Artigos

India: a new strategic bet for Angola?

The centrality of trade relations between India and Angola

Angola has become the epicenter of many international relations. There is talk of the rapprochement with the United States, the recalibration with China, the history with Russia, the role in the Great Lakes. However, one of the relationships that is discreetly becoming more important, but seems to have been forgotten, or needs to be discovered, is the relationship with India.

India is currently Angola’s third largest trading partner, sharing around 10% of Angola’s foreign trade, mainly due to the purchase of crude oil in bulk. The trade balance is in Angola’s favor, with India being Angola’s 2nd largest oil importer, accounting for 90% of bilateral trade. The trade relationship is clearly driven by the oil partnership.

Clearly, since 2021-22, India-Angola bilateral trade has been on the rise, reaching 3.2 billion dollars in 2021-22, with a large increase in Indian exports to Angola of 452 million dollars (45 % increase year-on-year). Bilateral trade in 2022-23 reached 3.9 billion dollars (by February 2023), with Indian exports to Angola registering a new high of 575 million dollars[1] .

Figure 1: Angola – India: Imports/Exports

(in millions of dollars)

Source: Embassy of India in Luanda (April 2023)[2]

As a comparison, the value of trade in tradable goods (excluding services) between Portugal and Angola totals €1,149.3 million (M€) in exports and €488.1 M€ in imports, on average for the 2019-2023 period.[3]

It’s easy to see that the value of trade relations between India and Angola is three times greater than that between Angola and Portugal. India is already a giant in its relationship with Angola.

Figures in millions of USD. For Portugal average 2019-2023, for India values 2023.

The Indian community in Angola is made up of around 4,000 people, mainly based in offshore oil fields or working in establishments owned by Indian owners, mostly involved in restaurants, supermarkets, commerce and other services; in industries dealing with plastics, metal, steel, clothing. In the non-oil sector, several projects are being carried out by Indian companies in the retail, hotel, agricultural plastics, scrap metal, steel, trade and other services sectors[4] .

India’s potential in relation to Angola

Having established the strong economic ties between India and Angola, it is worth highlighting India’s potential and the possibilities it opens up for Angola.

India is one of the world’s fastest growing large countries, expanding at an annual rate of 6-7%. New data shows that private sector confidence is at its highest level since 2010. Already the fifth largest economy, it could take third place by 2027, after America and China. India’s influence is manifesting itself in new ways. American companies have 1.5 million employees in India, more than in any other foreign country. Its stock market is the fourth most valuable in the world, while the aviation market ranks third. India’s purchases of Russian oil drive global prices. Increased wealth means more geopolitical clout. India has sent ten warships to the Middle East to contain the Houthis in Yemen.[5]

India’s strong presence in the Gulf should also be noted. Since Modi (the Indian prime minister) took office in 2014, India has transformed its relationship with the Gulf states, moving from one centered on energy, trade and Indian expatriates, to a new framework that encompasses political relations, investment and cooperation in defense and security. In addition, India has a keen interest in the stability of the Gulf, given that approximately 8.8 million Indian citizens live in the region[6] .

These are the essential facts, which pose a strategic challenge for Angolan presidential diplomacy.

As we all know and have mentioned in previous reports, João Lourenço’s new foreign policy, launched after 2017, is based on several vectors: a rapprochement with the United States and Europe in general, a new relationship with the Gulf States, a friendly recalibration with China and a repositioning with Russia. All this has been done. Now it will be India’s time.

India as a strategic priority for Angola

Given India’s economic growth and potential, its relationship with the Gulf States, as well as its global position as a country that is friendly to the United States but maintains its own external sovereignty, which leads it to buy oil from Russia, among other things, it is important to include India in Angola’s strategic priorities.

The point is not only that India is a market with clear potential for Angolan oil, as well as for other future exports, such as those linked to the agri-food sector, but also that it is a source of technological innovation for Angola. However, India’s economic aptitude is also important and relevant in discovering new robust markets for Angola.

Equally important is that India can be a support for Angola in its relations with the Gulf, where many Indians occupy prominent positions in the financial sector, and at the same time serve as a support for the difficult negotiations with China over the debt and, finally, serve as an example to the United States of a friendly country, but one that follows its own foreign policy.

These elements, both economic and in terms of international relations, are strong enough to attract the attention of Angolan presidential diplomacy to create a common framework for intense political and commercial cooperation. It is easy to understand that India can be an excellent expansion market for Angola, as well as a technological partner, and can also be complementary to Angola in many political aspects, both in establishing bridges with the Gulf countries and in knowing how to draw the boundaries of balance in relations with the major powers. This experience should be assimilated by Angola.

It should be remembered that the history of relations between heads of government (presidents of the republic and prime ministers) is not very intense. The first visit by an Indian prime minister to Angola took place in May 1986, by Prime Minister Rajiv Gandhi, which was reciprocated by Angolan President José Eduardo dos Santos in April 1987. PM Dr. Manmohan Singh met President José Santos on the sidelines of the G-8 meeting in L’Aquila, Italy, on July 10, 2009. In October 2015, Angola’s Vice-President Manuel Vicente visited India to take part in the Third India-Africa Summit. Finally, during his visit to Johannesburg to attend the BRICS Summit, Angolan President João Lourenço met Prime Minister Narendra Modi on July 26, 2018 and discussed ways to improve trade and investment between the two countries and also to deepen cooperation in sectors such as Energy, agriculture, food processing and pharmaceuticals[7] .

There really is no proximity between diplomacies at the highest level. Now, it is this pattern that would indicate that we need to move to a new level. This is possibly the time to create a strong bridge between India and Angola, based on political and economic aspects.


[1] Embassy of India Luanda (2023) Bilateral Brief on India-Angola Relations: https://www.mea.gov.in/Portal/ForeignRelation/Public_Bilateral_Brief_as_on_April_2023.pdf

[2] idem

[3] GPP (2024) ANGOLA Trade with Portugal (PT) 2019-2023: www.gpp.pt/images/gam/2/de/Angola.pdf

[4] Ditto note 1

[5] The Economist (2024), How strong is India’s economy? https://www.economist.com/leaders/2024/04/25/how-strong-is-indias-economy

[6] Viraj Solanki (2024) The Gulf region’s growing importance for India: https://www.iiss.org/online-analysis/online-analysis/2024/02/the-gulf-regions-growing-importance-for-india/

[7] See note 1.

Índia: uma nova aposta estratégica para Angola?

A centralidade das relações comerciais entre a Índia e Angola

Angola tornou-se o epicentro de muitas relações internacionais. Fala-se da aproximação aos Estados Unidos, da recalibragem com a China, da história com a Rússia, do papel nos Grandes Lagos. No entanto, uma das relações que vai discretamente tendo mais importância, mas parece esquecida, ou precisa de ser descoberta, é a relação com a Índia.

Atualmente, a Índia é o terceiro maior parceiro comercial de Angola, partilhando cerca de 10% do comércio externo de Angola, principalmente devido à compra de petróleo bruto a granel. A balança comercial está a favor de Angola, sendo a Índia o 2º maior importador de petróleo de Angola, que representa 90% do comércio bilateral. A relação comercial é manifestamente impulsionada pela parceria petrolífera.

Manifestamente, desde 2021-22, o comércio bilateral Índia-Angola apresenta números crescentes, atingindo 3,2 mil milhões de dólares em 2021-22, com um grande aumento nas exportações indianas para Angola de 452 milhões de dólares (45 % de aumento na base anual). O comércio bilateral em 2022-23 atingiu 3,9 mil milhões de dólares (até fevereiro de 2023), com as exportações indianas para Angola a registarem um novo máximo de 575 milhões de dólares[1].

Figura 1: Angola – Índia: Importações/Exportações

(em milhões de dólares)

Fonte: Embaixada da Índia em Luanda (abril 2023)[2]

Refira-se como termo de comparação que o valor das trocas comerciais de bens transacionáveis (excluindo serviços) entre Portugal e Angola atinge um total 1149,3 milhões de € (M€) em exportações e 488,1 M€ em importações, na média do período 2019-2023.[3]

Facilmente, se percebe que o valor das relações comerciais entre a Índia e Angola é três vezes superior à relação entre Angola e Portugal. A Índia é já um gigante na relação com Angola.

Valores em milhões de USD. Para Portugal média 2019-2023, para a Índia valores 2023.

A comunidade indiana em Angola é composta por cerca de 4.000 pessoas, principalmente, estabelecidas em campos petrolíferos offshore ou trabalhadores em estabelecimentos de proprietários indianos, maioritariamente envolvidos em restauração, supermercados, comércio e outros serviços; em indústrias que lidam com plásticos, metal, aço, vestuário. No sector não petrolífero, estão a ser realizados vários projetos por empresas indianas nos sectores retalhista, hoteleiro, plásticos agrícolas, sucata metálica, aço, comércio e outros serviços[4].

O potencial da Índia em relação a Angola

Estabelecidos os fortes laços económicos existentes entre a Índia e Angola, convém assinalar o potencial indiano e as possibilidades que abre para Angola.

A Índia é dos países grandes do mundo, aquele que mais cresce, expandindo-se a uma taxa anual de 6-7%. Novos dados mostram que a confiança do sector privado está no seu nível mais elevado desde 2010. Sendo já a quinta maior economia, poderá ocupar o terceiro lugar em 2027, depois da América e da China. A influência da Índia está a manifestar-se de novas formas. As empresas americanas têm 1,5 milhões de funcionários na Índia, mais do que em qualquer outro país estrangeiro. O seu mercado de ações é o quarto mais valioso do mundo, enquanto o mercado da aviação ocupa o terceiro lugar. As compras de petróleo russo pela Índia movimentam os preços globais. O aumento da riqueza significa mais peso geopolítico. A Índia enviou dez navios de guerra para o Médio Oriente para conter os Houthis do Iémen.[5]

Também há que notar a forte presença Índia no Golfo. Desde que Modi (o primeiro-ministro indiano) assumiu o cargo em 2014, a Índia transformou a sua relação com os estados do Golfo, passando de uma relação centrada na energia, no comércio e nos expatriados indianos, para um novo quadro que abrange relações políticas, investimento e cooperação em defesa e segurança. Além disso, a Índia tem um grande interesse na estabilidade do Golfo, dado que aproximadamente 8,8 milhões de cidadãos indianos residem na região[6].

Estes são os factos essenciais, que colocam um desafio estratégico para a diplomacia presidencial angolana.

Como é sabido e já fizemos referência em anteriores relatórios, a nova política externa de João Lourenço, encetada após 2017 assenta em vários vetores: aproximação aos Estados Unidos e à Europa em geral, novo relacionamento com os Estados do Golfo, recalibragem amistosa com a China, reposicionamento com a Rússia. Tudo isto tem sido levado a cabo. Agora será o tempo da Índia.

