carenciada e também para promover o investimento agropecuário em Angola.


[1] https://www.imf.org/en/News/Articles/2022/03/05/pr2261-imf-staff-statement-on-the-economic-impact-of-war-in-ukraine

[2] https://www.angonoticias.com/Artigos/item/70611/optimismo-regressa-no-seio-dos-empresarios-seis-anos-depois

[3] Rui Verde, Angola at the Crossroads. Between Kleptocracy and Development (2021), p. 24.

[4] https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/china-foi-o-destino-de-71-do-petroleo-exportado-por-angola-em-2020/

[5] Explicações dadas em reunião da Chatham House que aqui replicamos, respeitando as regras da casa.

[6] https://rna.ao/rna.ao/2022/03/03/preco-do-petroleo-a-cima-dos-cem-dolares-obriga-governo-angolano-a-pagar-mais-aos-credores/

[7] https://www.expansao.co.ao/economia/interior/grupo-carrinho-destaca-se-nas-importacoes-e-exportacoes-do-pais-106709.html

[8] https://www.cedesa.pt/2020/06/15/plano-agro-pecuario-de-angola-diversificar-para-o-novo-petroleo-de-angola/

The economic consequences in Angola of the Ukraine war

It is a fact that the war in Ukraine is affecting the entire world economy, and, certainly, this impact will also have political consequences[1], as the International Monetary Fund (IMF) immediately recognized.

The question that will be addressed in this report is about the specific impact of the war on the Angolan economy, which, as we know, is undergoing a demanding reform period and is about to emerge from a deep crisis. It will also superficially assess whether the economic impacts will have political influence.

The two faces of the impact of the oil price in Angola

Naturally, the first impact in Angola refers to the price of oil. The rise in the price of oil was a trend that had been going on for some time and was accentuated with the outbreak of the war. To some extent, it is not a novelty brought about by the Ukrainian crisis, but a direction that has been underway for months.

 On January 31, 2022, the price of a barrel of Brent was USD 89.9, on February 14, 2022, the value was USD 99.2. It is a fact that with the beginning of the war it reached USD 129.3 on March 8. At this point (March 16), it stabilized at USD 99.11. It seems that the equilibrium price of oil in the near future will be between USD 95-100, with, obviously, the possibility of shocks that make it rise or fall abruptly.

Fig. nº 1- Daily Chart of the Price of a Barrel of Brent (May 2021-March 2022)

Source: Trading Economics.com

In relation to Angola, we have to start from the budgeted forecast for 2022, which calculated the price of a barrel at USD 59. Therefore, there will be an added value since the beginning of the year corresponding to a minimum of 50% more. In this sense, as the budget was balanced, it means that there will be a financial surplus, which is obviously good news.

This rise in the price of oil therefore has, in the first place, two positive effects for Angola.

The first is at the level of extraordinary Treasury revenue, which will naturally increase. In simple terms, it can be said that there will be more money available from the state.

The second effect, which is already being felt, is the so-called “feel good factor” (or confidence index). Entrepreneurs and families are rethinking their expectations in a more positive direction, hoping for better signs from the economy. According to the Angolan National Statistics Institute, businesspeople are finally optimistic about the short-term prospects of the national economy, after remaining pessimistic for more than 6 years[2]. The rise in the price of oil is not the only reason for the optimism revealed, but it helps.

Note, however, that oil price gains do not translate directly into a positive budget balance. There are several constraints in translating the rise in oil prices into direct budgetary benefits for Angola.

The first of these is the type of relationship with China. China is the main buyer of Angolan oil. We do not know how the contracts are made and whether they automatically reflect price fluctuations. In the past, some intermediaries in the purchases and sales of oil to China even entered into fixed-price contracts that greatly harmed the Angolan Treasury[3]. It is imagined that such “schemes” no longer exist, but there are no certainties. What is certain is that, probably, the contracts between Angola and China regarding oil will contain some type of “dampers” that will imply that there is no direct impact on prices. Furthermore, some oil experts, such as those at Chatham House, believe that the fact that China buys around 2/3 of Angolan oil (actually 70%[4]) allows it a certain monopolistic control of the price, meaning that Chinese purchases are made in order to lessen price rises, undermining Angolan advantages[5].

Second, we have debt service. Apparently, there are contractual mechanisms that imply that a higher price of oil implies an increase in debt service, that is, in payments to be made. The Minister of Finance, Vera Daves, has already acknowledged that “what results from the price increase cannot be made an arithmetic account with production” and that the price of a barrel of oil, above one hundred dollars, forces Angola to pay more to their international creditors[6].

Furthermore, the rise in the price of oil also has a possible negative effect on the Angolan budget, which refers to the price of fuel sold to the public. As is well known, this price is subsidized by the State; to that extent, if the cost of oil increases and the government does not increase fuel, it means that it will have to bear more subsidies and spend more to maintain fuel prices. If you don’t, you could be fueling inflation, which is no longer low in Angola, and creating social problems and discontent.

There are four factors here: price increase, relations with China, increase in debt payment obligations and increase in fuel subsidy that have to be taken into account to assess the real impact of the rise in oil prices on the accounts and the Angolan economy.

In fact, we do not have precise figures on these impacts, only ideas of magnitude, and in view of these, the conclusion that can be drawn is that a 50% increase in the price of oil in relation to what is foreseen in the Budget leaves a treasury slack that is still accentuated after the increase in debt service payments and support for the rise in fuel prices, and it is undoubted that a financial “cushion” will be created.

The question of food prices

Alongside the price of oil, many other commodity classes are rising in price. One of them is cereals, namely wheat.

Ukraine and Russia together account for a quarter of all world wheat exports. The conflict is dramatically driving up wheat prices. With the start of the war, the price of a bushel of wheat rose to $12.94, 50% more expensive than at the beginning of 2022.

In the midst of a war, it is unclear whether Ukraine’s farmers will be willing to spend whatever capital they have to plant the next harvest, or even if they will be in a position to do so. What is certain is that Ukraine has announced a ban on all exports of wheat, oats and other staple foods to avoid a massive food emergency within its borders. Therefore, wheat exports from Ukraine, even if there is production, are compromised.

Unlike oil, which affects prices almost immediately, grain prices take weeks, if not months, to reach consumers. In reality, raw grain needs to be shipped to processing facilities to make bread and other staples – and that takes time. In this sense, possibly, it will not be an immediate crisis for Angola, but it will reach the country.

According to government sources, Angola is self-sufficient in six basic agricultural products: cassava, sweet potato, banana, pineapple, eggs and goat meat. However, wheat is the most imported commodity, accounting for 11%[7]. Let us recall that wheat is an essential element in the diet of Angolans, which a few months ago led the Minister of Industry and Commerce to suggest replacing bread with cassava, sweet potatoes, roasted bananas and “ginguba” (peanuts). This statement has generated much criticism. However, from the strict point of economic self-sufficiency it may make sense, since possibly the price of bread will rise and eventually the price of national goods may fall, if there is an adequate competitive market.

What is certain is that Angola could be in the same danger as Egypt, an extremely wheat-based crop that suffers social upheaval when the price of wheat rises.

When grain prices soared in 2007-2008, bread prices in Egypt rose by 37%. With unemployment on the rise, more people became dependent on subsidized bread – but the government didn’t react. Annual food inflation in Egypt continued and reached 18.9% before the fall of President Mubarak.

Most of the poor in these countries do not have access to social safety nets. Bread images became central to the Egyptian protests that led to Mubarak’s downfall. Although the Arab revolutions were united under the slogan “the people want to overthrow the regime” and not “the people want more bread”, food was a catalyst. Incidentally, it should be noted that “bread riots” have been occurring regularly since the mid-1980s, usually after the implementation of policies “advised” by the World Bank and the International Monetary Fund.

Angola is not Egypt, but it is essential that the government pay close attention to the evolution of wheat and bread price to avoid social unrest, at a stage when it begins to emerge from the prolonged crisis.

However, as in the case of oil, there is another side, and in this case it is positive. The crisis in agricultural production resulting from the war could be a turning point for foreign investors to invest in agriculture in Angola. Angola is one of the countries in the world with the most potential, as we have already mentioned in a previous report[8], so this may be the time of opportunity for investors to see Angola’s agricultural capacity and take advantage of it. One of the most promising sectors with the most potential is agriculture. There is currently a combination of factors that make it one of the most profitable bets for investment in Angola.

Conclusions and recommendations

The war in Ukraine has several impacts on the Angolan economy.

The rise in the price of oil, not bringing directly proportional revenues, creates a “cushion” in the Treasury and a “feel good factor” in the business community, which could be a growth booster.

The rise in the price of cereals, especially wheat, can create serious inflationary pressures and discontent among the population, a situation for which the government must be aware. At the same time, it will draw attention to the enormous investment potential that Angola has as an agricultural country.

The government should create a special reserve derived from the gains from oil to guarantee the supply of cereals to the poorer sections of the population and also to promote agricultural investment in Angola.


[1] https://www.imf.org/en/News/Articles/2022/03/05/pr2261-imf-staff-statement-on-the-economic-impact-of-war-in-ukraine

[2] https://www.angonoticias.com/Artigos/item/70611/optimismo-regressa-no-seio-dos-empresarios-seis-anos-depois

[3] Rui Verde, Angola at the Crossroads. Between Kleptocracy and Development (2021), p. 24.

[4] https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/china-foi-o-destino-de-71-do-petroleo-exportado-por-angola-em-2020/

[5] Explanations given at a Chatham House meeting that we replicate here, respecting the house rules.

[6] https://rna.ao/rna.ao/2022/03/03/preco-do-petroleo-a-cima-dos-cem-dolares-obriga-governo-angolano-a-pagar-mais-aos-credores/

[7] https://www.expansao.co.ao/economia/interior/grupo-carrinho-destaca-se-nas-importacoes-e-exportacoes-do-pais-106709.html

[8] https://www.cedesa.pt/2020/06/15/plano-agro-pecuario-de-angola-diversificar-para-o-novo-petroleo-de-angola/

The new threats and the reinforcement of the Angolan Armed Forces

New threats to Angola

Angola’s history has been one of constant and overcoming challenges, and its survival as a single entity has been threatened since independence in 1975. It is never too much to remember that independence itself was declared at different times and in different places by different entities, with greater or less legitimacy. Agostinho Neto proclaimed the independence of the People’s Republic of Angola at 11 pm on November 11, 1975, in Luanda. Holden Roberto, leader of the FNLA, announced the Independence of the People’s Democratic Republic of Angola at midnight on November 11, in Ambriz and Jonas Savimbi did the same for UNITA in what was then Nova Lisboa on the same day, declaring the birth of the Republic Social Democratic Republic of Angola.

 Immediately, a civil war followed that more or less sporadically, covering larger or smaller areas, lasted until 2002. Attempts at external invasion were also frequent, South Africa, even before independence, entered Namibia and Mobutu’s Zaire the same to the north. Then it was Cuba’s turn, at the invitation of the Luanda government to also enter the country to counter the other invasions[1]. Indirect interventions by the then superpowers also abounded, and it is unnecessary to recall the threats of disintegration that the country experienced until the end of the civil war in 2002.

After that date, the threats posed to Angola diminished, although many remained latent and others emerged, such as those linked to the capture of the State and corruption[2].

Currently, there is an increase in external threats after 2002, not assuming the dramatic contours of the years after independence, but posing demanding challenges to the forces defending sovereignty, territorial integrity and national public order.

Separatism

Internally, we can see the rekindling of separatist attempts, both in Lundas and in Cabinda, which could be a trigger for other initiatives. In relation to Cabinda, reports have recently appeared on social media, replicated in some media of clashes between the armed wing of the Front for the Liberation of the State of Cabinda (FLEC) and the Angolan Armed Forces (FAA)[3]. These attacks, real or virtual, follow several complaints from the Democratic Republic of Congo (DRC) about Angolan incursions into its territory in apparent hot pursuit of FLEC members. Last August, the Chief of Staff of the Armed Forces of the DRC, Célestin Mbala Musense, criticized alleged incursions by the Angolan Navy into the country’s territorial waters in operations against rebels in Cabinda and claimed that FAA soldiers were multiplying incursions into the country, persecuting FLEC rebels[4].

Alongside this possible military upsurge, which is uncertain and about which there is no reliable information, there is a duly publicized current of opinion that invokes the need for a solution, although it is not clear what it is, or is tired of a confrontation.

The truth is that the Constitution of Angola (CRA) in its articles 5 and 6 is determinant: “… no part of the national territory or of the sovereign rights that the State exercises over it may be alienated.” It should be noted that this formulation implies that any territory always remains an integral part of the State, but does not prohibit different statutes and approximations, such as the establishment of autonomies always integrated into the national whole and of local authorities, more or less decentralized.

There is, therefore, a constitutional duty to combat any attempt at territorial secession, the CRA admitting the use of force to make this happen (“energetically fought”). In this context, the FAA will play a crucial role in preventing any dismemberment. In addition to constitutional law, it is also easy to see that any separation or “detachment” of Cabinda from Angola would have a disintegrating effect on the country, which as we know, historically, is a recent construction in progress.

This leads to the second threat of the same separatist type that exists in the Lundas. In January 2021, there was a bloody confrontation, the contours of which were duly described in Rafael Marques’ text, “”Miséria & Magia.[5]” In addition to socio-economic aspects, the event has been seen as linked to independence attempts by a self-styled Movement of the Portuguese Protectorate Lunda Tchokwe (MPPLT).

It is evident, in the first place, it is the duty of the State and the government to deal with the grievances of local populations, taking into account their developmental, economic and social demands. It is primarily a question of politics and progress. However, it is not worth ignoring that in the end, national integrity and sovereignty will always have to be guaranteed, and the FAA may play a decisive role in ensuring territorial cohesion.

That is why it is considered that a real threat to the sovereignty of Angola are the separatist impulses or intentions of part of its territory, with the FAA as the mainstay of the State to guarantee the integrity and unity of the State.

State capture and corruption

The second internal threat is linked to the aforementioned capture of the State and the fight against corruption. The option of political power was to hand over the fight against corruption to the common judicial means, therefore, this is not a function of the FAA, but of the police forces, criminal investigation and judiciary. The FAA only enters in what refers to the “capture of the State”. If forces or entities that benefit from corruption try to affect the normal functioning of the Rule of Law and Justice, weakening political power, it can be understood that the FAA will have a duty to defend constitutionality and legality, not intervening in specific judicial proceedings, but guaranteeing the conditions of tranquility and peace for the normal judiciary bodies to do their work. This is a difficult line to draw for the actions of the military, so the posture here must be understood as one of surveillance and symbolic support for the activity of the police forces and not of direct intervention.

If separatism and “state capture” are threats to sovereignty and peace in Angola, from the external point of view there are more and varied threats that have to be listed and have increased in recent years, requiring special attention from the FAA. The following stand out as external threats:

i) instability in neighboring countries, namely the DRC;

ii) the spread of terrorism designated as Islamic;

iii) crime and maritime piracy;

iv) increased competition between world powers with interests in African goods.