A Índia como prioridade estratégica para Angola

Atendendo ao crescimento económico e seu potencial da Índia, ao seu relacionamento com os Estados do Golfo, bem como ao seu posicionamento global como país amistoso com os Estados Unidos, mas mantendo uma soberania externa própria, que a leva entre outros a comprar petróleo à Rússia, torna-se relevante incluir a Índia nas prioridades estratégias de Angola.

A questão não é somente que a Índia é um mercado com manifesto potencial para o petróleo angolano, bem como para outras futuras exportações, como as ligadas ao sector agroalimentar, ao mesmo tempo, que constitui fonte de inovação tecnológica para Angola. Embora, também tal aptidão económica da Índia seja importante e relevante na descoberta de novos mercados robustos para Angola.

Igualmente importante, é que a Índia pode ser um amparo para Angola nas relações com o Golfo, onde muitos indianos ocupam posições destacadas no sector financeiro, e em simultâneo, servir de esteio para as difíceis negociações com a China sobre a dívida, e, finalmente, servir de exemplo para os Estados Unidos de um país amigo, mas que segue a sua política externa própria.

Estes elementos, quer económicos, quer de nível das relações internacionais são suficientemente robustos para chamar a atenção da diplomacia presidencial angolana no sentido de criar um quadro comum de cooperação política e comercial intensa. Facilmente, se compreende que a Índia pode ser um excelente mercado de expansão para Angola, bem como um parceiro tecnológico, bem como pode ser complementar em relação a Angola em muitos aspetos políticos, quer a estabelecer pontes com os países do Golfo, quer a saber desenhar as fronteiras do equilíbrio nas relações com as grandes potências. Tal experiência deve ser assimilada por Angola.

Recorde-se que ao nível de chefes de executivo (presidentes da república e primeiros-ministros) o historial de relacionamento não é muito intenso. A primeira visita de um primeiro-ministro da Índia a Angola ocorreu em Maio de 1986, efetuada pelo primeiro-ministro Rajiv Gandhi, que foi retribuída pelo Presidente de Angola José Eduardo dos Santos em abril de 1987. O PM Dr. Manmohan Singh encontrou-se com o Presidente José Santos à margem do G- 8 reunião em L’Aquila, Itália, em 10 de julho de 2009. Em outubro de 2015, o Vice-Presidente de Angola, Manuel Vicente visitou a Índia para participar na Terceira Cimeira Índia-África. Finalmente, durante a sua visita a Joanesburgo para participar na Cimeira dos BRICS, o Presidente angolano João Lourenço encontrou-se com o Primeiro-Ministro Narendra Modi em 26 de julho de 2018 e discutiu formas de melhorar o comércio e o investimento entre os dois países e também de aprofundar a cooperação em sectores como Energia, agricultura, processamento de alimentos e produtos farmacêuticos[7].

Não há, realmente, proximidade entre as diplomacias ao mais alto nível. Ora, será este padrão que tudo indicaria dever ser mudado para um novo patamar. Este é, possivelmente, o momento de criar uma forte ponte entre a Índia e Angola, baseada em aspetos políticos e económicos.


[1] Embassy of India Luanda (2023) Bilateral Brief on India-Angola Relations:  https://www.mea.gov.in/Portal/ForeignRelation/Public_Bilateral_Brief_as_on_April_2023.pdf

[2] idem

[3] GPP (2024) ANGOLA Trocas comerciais com Portugal (PT) 2019-2023: www.gpp.pt/images/gam/2/de/Angola.pdf

[4] Idem nota 1

[5] The Economist (2024), How strong is India’s economy? https://www.economist.com/leaders/2024/04/25/how-strong-is-indias-economy

[6] Viraj Solanki (2024) The Gulf region’s growing importance for India: https://www.iiss.org/online-analysis/online-analysis/2024/02/the-gulf-regions-growing-importance-for-india/

[7] Ver nota 1.

CEDESA launches portal on Public Works and Investments in Angola

On Thursday 18th April, CEDESA – the Centre for Studies for the Economic and Social Development of Africa – presented its website on Public Works and Investments in Angola – https://obraspublicasinvestimentosangola.org/, with the dual aim of providing independent information to academics, journalists and interested parties in general on what is happening in Angola in this area, and to serve as a public information document for Angolan civil society on the evolution of major works in the country, through the creation of a participatory opening mechanism.

The presentation of the project was attended by members of the Angolan and Chinese Embassies in Portugal and the Angolan Consulate General in Lisbon, as well as various businesspeople, academics and journalists.

CEDESA is a non-profit organisation under private law dedicated to the study and research of political and economic issues in southern Africa, particularly Angola. It was born out of an initiative by several academics and experts from the Angola Research Network (ARN https://www.angolaresearchnetwork.org/) , with the main aim of providing rigorous analyses of the economic outlook for Angola and neighbouring countries to political decision-makers, the business community, academics, students and other interested parties.

Source: CEDESA (www.cedesa.pt)

CEDESA lança portal sobre Obras Públicas e Investimentos em Angola

O CEDESA – Centro de Estudos para o Desenvolvimento Económico e Social de África apresentou, na quinta-feira, 18 de abril, a sua página na internet sobre as Obras Públicas e Investimentos em Angola – https://obraspublicasinvestimentosangola.org/, com o duplo objetivo de fornecer informações independentes a académicos, jornalistas e interessados em geral sobre o que se passa em Angola neste domínio e de servir de documento público de informação à sociedade civil angolana sobre a evolução das grandes obras no país, por via da criação de um mecanismo de abertura participativa.

A apresentação do projeto contou com a presença de membros das Embaixadas de Angola e da China em Portugal bem como do Consulado Geral de Angola em Lisboa, para além de diversos empresários, académicos e jornalistas.

O CEDESA é uma pessoa coletiva de direito privado de natureza associativa, sem fins lucrativos, dedicada ao estudo e investigação de temas políticos e económicos da África Austral e, em especial, de Angola. Nasceu de uma iniciativa de vários académicos e peritos da Angola Research Network (ARN – https://www.angolaresearchnetwork.org/), com o principal objetivo de fornecer análises rigorosas sobre as perspetivas económicas de Angola e países vizinhos a decisores políticos, à comunidade de negócios, a académicos, a estudantes e demais interessados.

Fonte: CEDESA (www.cedesa.pt)

In search of a new paradigm for Angola-China relations

Overcoming the debt issue

Apparently, João Lourenço is due to visit China soon, and Beijing already has an ambassador in Luanda again. So, there are marked dynamic movements in the Angola-China relationship.

It’s not the Angolan President’s first visit to Beijing, but it is the first after his public and effective rapprochement with the United States, and at a time when the issue of debt to China has become the main aspect of relations between the two countries.

With regard to debt, there is one indisputable fact. Angola has made a substantial reduction in its capital debt since 2017. In fact, in that year the amount of capital owed was 23.204,9 billion dollars, while at the end of 2023 it only stood at 17.921,0 billion US dollars, a reduction of exactly 5.283,9 billion dollars according to official figures from the National Bank of Angola (BNA), in capital alone, not including interest.[1] This means that even during years of crisis – don’t forget that the Angolan economy contracted between 2016 and 2020[2] – the Angolan state was able and willing to pay its debt to China.

So the question is not one of capacity, but one of sacrifice, or rather opportunity cost. The capital taken from the state budget to pay China is capital that is not used in other sectors, such as human development, education, health, sanitation, etc. In addition, of course, the budgetary instability caused by fluctuating oil prices always puts great pressure on the treasury’s liquidity to meet payments.

It is for this reason, and after the great Angolan effort of more than 5 billion dollars made during João Lourenço’s presidency, that this should be the time to decompress in the payment of the debt to China.

In addition to this, there is another fact, which has already been dealt with sufficiently[3] , which is the so-called “odious debt”. It now appears that a large part of the debt Angola contracted from China ended up illegally in the hands of private Angolan entities that did not use the funds for the common good, but for their own undue profit. Recent reports indicate that the entire mechanism for embezzling funds was structured with the participation of Chinese entities mandated by the Central Committee of the Chinese Communist Party[4] . If confirmed, and it has not been duly certified, this action places the amounts of “odious debt” in a separate category, which should be the subject of separate negotiation by the diplomacies of the two countries, so as not to give rise to any proceedings in an arbitration court, as is provided for in the bilateral financing agreements.

Once the issue of debt has been framed, it is clear that now is the time to move beyond debt and create a new paradigm for relations between Angola and China

The new paradigm between Angola and China: emptying the China-US Manichaeism

It could be thought that João Lourenço’s rapprochement with Joe Biden, promoting an effective strengthening of Angola’s relations with the United States, would lead to a necessary estrangement and distancing from China.

We don’t share that view. On the contrary, it is understood that the Manichean vision that supports this view is not supported by facts.

Firstly, in the economic sphere, despite the American rhetoric that began with the Trump administration and continued with Biden, what is certain is that relations between the two countries – the US and China – remain intense. American companies – and Western companies in general – are still very dependent on Chinese markets and production chains. The more aggressive rhetoric has only benefited a few intermediary countries that receive Chinese investment and then export the products resulting from that investment to the US with a “non-Chinese label”, and in the end the ties remain strong. In this sense, for example, Tesla’s Elon Musk is inviting Chinese suppliers of parts for his cars to replicate their production chains from China to Mexico[5] . Recently, the CEO of Apple – Tim Cook – met with Chinese officials and reaffirmed his commitment to the Chinese market and his desire to forge closer ties with the Beijing government[6] . Another current example is ExxonMobil, the American energy giant that plans to invest in a multi-billion dollar petrochemical complex in Guangdong province[7] . In fact, if everything goes according to plan, the project, which has a total investment of 10 billion dollars, will have its first phase completed before the end of the year. Not to mention Starbucks, the American multinational, which now has more than 6,800 shops in China alone, and which in 2023 invested more than 200 million dollars in a new campus in China, a sign of how crucial the Chinese consumer continues to be for the global coffee chain, despite a certain economic slowdown .[8]

In addition, the success of the Lobito Corridor, on which both Angola and the United States are betting, necessarily requires Chinese competition – which dominates the bulk of the raw materials – in order to be successful.

These real facts about the economic infrastructure point to a necessary triangulation between intermediary countries, China and the United States, which translates into an ideal role for Angola, which is rightly positioned as a “bridge” between Asia and the West. This reciprocal rapprochement can therefore be beneficial rather than disadvantageous, if Angola takes advantage of its role as a hinge in a skillful and intelligent way.

The new paradigm between Angola and China: exchanging loans for productive investment

The essential fact is the need for a paradigm shift. Angola cannot sustain its treasury and development on loans that have to be paid back. This doesn’t mean that it won’t use them and resort to them when it needs to, but the strategy has to be different, and different means investment. What we want from China is investment, not more loans.

Let’s look at China’s policy in Portugal. There, China essentially makes investments, buys shares in companies and becomes a partner in others. It brings capital to Lisbon to invest in the production process, not to earn interest. The main Chinese investments in Portugal are concentrated in sectors such as banking, energy and insurance. Take the case of EDP. Chinese investment in EDP – Energias de Portugal, S.A. is significant. China Three Gorges (CTG) has been EDP’s largest shareholder since 2011. Last year, the shares held by CGT were valued at 4,634 million euros[9] . In the health sector, the Chinese private group Fosun stands out as the largest shareholder in the Luz Saúde Group.  This group, which is one of Portugal’s leading healthcare organizations, is controlled by the Chinese Fosun and the insurance company Fidelidade (which, in turn, also has the Chinese Fosun as a shareholder)[10] . The group currently manages 30 hospitals, clinics and health centres. In 2022, its operating profits totaled 600 million euros, up 11 % on the previous year[11] .

In 2023, Portugal attracted more foreign industrial investment and the largest came from China.[12] This is “the Chinese electric car battery factory CALB, which has already started the environmental licensing process for a new plant in Sines, a project worth 2060 million euros, for which 90 hectares of land have been set aside and 1800 jobs have been promised[13] “.
 This is the kind of relationship that Angola should begin to have with China. Not a relationship of dependence on loans, but of direct Chinese investment in the Angolan economy.

There are several areas for Chinese investment in Angola, but we would highlight the possibilities of car factories, given the huge increase in this industry in China and the fact that it is becoming the largest in the world. Equally important is the telecommunications and electricity sector, which is so lacking in Angola. Another sector to invest in could be textiles, after the failure of Ethiopia, shortening the logistical supply lines to the US and Europe in relation to Vietnam.

Other hypotheses should be studied, but here are some suggestions for Chinese investment in Angola: creating a cluster in the automobile industry, telecommunications and electricity, textiles.


[1] PUBLIC EXTERNAL DEBT BY COUNTRY (STOCK): 2009 – 2023, https://www.bna.ao/#/pt/estatisticas/estatisticas-externas/dados-anuais                  

[2] https://pt.countryeconomy.com/governo/pib/angola

[3] Rui Verde, 2023, O tratamento jurídico a conferir à dívida pública angolana à China que resulta de apropriação privada, Communication to the III International Congress of Angolanistics
Biblioteca Nacional /Lisboa

[4] https://www.rfa.org/english/news/china/sam-pa-ccp-02062024151947.html

[5] https://oglobo.globo.com/economia/noticia/2024/02/16/elon-musk-atrai-fornecedores-chineses-para-se-instalarem-bem-ao-lado-dos-eua.ghtml

[6] https://www.adrenaline.com.br/hardware/ceo-da-apple-reafirma-seu-compromisso-com-a-china/

[7] https://www.globaltimes.cn/page/202402/1307530.shtml

[8] https://edition.cnn.com/2023/09/19/business-food/starbucks-china-coffee-center-intl-hnk/index.html

[9] Idem.

[10] https://observador.pt/2020/10/21/luz-saude-dos-chineses-da-fosun-foi-quem-fez-mais-negocios-com-o-estado-na-pandemia/

[11] https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/luz-saude-tem-dimensao-para-entrar-no-psi-diz-lider-da-bolsa-nacional/

[12] https://www.publico.pt/2024/03/03/economia/noticia/portugal-captou-investimento-estrangeiro-industrial-maior-veio-china-2082344

[13] Idem.

Em busca de um novo paradigma para as relações Angola-China

Ultrapassar a questão da dívida

Aparentemente, está para breve a visita de João Lourenço à China e Beijing já tem, novamente, embaixador em Luanda. Portanto, há movimentos dinâmicos acentuados na relação Angola-China.

Não é a primeira visita do Presidente angolano a Beijing, todavia, é a primeira após a aproximação pública e efetiva aos Estados Unidos, e no momento em que a questão da dívida à China se tornou o aspeto principal das relações entre os dois países.

Sobre a dívida, há um facto indesmentível. Angola procedeu a uma redução substancial do capital em débito desde 2017. Na realidade, nesse ano o montante de capital devido era de 23 204,9 mil milhões de dólares enquanto no final de 2023 apenas se situava nos 17 921,0 mil milhões de dólares americanos, tendo havido assim uma redução exata de 5 283,9 mil milhões de dólares segundo os dados oficiais do Banco Nacional de Angola (BNA), só em capital, não contabilizando juros.[1] Isto significa que mesmo durante anos de crise-não esquecer que a economia angolana se contraiu entre 2016 e 2020[2]– o estado angolano teve capacidade e quis pagar a sua dívida à China.

Portanto, a questão não se coloca ao nível da capacidade, mas do sacrifício, ou melhor dizendo, do custo de oportunidade. O capital retirado do Orçamento Geral do Estado para pagar à China é capital que não é utilizado noutros sectores, como por exemplo, na área do desenvolvimento humano, educação, saúde, saneamento, etc. Além disso, obviamente, a instabilidade orçamental derivada da oscilação dos preços do petróleo coloca sempre uma grande pressão na liquidez do tesouro para cumprir os pagamentos.

É por essa razão, e após o grande esforço angolano de mais de 5 mil milhões de dólares, efetuado durante a presidência de João Lourenço, que este deveria ser o tempo de descompressão no pagamento da dívida à China.

A este acresce outro facto, já suficientemente tratado[3], que é o da chamada “dívida odiosa”. Parece hoje demonstrado que uma boa parte da dívida contraída à China por Angola, terminou de forma ilegal na posse de entidades privadas angolanas que não usaram os fundos para o bem comum, mas para lucro próprio indevido. Notícias recentes dão conta que a estruturação de todo o mecanismo de desvio de fundos teve a participação de entidades chinesas mandatadas pelo Comité Central do Partido Comunista Chinês[4]. A confirmar-se, e não está devidamente certificado, tal ação coloca os montantes de “dívida odiosa” numa categoria à parte, que deverá ser objeto de negociação separada pelas diplomacias dos dois países, para não dar origem a nenhum processo em tribunal arbitral, como está previsto nos acordos bilaterais de financiamento.

Enquadrada a questão da dívida, torna-se evidente que este é o tempo de ir para além da dívida e criar um novo paradigma para as relações entre Angola e China

O novo paradigma entre Angola e China: esvaziar o maniqueísmo China-EUA

Poder-se-ia pensar que a aproximação de João Lourenço a Joe Biden, promovendo um efetivo estreitamento das relações de Angola com os Estados Unidos, levaria a um necessário agastamento e afastamento da China.

Não se partilha dessa opinião. Pelo contrário, entende-se que a visão maniqueísta que suporta essa visão não se sustenta em factos.

Em primeiro lugar, na esfera económica, apesar da retórica americana que começou com a administração Trump e continuou com Biden, o certo é que as relações entre ambos os países- EUA e China- se mantêm intensamente. As companhias americanas -e Ocidentais em geral- continuam muito dependentes dos mercados e das cadeias de produção chinesas. A retórica mais agressiva apenas beneficiou alguns países intermediários que recebem investimento chinês e depois exportam os produtos resultantes desse investimento para os EUA com um “selo não chinês”, sendo que no final os laços se mantêm fortes. Neste sentido, por exemplo, Elon Musk da Tesla está a convidar fornecedores chineses de peças dos seus automóveis para replicarem as suas cadeias de produção da China para o México[5]. Recentemente, o CEO da Apple – Tim Cook – encontrou-se com governantes da China e reafirmou o seu compromisso com o mercado da China, e desejo de estreitamento de laços com o Governo de Beijing[6]. Um outro exemplo atual é a ExxonMobil, o gigante americano do sector da energia que planeia investir num complexo petroquímico de vários milhares de milhões de dólares na província de Guangdong[7]. Com efeito, se tudo correr dentro do previsto, o projeto que tem um investimento total de 10 mil milhões de dólares, e estará com a primeira fase concluída ainda antes do final do ano. Já para não falar da Starbucks, a multinacional norte americana, que hoje em dia está com mais de 6.800 lojas só na China, e que em 2023 investiu mais de 200 milhões de dólares num novo campus na China, sinal de como o consumidor chinês continua a ser crucial para a cadeia global de café, apesar de estar a haver um certo abrandamento económico[8].

A isto acresce que o sucesso do Corredor do Lobito em que quer Angola, quer os Estados Unidos apostam, necessita forçosamente do concurso chinês-que domina o essencial da matéria-prima- para ter sucesso.

Estes factos reais da infraestrutura económica, apontam para uma necessária triangulação entre países intermediários, China e Estados Unidos, que se traduz numa função ideal para Angola, que se posiciona acertadamente como “ponte” entre Ásia e Ocidente. Portanto, poder-se-á ter um benefício desta aproximação recíproca e não uma desvantagem, sabendo Angola aproveitar o seu papel de charneira de modo hábil e inteligente.

O novo paradigma entre Angola e China: trocar os empréstimos por investimento produtivo

O facto essencial é a necessidade de mudança de paradigma. Angola não pode sustentar o seu tesouro e desenvolvimento em empréstimos que forçosamente têm de ser pagos. Isto não quer dizer que não os use e recorra quando precise, mas a estratégia tem de ser outra, e outra quer dizer, investimento. O que se deve querer da China é investimento e não mais empréstimos.

Olhemos para a política da China em Portugal. Aí essencialmente, a China realiza investimentos, compra ações de empresas, torna-se sócia de outras. Leva capital para Lisboa para aplicar no processo produtivo, não para obter juros. Os principais investimentos chineses em Portugal concentram-se em setores como banca, energia e seguros. Atente-se para o caso da EDP. O investimento chinês na EDP – Energias de Portugal, S.A. é significativo. A China Three Gorges (CTG) é a maior acionista da EDP desde 2011. No ano passado, as acções detidas pela CGT estavam avaliadas em 4.634 milhões de euros[9]. No sector da saúde, destaca-se o grupo privado chinês Fosun, que é o maior acionista do Grupo Luz Saúde.  Este grupo que é uma das principais referências da saúde em Portugal, é controlado pelos chineses da Fosun e pela seguradora Fidelidade (que, por sua vez, também tem como acionista os chineses da Fosun)[10]. Atualmente, este grupo gere 30 hospitais, clínicas e unidades de saúde. Em 2022, os seus resultados operacionais atingiram os 600 milhões de euros, mais 11 % face ao ano anterior[11].

Em 2023, Portugal captou mais investimento estrangeiro industrial e o maior veio da China.[12] Trata-se “da fábrica de baterias para carros eléctricos da chinesa CALB, que já arrancou com o processo de licenciamento ambiental de uma nova unidade em Sines, um projecto de 2060 milhões de euros, para o qual foram reservados 90 hectares de terreno e prometidos 1800 postos de trabalho[13]”.
É este género de relação que Angola deve começar a ter com a China. Não uma relação de dependência de empréstimos, mas de investimentos diretos chineses na economia angolana.