A few quick words about each of these segments:

i) instability in neighboring countries, namely the DRC

Although for the first time in 2018/2019 there was a peaceful transition of power in Congo (DRC), the truth is that the situation in this huge country is far from under control. The porosity with the Angolan border is a fact that is usually mentioned, but the main problem is that Tshisekedi, the President of the Republic and the state apparatus do not seem to control vast areas of the country that, according to some, are subject to militias promoted by Rwanda to search richness for processing in that country. A recent article by the Angolan professor and member of the Angolan government party, Benjamim Dunda, states that “What some do not know is that Rwanda is the gateway to the looting of excessive mineral resources in the DRC. Much of the endless instability of the neighboring nation of Mobutu has Kagame’s fingerprints. The Rwandan Patriotic Army (EPR) and Ugandan military, militarily occupy part of the territory of the DRC. Coltan (columbite and tantalite) is currently the most coveted ore in the technology industries worldwide. 80% of the world’s reserves are in the Democratic Republic of Congo.[6]” Without Dunda’s exalted tone, Laura McCreedy, from the International Peace Institute’s Center for Peacekeeping Operations, is on the same wavelength, referring already this month to reports of the resumption of proxy violence – attributed to Uganda, Rwanda and Burundi – as well as recent offensive operations against Allied Democratic Forces (ADF) by Ugandan forces and the alleged presence of Rwandan police and Burundian troops in eastern DRC, which is particularly alarming[7].

What appears is that there is a latent conflict in the DRC that is far from being resolved, to which is added a kind of asymmetric invasion, using the techniques popularized by Vladimir Putin in Crimea and Ukraine, by forces from Rwanda and perhaps Uganda within the DRC. This could soon provoke a more intense and not so covert war in the country with obvious effects in Angola. We shouldn’t forget that Angola was present in the so-called First Congo Civil War (1996-1997) and Second Congo Civil War (1998-2003), in addition to having directly or indirectly intervened in subsequent relevant moments in the DRC’s history. Consequently, it will not be indifferent to the evolution of the situation in the DRC and to this kind of discreet or disguised invasion that takes place, with the FAA having at least a deterrent role.

ii) the spread of terrorism designated as Islamic

The Angolan religious reality would not suggest an imminent danger from Islamic terrorism. However, there are two factors that must be taken into account to increase the degree of danger of Islamic terrorism in Angola.

The first factor is that what is often called “Islamic terrorism” does not have a real religious connotation, but represents a kind of franchise or brand adopted by insurrectionary movements or guerrillas in economically and socially degraded areas. This means that it is possible that in disaffected areas in Angola there may arise “Islamic” terrorist movements, which have nothing but Mohammedan but the designation, adopted to instill fear and terror in the populations and authorities. In fact, it seems clear that several Islamic terrorist movements that emerge in Africa are not the result of a command or central planning, but are more or less autonomous cells that imitate and mutually inspire, seeking common elements in propaganda and methodologies. As Chatham House experts Alex Vines and Jon Wallace put it, “[In Africa, the] line between jihadism, organized crime and local politics is often blurred and further complicated by global factors such as climate change, population and migration.[8] ” This means that the aforementioned “broth” can arise in Angola, and suddenly, the Islamic flag will be attractive to insurrectionary groups dissatisfied with the government.

Added to this first factor is the spreading across the African continent in relation to Islamic terrorism and which is gradually surrounding Angola. In the neighboring DRC, although still far from the Angolan borders, there is already talk of Islamic terrorism regarding the ADF (Allied Democratic Forces), with links between this organization and the Islamic State. In Tanzania, there are small attacks such as those in October 2020, in the village of Kitaya in the Mtwara region; attack that was claimed by Islamic extremists operating from northern Mozambique. Obviously, the case of Cabo Delgado in Mozambique is paradigmatic of the combination that can be foreseen for Angola, a socio-economic discontent allied to the emergence of Islamic terrorism. Further north, whether in the Central African Republic, Chad or Nigeria, there is a permanent threat from terrorist groups that identify themselves as Islamic.

The porosity of the borders, allied to the socio-economic difficulties, become powerful magnets for the expansion of terrorism that can become an internal threat in Angola, and it is certainly already a border threat and spreading across the African continent.

iii) crime and maritime piracy

From Cape Verde to the Angolan coast, attacks on ships have increased in recent years. In this vast maritime region, pirates – initially concentrated around the Niger Delta – extended their activities to all Nigerian coasts, as well as Benin and Togo. Since 2011, no less than 22 acts of piracy have been recorded in Benin, affecting traffic in the port of Cotonou, which has dropped by 60%. The massive economic impact of maritime crime – which includes illegal fishing, drug trafficking and weapons – on the coasts of West Africa increases every year. The Gulf of Guinea is now considered the continent’s maritime red zone[9].

Angola’s position has been clear, assuming itself as a strategic engine in the fight against piracy, pointing to the creation of a government funding strategy in the Gulf of Guinea and in the Great Lakes region, recognizing that crime has been growing in this area, endangering the region itself from a national, international and regional point of view. It is in this perspective that Angola attaches great importance to the maritime spaces that have to be controlled. In fact, of the 90 percent of crimes committed in the Atlantic Ocean, 70 percent occur in the Gulf of Guinea, which is worrying.

iv) increased competition between world powers with interests in African goods

This situation is more general and perhaps less imminent in causing disruption than the previous ones, however it exists and in the medium term could be the main threat to Angola. Some authors speak of a new “race for Africa”, such as those that took place at the end of the 19th century in connection with the Berlin Conference and after independence in the context of the Cold War. Angola was obviously a central part of both “races”. The first served to delimit its borders and complete the Portuguese colonial intervention, while in the second, it was one of the main battlefields of the US-Soviet Union confrontation. The prestigious English magazine The Economist summarized in 2019 the new, and third, rush to Africa, writing that there is a third wave in the works. The continent is important and is becoming increasingly important, mainly because of its growing share of the global population (by 2025 the UN predicts that there will be more Africans than Chinese). Governments and companies around the world are racing to strengthen diplomatic, strategic and commercial ties[10]. In fact, those who first discerned the continent’s opportunities were the Chinese who, since the beginning of the 21st century, have invested heavily in Africa, with Angola as their main partner, at least in terms of debt. The rest of the world has only just woken up to Africa. But in fact, we see Turkey in search of new markets and allies since it abandoned its alignment with the European Union, the Persian Gulf countries in the same line looking for diversification projects for their economies, and the European Union, led by Germany and France, with Italy and Spain also intensively recovering old ones and arranging new contacts, either for economic reasons or to try to stop the illegal immigration that affects their countries and can cause their governments to lose elections. Also Russia, in the mix of imperial recovery and business demand, returns to Africa. Only the United States of America has pursued a dormant policy towards the continent since Donald Trump, not yet understanding very well what they are doing in substance, apart from some noises against China and/or about Islamic terrorism. However, this lethargy can end.

At the moment, China is far ahead in the new race for Africa. As soon as Europeans and North Americans definitively understand – we are still in an ambivalent stage – that the Chinese presence in Africa is a threat to their geopolitical and economic interests, competition will intensify. It should be remembered that China currently absorbs around 60% of cobalt exports from Africa; 40% iron; and 25-30% of its exports of chromium, copper and manganese.

Consequently, Angola’s role as holder of key raw materials and a stabilizing force for the DRC, another immense repository of resources, will be decisive.

The current moment of the FAAs

In view of the above, it is easy to understand that these times is of great demand for the FAAs, who can once again be called upon to perform functions of national survival.

At this time, according to the most credible sources, the FAAs are comprised of approximately 107,000 active soldiers (100,000 Army; 1,000 Navy; 6,000 Air Force); there are still an estimated 10,000 in the Rapid Intervention Police (2021)[11].

Military expenditure is around 1.7% of GDP, therefore, below the 2% that the United States intends as a parameter for NATO countries (North Atlantic Treaty Organization of which Angola is obviously not a part, but whose parameter can serve as an ideal value of military expenditure). It is not an exaggerated expense, on the contrary, one might think.

Most Angolan military weapons and equipment are of Russian, Soviet or Warsaw Pact origin; since 2010, Russia remains the main supplier of military equipment to Angola[12].

Regarding its military capability in 2022, Angola is ranked 66th among 140 countries considered by Global Fire Power[13]. Its forces include 320 tanks, 1210 armored vehicles, and several artillery pieces. It should be noted, however, that tanks are essentially old, acquired in the 1990s from the Soviet Union. From our research, we could only find a reasonably modern (2016) tank-destroyer type vehicle, the PTL-02 Assaulter purchased from China. As for the naval forces, despite having an extended coastline and responsibilities in the Gulf of Guinea, the country only has 37 patrol boats and no medium or larger ships such as corvettes, frigates or cruisers.

As for the Air Force, there are 299 planes, of which 71 are fighters, 117 are helicopters and 15 are attack helicopters.

A recent analysis by Africa Monitor, which, it should be noted, has reflected a critical stance on the part of João Lourenço’s government, presents an alleged factuality, which, even if it is exaggerated or represents an overly pessimistic perspective, paints a less than encouraging picture of the readiness and material from the Angolan Air Force and Navy. Second, this publication, the navy fleet has its operational levels chronically “impaired by non-compliance with maintenance requirements and/or unpreparedness of its crews.[14]” In the Air Force, too, paralysis will be the keyword. According to the same newspaper, “the units of the transport helicopter fleet that were still operating (Russian-built Mil Mi-8) will be paralyzed, either aircraft from the 1980s-1990s, or units reconditioned later”, there is a “inability to ensure the maintenance of combat helicopters (Mil Mi-24)” and also in “a situation of near paralysis (…) Sukhoi (Su-22, Su-25, Su-30, Su-27).[15] ”Specialists with whom we have contacted directly and who prefer to remain anonymous assure that in recent years there has been no significant purchase of military material. So apparently there may be a need for reinforcement with these branches of the military.

In summary, there are three types of needs in the Armed Forces: obsolete and not modernized material, lack of equipment maintenance and unpreparedness of some cadres for specific activities. This obviously makes it important to intervene in the FAAs in order to increase their budget and increase their operational capacity in the face of the challenges described.

FAA modernization vectors

From all the above, two basic assumptions result that lead us to a simple conclusion. The assumptions are that threats to Angola’s sovereignty and integrity have increased in recent years after a period of some calm after 2002. Today the country faces a new “race for Africa” by the great and emerging powers, the threat of so-called Islamic terrorism spreads across the continent and piracy and criminality in the Gulf of Guinea along the coast is a reality. Added to this is the renewal of internal separatist tendencies and the strong reaction of the formerly dominant oligarchy to the fight against corruption. These facts correspond, at this moment, to some FAAs with some gaps in terms of material, readiness and training, which may, eventually, make an adequate reaction unfeasible in the event of an increase in any of the exposed threats.

It follows from the equation of these assumptions that an FAA modernization policy in terms of equipment, training and readiness/maintenance is essential. On the contrary, what many would claim, a reinforcement of the military budget and a modernizing reform of the Armed Forces is necessary.

The General State Budget for 2022 does not yet fully reflect these needs. If we look at it, from 2021 to 2022 there is a nominal increase in defense spending of 19.7%. It is enough to think that official inflation is around 27% in 2021[16] to realize that in real terms defense spending is decreasing, probably leading to cuts in the military sphere. In turn, defense spending is equivalent to 1.4% GDP[17].

We understand that the modernization of the FAA has a qualitative vector that must be defined by specialists in the area and involve the readiness of the Armed Forces, their implementation capacity and levels of sustainability, as well as the quality of the force they can exert. However, the vector that we focus on in this report is quantitative and we present the very simple suggestion already adopted by the countries of the North Atlantic Treaty Organization (NATO), which is to place defense expenditure at around 2% of GDP[18] . This is not a magic number and can be subject of much criticism, but it represents an objective and quantifiable parameter, and in fact gives political power a measurable instrument to achieve[19] , which can be an advance in good governance and transparency policies that intend to implement in Angola.


[1] Cfr. Pedro Pezarat Correia (1991), Descolonização de Angola: jóia da coroa do império português, Lisboa: Inquérito; Silva Cardoso (2000) Angola, anatomia de uma tragédia, Lisboa: Oficina do Livro; «Involvement in the Angolan Civil War, Zaire: A Country Study». United States Library of Congress;

 Donald S. Rothchild (1997). Managing Ethnic Conflict in Africa: Pressures and Incentives for Cooperation. Brookings Institution Press. pp. 115–116; Ndirangu Mwaura, (2005). Kenya Today: Breaking the Yoke of Colonialism in Africa. pp. 222–223; Chester A Crocke, Fen Hampson, Pamela Aall, Pamela (2005). Grasping The Nettle: Analyzing Cases Of Intractable Conflict.

[2] For a good definition of these themes in South Africa, but with conceptual application to Angola, see Judicial Commission of Inquiry into State Capture Report: Part 1  [Zondo Report] (2022).

[3] Simão Lelo, (2022), Ataques em Cabinda: Aumentam apelos para uma solução, Deutsche Welle, https://www.dw.com/pt-002/ataques-em-cabinda-aumentam-apelos-para-uma-solu%C3%A7%C3%A3o/a-60489955

[4] Copy of documents held by CEDESA and referred to in the press, for example, in https://e-global.pt/noticias/lusofonia/angola/chefe-do-estado-maior-congoles-protesta-contra-violacoes-do-territorio-por-angola/

[5] Morais, Rafael, (2021), Miséria & Magia, MakaAngola & UFOLO.

[6] Benjamin Dunda (2022), O que não dizem do Ruanda e de Kagame, https://camundanews.com/noticia/9593/dupla-nacionalidade-da-presidente-do-tribunal-constitucional-nao-viola-constituicao.html

[7] Laura McCreedy (2022), What Can MONUSCO Do to Better Address the Political Economy of Conflict in DRC? https://reliefweb.int/report/democratic-republic-congo/what-can-monusco-do-better-address-political-economy-conflict-drc

[8] Alex Vines e Jon Wallace, (2021), Terrorism in Africa, Chatham House, https://www.chathamhouse.org/2021/09/terrorism-africa

[9] Baudelaire Mieu (2021), Cameroon, Nigeria, Angola: Increased pirate activity along western coasts, The Africa Report, https://www.theafricareport.com/70478/cameroon-nigeria-angola-increased-pirate-activity-along-western-coasts/

[10] The Economist (2019), The new scramble for Africa, https://www.economist.com/leaders/2019/03/07/the-new-scramble-for-africa

[11] Angola. The World Factbook (2022) CIA, https://www.cia.gov/the-world-factbook/countries/angola/#military-and-security

[12] Same as above note

[13] Cfr. https://www.globalfirepower.com/country-military-strength-detail.php?country_id=angola 

[14] África Monitor, Nº 1334 |20.JAN.2022 |Ano XIX.