Existem várias áreas para o investimento chinês em Angola, mas destacar-se-ia as possibilidades de fábricas de automóveis, sabendo-se o grande incremento que esta indústria está a ter na China e a tornar-se a maior do mundo. Igualmente, importante, o sector das telecomunicações e energia elétrica que tanta falta faz em Angola. Outro setor de aposta poderia ser o têxtil, depois do falhanço da Etiópia, encurtando as linhas logísticas de fornecimento para os EUA e Europa em relação ao Vietnam.

E outras hipóteses deveriam ser estudas, mas ficam estas sugestões para investimento chinês em Angola: criar um cluster de indústria automóvel, telecomunicações e energia elétrica, têxteis.


[1] DÍVIDA EXTERNA PÚBLICA POR PAÍSES (STOCK): 2009 – 2023, https://www.bna.ao/#/pt/estatisticas/estatisticas-externas/dados-anuais                  

[2] https://pt.countryeconomy.com/governo/pib/angola

[3] Cfr. Rui Verde, 2023, O tratamento jurídico a conferir à dívida pública angolana à China que resulta de apropriação privada, Comunicação ao III Congresso Internacional de Angolanística
Biblioteca Nacional /Lisboa

[4] https://www.rfa.org/english/news/china/sam-pa-ccp-02062024151947.html

[5] https://oglobo.globo.com/economia/noticia/2024/02/16/elon-musk-atrai-fornecedores-chineses-para-se-instalarem-bem-ao-lado-dos-eua.ghtml

[6] https://www.adrenaline.com.br/hardware/ceo-da-apple-reafirma-seu-compromisso-com-a-china/

[7] https://www.globaltimes.cn/page/202402/1307530.shtml

[8] https://edition.cnn.com/2023/09/19/business-food/starbucks-china-coffee-center-intl-hnk/index.html

[9] Idem.

[10] https://observador.pt/2020/10/21/luz-saude-dos-chineses-da-fosun-foi-quem-fez-mais-negocios-com-o-estado-na-pandemia/

[11] https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/luz-saude-tem-dimensao-para-entrar-no-psi-diz-lider-da-bolsa-nacional/

[12] https://www.publico.pt/2024/03/03/economia/noticia/portugal-captou-investimento-estrangeiro-industrial-maior-veio-china-2082344

[13] Idem.

The need for a joint African Union mechanism for Africa’s debt to China

The framework and problems of debt to China in Africa

Africa is a continent that is mentioned many times because of its vast natural wealth. Unfortunately, this is not reflected in the wealth of the African populations, who consequently suffer a variety of deprivations.

In this context, the issue of the debt owed by African countries to China is taking on somewhat worrying contours. The loans taken out by sub-Saharan African countries from China have seen a major boost, especially since the Road and Belt Initiative (RBI) was established in 2013. This ambitious Chinese initiative, whose main driving force was President Xi Jinping, aimed to increase the country’s economic and geopolitical influence. And while loans grew dramatically in 2013 with 17.5 billion dollars, and even peaked in 2016 with 28.4 billion dollars, in the following years the drop in loan amounts was incessant, reaching 1.2 billion in 2021, and the following year totalling just 994 million dollars (a total of 9 loans), making it the lowest level of Chinese loans since 2004.[1]

Fig.1 – Annual evolution of Chinese loans to Africa (billions of dollars)

Source: Chinese Loans to Africa Database, Boston University

The channelling of this Chinese money into development in Africa, specifically in the financing of various infrastructure projects and other ventures, has stimulated some African economic growth. However, there have been several “grey clouds”, many of which are clearly visible in the Angolan economy, but which also stand out in other countries. This translates into an often undisguised unease in Sino-African relations. Some countries have even become hostages to the so-called “debt trap diplomacy”. China, by unleashing the RBI, provoked the idea of facilitating loans to other developing economy states, and indeed, this ended up making the Asian country the largest international creditor. However, these loans have often lacked transparency: cases of corruption have multiplied, often because the financing did not go through public tender processes. The problem of the so-called ‘hidden debt’ arose when “China stopped lending to central governments and state-owned or state-supported companies. These debts do not appear on government balance sheets, although governments are often responsible for them if the official debtor is unable to pay.”[2]

You might think that this situation could eventually benefit the Chinese, since they have several countries “stuck” with monstrous debts. However, this is not the case, because at the same time, China is facing very serious domestic economic problems, which, until they are solved, will make it difficult to promote a reduction in foreign debt at the same time. [3]

Indeed, the slow recovery from the pandemic, the problem of youth unemployment, and the collapse of the property sector have shaken what seemed to be China’s unshakeable growth. This is how Christoph Nedopil, founder and director of the Chinese think tank Green Finance and Development Centre (GFDC), argues: “it will be a domestic challenge for China to simultaneously promote debt reduction abroad as long as domestic economic problems are not fully resolved.”[4]

In December 2022, Chatham House published a report analysing the development of the model of Chinese loans to African states (2000-2020), which were initially based on providing resources, and then evolved into more strategic or business-oriented choices.

Fig 2: Top 10 recipients of Chinese loans in Africa, 2000-20

Source: Chatham House: https://www.chathamhouse.org/2022/12/response-debt-distress-africa-and-role-china/02-case-studies-chinese-lending-africa

It should be noted, however, that from 2021 onwards the Asian country’s orientation changed, for reasons already mentioned, and also because several states were not meeting their payments. The Chinese leadership changed course and stopped investing in large projects, such as railways and motorways, to focus on smaller loans with a more beneficial social and environmental impact. The climate agenda was another factor to enter the equation.[5]

In addition, the money began to change direction; previously most of the loans went to countries in East and Southern Africa. From 2021-22 there was a shift towards West Africa, with countries like Senegal, Benin and Côte d’Ivoire receiving most of the money.[6]

Many African states and others have defaulted on their debts, so it was imperative that ways were found to resolve China’s so-called ‘odious debt’.

According to the International Monetary Fund (IMF), the world’s most indebted poor countries have all borrowed heavily from China. This situation, as we have already mentioned, may constitute “debt trap diplomacy”, in which China deliberately grants loans to countries it knows it cannot repay, in the hope of gaining political influence.[7]

What we saw last year was a growth in Chinese exports to Africa, which reached 173 billion dollars, an increase of 7.5 per cent compared to 2022, while its imports from the continent fell by 6.7 per cent to 109 billion dollars (data provided by the Chinese General Administration of Customs).

Although the annual increase of 100 million dollars made bilateral trade in 2023 a record, Africa’s trade deficit with China continued to rise, from 46.9 billion dollars in 2022 to 64 billion dollars last year.[8]

In 2022, 60 per cent of China’s debtor nations were in financial difficulties, compared to 5 per cent in 2010.[9]

How have some of these African nations dealt with this debt problem, and how has China changed its behaviour over time?

Let’s analyse a few cases:

Zambia:

The Middle Kingdom has been tough in the debt restructuring negotiations, and the situation, despite all the constraints, is not worse because other actors are gaining prominence, not just states, such as economic institutions like the IMF or the World Bank, or organisations that promote international negotiation and dialogue, such as the G20.

In the case of Zambia, which is the continent’s largest copper producer, it was the first sovereign nation in Africa during the pandemic to default when it failed to make a bond payment of 42.5 million dollars. The debt ended up preventing the country from developing economically and taking on new projects. So, in June 2023, Zambia and its creditors, including China, finally reached an agreement within the G20 Common Framework to restructure 6.3 billion dollars in loans.[10] This relief was limited to deadline extensions and a grace period on interest payments, but in order to reach a consensus there were no debt cuts,

However, in November there were already disagreements, as the Zambian government announced that a revised agreement to rework 3 billion dollars in eurobonds could not be implemented due to objections from official creditors, including China.

These problems in restructuring Zambia’s debt, which had been negotiated within the G20 Common Framework, ended up greatly undermining the negotiations and further delaying debt restructuring, putting the lives of ordinary Zambians in ever greater agony.[11]

Ghana:

At the beginning of last year, Ghana owed China 1.7 billion dollars, according to the International Institute of Finance, a financial services trade association focused on emerging markets.[12] Like Zambia, Ghana went into sovereign default on 60 billion dollars in domestic and external debt at the end of 2022 and sought a resolution to this problem soon afterwards under the Common Framework for official external debt of 5.4 billion dollars.[13]

An agreement was reached with the official creditors to restructure the debt, along the same lines as Zambia. However, although this agreement has unlocked an IMF loan, progress has been slow.

Currently, according to some sources, “Ghana intends to carry out a simple debt restructuring, exchanging old bonds for new notes, at a time when the country is seeking to relieve a debt of around 13 billion dollars owed to international private creditors”.[14] However, the information provided has been contradictory, which is why the Ghanaian government has been cautious about a debt overhaul that would include a gradual reduction, in which bondholders would receive less if macroeconomic results were not as good as expected.[15]

Nevertheless, the government has told investors that it would like to reach a solution following the agreement on public debt reached with creditors such as the Paris Club and China.

Ethiopia:

Ethiopia is the second most populous country in Africa and the tenth largest in terms of area, but it is also one of the African states experiencing the greatest geopolitical, military and economic turbulence. The proximity to the Chinese state goes back a long way. Ethiopia recently signed several bilateral agreements with several of its official creditors, including China itself. With low foreign currency reserves, which have been a constant problem in the country, and high inflation, it has reached bilateral agreements to suspend debt servicing. With China, it obtained a two-year debt suspension, which is quickly being cancelled. Ethiopia has 28.2 billion dollars in foreign debt, half of which is Chinese. According to the African Development Bank, Ethiopia’s GDP is expected to grow by 5.8 per cent in 2023 and 6.2 per cent in 2024, mainly on the basis of industry, consumption and investment. On the other hand, inflation reached 34 per cent in 2022. Due to high defence spending and declining revenue collection, the budget deficit was 4.2% of GDP in 2022.[16] Against this backdrop, Ethiopia needs development support, debt relief and Foreign Direct Investment.[17]

The Angolan situation

Angola’s debt to China is older than the Belt and Road initiative of 2013. It began to develop after the end of the Civil War in 2002, with China becoming the main financier of the reconstruction that followed. At the moment, according to official data from the National Bank of Angola (BNA), Angola’s public debt stock in relation to China is 18.4 billion dollars (billions in Anglo-American terms), corresponding to 37 per cent of the total debt. What’s more, the figures show that between 2019 and 2023 this amount fell from 22.4 billion to 18.4 billion. This means that, in four years, Angola has paid – in capital alone, not counting interest – 4 billion dollars to China[18] . Everyone has noticed the weight that public debt payments have on the state budget, and there were serious problems with Angola’s public finances in 2023, and it is expected that the same will happen in 2024, especially from March onwards, given the need for payments to China.