[15] Same as above note

[16] https://www.bna.ao/#/, taxa de inflação apresentada a 28-01-2022 é de 27,03%.

[17] Ministério das Finanças, (2021), RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO

Orçamento Geral do Estado 2022, p.68.

[18] North Atlantic Treaty Organization, (2014) “Wales Summit Declaration,” press release,

September 5, www.nato.int/cps/en/natohq/official_texts_112964.htm

[19] About the criticisms and advantages see Jan Techau (2015), THE POLITICS OF 2 PERCENT. NATO and the Security Vacuum in Europe. Carnegie Foundation.

As novas ameaças e o reforço das Forças Armadas Angolanas

Novas ameaças a Angola

A história de Angola tem sido uma constante de desafios e superações, tendo estado a sua sobrevivência como entidade única ameaçada desde a independência em 1975. Nunca é demais lembrar que a própria independência foi declarada em diferentes horas e vários locais por entidades diversas, com maior ou menor legitimidade. Agostinho Neto proclamou a independência da República Popular de Angola às 23h de 11 de novembro de 1975, em Luanda. Holden Roberto, líder da FNLA, anunciava a Independência da República Popular e Democrática de Angola à meia-noite do dia 11 de novembro, no Ambriz e Jonas Savimbi fazia o mesmo pela UNITA na então Nova Lisboa no mesmo dia, declarando o nascimento da República Social Democrática de Angola.

Imediatamente, seguiu-se uma guerra civil que mais ou menos esporadicamente, abrangendo maiores ou menores áreas, durou até 2002. As tentativas de invasão externa também foram frequentes, a África do Sul ainda antes da independência entrou pela Namíbia e o Zaire de Mobutu fez o mesmo a norte. Depois foi a vez de Cuba, a convite do governo de Luanda também entrar no país para contrapor as outras invasões.[1]As intervenções indiretas das então superpotências, também abundaram, sendo desnecessário recordar as ameaças de desintegração que o país viveu até ao final da guerra civil em 2002.

Depois dessa data as ameaças que se colocaram a Angola diminuíram, embora muitas permanecessem latentes e outras surgissem como as ligadas à captura do Estado e corrupção.[2]

Na atualidade, há um incremento das ameaças externas pós 2002, não assumindo os contornos dramáticos dos anos a seguir à independência, mas colocando exigentes desafios às forças de defesa da soberania, integridade territorial e ordem pública nacional.

Separatismo

A nível interno, vislumbra-se o reacender das tentativas separatistas, quer nas Lundas, quer em Cabinda, que poderão ser rastilho para outras iniciativas. Relativamente a Cabinda surgiram recentemente relatos nas redes sociais, replicados nalguns órgãos de comunicação social de confrontos entre o braço-armado da Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC) e as Forças Armadas Angolanas (FAA).[3] Esses ataques, reais ou virtuais, sucedem-se a várias queixas da República Democrática do Congo (RDC) acerca de incursões angolanas no seu território em aparente hot pursuit de membros da FLEC. Em agosto passado, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas da RDC, Célestin Mbala Musense, criticava supostas incursões da Marinha angolana em águas territoriais do país em operações contra rebeldes de Cabinda e afirmava que os soldados das FAA estariam a multiplicar as incursões na perseguição aos rebeldes da FLEC. [4]

A par deste eventual recrudescimento militar, que não é certo e sobre o qual não existe informação fidedigna, surge uma corrente de opinião devidamente publicitada que invoca a necessidade de uma solução, embora não se perceba qual seja, ou se apresenta cansada de um confronto.

A verdade é que a Constituição de Angola (CRA) no seu artigo 5.º, n.º 6 é determinante ao prescrever que: “O território angolano é indivisível, inviolável e inalienável, sendo energicamente combatida qualquer acção de desmembramento ou de separação de suas parcelas, não podendo ser alienada parte alguma do território nacional ou dos direitos de soberania que sobre ele o Estado exerce.” Note-se que esta formulação implica que qualquer território permaneça sempre como parte integrante do Estado, mas não proíbe diferentes estatutos e aproximações, como o estabelecimento de autonomias sempre integradas no todo nacional e de autarquias locais, mais ou menos descentralizadas.

Há, portanto, um dever constitucional de combater qualquer tentativa de secessão territorial, admitindo a CRA o uso da força para que tal aconteça (“energicamente combatida”). Neste âmbito as FAA desempenharão um papel crucial em evitar qualquer desmembramento. Além do direito constitucional, também é fácil de perceber que qualquer separação ou “desligamento” de Cabinda face a Angola teria um efeito desagregador do país, que como se sabe, historicamente, é uma construção recente e em progresso.

Isso leva à segunda ameaça do mesmo tipo separatista existente nas Lundas. Em janeiro de 2021, houve um confronto sangrento, cujos contornos foram devidamente descritos no texto de Rafael Marques, “”Miséria & Magia.”[5]Além de aspetos socioeconómicos, o evento tem sido visto como ligado às tentativas independentistas de um autodesignado Movimento do Protetorado Português Lunda Tchokwe (MPPLT).

É evidente que, em primeiro lugar é dever do Estado e do governo tratar os agravos das populações locais atendendo às suas reivindicações de cariz desenvolvimentista, económico e social. Trata-se primordialmente duma questão política e de progresso. Contudo, não vale a pena ignorar que no final haverá sempre que garantir a integridade e soberania nacionais e as FAA poderão ter um papel determinante para assegurar a coesão do território.

É por isso que se considera que uma ameaça real à soberania de Angola são as pulsões ou intenções separatistas de parte do seu território, cabendo às FAA como esteio do Estado garantir a integridade e unidade do Estado.

Captura do Estado e corrupção

A segunda ameaça existente a nível interno liga-se com a referida captura do Estado e combate à corrupção. A opção do poder político foi entregar o combate à corrupção aos meios judiciais comuns, portanto, tal não é uma função das FAA, mas das forças policiais, de investigação criminal e magistraturas. As FAA apenas entram naquilo que se refere à “captura do Estado”. Se porventura forças ou entidades que beneficiarem da corrupção tentem afetar o normal funcionamento do Estado de Direito e da Justiça, fragilizando o poder político, pode-se entender que as FAA terão o dever de defender a constitucionalidade e a legalidade, não intervindo nos processos judiciais concretos, mas garantindo as condições de tranquilidade e paz para que os órgãos judiciários normais façam o seu trabalho. Esta é uma linha difícil de traçar para a atuação dos militares, pelo que a postura aqui deve ser entendida como de vigilância e simbólica de suporte à atividade das forças policiais e não de intervenção direta.

Se o separatismo e a “captura de Estado” são as ameaças à soberania e paz em Angola, do ponto de vista externo existem mais e variadas ameaças que têm que ser elencadas e aumentaram nos últimos anos, obrigando a uma especial atenção das FAA. Destacam-se como ameaças externas:

  1. a instabilidade em países vizinhos, designadamente a RDC;
  2. o alastramento do terrorismo designado como islâmico;
  3. crime e pirataria marítima;
  4. o aumento da concorrência entre as potências mundiais com interesses em bens africanos.

Algumas palavras rápidas sobre cada um destes segmentos:

  1. a instabilidade em países vizinhos, designadamente a RDC

Embora pela primeira vez tenha ocorrido em 2018/2019 uma transição pacífica de poder no Congo (RDC), a verdade é que a situação nesse enorme país está longe de estar controlada. A porosidade com a fronteira de Angola é um facto, habitualmente, referido, mas o problema essencial é que Tshisekedi, o Presidente da República e o aparato estatal parecem não controlar vastas zonas do país que, segundo alguns, estão submetidas a milícias fomentadas pelo Ruanda para buscar riquezas para processamento nesse país. Recente artigo do docente angolano e membro do partido do governo angolano, Benjamim Dunda, refere que “O que alguns não sabem é que Ruanda é a porta de entrada e saída da pilhagem dos excessivos recursos minerais da RDC. Boa parte da interminável instabilidade da vizinha nação de Mobutu, tem as impressões digitais de Kagame. O Exército Patriótico Ruandês (EPR) e militares do Uganda ocupam militarmente parte do território da RDC. O Coltan (columbita e tantalita) é actualmente o minério mais cobiçado mundialmente pelas indústrias de tecnologia. 80% das reservas mundiais encontram-se na República Democrática do Congo.”[6] Sem o tom exaltado de Dunda, Laura McCreedy, do Centro de Operações de Paz do International Peace Institute afina pelo mesmo diapasão, referindo já este mês existiram relatos da retomada da violência por procuração (proxy violence) – atribuída ao Uganda, Ruanda e Burundi – bem como as recentes operações ofensivas contra as Forças Democráticas Aliadas (ADF) pelas forças de Uganda e a suposta presença da polícia ruandesa e tropas burundesas no leste da RDC, o que é particularmente alarmante[7].

O que aparenta é que existe um conflito latente na RDC que está longe de ser resolvido, a que acresce uma espécie de invasão assimétrica, utilizando as técnicas popularizadas por Vladimir Putin na Crimeia e Ucrânia, por forças do Ruanda e talvez do Uganda dentro da RDC. Isto pode provocar a breve trecho uma guerra mais intensa e não tão dissimulada no país com efeitos óbvios em Angola. Não esquecer que Angola esteve presente nas denominadas Primeira Guerra Civil do Congo (1996-1997) e Segunda Guerra Civil do Congo (1998-2003), além de ter intervindo direta ou indiretamente nos momentos relevantes subsequentes da história da RDC. Consequentemente, não será indiferente ao evoluir da situação na RDC e a esta espécie de invasão discreta ou disfarçada que ocorre, tendo as FAA, pelo menos um papel dissuasor.

2. o alastramento do terrorismo designado como islâmico

A realidade religiosa angolana não faria antever um perigo iminente proveniente do terrorismo islâmico. No entanto, existem dois fatores que devem ser tidos em conta para aumentar o grau de perigo do terrorismo islâmico em Angola.

O primeiro fator é que aquilo que muitas vezes se chama “terrorismo islâmico” não tem uma real conotação religiosa, mas representa uma espécie de franquia ou marca adotada por movimentos ou guerrilhas insurrecionais em zonas degradadas económico-socialmente. Quer isto dizer que é possível que em áreas descontentes em Angola surjam movimentos terroristas “islâmicos”, que de maometano nada tenham a não ser a designação, adotada para infundir o medo e terror nas populações e autoridades. Aliás, parece claro que os vários movimentos terroristas islâmicos que surgem em África não resultam de um comando ou planificação central, antes sendo células mais ou menos autónomas que se imitam e mutuamente inspiram, buscando elementos comuns na propaganda e metodologias. Como dizem os especialistas da Chatham House, Alex Vines e Jon Wallace, “[Em África, a] linha entre o jihadismo, o crime organizado e a política local é muitas vezes turva e ainda mais complicada por fatores globais, como mudanças climáticas, crescimento populacional e migração.[8]”Quer isto dizer que o “caldo” referido pode surgir em Angola, e de repente, a bandeira islâmica ser atrativa para grupos insurrecionais descontentes com o governo.

A este primeiro fator, junta-se o alastramento que vai percorrendo o continente africano relativamente ao terrorismo islâmico e que vai cercando paulatinamente Angola. Na vizinha RDC, embora ainda longe das fronteiras angolanas, já se fala de terrorismo islâmico a propósito da ADF (Allied Democratic Forces), fazendo-se ligações desta organização ao Estado Islâmico. Na Tanzânia referem-se pequenos ataques como os de outubro de 2020, na aldeia de Kitaya na região de Mtwara; ataque que foi reivindicado por extremistas islâmicos que operam a partir do norte de Moçambique. Obviamente, que o caso de Cabo Delgado em Moçambique é paradigmático da combinação que se pode antever para Angola, um descontentamento socioeconómico aliado ao surgimento do terrorismo islâmico. Mais a norte, seja na República Centro Africana, seja no Chade, seja na Nigéria, há uma permanente ameaça de grupos terroristas que se identificam como islâmicos.

A porosidade das fronteiras, aliada às dificuldades socioeconómicas tornam-se magnetos poderosos para a expansão do terrorismo que se pode tornar uma ameaça interna em Angola, e já é certamente uma ameaça fronteiriça e em propagação pelo continente africano.

3. crime e pirataria marítima

De Cabo Verde à costa angolana, os ataques a navios aumentaram nos últimos anos. Nesta vasta região marítima, os piratas – inicialmente concentrados em torno do Delta do Níger – estenderam as suas atividades a todas as costas nigerianas, bem como ao Benin e ao Togo. Desde 2011, não menos de 22 atos de pirataria foram registados no Benin, afetando o tráfego no porto de Cotonou, que caiu 60%. O grande impacto económico do crime marítimo – que inclui pesca ilegal, tráfico de drogas e armas – nas costas da África Ocidental aumenta todos os anos. O Golfo da Guiné é agora considerado a zona vermelha marítima do continente.[9]

A posição de Angola tem sido clara, assumindo-se como motor estratégico do combate à pirataria, apontando para a criação de uma estratégia de financiamento governamental no Golfo da Guiné e na região dos Grandes Lagos, reconhecendo que a criminalidade tem vindo a crescer nesta área, pondo em perigo a própria região do ponto de vista nacional, internacional e regional. É nesta perspetiva que Angola atribui grande importância aos espaços marítimos que têm que ser controlados. De facto, dos 90 por cento dos crimes cometidos no oceano Atlântico, 70 por cento ocorrem no Golfo da Guiné o que é preocupante.

4. o aumento da concorrência entre as potências mundiais com interesses em bens africanos

Esta situação é mais geral e talvez menos iminente em causar disrupção que as anteriores, contudo, existe e a médio-prazo pode ser a principal ameaça para Angola. Alguns autores falam de uma nova “corrida para África”, como aquelas que ocorreram no final do século XIX a propósito da Conferência de Berlim e após as independências no âmbito da Guerra Fria. Angola foi obviamente parte central de ambas as “corridas”. A primeira serviu para lhe delimitar as fronteiras e completar a intervenção colonial portuguesa, enquanto na segunda foi um dos principais palcos de batalha do confronto EUA-União Soviética. A prestigiada revista inglesa The Economist resumia em 2019 a nova, e terceira, corrida para África, escrevendo que há uma terceira onda em andamento. O continente é importante e está a tornar-se cada vez mais importante, principalmente por causa de sua crescente participação na população global (até 2025 a ONU prevê que haverá mais africanos do que chineses). Governos e empresas de todo o mundo estão a correr para fortalecer os laços diplomáticos, estratégicos e comerciais.[10] Na verdade, quem primeiro discerniu as oportunidades do continente foram os chineses que desde o início do século XXI apostam fortemente em África, sendo Angola o seu principal parceiro, pelo menos em termos de dívida. O restante mundo só agora re-acordou para África. Mas de facto, verificamos a Turquia em busca de novos mercados e aliados desde que abandonou o alinhamento com a União Europeia, os países do Golfo Pérsico na mesma linha procurando projetos de diversificação para as suas economias, e a União Europeia, liderada por Alemanha e França, com a Itália e Espanha também com intensidade retomando velhos e arranjando novos contactos, quer por motivos económicos, quer para tentar estancar a imigração clandestina que afeta os seus países e pode fazer perder eleições aos seus governos. Igualmente a Rússia, no misto de retomada imperial e procura de negócios volta a África. Apenas os Estados Unidos da América prosseguem desde Donald Trump uma política adormecida em relação ao continente, não entendendo ainda muito bem o que estão a fazer de substancial, além de alguns ruídos contra a China e/ou a propósito do terrorismo islâmico. No entanto, esta letargia pode terminar.

Neste momento, é a China que vai muito à frente na nova corrida para África. A partir do momento em que europeus e norte-americanos entendam definitivamente- estamos ainda numa fase ambivalente-que a presença chinesa em África é uma ameaça aos seus interesses geopolíticos e económicos, acentuar-se-á a competição. Recorde-se que a China atualmente absorve de África cerca de 60% das exportações de cobalto; 40% de ferro; e 25-30% de suas exportações de cromo, cobre e manganês.

Consequentemente, o papel de Angola como detentor de matérias-primas fundamentais e força estabilizadora da RDC, outro repositório imenso de recursos, será determinante.

O momento atual das FAAs

Face ao exposto, facilmente se compreende que este tempo é de grande exigência para as FAAs que podem ser novamente chamadas a desempenhar funções de sobrevivência nacional.

Neste momento, de acordo com as fontes mais credíveis, as FAAs são compostas por aproximadamente 107.000 soldados ativos (100.000 Exército; 1.000 Marinha; 6.000 Força Aérea); estima-se ainda 10.000 na Polícia de Reação Rápida (2021).[11]

A despesa militar é de cerca de 1,7% do PIB, portanto, abaixo dos 2% que os Estados Unidos pretendem como parâmetro para os países da NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte de que obviamente Angola não faz parte, mas cujo parâmetro pode servir de valor ideal de dispêndio militar). Não é uma despesa exagerada, ao contrário, do que se poderia pensar.

A maioria das armas e equipamentos militares angolanos são de origem russa, soviética ou do Pacto de Varsóvia; desde 2010, a Rússia continua a ser o principal fornecedor de equipamento militar para Angola.[12]

Em relação à sua capacidade militar em 2022, Angola está classificada em 66º lugar entre 140 países considerados pela Global Fire Power. [13] As suas forças contam com 320 tanques, 1210 veículos blindados, e várias peças de artilharia. Note-se, contudo, que os tanques são essencialmente antigos, adquiridos na década de 1990 com origem na União Soviética. Da pesquisa que realizámos, apenas conseguimos encontrar um veículo tipo tanque-destroyer razoavelmente moderno (de 2016), o PTL-02 Assaulter comprado à China. Quanto às forças navais, embora possuindo uma costa alargada e responsabilidades no Golfo da Guiné, o país apenas dispõe de 37 barcos de patrulha e nenhum navio de porte médio ou maior como corvetas, fragatas ou cruzador.

Quanto à Força Aérea são contabilizados 299 aviões, dos quais 71 caças, 117 helicópteros e 15 helicópteros de ataque.

Uma recente análise do África Monitor, que, há que anotar, tem refletido uma postura crítica do governo de João Lourenço, apresenta uma suposta factualidade, que mesmo que esteja exagerada ou represente um prisma demasiado pessimista, traça um quadro pouco animador acerca da prontidão e material da Força Aérea e Marinha Angolanas. Segundo, esta publicação, a frota da marinha de guerra tem os seus níveis de operacionalidade cronicamente “prejudicados por incumprimento de exigências de manutenção e/ou impreparação das suas tripulações.”[14] Também na Força Aérea a paralisia será a palavra-chave. De acordo com o mesmo periódico, estarão paralisadas “as unidades da frota de helicópteros de transporte que ainda operavam (Mil Mi-8, de fabrico russo), quer aparelhos da década de 1980-1990, quer unidades recondicionadas posteriormente”, existe uma “incapacidade para assegurar a manutenção de helicópteros de combate (Mil Mi-24)” e  também em “situação de quase paralisia estão(…), há mais tempo, as frotas de caças MiG-21 e MiG-23, de fabrico soviético, e Sukhoi (Su-22, Su-25, Su-30, Su-27).[15]

Especialistas com quem contactámos diretamente e que preferem manter anonimato asseguram que nos últimos anos não existiu qualquer compra significativa de material militar. Assim, aparentemente, pode existir uma necessidade de reforço com estes ramos das forças armadas.

Em resumo, vislumbram-se necessidades nas Forças Armadas de três tipos: material obsoleto e não modernizado, falta de manutenção do equipamento e impreparação de alguns quadros para atividades específicas. Tal torna, obviamente, importante a intervenção nas FAAs no sentido de aumentar o seu orçamento e elevar a sua capacidade operacional face aos desafios descritos.

Vetores de modernização das FAAs

De tudo o exposto resulta dois pressupostos de base que nos levam a uma conclusão simples. Os pressupostos são que as ameaças à soberania e integridade de Angola aumentaram nos últimos anos depois de um período de alguma acalmia após 2002. Hoje o país defronta-se com uma nova “corrida para África” das grandes potências e das emergentes, a ameaça do terrorismo designado como islâmico espalha-se pelo continente e a pirataria e criminalidade no golfo da Guiné ao longo da costa são uma realidade. A isto acresce o renovar das tendências separatistas internas e a forte reação da oligarquia anteriormente dominante ao combate contra a corrupção. A estes factos correspondem, neste momento, umas FAAs com algumas lacunas ao nível de material, prontidão e treino, o que pode, eventualmente, inviabilizar uma reação adequada em caso de incremento de alguma das ameaças expostas.

Resulta da equação destes pressupostos que uma política de modernização das FAA em termos de equipamento, treino e prontidão/ manutenção é fundamental. Ao contrário, do que muitos alegariam é necessário um reforço do orçamento militar e uma reforma modernizadora das Forças Armadas.

O Orçamento Geral do Estado para 2022 ainda não reflete totalmente essas necessidades. Se reparamos, de 2021 para 2022 há um incremento nominal dos gastos de defesa de 19,7%. Basta pensar que a inflação oficial se situa na ordem dos 27% em 2021[16]para se perceber que em termos reais o dispêndio com a defesa diminui, levando provavelmente a cortes na esfera militar. Por sua vez, os gastos com a defesa equivalem a 1,4%PIB.[17]

Entendemos que a modernização das FAA tem um vetor qualitativo que deve ser definido pelos especialistas na área e envolver a prontidão das Forças Armadas, a sua capacidade de implantação e níveis de sustentabilidade, bem como a qualidade da força que pode exercer. Contudo, o vetor que nos debruçamos neste relatório é o quantitativo e apresentamos a sugestão muito simples já adotada pelos países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), que é a de situar a despesas com a defesa na ordem dos 2% do PIB.[18] Este não é um número mágico e pode ser objeto de muitas críticas, mas representa um parâmetro objetivo e quantificável, e na verdade confere ao poder político um instrumento mensurável para atingir[19], o que pode ser um avanço nas políticas de boa governação e transparência que se pretendem implementar em Angola.


[1] Cfr. Pedro Pezarat Correia (1991), Descolonização de Angola: jóia da coroa do império português, Lisboa: Inquérito; Silva Cardoso (2000) Angola, anatomia de uma tragédia, Lisboa: Oficina do Livro; «Involvement in the Angolan Civil War, Zaire: A Country Study». United States Library of Congress;

 Donald S. Rothchild (1997). Managing Ethnic Conflict in Africa: Pressures and Incentives for Cooperation. Brookings Institution Press. pp. 115–116; Ndirangu Mwaura, (2005). Kenya Today: Breaking the Yoke of Colonialism in Africa. pp. 222–223; Chester A Crocke, Fen Hampson, Pamela Aall, Pamela (2005). Grasping The Nettle: Analyzing Cases Of Intractable Conflict.

[2] Para uma boa definição destes temas na África do Sul, mas com aplicação conceitual a Angola ver Judicial

Commission of Inquiry into State Capture Report: Part 1  [Zondo Report] (2022).

[3] Simão Lelo, (2022), Ataques em Cabinda: Aumentam apelos para uma solução, Deutsche Welle, https://www.dw.com/pt-002/ataques-em-cabinda-aumentam-apelos-para-uma-solu%C3%A7%C3%A3o/a-60489955

[4] Cópia de documentos na posse do CEDESA e referidos na imprensa, por exemplo, em https://e-global.pt/noticias/lusofonia/angola/chefe-do-estado-maior-congoles-protesta-contra-violacoes-do-territorio-por-angola/

[5] Morais, Rafael, (2021), Miséria & Magia, MakaAngola & UFOLO.

[6] Benjamin Dunda (2022), O que não dizem do Ruanda e de Kagame, https://camundanews.com/noticia/9593/dupla-nacionalidade-da-presidente-do-tribunal-constitucional-nao-viola-constituicao.html

[7] Laura McCreedy (2022), What Can MONUSCO Do to Better Address the Political Economy of Conflict in DRC? https://reliefweb.int/report/democratic-republic-congo/what-can-monusco-do-better-address-political-economy-conflict-drc

[8] Alex Vines e Jon Wallace, (2021), Terrorism in Africa, Chatham House, https://www.chathamhouse.org/2021/09/terrorism-africa

[9] Baudelaire Mieu (2021), Cameroon, Nigeria, Angola: Increased pirate activity along western coasts, The Africa Report, https://www.theafricareport.com/70478/cameroon-nigeria-angola-increased-pirate-activity-along-western-coasts/

[10] The Economist (2019), The new scramble for Africa, https://www.economist.com/leaders/2019/03/07/the-new-scramble-for-africa

[11] Angola. The World Factbook (2022) CIA, https://www.cia.gov/the-world-factbook/countries/angola/#military-and-security

[12] Idem nota supra

[13] Cfr. https://www.globalfirepower.com/country-military-strength-detail.php?country_id=angola 

[14] África Monitor, Nº 1334 |20.JAN.2022 |Ano XIX.

[15] Idem nota supra.

[16] https://www.bna.ao/#/, taxa de inflação apresentada a 28-01-2022  é de 27,03%.

[17] Ministério das Finanças, (2021), RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO

Orçamento Geral do Estado 2022, p.68.

[18] North Atlantic Treaty Organization, (2014) “Wales Summit Declaration,” press release,

September 5, www.nato.int/cps/en/natohq/official_texts_112964.htm

[19] Sobre as críticas e vantagens ver Jan Techau (2015), THE POLITICS OF 2 PERCENT. NATO and the Security Vacuum in Europe. Carnegie Foundation.

The blockades and the reform of the Angolan justice system

  1. Introduction. The focus on justice

The initial vision of the role of justice in Angola was established in the initial constitutional law following independence in 1975, the Constitutional Law of November 11, 1975. This fundamental law considered the courts as organs of State, having the exclusive responsibility of exercising the jurisdictional function with a view to achieving democratic justice (Article 44), ensuring that in the exercise of their functions judges are independent (Article 45).

Interestingly, the basic principle referring to the judiciary is not very different from that currently enshrined in the 2010 Constitution of the Republic of Angola (CRA), despite the changes in the political system that have taken place in the meantime. The courts continue to be sovereign organs with the competence to administer justice on behalf of the people (articles 105 and 174) and “in the exercise of their jurisdictional function, the courts are independent and impartial, being subject only to the Constitution and the law.” (Article 175). There is structural continuity in the essential conceptualization of the judiciary since independence, although its forms and practices have varied over time[1].

In terms of relevance, perhaps the so-called “fight against corruption” announced in 2017 by President João Lourenço has brought a focus to justice that had never existed before, and that is why today it is essential to discuss the reform of justice.

From what can be seen from the summary reference made to the constitutional texts, over time there was no special doctrinal or even practical concern with judges and the application of justice. In fact, in 1977, it became famous for the saying attributed to the then President of the Republic Agostinho Neto, regarding the events of the 27th of May, in which a multitude of people were shot: “We are not going to waste time with judgments[2]”. Justice has always played a secondary role in the main concerns of Angolan governments and probably public opinion.

It was only after the initiation of lawsuits against the “famous” (Filomeno dos Santos, Augusto Tomás, Manuel Rabelais, and Isabel dos Santos) and some accusations and trials that justice became the stage of political struggle and focused attention. It is a very interesting fact that João Lourenço has chosen to hand over the fight against corruption to the ordinary justice and, therefore, challenging it to be effective. Later, the political struggle entered the courts even more, with the famous ruling by the Constitutional Court on UNITA which declared the election of Adalberto da Costa Júnior null and void[3].

These two converging facts, the handing over of the fight against corruption to the ordinary courts and the dismissal of Adalberto da Costa Júnior by the constitutional court, gave rise to two innovative phenomena in the Angolan judicial world.

First, a kind of very strong light was turned on, which began to illuminate the activities of the judiciary. What used to happen in the obscurity and unintelligibility of legal language became visible to the general public, and many defects in the system emerged with the naked eye: slowness, lack of technical specialization or the absence of material means.

Second, the courts became the object of strong attack from all those who did not agree with the decisions or were not afraid of being covered by them. Thus, a large part of the Angolan elite, which is afraid of going to court, began to fiercely criticize the courts, their decisions, their functioning, their independence. The objective of these attitudes is very simple: to delegitimize court decisions, devaluing their weight. Added to this are the bombastic statements of many of the defense lawyers, who do not hesitate to criticize decisions that do not benefit their constituents. At the same time, this dislike and anti-court “campaign” was accelerated by discontent with the constitutional court’s decision regarding UNITA.

Consequently, the courts became a field of political and legal struggle. It is false and wrong to assert that old jargon that “justice and politics don’t mix”. In fact, in Angola they are quite mixed, as in Portugal or the United States[4].

All these facts lead to questioning the role of justice in Angola, underlining, above all, its slowness and eventual politicization. In fact, this discussion turns out to be beneficial because from the questioning, discussion and the need for reform arise.

What should be guaranteed is that this justice, which politics has entered, remains impartial and independent, taking its decisions without influence, in a transparent and technically based way. It is with this desire that Angolan justice could be reformed.

2. The blockades: the legal paradigm, the material means and budget, corruption, the political issue.

In order to propose an adequate reform of the Angolan justice system, it will be necessary, as a matter of priority, to identify the obstacles and impediments to its proper functioning, as it will be in these “Gordian knots” and not in general and abstract declarations that the reformist process should focus.

             We have identified five blocks that impede the proper functioning of justice in Angola:

             1-The inadequate legal paradigm;

             2-Lack of material resources and efficient budget management;

             3- Corruption;

             4- The political issue.