Although we don’t believe that the payment of the debt to China jeopardises the solvency of the Angolan state, we do believe that it has a very significant crowding out effect, since it removes resources from the General State Budget that could be earmarked for development and the social sector to pay off debt, debt that is controversial to some extent, since the loans were used in a very questionable way: Part of that debt was earmarked for disposable infrastructure, such as stadiums and roads that today are in a precarious condition. In addition, a significant portion of these loans ended up being privately appropriated by Angolan leaders, damaging the country’s economy.

There is a clear Angolan problem with Chinese debt, which, as we have just briefly described, also exists in relation to other African countries.

Fig. 3 – Chinese loans to Africa and Angola (in USD$ billion)

Source: China Africa Research Initiative – Johns Hopkins University (https://www.sais-cari.org/) 

The creation of a common mechanism within the African Union (AU) to negotiate Chinese debt

Since the Chinese debt is an African issue, it should no longer be dealt with bilaterally, as it is clear that each state on its own may be too weak to negotiate with China, one of the world powers of today, or to appear alone in the organisations promoted by the creditors. The creditors unite, while the African countries face them individually without support.

It would be important for the Conference of the African Union, the AU’s supreme body made up of heads of state and government (Article 6 of the AU’s Constitutive Act), to set up a Joint Chinese Debt Negotiation Committee (Article 6(d)), mandated to negotiate with the Chinese authorities a global framework for readjusting Africa’s debt to China, which would then be applied to all those seeking debt relief.

It is clear that negotiating Africa’s debt with China is a complex process that involves interaction between different parties with different interests and objectives. In order to achieve success, it is essential to consider African unity in demanding Chinese co-operation. This unity means, from the outset, gathering information and obtaining as many elements as possible for the negotiation, which a joint body can facilitate. In complex negotiations, time and the ability to understand the other person are fundamental aspects, and in this sense, a unified African solution will allow for a much greater exchange of experiences and, at the same time, a more technical, less emotional and more ‘negotiatingly’ weighty follow-up to the negotiation.

It is essential that Africa draws up a joint policy to deal with Chinese debt on an equal footing and not from a position of weakness.

A clear solution is to pass all the negotiations through a united African body within the African Union, becoming an enlarged African Union-China negotiation. This would also make it possible to strengthen the unity of the cradle continent.


[1] https://www.reuters.com/world/africa/chinese-loans-africa-plummet-near-two-decade-low-study-2023-09-19/

[2] Africa Defence Forum Magazine: https://adf-magazine.com/pt-pt/2022/02/dividas-com-a-china-colocam-20-paises-africanos-em-dificuldades-financeiras/

[3] https://www.bbc.com/portuguese/articles/cmj544lg205o

[4] idem

[5] https://www.voanews.com/a/china-s-lending-to-africa-hits-a-low-study-shows/7280214.html

[6] idem

[7]  Visual Capitalist: https://www.visualcapitalist.com/countries-loans-from-china/

[8] South China Morning Post: https://www.scmp.com/news/china/diplomacy/article/3250552/china-africa-trade-hit-282-billion-2023-africas-trade-deficit-widens-commodity-prices-key-factor

[9] Visual Capitalist: https://www.visualcapitalist.com/countries-loans-from-china/

[10] Associated Press: https://apnews.com/article/zambia-debt-restructuring-deal-china-a0d14e7af986e2f873555685cedb86b3

[11] Afronomics Law: https://www.afronomicslaw.org/category/african-sovereign-debt-justice-network-afsdjn/one-hundred-and-fourth-sovereign-debt-news

[12] https://www.reuters.com/world/africa/china-says-its-official-bilateral-loans-are-less-than-5-ghana-debt-2023-03-02/

[13] Economist Intelligence: https://www.eiu.com/n/china-and-africas-long-road-to-debt-recovery/

[14] https://www.reuters.com/markets/rates-bonds/ghana-pushes-simple-debt-rework-proposal-bondholders-sources-2024-01-30/

[15] idem

[16] Observer Research Foundation: https://www.orfonline.org/research/the-changing-face-of-ethiopia

[17] idem

[18] Rui Verde, https://www.makaangola.org/2024/01/angola-eua-trump-e-divida-a-china/

A necessidade de um mecanismo conjunto da União Africana para a dívida africana à China

O enquadramento e problemas da dívida à China em África

África é um continente que é mencionado múltiplas vezes por causa das suas vastas riquezas naturais. Desafortunadamente, isso não se reflete na riqueza das populações africanas, que consequentemente sofrem variadas privações.

Neste contexto, a questão da dívida dos países africanos à China vai ganhando contornos algo preocupantes. Os empréstimos contraídos pelos países da África Subsariana à China conheceram um grande impulso, principalmente a partir do momento que foi estabelecida a Road and Belt Initiative (RBI), em 2013. Esta ambiciosa iniciativa chinesa, que teve como fundamental motivador, o Presidente Xi Jinping, apresentava como grande objetivo aumentar a influência económica e geopolítica do país. E se os empréstimos conheceram um grande crescimento em 2013 com 17.5 biliões de dólares, tendo mesmo atingido o auge em 2016 com 28.4 biliões de dólares, nos anos seguintes a queda nos valores dos empréstimos foi incessante, atingido os 1.2 biliões em 2021, e no ano seguinte totalizando apenas 994 milhões de dólares (um total de 9 empréstimos), destacando-se como o nível mais baixo de empréstimos chineses desde 2004.[1]

Fig.1 – Evolução anual dos Empréstimos Chineses para África (biliões dólares)

Fonte: Chinese Loans to Africa Database, Boston University

A canalização deste dinheiro chinês para o desenvolvimento de África, designadamente no financiamento de vários projetos de infraestruturas e outros empreendimentos, tem estimulado algum crescimento económico africano. Contudo, têm existido várias “nuvens cinzentas”, muitas delas bem visíveis na economia angolana, mas que também se destacam noutros países. Isso traduz-se num mal-estar muitas vezes indisfarçável nas relações sino-africanas. Alguns países, inclusive, tornaram-se eventualmente reféns da chamada “diplomacia da armadilha da dívida”. A China, ao desencadear a RBI, provocou a ideia de facilitismo de empréstimo a outros estados de economias em desenvolvimento, e de facto, isso acabou por tornar o país asiático no maior credor internacional. No entanto, inúmeras vezes esses empréstimos careceram de transparência: os casos de corrupção foram-se multiplicando, muitas vezes porque os financiamentos não passavam por processos de concurso público. O problema da denominada ‘dívida oculta’ surgiu quando “a China deixou de emprestar aos governos centrais e a empresas estatais ou apoiadas pelo Estado. Estas dívidas não aparecem nos balanços financeiros do governo, embora frequentemente os governos sejam responsáveis por elas caso o devedor oficial não seja capaz de pagar”.[2]

Podia-se pensar que esta situação poderia a prazo trazer benefícios para os chineses, uma vez que têm vários países “presos” a dívidas monstruosas. Contudo, não é bem assim, pois ao mesmo tempo, a China está a enfrentar problemas económicos domésticos muito graves, que enquanto não forem solucionados, será difícil conseguir promover ao mesmo tempo uma redução da dívida estrangeira.[3]

Com efeito, a lenta recuperação após a pandemia, o problema do desemprego jovem, e a falência do sector imobiliário, têm abanado o que parecia ser um crescimento inabalável da China. Assim, é como Christoph Nedopil, fundador e diretor do think tank chinês Green Finance and Development Center (GFDC), argumenta: “será um desafio interno para a China promover simultaneamente a redução das dívidas no exterior enquanto os problemas económicos domésticos não forem totalmente resolvidos”.[4]

Em Dezembro de 2022, a Chatham House publicou um relatório que analisava o desenvolvimento do modelo dos empréstimos chineses aos estados africanos (2000-2020), que numa fase inicial se fundamentavam em fornecimento de recursos, para evoluírem depois para escolhas mais estratégicas, ou orientadas para o negócio.

Fig 2: Os 10 principais beneficiários de empréstimos chineses em África, 2000-20

Fonte: Chatham House: https://www.chathamhouse.org/2022/12/response-debt-distress-africa-and-role-china/02-case-studies-chinese-lending-africa

Note-se, no entanto, que a partir de 2021 a orientação do país asiático alterou-se, por motivos já anteriormente mencionados, e também porque vários estados não estavam a cumprir com os pagamentos. A liderança chinesa, mudou de rumo e passou a deixar de investir em grandes projetos, como caminhos-de-ferro e autoestradas, para se concentrar em empréstimos mais pequenos, com um impacto social e ambiental mais benéfico. A agenda climática foi mais um fator a entrar na equação.[5]

Além disso, o dinheiro começou a mudar de direção; anteriormente a maioria dos empréstimos iam para os países da África Oriental e Austral. A partir de 2021-22 houve uma mudança para a África Ocidental, com países como o Senegal, Benim e a Costa do Marfim a receberem a maioria das verbas.[6]

Muitos dos estados africanos, e não só, entraram em incumprimento da dívida, por isso era imperativo que fossem trilhados caminhos para que se arranjassem soluções para resolver a já chamada ‘dívida odiosa’ da China.

Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), os países pobres mais endividados do mundo têm todos contraído grandes empréstimos junto da China. Esta situação, como já referimos, pode constituir a “diplomacia da armadilha da dívida”, em que a China concede deliberadamente empréstimos a países que sabe não poderem pagar, na esperança de ganhar influência política.[7]

O que tivemos no ano passado foi um crescimento das exportações chinesas para África, que atingiu os 173 biliões de dólares, um aumento de 7,5 % em relação a 2022, enquanto as suas importações do continente caíram 6,7 %, para 109 biliões de dólares (dados fornecidos pela Administração Geral das Alfândegas chinesa).

Embora o aumento anual de 100 milhões de dólares tenha feito do comércio bilateral de 2023 um recorde, o défice comercial de África com a China continuou a aumentar, passando de 46,9 biliões de dólares em 2022 para 64 biliões de dólares no ano passado.[8]

Em 2022, 60% das nações devedoras da China estavam em dificuldades financeiras, contra 5% em 2010.[9]

Como é que algumas destas nações africanas têm enfrentado este problema da dívida, e de que forma a China tem modificado o seu comportamento ao longo do tempo?

Analisemos alguns casos:

Zâmbia:

O Império do Meio tem sido duro nas negociações para a reestruturação da dívida, e a conjuntura, apesar de todas as condicionantes, só não é pior, porque ganham relevância outros atores, que não apenas os estados, tais como instituições económicas, como o FMI, ou o Banco Mundial, ou organizações que promovem a negociação internacional e o diálogo, como por exemplo, o G20.