              Let’s analyze, albeit briefly, each of these blocks.

2.1- The inadequate legal paradigm

The first blockage of the Angolan judicial system is the one that cannot be seen, as it involves the entire system and therefore there is no perception of its existence. This is the legal paradigm in which Angolan law moves. It is easy to understand that despite some proximity to Marxist formulas between 1975 and 1992, Angolan law remained essentially identical to Portuguese law, whether in the major legislative bodies, whether in doctrine or training.

In terms of legislation, it is a fact that for decades after independence, Portuguese laws continued to be Angolan laws. The Civil Code and the Code of Civil Procedure are still those received from Portugal in the 1960s, while the Penal Code of the Monarchy and the Code of Criminal Procedure at the beginning of the “Estado Novo” were only replaced in 2021, and by very similar texts, when not copies, of texts approved in Portugal after April 25, 1974.

 If, at the legislative level, Portuguese influence prevails, the same happens at the doctrinal level. Portuguese teachers are the most cited in Angolan jurisprudence. Suffice it to exemplify with the ruling of the Constitutional Court referring to UNITA (Rule No. 700/2021), whose doctrine cited is mainly Portuguese. Antunes Varela, Miguel Bezerra and Sampaio da Nora, Carvalho Fernandes, Abílio Neto, Alberto dos Reis, Ana Prata, all Portuguese, are mentioned to substantiate the deliberation of the judges. Only one Angolan, Raul Araújo, is mentioned. Naturally, this small doctrinal detail reveals how much Angolan law is still subsidiary to Portugal.

The same is true in terms of training. A good part of the Manuals used in teaching is still written by Portuguese authors or written in collaboration between Angolans and Portuguese, which is already an evolution. In constitutional law, the manual of Professor Bacelar Gouveia, Portuguese, or professors Jónatas Machado, Nogueira da Costa and Esteves Hilário, here a mixed collaboration between Portugal and Angola, as in the fundamental manual of administrative law by Carlos Feijó and Diogo Freitas do Amaral. At the same time, it is still regarded as the most prestigious graduation to obtain a master’s or doctorate in law at the universities of Lisbon or Coimbra.

There would be no special problem here if Portuguese law responded to the demands of modernity and its practice were simultaneously translated into something fair and effective. The problem is that Portuguese law, and by absorption of Angolan law, live in a bureaucratic and impractical paradigm. The norms and ways of acting in Portuguese law are out of date, the interpretation of the law has become exaggeratedly subjective, never knowing exactly what is coming, procedural norms imply long trials, and the tendency, in the criminal area, has been to reduce rights of the defendants, reaching a situation in which the processes do not end in good time for justice, nor do the defendants already have adequate defenses and guarantees. Portuguese criminal law has fallen into the worst of all worlds, slow processes, inquisitions and defendants without rights, depending on the common sense of the magistrates and little else. It’s an unfair law. In turn, procedural law was transformed, above all by the famous Coimbra professor Alberto dos Reis, into a too elaborate science to which few insiders have access, cluttering up the processes, and in which the goals of speed and justice ceased to exist.

The Portuguese legal system, in whose paradigm Angola moves, is slow, confused and not very adequate to present times, generally not being fair or fast, leaving everything too much in the hands of the judges. This is the main problem facing the Angolan judicial system and the first blockade to overcome.

2.2-Lack of material resources and efficient budget management

The contention that the Angolan justice system is depleted and has no means has been persistent. In the now distant year of 2017, on May 26, a request from the Angolan Judges Association had entered the Provincial Court of the District of Luanda, with a view to the procedure of a “separate judicial notification” to the Republic of Angola in the persons of its Justicea and Finance ministers. This notification reminded that several legally provided subsidies and other instruments necessary to carry out the work of magistrates were not made available by the political power. According to the description of the judges, the day would not come far when they would be living in houses without electricity and water, and when they would not be able to go to court, as they did not have a car or any other means of travel[5]. The judicial magistrates stated that, since 2013, they have been obliged to defray the cost of work material. Specifically: paper, ink cartridges, photocopies of processed sheets (with the letterhead of the various models used in the courts), travel by bailiffs for the purposes of citations and notifications, purchase of cell phones and a monthly recharge plan to assist with citations/notifications of the lawyers and users, fuel for the generators (in the rooms where they exist). Even at the time, they mentioned that the Judgment Room, located in Zango 3, in Viana, had no regular electricity during the office hours. This made it impossible for the magistrates to fully perform their functions, forcing them to draft the hearings by hand, namely interrogations, trials, procedural instructions, social inquiries… The generator was out of order. Furthermore, due to the distance, the employees who worked there were transported in one of the institution’s vehicles, whose fuel and maintenance was supported at their expense.

The situation has not significantly improved since then, despite the new focus on justice. In July 2021 there were public protests by judges and prosecutors; complained about the “lack of technical conditions and even low salaries (…) The president of the National Union of Magistrates of the Public Ministry (SNMMP), José Buengas, even stated that most of the courts and prosecutors” in Angola operate with money from the magistrates who “take out of their pockets to buy paper and ink. The day you stop doing this and wait for a ream of paper for the entire month to arrive to print all the documents, constituents, lawyers and the population will wait, with all the consequences that may result. [6]

 The State General Budget (SGB) for 2022 foresees an allocation of 1.21% of the revenues for the judicial bodies, equivalent to 113,777,899.457,00 Kwanzas. This represents an increase of more than 100% compared to the year 2020 when only 0.37% of the revenues were imputed to Organs judicial bodies, representing 49,414,027,773.00 Kwanzas. Considering that inflation accumulated in this period will have ranged between 45% and 48%, the truth is that we have a real increase in spending on justice above 50%.

Comparing, in turn, the current year (2021) and the forecast for 2022, we have an expected monetary expenditure of 133.8 billion kwanzas, against 55.9 billion kwanzas in 2021. This corresponds to a nominal increase of 103 .5%. And it corresponds to 1.2%, 0.6% and 0.2% of fiscal expenditure, fiscal expenditure and percentage of GDP, respectively[7].

Therefore, we have here a certain paradox that becomes an obstacle to the efficient functioning of justice. On the one hand, there is a persistent and constant complaint by magistrates, which can be visually proven in many courts, about the lack of material means, on the other, there is an effective effort by the State to increase the means available to the justice sector, having proceeded to a budget that provides for the doubling of spending on justice in two years (2020-2022), which in fact accelerates in the transition from 2021 to 2022.

2.3- Corruption

Corruption in the Angolan judiciary is a little-studied but much talked about phenomenon. A short closed inquiry carried out by this center in relation to corruption in the Angolan magistracy among judicial operators led to the conclusion that the majority believes that judges are influenced by monetary or political reasons (the latter we will see below), and in that sense many decisions are taken on the basis of these influences, disregarding the applicable law. There were even references by magistrates of several attempts to offer gifts or monetary amounts.

This survey does not have a sufficiently large sample to allow scientific conclusions to be drawn, it only gives us an impression of the existing opinions among lawyers, magistrates and court officials.

On another level, the investigative journalist Rafael Marques’ portal, MakaAngola, has told several stories of inexplicable court decisions, which possibly could only have been taken due to external stimuli.[8]

What is certain is that this is a situation that is talked about a lot, but about which there is little information, but it has created an image of legal uncertainty among legal operators and investors and that is why it is essential to overcome it.

2.4- The political issue

On the agenda is the issue of politicization of Angolan courts. There is no day that doesn’t show up a published opinion, generally linked to the opposition, indicating the lack of credibility, above all, of the higher courts, and in these, of the constitutional court, due to its politicization[9].

          The argument focuses on two fundamental axes.

The first axis is linked to the party affiliation of judges. The case of the present President of the Constitutional Court, Laurinda Cardoso, has been invoked by society, as until the moment of her appointment she was affiliated with the MPLA and in addition to being a member of the government of João Lourenço, she was also in higher organs of the party. The fact of having her membership suspended has not absolved her of criticisms of political commitment, especially given that one of her first acts was to sign the aforementioned judgment nº. 700 that removed Adalberto da Costa Júnior from the leadership of UNITA.

The second axis is of a more institutional nature, and is based on the argument that, directly or indirectly, the vast majority of judges end up depending on the nomination of the President of the Republic or of the majority party in the National Assembly, the MPLA. In fact, at the level of the Constitutional Court, the CRA determines that four judges out of eleven are appointed by the President of the Republic and another four by a 2/3 majority in the National Assembly, which the MPLA has always held. To that extent, at least 8 of the 11 judges would be aligned with political power. As for the Supreme Court, the President and Vice-President are appointed by the President of the Republic from among 3 candidates selected by 2/3 of the Counselor Judges in effective functions.

Given these various factors, the feeling of dependence of the judiciary on political power has grown in some public opinion, serving for various attacks that delegitimize judicial decisions.

3. The axes of judicial reform: legal paradigm shift, reinforcement of material resources and new public management, fight against corruption, transparency in politicization: the German model.

Legal paradigm shift: the “de-Berlinization” of Law

The first priority of a reform of the judicial system is the change of the legal paradigm, or in other words, the modification of the legal mentality and the standards used. We argue that the excessive copying of Portuguese models, norms, doctrines and teachers is harmful to Angola, as it does not provide the country’s legal culture with instruments and ways of thinking that are adequate to the concrete challenges in which it is involved.

So, we have to look for new inspirations elsewhere. A wide-ranging investigation should be carried out in relation to cases of stability and/or success in Africa itself, as is the case in Namibia and above all in Botswana. It seems to have a legal logic to verify the type of principles and norms, as well as the judicial organization adopted in Botswana and adapt what is understood for Angola. Another legal order that could be explored in greater depth, particularly with regard to the judicial and procedural organization, as well as criminal law, is Brazil, especially from the perspective of combating corruption and the various normative instruments that it has “imported” of US law.

As far as the fight against corruption is concerned, the Angolan legal system has to “Americanize” itself, investing in the right to prizes, the plea bargain, the sentence agreements, and the specific police forces.

In order to accelerate the paradigm shift at the level of judges, judges should have specialized advisors who study and prepare decisions in accordance with the new legal paradigm.

One suggestion would be to institute a law reform commission not only containing Angolan luminaires advised by Portuguese, as is currently the case, but admitting multinational contributions. Thus, the law reform commission should contain Angolan and Portuguese experts, but also from Botswana, Namibia, Brazil and, if possible, from the United States of America and Great Britain. Most important of all, there is a renewal of the plurality of contributions and meta-legal sources for Angolan law.

Reinforcement of material resources and new management model

Regarding the reinforcement of material resources and a new management model, there will be three items to consider[10].

The first is natural and concerns the strengthening of the State Budget for justice. It should be noted that the government seems to have been sensitive to this aspect, since, as mentioned above, in 2022 we have a projected monetary expenditure of 133.8 billion kwanzas, against 55.9 billion kwanzas in 2021, more than a doubling of the funds allocated to justice, which is to be applauded.

A second step has already been taken, and it is also to be applauded, except for one detail. At issue is Presidential Decree Nº. 69/21, of March 16, which approves the reimbursement scheme attributed to the administration of justice for financial and non-financial assets recovered by them. The underlying idea is positive. It is about delivering to the justice bodies some of the assets obtained in the fight against corruption, creating a stimulus for effective and efficient action in the recovery of assets, in addition to providing justice with means that it would not otherwise have. This disposition is right. The justice bodies must benefit from the assets they seize, only the judges who decide the seizures and losses in favor of the State should have been left out, as it can be argued that their impartiality would be obstructed when deciding that someone loses a certain asset, knowing that eventually a certain magistrate would benefit directly or indirectly from it. Expressly safeguarding this aspect, this idea is to be fostered, and follows on from what we have upheld in previous reports in the sense that it is necessary to place the funds obtained in the fight against corruption at the direct service of the public interest.

Lastly, in addition to the reinforcement of funds, whether through the General State Budget or through assets recovered in corruption processes, a new model for the management of legal funds should be considered that guarantees rationality and efficiency in the allocation of resources.

The handover of management to judges is not supported. But the creation of an autonomous institute with transparent management of the administration of justice, which would manage budget revenues, revenues from the fight against corruption and could have its own revenues linked to the activities of justice. This institute would have professional managers and would be audited by an international auditing firm. Its operation would be decentralized with a manager attached to each district court and higher court.

Thus, in addition to the increase in funds, there would be autonomy in the management of funds from the courts, which would be administered by an institute with professional managers constituted for the purpose and which would work in a decentralized manner in each court.

Fighting Corruption in the Judicial System: an own Police Dependent on the National Assembly

This is a difficult topic. As seen above, it is a topic that many talk about, but there is no concrete evidence. Furthermore, it is complicated to have a system to combat corruption within the judiciary that does not in any way affect the independence of judges or is seen as an intrusion on the judiciary. However, believing in self-regulation in terms of combating corruption in the judiciary does not seem to remedy the problem either, as there will be a tendency towards corporate solutions to cover up.

We are prone to a radical but provisional solution. This solution would be the creation of an Anti-Corruption Police in the Magistracy (PACOM) dependent on the National Assembly; the legislative power is directly dependent on the sovereign popular will and therefore has the legitimacy to syndicate judges. PACOM would be created for seven years, with magistrates’ investigative powers limited to situations of corruption (it would have a very restricted mandate to avoid accusations of interference) and would be controlled by the National Assembly as well as civil society. Control by civil society would be through an American Grand Jury-style system. Any investigation that PACOM decided to carry out against a judicial magistrate would only proceed after being validated by a group of 12 members of civil society who would function as a filter and monitor of the anti-corruption Police’s intentions in relation to the magistrates.

Therefore, the investigation of the corruption of a certain judge would not only be a police decision, but also a decision of society. This system would provisionally operate for seven years, after which self-control systems would be implemented within the magistracy itself, hoping that at the end of that time a new pedagogy and practice would have been adopted.

Transparency in politicization: the German model

The politicization of Angolan justice, especially the higher courts, is the accusation that is most frequently heard today. However, this issue is not typical of Angola, there are several countries, especially when court decisions have political consequences or there is a certain judicialization of politics in which the politicization of courts is a recurrent theme. This is the case in the United States, where President Trump conducted an intense campaign to create a right-wing majority in the Supreme Court and where this court is under intense scrutiny to see whether or not it enters a political drift with such a right-wing majority, noting a strong commitment by its president, John Roberts, to seek balanced solutions in decisions and to avoid these accusations of politicization[11]. Politicization was also one of the most used epithets by former president Lula in Brazil to confront the court decisions that were unfavorable to him regarding the Lava-Jato operation.

Not being an Angolan monopoly, the reality is that the issue of political influence in court decisions has often been brought up. The solution generally suggested to solve this supposed political influence has been the modification of the ways in which the judges of the superior courts are appointed by the political power, be it the executive or the legislature. It is stated that the fact of being the President of the Republic or the qualified majority of two-thirds of the deputies of the National Assembly always amounts to the same: the MPLA designating the heads of the higher courts, and in the case of the constitutional court, its large majority .