No caso da Zâmbia, que é o maior produtor de cobre do continente, foi a primeira nação soberana de África no período da pandemia a entrar em incumprimento quando não conseguiu efetuar um pagamento de obrigações de 42,5 milhões de dólares. A dívida acabou por impedir o país de se desenvolver economicamente e de assumir novos projetos. Desse modo, em Junho de 2023, a Zâmbia e os seus credores nos quais se incluía a China, acabaram por chegar a um acordo no âmbito do Quadro Comum do G20, para reestruturar 6,3 biliões de dólares em empréstimos.[10] Este alívio limitou-se a prorrogações de prazos e a um período de carência no pagamento de juros, mas para se chegar a um consenso não houve cortes na dívida,

Todavia, em Novembro, já havia desentendimentos, uma vez que o governo zambiano anunciou que um acordo revisto para retrabalhar 3 biliões de dólares em euro-obrigações não poderia ser implementado devido a objeções dos credores oficiais, incluindo a China.

Estes problemas de reestruturação da dívida da Zâmbia, que tinha sido negociada no âmbito do Quadro Comum do G20, acabou por minar bastante as negociações e atrasar ainda mais a reestruturação da dívida, colocando cada vez mais em agonia a vida do cidadão comum da Zâmbia.[11]

Gana:

No início do ano passado, o Gana devia à China 1,7 biliões de dólares, de acordo com o Instituto Internacional de Finanças, uma associação comercial de serviços financeiros focada nos mercados emergentes.[12] Tal como a Zâmbia, o Gana entrou em incumprimento soberano de 60 biliões de dólares em dívida interna e externa no final de 2022 e procurou logo a seguir uma resolução para este problema, ao abrigo do Quadro Comum para a dívida externa oficial de 5,4 biliões de dólares.[13]

Um acordo com os credores oficiais para a reestruturação da dívida foi estabelecido, seguindo o mesmo figurino da Zâmbia. Contudo, apesar de este acordo ter permitido desbloquear um empréstimo do FMI, o progresso tem sido arrastado.

Atualmente, segundo algumas fontes, “o Gana pretende proceder a uma simples reestruturação da dívida, trocando obrigações antigas por novas notas, numa altura em que o país procura aliviar a dívida de cerca de 13 biliões de dólares a credores privados internacionais”.[14] Todavia, as informações veiculadas têm sido contraditórias, por isso o governo ganês, mostrou-se cauteloso  quanto a uma reformulação da dívida que incluísse uma redução gradual, em que os detentores de obrigações recebessem menos se os resultados macroeconómicos não fossem tão bons como esperado.[15]

Não obstante, o governo disse aos investidores que gostaria de chegar a uma solução, após o acordo sobre a dívida pública alcançado com credores, tais como o ‘Clube de Paris’ e a China.

Etiópia:

A Etiópia é o segundo país mais populoso de África e o décimo maior em termos de área, mas é também dos estados africanos que vive uma maior turbulência a nível geopolítico, militar e económico. A proximidade com o estado chinês já vem de trás. Há tempos a Etiópia fechou vários acordos bilaterais com vários dos seus credores oficiais, entre os quais a própria China. Com as reservas de divisas reduzidas, que têm sido um problema constante no país, e uma inflação elevada, chegou a acordos bilaterais de suspensão do serviço da dívida. Com a China obteve uma suspensão da dívida de dois anos., que rapidamente passam. A Etiópia tem 28,2 biliões de dólares em dívidas externas, metade das quais são chinesas. De acordo com o Banco Africano de Desenvolvimento, o PIB da Etiópia deverá crescer 5,8 % em 2023 e 6,2 % em 2024, principalmente com base na indústria, no consumo e no investimento. Por outro lado, a inflação atingiu os 34% em 2022. Devido às elevadas despesas com a defesa e à diminuição da cobrança de receitas, o défice orçamental foi de 4,2% do PIB em 2022.[16]Perante este cenário, a Etiópia precisa de apoio ao desenvolvimento, alívio da dívida e Investimento Direto Externo.[17]

A situação angolana

A situação da dívida angolana à China é mais antiga do que a iniciativa Belt and Road de 2013, começando a ser desenvolvida a partir do final da Guerra Civil em 2002, constituindo-se a China no principal financiador da reconstrução que se sucedeu. Neste momento, considerando os dados oficiais do Banco Nacional de Angola (BNA), o stock da dívida pública de Angola em relação à China é 18,4 mil milhões de dólares (biliões na designação anglo-americana), correspondendo a 37% da dívida total. Mais do que isso, os números mostram que entre 2019 e 2023 esse montante desceu de 22,4 mil milhões para 18,4 mil milhões. Tal significa que, em quatro anos, Angola pagou – só de capital, sem contar com juros – 4 mil milhões de dólares à China[18]. Tem sido notado por todos o peso que o pagamento da dívida pública tem no Orçamento Geral do Estado, notando-se sérios apertos nas Finanças Públicas angolanas em 2023, e antevendo-se que o mesmo aconteça em 2024, sobretudo a partir de Março, tendo em conta as necessidades de pagamentos à China.

Embora, não entendamos que o pagamento da dívida à China coloca em causa a solvabilidade do Estado angolano, entendemos que tem um efeito crowding out muito significativo, uma vez que retira recursos do Orçamento Geral do Estado que poderiam ser destinados ao desenvolvimento e ao sector social para pagamento de dívida, dívida que em certa parte é polémica, uma vez que houve uma utilização muito questionável dos empréstimos: Parte dessa dívida foi destinada a infraestruturas descartáveis, como estádios e estradas que hoje estão em condições precárias. Além disso, uma parcela significativa desses empréstimos acabou apropriada privadamente por dirigentes angolanos, prejudicando a economia do país.

Há um claro problema angolano com a dívida chinesa, que como acabámos de descrever sumariamente, também existe em relação a outros países africanos.

Fig. 3 – Empréstimos chineses a África e Angola (em USD$ biliões)

Fonte: China Africa Research Initiative – Johns Hopkins University (https://www.sais-cari.org/)

 A criação de um mecanismo comum na União Africana (UA) para negociar a dívida chinesa

Sendo a dívida chinesa uma questão africana, não deve continuar a ser encarada bilateralmente, tornando-se evidente que cada Estado, por si, pode ser demasiado fraco para negociar com a China, uma das potências mundiais da atualidade ou para surgir sozinho nas organizações que os credores promovem. Os credores unem-se, enquanto os países africanos os enfrentam sem apoio, individualmente.

Seria importante que a Conferência da União Africana, órgão supremo da UA composto pelos chefes de estado e de governo (art.º 6 do Acto Constitutivo da UA) criasse um Comité Conjunto de Negociação da Dívida Chinesa (art.º 6.º, d) de si dependente, mandatado para negociar com as autoridades chinesas um quadro global de reajustamento da dívida africana para com a China, que depois seria aplicado a todos os que pretendessem um aligeiramento da divida.

Torna-se evidente que a negociação da divida africana com a China é um processo complexo que envolve a interação entre as diferentes partes com interesses e objetivos distintos. Para alcançar o sucesso é fundamental considerar a unidade africana para exigir a cooperação chinesa. Essa unidade traduz-se, desde logo, em reunir informações e obter o máximo de elementos para a negociação, o que um órgão conjunto pode facilitar. Em negociações complexas, o tempo e a capacidade de entender o outro são aspetos fundamentais, e nesse sentido, uma solução una africana permitirá uma muito maior troca de experiências, e, simultaneamente, um acompanhamento mais técnico, menos emotivo e com mais peso negocial da negociação.

Torna-se fundamental que África delineie uma política conjunta para lidar com a dívida chinesa de igual para igual e não numa posição de fraqueza.

Uma solução clara é fazer passar todas as negociações por um corpo unido africano dentro da União Africana, tornando-se numa negociação alargada União Africana-China. Tal permitiria igualmente reforçar a unidade do continente berço.


[1] https://www.reuters.com/world/africa/chinese-loans-africa-plummet-near-two-decade-low-study-2023-09-19/

[2] Africa Defense Forum Magazine:  https://adf-magazine.com/pt-pt/2022/02/dividas-com-a-china-colocam-20-paises-africanos-em-dificuldades-financeiras/

[3] https://www.bbc.com/portuguese/articles/cmj544lg205o

[4] idem

[5] https://www.voanews.com/a/china-s-lending-to-africa-hits-a-low-study-shows/7280214.html

[6] idem

[7]  Visual Capitalist: https://www.visualcapitalist.com/countries-loans-from-china/

[8] South China Morning Post: https://www.scmp.com/news/china/diplomacy/article/3250552/china-africa-trade-hit-282-billion-2023-africas-trade-deficit-widens-commodity-prices-key-factor

[9] Visual Capitalist:  https://www.visualcapitalist.com/countries-loans-from-china/

[10] Associated Press: https://apnews.com/article/zambia-debt-restructuring-deal-china-a0d14e7af986e2f873555685cedb86b3

[11] Afronomics Law: https://www.afronomicslaw.org/category/african-sovereign-debt-justice-network-afsdjn/one-hundred-and-fourth-sovereign-debt-news

[12] https://www.reuters.com/world/africa/china-says-its-official-bilateral-loans-are-less-than-5-ghana-debt-2023-03-02/

[13] Economist Intelligence:  https://www.eiu.com/n/china-and-africas-long-road-to-debt-recovery/

[14] https://www.reuters.com/markets/rates-bonds/ghana-pushes-simple-debt-rework-proposal-bondholders-sources-2024-01-30/

[15] idem

[16] Observer Research Foundation: https://www.orfonline.org/research/the-changing-face-of-ethiopia

[17] idem

[18] Rui Verde, https://www.makaangola.org/2024/01/angola-eua-trump-e-divida-a-china/

The electoral system of Local Authorities in Angola and the inclusion of Traditional Power

Rui Verde

Previous note:

Having been invited and accepted to participate in the 1st Angolan Congress on Electoral Law, to be held on December 7 and 8, 2023, for technical reasons I was unable to present my paper online. Here is the text of the presentation.

Specificity of local elections

A local electoral system does not necessarily have to replicate the national system. Although in both cases we are dealing with the choice of representatives in democratic processes, the nature of the elections and bodies is somewhat different.

In many countries, the abstention rate in local elections is higher than in national elections[1] , and local governance is dedicated to issues that are often different from national issues. To a certain extent, although this is disputable, especially in politically polarized countries like Angola, it is understood that local politics will be essentially non-ideological. In the United States, for many years, academics argued that there was little difference between the policies of locally elected officials from the Democratic or Republican parties because most local political issues were technical and non-political. As Adrian wrote, “there is no Republican way to pave a street and no Democratic way to install a sewer.”[2] It should also be noted that the issue of representation of various minorities and interests is particularly acute at the local level.[3]

It is this structural differentiation that serves as the starting point for a short commentary on the current electoral system for local authorities in Angola, addressing two specific issues. Firstly, there will be a brief description of the current constitutional-legal model for local elections, and secondly, a brief reflection on the role of traditional power, given the undeniable demographic pressure in Angola.

Local power in the Constitution

The first place to look at local power in the Angolan legal system is the Constitution (CRA), which deals with the subject in Articles 213 et seq.