As an alternative, it is proposed that there be a self-selection system for the choice of judges, or a public competition/independent commission-style model, and that institutional mechanisms are created to guarantee the independence of judges, which make them autonomous and insulate them from political influence. Basically, these solutions turn out to be corporate: judges choosing judges and judges controlling judges. And to that extent, they have a legitimacy problem. There is no good reason why the judges should choose their peers or that they form a tight circle in which no one has a say.

 The magistracy, like any sovereign body, must have a political justification that legitimizes its choice. In the system idealized by Plato of the philosopher king[12], one could think of a kind of high qualification exams in which those who proved to be the wisest would become judges. We would have the platonic legitimacy of the philosopher-king, which in a way, was also adopted by the Confucian formulas of the mandarinate in China, from the Sui dynasty, and only based on merit after the Song[13]. However, one lives neither in the model idealized by Plato, nor in imperial China, but in democratic states of law. And the reality is that the prevalence of the democratic principle imposes that judges ultimately establish their legitimacy in the democratic process. And to that extent, political power should always intervene in the choice of judges. To remove political power from the judicial choice is to remove democracy from it, hence legitimacy. Political power must be present in the process of choosing magistrates, as that is where its popular and democratic legitimacy derives.

On the other hand, it does not seem that the formula for choosing judges or the control and management bodies are truly determinants of their independence. It turns out to be better to have transparency, to know what each judge thinks and defends and to assess their work by analyzing the grounds of the decisions they take, than to create countless mechanisms that only serve to confuse. It is better to have a President of the Republic or a Parliament appointing a judge, which mediately confers democratic legitimacy to the judge and to know which party the judge belongs to, than to create fictions of independence that only make appointments and decisions opaque.

What is essentially of interest to society is to assess the judge’s independence in their judicial decisions. Therefore, these must be published, known and subject to discussion; apart from that, the judge is a woman or man like any other and this must be assumed and said.

In this sense, the system in force in the Federal Republic of Germany turns out to be the most honest. In this country, which has one of the most reputable magistrates in the world,” magistrates are allowed to be affiliated with political parties as well as publicly speak out on political issues. Judges with aspirations to be appointed to the higher courts may even consider party affiliation to some advantage, particularly if it is in one of the two largest parties (SPD and CDU). In this legal framework there is also no impediment for a judge to hold a position in a political party”[14]. For example, section 36 of the Deutsches Richtergesetz (German Judges Act) allows a judge to stand as a candidate for parliament, granting him the vacation necessary to prepare his election in the last two months before the election, without compensation.

The German system, as bizarre as it may sound, has two advantages. The first one already mentioned is that of transparency. The second is more technical and requires that the law be said in a universally accepted and understandable way, subject to greater discussion and critical publicity. What is intended is that judges are independent technicians in their decisions, so there will be decision models and legal logic that everyone will follow, adopting the highest criteria of the science of law. What matters here is that the judge decides according to the law and in a methodologically correct way, hence the importance of the rules of methodology and interpretation in German doctrine. The aim is to apply a conduct of syndicable reasoning that guarantees autonomy. The training and technical preparation of judges are the guarantee of their independence[15].

It seems to us that this method would be more honest for Angola, a legal requirement and disregard for political aspects that will hardly exist.

Conclusions

Given the above, a real reform of Angolan justice will involve changing the paradigm of legal culture, the “de-Berlinization of law”, looking for other new influences besides the Portuguese ones, such as successful neighboring African countries such as Botswana, in addition to Brazil and the United States.

To this will be added the budget reinforcement and the creation of an autonomous and decentralized institute for the financial administration of justice.

It also advocates its own police based on the National Assembly and with the participation of society to fight corruption

And finally, the assumption of the German model of transparency and technical requirement to guarantee the non-politicization of court decisions, admitting that judges may be affiliated with political parties.


[1] On the evolution of Angolan constitutional texts, see Adérito Correia and Bornito de Sousa, (1996), Angola. Constitutional History. Almedina.

[2] There are numerous references to this statement by Agostinho Neto, see for example Edgar Valles, (2020), 27 May: reconciliation and forgiveness in Angola? PÚBLICO, https://www.publico.pt/2020/05/27/opiniao/noticia/27-maio-reconciliacao-perdao-angola-1918297

[3] Decisoion No. 700/2021 of the Constitutional Court, https://jurisprudencia.tribunalconstitucional.ao/wp-content/uploads/2021/10/ACORDAO-No-700.pdf

[4] J.A.G. Griffith,(2010), The politics of the judiciary, Fontana Press; Rui Verde, (2015) Juízes: O Novo Poder

Ensaio sobre a acção e reforma do poder judicial em Portugal. RCP Edições

[5] MakaAngola (2017), A reivindicação dos juízes. https://www.makaangola.org/2017/06/a-reivindicacao-dos-juizes/

[6] Deutsche Welle, Borralho Ndomba (2021), Falta de condições para juízes põe em causa combate à corrupção em Angola, https://p.dw.com/p/3yYSJ

[7] Ministério das Finanças de Angola, https://www.minfin.gov.ao/PortalMinfin/?fbclid=IwAR1C597oUjdNas8WFrR9R4u0B_1gb_NH-82fQEVyUGl52HUBcazWITEYo4I#!/materias-de-realce/orcamento-geral-do-estado/oge2022

[8] Cfr. for exemple, Rui Verde, (2019) Ignorância ou corrupção na justiça, MakaAngola, https://www.makaangola.org/2019/01/ignorancia-ou-corrupcao-na-justica/ or Moiani Matondo, (2020),A droga de justiça, MakaAngola, https://www.makaangola.org/2020/07/a-droga-da-justica/

[9] Example: Sousa Jamba, (2021) Tribunal Constitucional. MakaAngola (2020), https://www.makaangola.org/2020/07/a-droga-da-justica/ or Kajim Ban-Gala (2021) Laurinda Cardoso: antinomia, filiação partidária e incompatibilidade, https://www.correioangolense.co.ao/2021/12/27/laurinda-cardoso-antinomia-filiacao-partidaria-e-incompatibilidade/

[10] See about the topic Nuno Coelho (2015), Gestão dos Tribunais e Gestão Processual, CEJ, http://www.cej.mj.pt/cej/recursos/ebooks/outros/Gestao_Tribunais_Gestao_Processual.pdf and E B McConnell (1991), Court Management: The Judge’s Role and Responsibility, Justice System Journal Volume: 15 Issue: 2.

[11] See analysis SCOTUSBlog. https://www.scotusblog.com/2021/12/the-lives-they-lived-and-the-court-they-shaped-remembering-those-we-lost-in-2021/ 

[12] Eric Brown, (2017) “Plato’s Ethics and Politics in The Republic”, The Stanford Encyclopedia of Philosophy, Edward N. Zalta (ed.), https://plato.stanford.edu/archives/fall2017/entries/plato-ethics-politics/

[13] Mark Cartwright (2019), The Civil Service Examinations of Imperial China, https://www.worldhistory.org/article/1335/the-civil-service-examinations-of-imperial-china/

[14] Vânia Gonçalves Álvares (2015), O governo da justiça: O Conselho Superior da Magistratura. Universidade Nova. P.33.

[15] On the training and preparation of judges in Germany see: Johannes Riedel, (2013). Training and Recruitment of Judges in Germany. International Journal for Court Administration, 5(2), pp.42–54. DOI: http://doi.org/10.18352/ijca.12

Os bloqueios e a reforma da justiça angolana

1-Introdução. O foco na justiça

A visão inicial do papel da justiça em Angola ficou estabelecida na lei constitucional inicial a seguir à independência em 1975, a Lei Constitucional de 11 de novembro de 1975. Esta lei fundamental considerou os tribunais como órgãos de Estado, cabendo-lhes em exclusivo o exercício da função jurisdicional com vista à realização duma justiça democrática (artigo 44.º), sendo assegurado que no exercício das suas funções os juízes são independentes (Artigo 45.º).

Curiosamente, o princípio básico referente ao poder judicial não é muito diferente do atualmente consagrado na Constituição da República de Angola de 2010 (CRA), apesar das mudanças de sistema político entretanto ocorridas. Os tribunais continuam a ser órgãos de soberania com competência para administrar a justiça em nome do povo (artigo 105.º e 174.º) e “no exercício da função jurisdicional, os tribunais são independentes e imparciais, estando apenas sujeitos à Constituição e à lei.” (artigo 175.º). Há uma continuidade estrutural na conceptualização essencial do poder judicial desde a independência, embora as suas formas e práticas tenham variado ao longo do tempo[1].

Em termos de relevância, talvez o denominado “combate à corrupção” anunciado em 2017 pelo Presidente João Lourenço tenha trazido um foco para a justiça que nunca tinha existido anteriormente, e por isso, hoje seja fundamental discutir a reforma da justiça.

Pelo que se vê pela referência sumária que se fez aos textos constitucionais, não houve ao longo do tempo especial preocupação doutrinal ou mesmo prática com os juízes e a aplicação da justiça. Aliás, em 1977, ficou famoso ao dito atribuído ao então Presidente da República Agostinho Neto, a propósito dos eventos do 27 maio, em que foi fuzilada uma multidão de pessoas: “Não vamos perder tempo com julgamentos[2]”. A justiça ocupou sempre um papel secundário nas preocupações principais dos governos angolanos e provavelmente da opinião pública.

Só após o início de processos sobre os “famosos” (Filomeno dos Santos, Augusto Tomás, Manuel Rabelais, e no cível Isabel dos Santos) e algumas acusações e julgamentos é que a justiça se tornou o palco da luta política e centrou atenções. É um facto muito interessante que João Lourenço tenha escolhido entregar o combate contra a corrupção à justiça ordinária e com isto desafiando-a a ser eficaz. Mais tarde, a luta política ainda entrou mais nos tribunais, com o famoso acórdão do Tribunal Constitucional sobre a UNITA que declarou nula a eleição de Adalberto da Costa Júnior[3].

Estes dois factos convergentes, a entrega do combate à corrupção aos tribunais ordinários e a destituição de Adalberto da Costa Júnior pelo tribunal constitucional originaram dois fenómenos inovadores no mundo judicial angolano.

Em primeiro lugar, ligou-se uma espécie de luz muito forte que passou a iluminar as atividades do poder judicial. O que antes se passava na obscuridade e ininteligibilidade do linguajar jurídico passou a estar visível para o grande público, e muitos defeitos do sistema surgiram a olho nu: a lentidão, a falta de especialização técnica ou a ausência de meios materiais.

Em segundo lugar, os tribunais tornaram-se o objeto do forte ataque de todos os que não concordavam com as decisões ou não teriam medo de ser abrangidos por elas. Assim, uma boa parte da elite angolana, que tem receio de ir parar a um tribunal, começou a criticar ferozmente os tribunais, as suas decisões, o seu funcionamento, a sua independência. O objetivo destas atitudes é muito simples: deslegitimar as decisões judiciais., desvalorizando o seu peso. A isto juntam-se as declarações bombásticas de muitos dos advogados de defesa, que não hesitam na crítica cerrada às decisões que não beneficiam os seus constituintes. Ao mesmo tempo, este desagrado e “campanha” anti- tribunais foi acelerada pelo descontentamento com a decisão do tribunal constitucional referente à UNITA.

Consequentemente, os tribunais tornaram-se um campo de luta política e legal. É falso e errado afirmar aquele velho jargão que “a justiça e a política não se misturam”. Na realidade, em Angola estão bem misturadas, como em Portugal ou nos Estados Unidos[4].

Todos estes factos levam ao questionamento do papel da justiça em Angola, sublinhando-se, sobretudo, a sua lentidão e eventual politização. Na verdade, esta discussão acaba por ser benéfica porque do questionamento, surge a discussão e a necessidade de reforma.

O que há que garantir é que esta justiça em que a política entrou, se mantém imparcial e independente, tomando as suas decisões sem influências, de forma transparente e tecnicamente fundamentada no direito. É com esse desiderato que a justiça angolana poderia ser reformada.

2-Os bloqueios: o paradigma legal, os meios materiais e orçamento, a corrupção, a questão política.

Com o intuito de se propor uma reforma adequada da justiça angolana, haverá que prioritariamente identificar os bloqueios e impedimentos ao bom funcionamento desta, pois será nestes “nós górdios” e não em declarações gerais e abstratas que se deverá centrar o processo reformista.

             Identificámos cinco bloqueios que impedem o bom funcionamento da justiça em Angola:

             1-O paradigma legal inadequado;

             2-A falta de meios materiais e gestão eficiente do orçamento;

             3- A corrupção;

             4- A questão política.

              Vamos analisar, ainda que sumariamente, cada um destes bloqueios.

2.1-O paradigma legal inadequado

O primeiro bloqueio do sistema judicial angolano é aquele que não se vê, pois envolve todo o sistema e por isso deixa de haver a perceção da sua existência. Trata-se do paradigma legal em que o direito angolano se move. É fácil entender que apesar de alguma proximidade com as fórmulas marxistas entre 1975 e 1992, o direito angolano se manteve essencialmente idêntico ao direito português, quer nos grandes corpos legislativos, quer na doutrina, quer na formação.

Em termos de legislação é um facto que durante décadas após a independência, as leis portuguesas continuaram a ser as leis angolanas. O Código Civil e o Código de Processo Civil ainda são os recebidos do Portugal na década de 1960, enquanto o Código Penal da Monarquia e o Código do Processo Penal do início do Estado Novo apenas foram substituídos em 2021, e por textos muito semelhantes, quando não cópias, dos textos entretanto aprovados em Portugal após o 25 de abril de 1974.

Se ao nível legislativo impera a influência portuguesa, ao nível doutrinal também. Os professores portugueses são os mais citados na jurisprudência angolana. Basta exemplificar com o acórdão do Tribunal Constitucional referente à UNITA (Acórdão n.º 700/2021), cuja doutrina citada é principalmente portuguesa. São referidos Antunes Varela, Miguel Bezerra e Sampaio da Nora, Carvalho Fernandes, Abílio Neto, Alberto dos Reis, Ana Prata, todos portugueses, para consubstanciar a deliberação dos juízes. Apenas um angolano, Raul Araújo, é mencionado. Naturalmente, que este pequeno detalhe doutrinal revela o quanto o direito angolano ainda é subsidiário de Portugal.

O mesmo acontece em termos de formação. Uma boa parte dos Manuais utilizados no ensino ainda é de autores portugueses ou escrito em colaboração entre angolanos e portugueses o que já é uma evolução. No direito constitucional pontifica o manual do professor Bacelar Gouveia, português, ou dos professores Jónatas Machado, Nogueira da Costa e Esteves Hilário, aqui uma colaboração mista Portugal-Angola, como acontece com o manual fundamental de direito administrativo de Carlos Feijó e Diogo Freitas do Amaral. Ao mesmo tempo, ainda é tido como a graduação mais prestigiante obter um mestrado ou doutoramento em direito nas universidades de Lisboa ou Coimbra.