It states that the “organizational forms of Local Power include Local Authorities, the institutions of Traditional Power” (art. 213, no. 2) and that Local Authorities “have, among others and under the terms of the law, the following powersº 2) and that Local Authorities “have, among others and under the terms of the law, powers in the areas of education, health, energy, water, rural and urban equipment, heritage, culture and science, transport and communications, leisure and sports, housing, social action, civil protection, environment and basic sanitation, consumer protection, promotion of economic and social development, land use planning, municipal police, decentralized cooperation and twinning.” (art. 219), with various bodies such as an “Assembly with deliberative powers, a Collegiate Executive Body and a Mayor” (art. 220, no. 1).

In terms of the electoral system, the Constitution establishes that the “Assembly is made up of local representatives, elected by universal, equal, free, direct, secret and periodic suffrage of the electors in the area of the respective municipality, according to the proportional representation system.” (art. 220, no. 2), the “Collegiate Executive Body is made up of its President and Secretaries appointed by it, all accountable to the Municipal Assembly.” (article 220, no. 3) and the President of the Executive Body of the Municipality is the head of the list with the most votes for the Assembly (article 220, no. 4). Finally, Article 220(5) states that “candidacies for elections to local authority bodies may be presented by political parties, alone or in coalition, or by groups of voting citizens, under the terms of the law.”

Regarding the institutions of traditional power, the Constitution recognizes them in its articles 223 and following, referring to customary law for their designation, and to the law for their articulation with Local Authorities (article 225).

Consequently, according to the Constitution, there are two forms of local power, local authorities and traditional power, the relationship between which is not established in the fundamental law. In the case of local authorities, their method of election is defined from the outset, which is not the case, of course, with traditional power.

The electoral system of local authorities

In order to describe the electoral system envisaged for Local Authorities, in addition to the Constitution, the Organic Law on the Organization and Functioning of Local Authorities (Law no. 27/19 of 25 September) must be added, as well as the Organic Law on Local Elections (Law no. 3/20 of 27 January), which we will stick to in this description.

As mentioned, there are three bodies in municipalities: the assembly, the executive and the mayor. Looking at the municipality, the local authority par excellence (article 218 of the CRA), we see that only two of these bodies, the assembly and the mayor, are elected. The executive is appointed by the mayor. In fact, Article 29(2) of the Law on the Organization and Functioning of Local Authorities states that the Municipal Council (the executive) is made up of Secretaries appointed by the Mayor, although they are accountable to the Municipal Assembly. The removal of Secretaries is the responsibility of the Mayor (Article 31(1)(b)).

In municipalities, there are two elective bodies, and we’ll focus on them. These are the Municipal Assembly and the Mayor.

The members of the elective bodies are elected by universal, equal, direct, secret and periodic suffrage by the citizens residing in the local district (article 15 of the Municipal Elections Law – LEA). The most relevant article of the LEA is Article 40, which defines the single-list electoral model for the Assembly and the Mayor’s Office, replicating the national constitutional model that has raised so much controversy. In fact, under the terms of this regulation there will only be one list. Article 40 of the LEA states that candidacies for Mayor are presented in the context of the presentation of lists of candidates for members of the Local Authority Assembly (Article 40(1)), and that the candidate for Mayor is the one who appears first on the list of candidates for member of the Assembly (Article 41(2)). Accordingly, each ballot paper will bear the name of the competing party, coalition or group of citizens, the name of the candidate for mayor and the respective passport photo, the acronym and symbols of the candidacy (Article 17 of the LEA). The person on the list with the highest number of votes, even if not an absolute majority, will be elected Mayor, and will have the right to appoint the entire executive (article 21 of the LEA). The members of the Municipal Assembly are elected according to the proportional representation system, following the d’Hondt method for converting votes into mandates in accordance with the rules of article 29 of the LEA.

It should be noted that this electoral system, as well as the rules regarding the ballot paper, have already been upheld constitutionally by Ruling 111/2010 of the Constitutional Court when it considered the text that became known as the 2010 Constitution.

So we have a mixture of the one-round majority system that elects the mayor and the proportional system that determines the composition of the municipal assembly.

It will be argued in its defense that it simultaneously guarantees the efficiency of the government (one-round majority system) with broad democracy (proportional system for the constitution of the Assembly).

But it could also be said that it retains the “defect” of a not entirely direct election of the President, which many in the CRA criticize with reference to the election of the President of the Republic.

Also for those who like Portuguese comparatistics, it should be noted that it does not follow the Portuguese model in which the election of the Mayor is separate from the election of the Municipal Assembly, and a party can win the Presidency and lose the Assembly as is currently the case in Lisbon, in addition to the fact that the executive (Council) is formed according to the electoral results, depending on the presidential will only the distribution or not of portfolios[4] .

In this respect, the Portuguese model could be educational, as it would teach the various parties, which are usually polarized, to enter into local government agreements, which would be a basis for a good democratic spirit of dialogue and tolerance.

As an innovative reference, it should be mentioned that groups of voting citizens can, without any authorization, stand in municipal elections (art. 44 of the LEA) provided that they are at least 150 voting citizens in the respective constituency (art. 48, no. 1 of the LEA).

Traditional power and demographic expansion

It is a fact that Angola’s demography has undergone an explosion. “Between 1960 and 2020, Angola’s population grew 6.2 times, reaching more than 30 million inhabitants, a more significant increase than that seen in sub-Saharan African countries (5.1x) and than in other regions such as East Asia (2.3x) and Latin America (2.9x).”[5]

It is clear that this number of inhabitants is not in line with the current number of Angolan municipalities, 164. Just remember that Portugal, with 10 million inhabitants, has 308 municipalities.

While it is true that the current number of municipalities in Angola does not correspond to the real needs of the population, it is also true that the idea of increasing the number from 164 to 581 is absurdly impossible, both for financial reasons and for administrative and bureaucratic reasons.[6]

We therefore need to look for innovative, possible and constitutional responses. It is in this sense that the constitutional system is relevant, placing the institutions of traditional power under the heading of local power, which also includes local authorities. The same is true of the Organic Law on Local Power, Law 15/17 of August 8, which deals with Local Authorities and Institutions of Traditional Power.

The constitutional and legal system outlines a start on answering the question we posed above. To the systematics we have to add some considerations about the current paradigm of law. We can no longer think of law in terms of the positive rational frameworks of the 18th and 19th centuries, which apply a single menu to all the regulation of social life. Without delving into the subject here, we have to consider law as an open system[7] that allows for various material intersections and contributions and not just a closed, single and reductive positivism. It is in this context that it is important to allow the institutions of traditional power to take on the role of local authority where these do not exist and are necessary.

The reality is that there are two types of Local Authorities in force, those regulated by positive law and those derived from customary law and regulated by custom, accepting a plurality of regimes, legal and customary[8] , with a view to the effective implementation of decentralized local power close to the population, accepting the “presence of more than one normative order in a social field.” [9]

In essence, it is a question of realizing a systematic desire of the Constitution, which, by placing both formal Local Authorities and Local Power Institutions under the aegis of Local Power, is not making a mistake, as some claim, but is opening up avenues for the consideration of a true legal pluralism in Angola, which will act as a solution to problems linked to the efficiency of the state machine.


[1] Anzia SF. 2013. Timing and Turnout: How Off-Cycle Elections Favor Organized Groups. Chicago: Univ. Chicago Press or Hajnal ZL. 2009. America’s Uneven Democracy: Race, Turnout, and Representation in City Politics. Cambridge, UK: Cambridge Univ. Press.

[2] Adrian CR. 1952. Some general characteristics of nonpartisan elections. Am. Political Sci. Rev. 46: 766-786, p. 766.

[3] Abott, Carolyn, and Asya Magazinnik. “At-Large Elections and Minority Representation in Local Government.” American Journal of Political Science 64, no. 3 (2020): 717-33.

[4]  Law no. 75/2013, of September 12th

[5] Economic Studies Group (2023), Demographic transition in Angola: burden or bonus? MakaAngola, https://www.makaangola.org/2023/07/transicao-demografica-em-angola-onus-ou-bonus/

[6] Verde, Rui, (2022), The “(ir)rational” of the 581 municipalities, MakaAngola, https://www.makaangola.org/?s=munic%C3%ADpios

[7] Viehweg, T. Topik und Jurisprudenz, 1954; Perelman, Ch. Das Reich der Rhetorik; Rhetorik und Argumentation, 1980

[8] Cfr. Feijó, Carlos, A coexistência normativa entre o Estado e as Autoridades Tradicionais na Ordem

Angolan Plural Law, Coimbra, Almedina, 2012.

[9] Fernandes, T. 2009. Local power in Mozambique. Decentralization, legal pluralism and legitimacy. Porto, Edições Afrontamento, p. 40

O sistema eleitoral das Autarquias Locais em Angola e a inclusão do Poder Tradicional

Rui Verde

Nota prévia:

Tendo sido convidado e aceite participar no 1.º Congresso Angolano de Direito Eleitoral, realizado a 7 e 8 de Dezembro de 2023, por motivos técnicos não consegui apresentar a minha comunicação online. Fica aqui o texto da apresentação.

Especificidade da eleição local

Um sistema eleitoral local não tem necessariamente de replicar o sistema nacional. Apesar de em ambos os casos estarmos perante a escolha de representantes em processos democráticos, a natureza das eleições e dos órgãos é algo diferenciada.

Em muitos países, a taxa de abstenção nas eleições autárquicas é maior do que em eleições nacionais[1], além disso a governação local está dedicada a questões muitas vezes diferentes dos temas nacionais. Até certo ponto, embora isso seja disputável, sobretudo em países politicamente polarizados como Angola, entende-se que a política local será essencialmente não-ideológica. Nos Estados Unidos, durante muitos anos, os académicos argumentaram que havia pouca diferença entre as políticas dos responsáveis eleitos localmente pelos partidos Democrata ou Republicano porque a maioria das questões políticas locais eram técnicas e não políticas. Como escreveu Adrian, “não existe uma forma republicana de pavimentar uma rua e nenhuma forma democrática de instalar um esgoto.”[2] Há que referir, também, que a questão da representação das várias minorias e interesses se coloca com especial acuidade a nível local.[3]

É esta diferenciação estruturante que serve de ponto de partida para um curto comentário acerca do presente sistema eleitoral previsto para as Autarquias Locais em Angola, abordando dois temas em concreto. Em primeiro lugar, proceder-se-á a uma descrição sumária do actual modelo constitucional-legal de eleição autárquica, em segundo lugar, a uma breve reflexão sobre o papel do poder tradicional, atendendo à pressão demográfica indesmentível em Angola.

O poder local na Constituição

A sede primeira sobre o poder local no ordenamento jurídico angolano é a Constituição (CRA) que dispõe sobre o tema nos artigos 213.º e seguintes.