Não haveria aqui problema especial se o direito português correspondesse às exigências da modernidade e a sua prática se traduzisse em simultâneo em algo de justo e eficaz. O problema é que o direito português, e por absorção o direito angolano, vivem num paradigma burocrático e pouco prático. As normas e formas de agir do direito português estão desatualizadas, a interpretação da lei tornou-se exageradamente subjetiva, nunca se sabendo exatamente ao que se vem, as normas processuais implicam longos julgamentos, e a tendência, na área criminal tem sido de diminuição dos direitos dos arguidos, chegando-se a uma situação em que nem os processos terminam em tempo útil para a justiça, nem já os arguidos têm defesas e garantias adequadas. No direito criminal português caiu-se no pior dos mundos, processos lentos, inquisitórios e arguidos sem direitos, dependendo do bom-senso dos magistrados e pouco mais. É um direito injusto. Por sua vez, o direito processual foi transformado, sobretudo pelo famoso professor coimbrão Alberto dos Reis numa ciência demasiado elaborada a que poucos iniciados têm acesso, atravancando os processos, e em que os objetivos de velocidade e justiça deixaram de existir.

O sistema jurídico português, em cujo paradigma Angola se move, é lento, confuso e pouco adequado aos tempos atuais, geralmente não sendo justo, nem célere, deixando em demasia tudo nas mãos dos juízes. Ora, esse é o problema essencial com que se debate o sistema judicial angolano e o primeiro bloqueio a superar.

2.2-A falta de meios materiais e gestão eficiente do orçamento

Tem sido persistente a contenção de que a justiça angolana está depauperada e não tem meios. No, agora longínquo ano de 2017, a 26 de maio, entrara no Tribunal Provincial da Comarca de Luanda um requerimento da Associação dos Juízes de Angola, com vista ao procedimento de uma “notificação judicial avulsa” à República de Angola nas pessoas dos seus ministros da Justiça e das Finanças. Essa notificação lembrava que variados subsídios legalmente previstos e outros instrumentos necessários para realizar o trabalho dos magistrados não eram postos à disposição pelo poder político. Segundo a descrição dos juízes, não viria longe o dia em que estariam a viver em casas sem luz e sem água, e em que não poderiam dirigir-se para o tribunal, por não terem carro nem qualquer outro meio de deslocação[5]. Afirmavam os magistrados judiciais que, desde 2013, se veem na obrigação de custear as despesas com o material de trabalho. Concretamente: papel, tinteiros, fotocópias das folhas processadas (com timbre dos vários modelos usados nos tribunais), deslocações dos oficiais de justiça para efeitos de citações e notificações, compra de telefones celulares e um plano mensal de recarga para auxiliar nas citações/notificações dos advogados e utentes, combustível para os geradores (nas salas em que estes existem). Ainda na época, referiam que a sala do Julgado de Menores, sita no Zango 3, em Viana, estava sem energia elétrica regular no período diurno, em horário de expediente. Tal impossibilitava que os magistrados pudessem desempenhar cabalmente as suas funções, obrigando-os a redigir à mão as audiências, designadamente interrogatórios, julgamentos, instrução processual, inquéritos sociais… O gerador encontrava-se avariado. Acresce que, devido à distância, os funcionários que lá trabalhavam faziam-se transportar numa das viaturas da instituição, cujo combustível e manutenção era suportado a suas expensas.

A situação não melhorou significativamente desde aí, apesar do novo foco na justiça. Em julho de 2021 houve protestos públicos de juízes e magistrados do ministério público; queixavam-se da “falta de condições técnicas e até de baixos salários (…) O presidente do Sindicato Nacional dos Magistrados do Ministério Público (SNMMP), José Buengas, afirmou mesmo que a maior parte dos tribunais e das procuradorias” de Angola funcionam com dinheiro dos próprios magistrados que “tiram do seu bolso para comprar papel e tinteiro. O dia em que deixar de fazer isso e ficar à espera de que uma resma de papel para o mês todo chegue para imprimir todos os documentos, os constituintes, os advogados e a população vão ficar à espera, com todas as consequências que disso pode advir`”[6]

O Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2022 prevê uma dotação de 1,21 % das receitas para os órgãos judiciais, equivalendo a 113.777.899.457,00 Kwanzas. Tal representa uma subida em mais de 100% em relação ao ano de 2020 em que apenas 0,37% das receitas eram imputadas aos órgãos judiciais, representando 49.414.027.773,00 Kwanzas. Considerando que a inflação acumulada neste período terá andado entre os 45% a 48%, a verdade é que temos um aumento real dos gastos com a justiça superior a 50%.

Comparando, por sua vez o ano em curso (2021) e o previsto para 2022 temos um gasto monetário previsto de 133,8 mil milhões de kwanzas, contra 55,9 mil milhões de kwanzas em 2021. Tal corresponde a um aumento nominal de 103,5%. E corresponde respetivamente a 1,2%, 0,6% e 0,2% da despesa fiscal, despesa fiscal e percentagem do PIB[7].

Portanto, temos aqui um certo paradoxo que se transforma num obstáculo ao eficiente funcionamento da justiça. Por um lado, há uma persistente e constante queixa dos magistrados, que pode ser comprovada em muitos tribunais visualmente, acerca da falta de meios materiais, por outro, há um efetivo esforço do Estado em aumentar os meios disponíveis para o setor da justiça, tendo procedido a uma orçamentação que prevê a duplicação dos gastos com a justiça em dois anos (2020-2022), que aliás acelera na transição de 2021 para 2022.  

2.3- A corrupção

A corrupção na magistratura angolana é um fenómeno pouco estudado, mas muito falado. Um curto inquérito fechado levado a cabo por este centro em relação à corrupção na magistratura angolana entre operadores judiciais permitiu chegar à conclusão que a maioria acredita que os juízes se deixam influenciar por razões monetárias ou políticas (este último veremos abaixo), e nesse sentido muitas das decisões são tomadas com base nessas influências, não tendo em conta o direito aplicável. Existiram mesmo referências por parte de magistrados de tentativas variadas de ofertas de presentes ou quantias monetárias.

Este inquérito não tem uma amostra suficientemente alargada para permitir retirar conclusões científicas, apenas nos dá uma impressão das opiniões existentes entre advogados, magistrados e funcionários judiciais.

A outro nível, o portal do jornalista investigativo Rafael Marques, MakaAngola, tem contado várias histórias de decisões judiciais inexplicáveis, que possivelmente, só poderiam ter sido tomadas devido a estímulos externos[8].

O certo é que esta é uma situação de que muito se fala, mas sobre a qual existe pouca informação, mas tem criado uma imagem de insegurança jurídica junto dos operadores judiciários e investidores e por isso é fundamental ser ultrapassada.

2.4- A questão política

Na ordem do dia está a questão da politização dos tribunais angolanos. Não existe dia que não surja uma opinião publicada, geralmente, ligada à oposição, indicando a falta de credibilidade, sobretudo, dos tribunais superiores, e nestes do tribunal constitucional, devido à sua politização[9].

          A argumentação centra-se em dois eixos fundamentais.

O primeiro eixo liga-se à filiação partidária dos juízes. O caso da presente Presidente do Tribunal Constitucional, Laurinda Cardoso, tem sido invocado à sociedade, pois até ao momento da sua nomeação estava filiada no MPLA e além de ser membro do governo de João Lourenço, estava também nos órgãos superiores do partido. O facto de ter suspenso a filiação não a tem absolvido das críticas de comprometimento político, especialmente tendo em conta que um dos seus primeiros atos foi subscrever o já mencionado acórdão n.º 700 que destituiu Adalberto da Costa Júnior da liderança da UNITA.

O segundo eixo é de cariz mais institucional, e assenta na argumentação que direta ou indiretamente a larga maioria dos juízes acaba por depender da nomeação do Presidente da República ou do partido maioritário na Assembleia Nacional, o MPLA. De facto, ao nível do Tribunal Constitucional, a CRA determina que quatro juízes em onze são designados pelo Presidente da República e outros quatro por uma maioria de 2/3 na Assembleia Nacional, que o MPLA tem detido desde sempre. Nessa medida, pelo menos 8 dos 11 juízes estariam alinhados com o poder político. Já quanto ao Tribunal Supremo, o Presidente e Vice-Presidente são nomeados pelo Presidente da República de entre 3 candidatos selecionados por 2/3 dos Juízes Conselheiros em efetividade de funções.

Atendendo a estes vários fatores tem crescido nalguma opinião pública o sentimento da dependência do poder judicial face ao poder político, servindo para variados ataques deslegitimadores das decisões judiciais.

3-Os eixos da reforma judicial: mudança paradigma legal, reforço dos meios materiais e nova gestão pública, combate à corrupção, transparência na politização: o modelo alemão.

Mudança de paradigma legal: a “desberlinização” do Direito

A primeira prioridade de uma reforma do sistema judicial é a mudança do paradigma legal, ou dito de outro modo, a modificação da mentalidade jurídica e dos padrões utilizados. Defendemos que a excessiva cópia dos modelos, normas, doutrinas e professores portugueses é perniciosa para Angola, pois não dota a cultura jurídica do país de instrumentos e formas de pensar adequados aos desafios concretos em que está envolvido.

Assim, há que buscar novas inspirações noutras paragens. Uma investigação alargada deveria ser realizada em relação a casos de estabilidade e/ou sucesso na própria África, como é o caso da Namíbia e sobretudo do Botsuana. Parece ter lógica jurídica verificar o tipo de princípios e normas, bem como de organização judicial adotado no Botsuana e adaptar aquilo que se entenda para Angola. Outra ordem jurídica que poderia ser explorada de forma mais profunda, designadamente no que diz respeito à organização judiciária e processual, bem como ao direito criminal é o Brasil, especialmente, na perspetiva do combate à corrupção e dos vários instrumentos normativos que tem “importado” do direito norte-americano.

Naquilo que diz respeito ao combate à corrupção, o sistema jurídico angolano tem de se “americanizar”, investindo no direito premial, na delação premiada, nos acordos de sentença, e nas polícias específicas.

A fim de acelerar a mudança de paradigma ao nível dos juízes, estes deveriam passar a contar com assessores especializados que estudem e preparem as decisões de acordo com o novo paradigma legal.

Uma sugestão seria instituir uma comissão de reforma do direito não apenas contendo as luminárias angolanas assessoradas por portugueses, como acontece agora, mas admitindo contributos multinacionais. Assim, a comissão de reforma do direito deveria conter especialistas angolanos e portugueses, mas também do Botsuana, Namíbia, Brasil e se possível dos Estados Unidos da América e Grã-Bretanha. O mais importante de tudo é haver uma renovação da pluralidade de contributos e de fontes meta-legais para o direito angolano.

Reforço dos meios materiais e novo modelo de gestão

Em relação ao reforço dos meios materiais e de um novo modelo de gestão haverá três itens a considerar[10].

O primeiro é natural e trata-se do reforço do Orçamento Geral do Estado para a justiça. De sublinhar que o governo parece ter sido sensível a este aspeto, porquanto, como acima se referiu, em 2022 temos um gasto monetário previsto de 133,8 mil milhões de kwanzas, contra 55,9 mil milhões de kwanzas em 2021. Há, portanto, mais do que uma duplicação nas verbas destinadas à justiça, o que é de aplaudir.

Uma segunda medida já foi tomada, e também é de aplaudir, exceto num detalhe. Em causa está o Decreto Presidencial n.º 69/21, de 16 de março, que aprova o regime de comparticipação atribuída aos órgãos de administração da justiça pelos ativos, financeiros e não financeiros, por si recuperados. A ideia subjacente é positiva. Trata-se de entregar aos órgãos de justiça alguns dos bens obtidos no combate à corrupção, criando um estímulo para atuação efetiva e eficiente na recuperação de ativos, além de dotar a justiça de meios que não teria doutra forma. Esta disposição está certa. Os órgãos de justiça devem beneficiar dos bens que apreendem, apenas deviam ter ficado de fora os magistrados judiciais que são quem decide as apreensões e perdas a favor do Estado, pois pode-se argumentar que a sua imparcialidade ficaria obstruída ao decidir que alguém perde determinado bem, sabendo que eventualmente determinado magistrado iria beneficiar direta ou indiretamente dele. Salvaguardado expressamente esse aspeto, esta ideia é de fomentar, e vem no seguimento do que temos defendido em anteriores relatórios no sentido de ser necessário colocar os fundos obtidos no combate contra a corrupção ao serviço direto do interesse público.

Em último lugar, além do reforço de verbas, seja através do Orçamento Geral do Estado, seja através dos bens recuperados nos processos da corrupção, deve ser encarado um novo modelo de gestão dos dinheiros da justiça que garanta a racionalidade e eficiência da alocação de recursos.

Não se defende a entrega da gestão aos juízes. Mas a criação de um instituto autónomo e com gestão transparente da administração da justiça, que geriria as receitas orçamentais, as receitas do combate contra a corrupção e poderia ter receitas próprias ligadas às atividades da justiça. Este instituto teria gestores profissionais e seria auditado por uma empresa internacional de auditoria. O seu funcionamento seria descentralizado com um gestor adstrito a cada tribunal de comarca e tribunal superior.

Haveria assim, a par do reforço de verbas, uma autonomização da gestão dos dinheiros da justiça que seriam administrados por um instituto com gestores profissionais constituído para o efeito e que funcionaria de forma descentralizada em cada tribunal.

Combate à corrupção no sistema judicial: uma polícia própria dependente da Assembleia Nacional

Este é um tema difícil. Como se viu acima é um tema de que muitos falam, mas não existem provas concretas. Além disso, é complicado ter um sistema de combate à corrupção dentro da magistratura que não afete de algum modo a independência dos juízes ou seja vista como uma intromissão no poder judicial. No entanto, acreditar na autorregulação em termos de combate à corrupção na magistratura judicial também não parece remediar o problema, pois haverá tendência a soluções corporativas de encapotamento.

Propendemos para uma solução radical, mas provisória. Essa solução seria a criação de uma Polícia Anticorrupção na Magistratura (PACOM) dependente da Assembleia Nacional; o poder legislativo é diretamente dependente da vontade soberana popular e por isso com legitimidade para sindicar os juízes. A PACOM seria criada por sete anos, com poderes de investigação dos magistrados judiciais limitados a situações de corrupção (teria um mandato muito restrito para evitar acusações de interferência) e seria controlada pela Assembleia Nacional e também pela sociedade civil. O controlo pela sociedade civil dar-se-ia através de um sistema estilo Grande Júri norte-americano. Qualquer investigação que a PACOM decidisse levar a cabo contra algum magistrado judicial só avançaria depois de validada por um grupo de 12 membros da sociedade civil que funcionariam como filtro e fiscalizador das intenções da Polícia anticorrupção em relação aos magistrados.