Aí se determina que as “ formas organizativas do Poder Local compreendem as Autarquias Locais, as instituições do Poder Tradicional” (art.º 213, n.º 2) e que as Autarquias Locais “ têm, de entre outras e nos termos da lei, atribuições nos domínios da educação, saúde, energias, águas, equipamento rural e urbano, património, cultura e ciência, transportes e comunicações, tempos livres e desportos, habitação, acção social, protecção civil, ambiente e saneamento básico, defesa do consumidor, promoção do desenvolvimento económico e social, ordenamento do território, polícia municipal, cooperação descentralizada e geminação.” (art.º 219.º), prevendo-se vários órgãos como uma “Assembleia dotada de poderes deliberativos, um Órgão Executivo Colegial e um Presidente da Autarquia” (art.º 220.º, n.º 1).

Em termos de sistema eleitoral, a Constituição estabelece que a “Assembleia é composta por representantes locais, eleitos por sufrágio universal, igual, livre, directo, secreto e periódico dos cidadãos eleitores na área da respectiva autarquia, segundo o sistema de representação proporcional.” (art.º 220,n.º 2), o “Órgão Executivo Colegial é constituído pelo seu Presidente e por Secretários por si nomeados, todos responsáveis perante a Assembleia da Autarquia.” (art.º 220, n.º 3) e o Presidente do Órgão Executivo da Autarquia é o cabeça da lista mais votada para a Assembleia. (art.º 220, n.º 4). Finalmente, no artigo 220, n.º 5 é definido que as “candidaturas para as eleições dos Órgãos das Autarquias podem ser apresentadas por partidos políticos, isoladamente ou em coligação, ou por grupos de cidadãos eleitores, nos termos da lei.”

Acerca das instituições do poder tradicional, a Constituição reconhece-as nos seus artigos 223.º e seguintes, remetendo para o direito consuetudinário a sua designação, e para a lei a sua articulação com as Autarquias Locais (art.º 225.º).

Consequentemente, existem, de acordo com a Constituição duas formas de Poder Local, as Autarquias Locais e o poder tradicional, cuja relação não é estabelecida na lei fundamental. Em relação às autarquias é desde logo definido o seu modo de eleição, o que não acontece, naturalmente, com o poder tradicional.

O sistema eleitoral das Autarquias Locais

Para a descrição do sistema eleitoral previsto para as Autarquias Locais, à Constituição, deve-se juntar a Lei Orgânica sobre a Organização e Funcionamento das Autarquias Locais (Lei n.º 27/19 de 25 de Setembro), bem como a Lei Orgânica sobre as Eleições Autárquicas (Lei n.º 3/20, de 27 de Janeiro), a que nos ateremos nesta descrição.

Como mencionado, temos a considerar três órgãos nas autarquias: a assembleia, o executivo e o presidente. Atentando, ao município, a autarquia por excelência (artigo 218.º da CRA), verificamos que destes órgãos apenas dois, a assembleia e o presidente são eleitos. O executivo é designado pelo presidente da câmara. Na verdade, dispõe o artigo 29, n.º 2 da Lei de Organização e Funcionamento das Autarquias, que a Câmara Municipal (o executivo) é composta por Secretários nomeados pelo Presidente da Câmara, embora responsáveis perante a Assembleia Municipal. A exoneração de Secretários compete ao Presidente da Câmara (artigo art.º 31, n.º 1, b).

Assim, nos municípios há dois órgãos electivos e é sobre eles que nos debruçaremos. Trata-se da Assembleia Municipal e do Presidente da Câmara.

Os membros dos órgãos electivos são eleitos por sufrágio universal, igual, directo, secreto e periódico pelos cidadãos residentes na circunscrição local (artigo 15.º da Lei das Eleições Autárquicas-LEA). O artigo mais relevante da LEA é o artigo 40.º que define o modelo electivo em lista única para a Assembleia e a Presidência da Câmara, replicando o modelo constitucional nacional que tanta polémica tem levantado. De facto, nos termos desse normativo haverá apenas uma lista. Estabelece o artigo 40.º da LEA que as candidaturas a Presidente da Câmara são apresentadas no quadro da apresentação das listas de candidatos a membros da Assembleia da Autarquia Local (art.º 40, n.º1), sendo que o candidato a Presidente da Câmara é aquele que surgirá em primeiro lugar na lista de candidatos a membro da Assembleia (art.º 41, nº 2). Nestes termos em cada Boletim de Voto será impresso o nome quer do Partido, Coligação ou Grupo de Cidadãos concorrentes, quer o nome do candidato a Presidente da Câmara e respectiva fotografia tipo-passe, a sigla e os símbolos da candidatura (artigo 17.º da LEA). Será eleito Presidente da Câmara aquele que estiver na lista que obtiver o maior número de votos, ainda que não a maioria absoluta, ficando com o direito a nomear todo o executivo (artigo 21.º da LEA). Os membros da Assembleia Municipal são eleitos segundo o sistema de representação proporcional, seguindo-se o método de Hondt para conversão dos votos em mandatos de acordo com as regras do artigo 29.º da LEA.

Refira-se que este sistema electivo, bem como as regras atinentes ao Boletim de Voto já foram sufragadas constitucionalmente pelo Acórdão n.º 111/2010 do Tribunal Constitucional quando apreciou o texto que ficou denominado como Constituição de 2010.

Temos assim um misto de sistema maioritário de uma volta que elege o Presidente da Câmara com o sistema proporcional que determina a composição da Assembleia Municipal.

Alegar-se-á em sua defesa que ao mesmo tempo garante a eficiência do governo (sistema maioritário de uma volta) com uma ampla democracia (sistema proporcional para a constituição da Assembleia).

Mas, também se poderá dizer que mantém o “defeito” de uma eleição não totalmente directa do Presidente, que muitos criticam na CRA com referência à eleição do Presidente da República.

Também para aqueles que gostam da comparatística portuguesa, se referirá que não segue o modelo português em que a eleição do Presidente da Câmara é separada da eleição da Assembleia Municipal, podendo um partido ganhar a Presidência e perder a Assembleia como acontece neste momento em Lisboa, além de qua o executivo (Vereação) é formado de acordo com os resultados eleitorais, dependendo da vontade presidencial apenas a distribuição ou não de pelouros[4].

Neste aspecto, o modelo português poderia ser pedagógico, pois ensinaria os diversos partidos, habitualmente polarizados, a entrar em acordos de governo local, o que constituiria uma base de bom espírito democrático de diálogo e tolerância.

Como referência inovadora, há que mencionar que grupos de cidadãos eleitores podem sem qualquer autorização apresentar-se às eleições autárquicas (art. 44.º da LEA) desde que sejam em número mínimo de 150 cidadãos eleitores na respectiva circunscrição (art.º 48, n.º 1 da LEA).

Poder tradicional e expansão demográfica

É um facto que a demografia angolana tem sofrido uma explosão. “Entre 1960 e 2020, a população de Angola cresceu 6,2 vezes, chegando a mais de 30 milhões de habitantes, um aumento mais expressivo do que o que se observou nos países da África Subsaariana (5,1x) e do que noutras regiões, como o Leste Asiático (2,3x) e a América Latina (2,9x).”[5]

É evidente que este número de habitantes não é consentâneo com o actual número de municípios angolanos, 164. Basta lembrar que Portugal, com 10 milhões de habitantes, conta com 308 municípios.

Se é um facto que o número actual de municípios em Angola não corresponde às necessidades reais da população, também é facto que a ideia de aumentar o número dos 164 para 581 é absurdamente impossível, quer por razões financeiras, quer por razões administrativas e burocráticas.[6]

Há assim que procurar respostas inovadoras, possíveis e constitucionais. É neste sentido, que tem relevo a sistemática constitucional ao colocar as instituições do poder tradicional no título referente ao poder local, onde também estão inseridas as autarquias locais. Aliás, o mesmo acontece com a Lei Orgânica do Poder Local, Lei n.º 15/17 de 8 de Agosto, que versa sobre as Autarquias Locais e as Instituições do Poder Tradicional.

A sistemática constitucional e legal esboça um início de resposta à questão que colocámos acima. À sistemática temos de adicionar algumas considerações acerca do actual paradigma do Direito. Não podemos pensar o Direito ainda nos termos dos quadros racionais positivos dos séculos XVIII e XIX que aplicam uma única ementa a toda a regulação da vida social. Não aprofundando o tema aqui, temos de considerar o Direito como um sistema aberto[7]que permita várias intersecções materiais e contributos e não apenas um positivismo fechado, único e redutor. É neste contexto, que é importante permitir que as instituições do poder tradicional assumam a função de autarquia local onde estas não existam e sejam necessárias.

A realidade imporá que existam dois tipos de Autarquias Locais vigentes, aquelas que serão reguladas pelo direito positivo e aquelas derivadas do direito consuetudinário e reguladas pelo costume, aceitando-se uma pluralidade de regimes, legal e costumeiro[8], com vista à efectiva implantação dum poder local descentralizado e próximo da população, aceitando-se a “presença de mais do que uma ordem normativa num campo social.”[9]

Trata-se no fundo de concretizar um desiderato sistemático da Constituição que ao colocar quer as Autarquias Locais formais, quer as Instituições do Poder Local na égide do Poder Local, não comete um erro, como afirmam alguns, mas abre pistas para a consideração dum verdadeiro pluralismo jurídico em Angola que funcionará como solucionador de problemas ligados à eficácia da máquina estatal.


[1] Anzia SF. 2013. Timing and Turnout: How Off-Cycle Elections Favor Organized Groups. Chicago: Univ. Chicago Press ou Hajnal ZL. 2009. America’s Uneven Democracy: Race, Turnout, and Representation in City Politics. Cambridge, UK: Cambridge Univ. Press.

[2] Adrian CR. 1952. Some general characteristics of nonpartisan elections. Am. Political Sci. Rev. 46: 766–786, p. 766.

[3] Abott, Carolyn, and Asya Magazinnik. “At-Large Elections and Minority Representation in Local Government.” American Journal of Political Science 64, no. 3 (2020): 717–33.

[4]  Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro

[5] Grupo de Estudos Económicos (2023), Transição demográfica em Angola: ónus ou bónus? MakaAngola, https://www.makaangola.org/2023/07/transicao-demografica-em-angola-onus-ou-bonus/

[6] Verde, Rui, (2022), O “(ir)racional” dos 581 municípios, MakaAngola, https://www.makaangola.org/?s=munic%C3%ADpios

[7] Viehweg, T. Topik und Jurisprudenz, 1954; Perelman, Ch. Das Reich der Rhetorik; Rhetorik und Argumentation, 1980

[8] Cfr. Feijó, Carlos, A coexistência normativa entre o Estado e as Autoridades Tradicionais na Ordem

Jurídica Plural Angolana, Coimbra, Almedina, 2012.

[9] Fernandes, T. 2009. O poder local em Moçambique. Descentralização, pluralismo jurídico e legitimação. Porto, Edições Afrontamento, p. 40