Portanto, a investigação da corrupção de determinado juiz, não seria apenas uma decisão policial, mas também da sociedade. Este sistema vigoraria provisoriamente por sete anos, após o que seriam implementados sistemas de autocontrolo dentro da própria magistratura, esperando que no final desse tempo uma nova pedagogia e prática tivessem sido adotadas.

Transparência na politização: o modelo alemão

A politização da justiça angolana, sobretudo dos tribunais superiores, é a acusação que mais frequentemente se faz ouvir atualmente. Contudo, esta questão não é típica de Angola, havendo vários países, especialmente, quando as decisões dos tribunais têm consequências políticas ou se assiste a uma certa judicialização da política em que a politização dos tribunais é tema recorrente. É o caso dos Estados Unidos, em que o Presidente Trump conduziu uma intensa campanha para criar uma maioria de direita no Supremo Tribunal e em que este tribunal está debaixo de intenso escrutínio para ver se entra numa deriva política ou não com a tal maioria de direita, notando-se um forte empenho do seu presidente, John Roberts, em procurar soluções equilibradas nas decisões e evitar essas acusações de politização[11]. A politização foi também um dos epítetos mais usados pelo antigo presidente Lula no Brasil para confrontar as decisões judiciais que lhe foram desfavoráveis a propósito da operação Lava-Jato.

Não sendo um monopólio angolano, a realidade é que a questão da influência política nas decisões judiciais tem sido trazida à colação amiúde. A solução geralmente apontada para solucionar essa suposta influência política tem sido a modificação dos modos de designação dos juízes dos tribunais superiores pelo poder político, seja o executivo, seja o legislativo. Afirma-se que o facto de ser o Presidente da República ou a maioria qualificada de dois terços dos deputados da Assembleia Nacional redunda sempre no mesmo: o MPLA a designar os dirigentes dos tribunais superiores, e no caso do tribunal constitucional, a sua larga maioria.

Como alternativa propõe-se que exista um sistema de autosseleção de escolha dos juízes, ou um modelo estilo concurso público/ comissão independente e ainda que que sejam criados mecanismos institucionais de garantia da independência dos juízes, que os autonomizem e isolem da influência política. No fundo, estas soluções acabam por ser corporativas: os juízes a escolher juízes e os juízes a controlar os juízes. E nessa medida, têm um problema de legitimidade. Não há nenhuma boa razão que justifique que sejam os juízes a escolher os seus pares ou que constituam um círculo fechado em que ninguém tenha uma palavra a dizer.

 A magistratura, como qualquer órgão soberano tem de ter uma justificação política que legitime a sua escolha. No sistema idealizado por Platão do rei-sábio[12], poder-se-ia pensar numa espécie de exames de alta qualificação em que aqueles que se mostrassem os mais sábios se tornariam juízes. Teríamos a legitimidade platónica do rei-filósofo, que de certa forma, foi também adotado pelas fórmulas confucionistas do mandarinato na China, a partir da dinastia Sui, e apenas baseado no mérito após os Song[13]. No entanto, não se vive nem no modelo idealizado por Platão, nem na China imperial, mas em estados de direito democrático. E a realidade é que a prevalência do princípio democrático impõe que os juízes assentem, em última instância, a sua legitimidade no processo democrático. E nessa medida o poder político deve sempre intervir na escolha dos juízes. Afastar o poder político da escolha judicial é retirar-lhe democraticidade, logo legitimidade. O poder político tem de estar presente no processo de escolha dos magistrados, pois é daí que deriva a sua legitimidade popular e democrática.

Por outra via, não parece que a fórmula de escolha dos juízes ou os órgãos de controlo e gestão sejam verdadeiramente determinantes da sua independência. Acaba por ser melhor existir transparência, saber-se o que pensa e defende cada juiz e aferir o seu trabalho pela análise da fundamentação das decisões que toma, do que criar inúmeros mecanismos que só servem para confundir. É melhor existir um Presidente da República ou um Parlamento a nomear um juiz, o que confere mediatamente legitimidade democrática ao juiz e saber-se a que partido o juiz pertence, do que se criarem ficções de independência que apenas tornam as nomeações e decisões opacas.

O que interessa essencialmente à sociedade é aferir da independência do juiz nas suas decisões judiciais. Por isso, essas devem ser publicadas, conhecidas e sujeitas a discussão; à parte disso, o juiz é uma mulher ou homem como outro qualquer e isso deve ser assumido e dito.

Neste sentido, o sistema em vigor na República Federal da Alemanha acaba por ser o mais honesto. Neste país, que detém uma das magistraturas mais reputadas do mundo,” é permitido aos magistrados serem filiados em partidos políticos, bem como pronunciarem-se publicamente sobre questões políticas. Os juízes com aspirações a serem nomeados para os tribunais superiores podem até considerar de alguma vantagem a filiação partidária, principalmente se for em um dos dois maiores partidos (SPD e CDU). Neste enquadramento legal também não existe qualquer impedimento para um juiz exercer um cargo num partido político[14]”. Por exemplo, a seção 36 da Deutsches Richtergesetz (Lei dos Juízes Alemães) admite que um juiz seja candidato ao parlamento, concedendo-lhe as férias necessárias para preparar sua eleição nos últimos dois meses antes da eleição, sem remuneração.

O sistema alemão, podendo parecer bizarro, tem duas vantagens. A primeira já se referiu é a da transparência. A segunda, é de cariz mais técnica e obriga a que o direito seja dito de forma universalmente aceite e compreensível, sujeito à maior discussão e publicidade crítica. O que se pretende é que os juízes sejam técnicos independentes nas suas decisões, por isso, haverá modelos de decisão e lógica jurídica que todos seguirão, adotando os mais altos critérios da ciência do direito. O que aqui interessa é que o juiz decida de acordo com a lei e de forma metodologicamente correta, daí a importância das regras de metodologia e interpretação na doutrina alemã. Quer-se aplicar uma conduta de raciocínio sindicável e que garanta a autonomia. O treino e a preparação técnica dos juízes são a garantia da sua independência.[15]

Parece-nos que este método seria mais honesto para Angola, exigência jurídica e desconsideração dos aspetos políticos que dificilmente não existirão.

Conclusões

Face ao exposto uma reforma real da justiça angolana envolverá a mudança do paradigma de cultura legal, a “desberlinização do direito”, procurando-se outras novas influências além das portuguesas, como de países vizinhos africanos com sucesso tal como o Botsuana, além do Brasil e dos Estados Unidos.

A isto acrescerá o reforço orçamental e a criação de um instituto autónomo e descentralizado para a administração financeira da justiça.

É também advogada uma polícia própria assente na Assembleia Nacional e com a participação da sociedade para combater a corrupção

E finalmente a assunção do modelo alemão de transparência e exigência técnica para garantir a não politização das decisões judiciais, admitindo que os juízes podem estar filiados em partidos políticos.


[1] Sobre a evolução dos textos constitucionais angolanos ver Adérito Correia e Bornito de Sousa, (1996), Angola. História Constitucional. Almedina.

[2] São inúmeras as referências a esta afirmação de Agostinho Neto, ver por exemplo Edgar Valles, (2020), 27 de Maio: reconciliação e perdão em Angola? PÚBLICO, https://www.publico.pt/2020/05/27/opiniao/noticia/27-maio-reconciliacao-perdao-angola-1918297

[3] Acórdão n.º 700/2021 do Tribunal Constitucional, https://jurisprudencia.tribunalconstitucional.ao/wp-content/uploads/2021/10/ACORDAO-No-700.pdf

[4] J.A.G. Griffith,(2010), The politics of the judiciary, Fontana Press; Rui Verde, (2015) Juízes: O Novo Poder

Ensaio sobre a acção e reforma do poder judicial em Portugal. RCP Edições

[5] MakaAngola (2017), A reivindicação dos juízes. https://www.makaangola.org/2017/06/a-reivindicacao-dos-juizes/

[6] Deutsche Welle, Borralho Ndomba (2021), Falta de condições para juízes põe em causa combate à corrupção em Angola, https://p.dw.com/p/3yYSJ

[7] Ministério das Finanças de Angola, https://www.minfin.gov.ao/PortalMinfin/?fbclid=IwAR1C597oUjdNas8WFrR9R4u0B_1gb_NH-82fQEVyUGl52HUBcazWITEYo4I#!/materias-de-realce/orcamento-geral-do-estado/oge2022

[8] Cfr. por exemplo, Rui Verde, (2019) Ignorância ou corrupção na justiça, MakaAngola, https://www.makaangola.org/2019/01/ignorancia-ou-corrupcao-na-justica/ ou Moiani Matondo, (2020),A droga de justiça, MakaAngola, https://www.makaangola.org/2020/07/a-droga-da-justica/

[9] A título exemplificativo, Sousa Jamba, (2021) Tribunal Constitucional. MakaAngola (2020), https://www.makaangola.org/2020/07/a-droga-da-justica/ ou Kajim Ban-Gala (2021) Laurinda Cardoso: antinomia, filiação partidária e incompatibilidade, https://www.correioangolense.co.ao/2021/12/27/laurinda-cardoso-antinomia-filiacao-partidaria-e-incompatibilidade/

[10] Ver sobre o tema Nuno Coelho (2015), Gestão dos Tribunais e Gestão Processual, CEJ, http://www.cej.mj.pt/cej/recursos/ebooks/outros/Gestao_Tribunais_Gestao_Processual.pdf e E B McConnell (1991), Court Management: The Judge’s Role and Responsibility, Justice System Journal Volume: 15 Issue: 2.

[11] Ver as análises contidas em SCOTUSBlog. https://www.scotusblog.com/2021/12/the-lives-they-lived-and-the-court-they-shaped-remembering-those-we-lost-in-2021/ 

[12] Eric Brown, (2017) “Plato’s Ethics and Politics in The Republic”, The Stanford Encyclopedia of Philosophy, Edward N. Zalta (ed.), https://plato.stanford.edu/archives/fall2017/entries/plato-ethics-politics/

[13] Mark Cartwright (2019), The Civil Service Examinations of Imperial China, https://www.worldhistory.org/article/1335/the-civil-service-examinations-of-imperial-china/

[14] Vânia Gonçalves Álvares (2015), O governo da justiça: O Conselho Superior da Magistratura. Universidade Nova. P.33.

[15] Sobre o treino e preparação de juízes na Alemanha ver: Johannes Riedel, (2013). Training and Recruitment of Judges in Germany. International Journal for Court Administration, 5(2), pp.42–54. DOI: http://doi.org/10.18352/ijca.12

CEDESA Note nº2

The Global Gateway initiative of the European Union and Angola: seize the opportunity now

The European Union (EU) has recently unveiled its Global Gateway project, seen as a European alternative to China’s Belt and Road Initiative (BRI).

The Global Gateway is a €300 billion infrastructure spending plan that aims to boost EU supply chains and trade around the world.

The difference that the EU intends to emphasize compared to the Chinese model of BRI, is that on the European side it will not grant loans, but promote public and private investments, presenting what it considers to be transparent and more favorable financing, especially for developing countries.

The Global Gateway aims to be a more modern version of BRI, focusing on investments in future-oriented and environmentally responsible projects in the digital, healthcare, education, scientific research, renewable energy and other sectors.

It is clear that Africa, and in this, among others, Angola is the logical target of this EU initiative, as it is also where a good part of the Chinese influence through the BRI can be verified. The European Commission does not mention the African market as a priority goal, but it is logical that it should be, as it was the arrival of Chinese financing that most harmed European companies, which often lost market share. And Angola served as a model for the intervention of China in Africa, through the establishment of the so-called “Angolan model”.

The Angolan authorities will have every interest in contacting those responsible for this European Union program to be the first to develop a solid partnership that promotes investments in three fundamental areas for Angola: renewable energies, education and health.

Eventually, the great qualitative leap that one wants to take in Angolan education could be the first bet of this European project. The EU could be the major funder of the qualification of universities and scientific research in Angola, since it is a soft power supporter, and it would be an area in which it has an extremely favorable competitive advantage, easy to the alleged Chinese competition.

On the other hand, an immediate approach by Angola to implement the program will allow the assessment of the seriousness and commitment of the European Union in this program, verifying that it is not a mere advertisement for propaganda purposes, as many claim.

In conclusion, immediate Angolan action is strongly recommended to benefit from the Global Gateway in the area of ​​education.

Nota CEDESA nº2

A iniciativa Global Gateway da União Europeia e Angola: aproveitar já a oportunidade

A União Europeia (UE) revelou, recentemente, o seu projeto Global Gateway, encarado como uma alternativa europeia para Belt and Road Initiative (BRI) da China.

O Global Gateway é um plano de 300 mil milhões de euros de despesas em infraestruturas que pretende incrementar as cadeias de abastecimento da UE e o comércio em todo o mundo.

A diferença que a UE pretende sublinhar face ao modelo chinês da BRI, é que do lado europeu não se vai conceder empréstimos, mas promover investimentos públicos e privados, apresentando aquilo que considera um financiamento transparente e mais favorável, especialmente para os países em desenvolvimento.

O Global Gateway quer ser uma versão mais moderna do BRI, com foco em investimentos em projetos voltados para o futuro e ambientalmente responsáveis ​​nos setores digital, saúde, educação, investigação científica, energias renováveis e outros.

É evidente que África, e nesta, entre outros, Angola é o alvo lógico desta iniciativa da UE, pois é também onde se verifica uma boa parte da influência chinesa através do BRI. A Comissão Europeia não cita o mercado africano como objetivo prioritário, mas é lógico que o seja, pois foi a chegada de financiamentos chineses que mais prejudicou as empresas europeias, que muitas vezes perderam quota de mercado. E Angola serviu de modelo para a intervenção de China em África, através do estabelecimento do chamado “modelo Angolano”

As autoridades angolanas terão todo o interesse em se colocar em contacto com os responsáveis por este programa da União Europeia para serem as primeiras a desenvolver uma parceria sólida que promova investimentos em três áreas fundamentais para Angola: as energias renováveis, a educação e a saúde.

Eventualmente, o grande salto qualitativo que se quer dar na educação angolana poderia ser a primeira aposta deste projeto europeu. A UE poderia ser a grande financiadora da qualificação das universidades e da investigação científica em Angola, uma vez que é uma adepta do soft power, e seria uma área em que tem uma vantagem competitiva extremamente favorável fácil à alegada concorrência chinesa.

Por outro lado, uma abordagem imediata de Angola para implementação do programa permitirá aferir da seriedade e empenho da União Europeia neste programa, verificando que não se trata de um mero anúncio para efeitos propagandísticos, como muitos alegam.

Em conclusão, recomenda-se vivamente a ação imediata angolana para beneficiar do Global Gateway na área da educação.